Jump to content

Televisão [Tópico Geral]


_zapping_

Recommended Posts

há 2 minutos, Forbidden disse:

Isto já é um pouco off-topic (e talvez fosse melhor mudar a conversa para outro tópico), mas não deixa de ser curioso que mesmo os media apoiando determinado político ou partido (por exemplo a Clinton no EUA ou o Lula no Brasil) isso já não tenha efeito nenhum... até há uns anos atrás a media tinha uma grande influencia na vida real (literalmente podiam elevar ou deitar abaixo alguém), hoje em dia nem por isso (o Trump foi demonizado por Hollywood inteira e foi eleito, o Bolsonaro é atacado por toda a classe artística e mesmo assim está no topo das sondagens). Será por apenas se focarem em metade da população e ignorarem a outra metade? Eu acho que as pessoas cada vez mais se afastam da tv/media, eu acho isso claro quando esta demoniza em peso determinada pessoa e mesmo assim esta vence eleições (prova que o público não quer saber do que os artistas acham ou o que o canal x ou y acha).

Já estás a misturar alhos com bogalhos, mas isso tem mais haver com o facto da televisão americana e ocidental estar cada vez mais esquerdista, e a população geral ainda se rege muito pelos valores conservadores da direita.

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 2.6k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Maciel

Como o ano está a acabar acho que podiamos fazer um balanço deste ano em que tanto mudou na TV portuguesa.  Vou lançar algumas categorias: PROGRAMAS (inclui novelas, talks, ...) - O sucesso do ano - O flop do ano - A surpresa do ano (algum programa que nem davamos muito mas surpreendeu) - A desilusão do ano (não sendo mau/flop, esperava-se mais) - O injustiçado do ano (programa bom que foi um nao teve os resultados pretendidos) - Já deu o que tinha a dar (

miguelalex23

PROGRAMAS  - O sucesso do ano: Casados à Primeira Vista Também podia ser a surpresa do ano, mas quis fazer referência a outro programa nessa categoria. Mesmo não sendo o programa de entretenimento mais visto, acho que é o programa do ano, tal como Pesadelo na Cozinha foi em 2017.  - O flop do ano: Alma e Coração É um "prémio" que podia ser partilhado com Valor da Vida. Sim, eu sei que VdV é líder de audiências e que AeC até nem tem estado muito longe, mas para mim o flop do ano é a

afonsogageiro

Como alguns sabem, chamo-me Afonso Gageiro, e possuo uma grande coleção de material gravado da TV. Algum já circula pela internet, mas a vasta maioria não (e o que circula é maioritariamente devido a trocas feitas com outros). For the record, nunca enviei nada para o LUSITANIATV (vi alguém a mencionar isso algures no fórum). Antes de mais, queria só clarificar uma coisa: eu nunca fui um dos privilegiados que possuía um gravador nos anos 70/80, até porque não era nascido na altura (bem longe

On 31/08/2018 at 19:52, joanna disse:

principalmente os que pus a negrito, porque é que isto é dirigido ao público masculino? porque é que isso não interessa às mulheres? isso é um bocado preconceituoso.

Por amor de deus a sério que agora tudo é preconceito? Não entendeste mesmo o que ele quis dizer? É que se for por aí também é preconceito dizer-se que o programa do Goucha ou o Passadeira é para mulheres quando há homens a assistir. Tratem-se (isto para aqueles que vêm preconceito em tudo)!

  • Like 2
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

On 31/08/2018 at 20:18, rodrigoo disse:

Por amor de deus a sério que agora tudo é preconceito? Não entendeste mesmo o que ele quis dizer? É que se for por aí também é preconceito dizer-se que o programa do Goucha ou o Passadeira é para mulheres quando há homens a assistir. Tratem-se (isto para aqueles que vêm preconceito em tudo)!

 

preconceito é maneira de dizer, óbvio que não é algo tipo racismo/homofobia/sexismo. preconceito no sentido de acharem que são direccionados para o público masculino sem grande razão para tal. enquanto há programas que são mais direccionados mais para um público do que para outro sim, alguns daqueles exemplos não me pareceram os melhores. mas tem os teus ataques para aí ao mesmo tempo que mandas tratar os outros..ok.

e pior que ver preconceito em tudo, que nem é o meu caso (mas ui que usei a palavra), é que lhe dá semelhante ataque só por ver a palavra escrita.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Agora mesmo, joanna disse:

preconceito é maneira de dizer, óbvio que não é algo tipo racismo/homofobia/sexismo. mas enquanto que há programas que são mais direccionados mais para um público do que para outro, aqueles exemplos não me pareceram os melhores. mas tem os teus ataques para aí ao mesmo tempo que mandas tratar os outros..ok.

Por acaso acho sim que são mais direccionados para o publico masculino, não que sejam feitos exclusivamente para homens, mas seriam a eles que interessariam esses programas ou melhor que esses programas mais facilmente obteriam publico.

É como canais como o Odisseia, Dyscovery, National Geographic, são para todo o publico, mas atraem mais o publico masculino e são mais vistos por este.

Assim como as novelas atraem mais as mulheres, apesar de haver homens a vê-las também, mas o grosso publico delas são as mulheres, já por isso são feitas na perspectiva destas e para agradar a estas, não é à toa que as personagens mais interessantes por norma são mulheres, seja a heroína seja a vilã, os homens são quase personagens de apoio na maioria dos casos.

  • Like 2
  • Thanks 2
Link to comment
Share on other sites

há 14 minutos, Duarte com D disse:

Por acaso acho sim que são mais direccionados para o publico masculino, não que sejam feitos exclusivamente para homens, mas seriam a eles que interessariam esses programas ou melhor que esses programas mais facilmente obteriam publico.

É como canais como o Odisseia, Dyscovery, National Geographic, são para todo o publico, mas atraem mais o publico masculino e são mais vistos por este.

Assim como as novelas atraem mais as mulheres, apesar de haver homens a vê-las também, mas o grosso publico delas são as mulheres, já por isso são feitas na perspectiva destas e para agradar a estas, não é à toa que as personagens mais interessantes por norma são mulheres, seja a heroína seja a vilã, os homens são quase personagens de apoio na maioria dos casos.

programas como top gear e o outro com comediantes maioritariamente do sexo masculino, sim são direccionados para os homens, mas os outros exemplos, até podem ser mais vistos por estes, mas a mim parecem-me programas neutros, sem se dirigirem a ninguém em específico. quanto ao resto, até concordo, principalmente em relação às novelas. não estou muito por dentro do que dá nos odisseias e afins, mas admito que possas ter razão.

Edited by joanna
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

1 hour ago, joanna said:

programas como top gear e o outro com comediantes maioritariamente do sexo masculino, sim são direccionados para os homens, mas os outros exemplos, até podem ser mais vistos por estes, mas a mim parecem-me programas neutros, sem se dirigirem a ninguém em específico. quanto ao resto, até concordo, principalmente em relação às novelas. não estou muito por dentro do que dá nos odisseias e afins, mas admito que possas ter razão.

joanna, obviamente o que eu quis dizer foi que os programas que mencionei apelam mais ao publico masculino do que a maioria dos formatos de entretenimento da TV portuguesa ;)

Não escrevi em algum sitio que os ditos programas eram somente dirigidos ao publico masculino ou só para homens.

Mas sem dúvida que irão ser mais apelativos para o público masculino do que horas de telenovelas ou entretenimento tipo "Dança com as Estrelas" ou "A Tua Cara Não Me É Estranha".

Edited by Cable Guy
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

15 hours ago, Duarte com D said:

Eu percebi o que ele quis dizer com apresentadores heterossexuais, apresentadores mais rústicos, com um humor mais acido e negro, não levem tudo para o preconceito.

E eu adoro o Goucha e a sua maneira de apresentar.

Quanto a televisão feita apenas para mulheres é a dura realidade, e pior é que o publico português não quer diferente, basta ir aqui no forum ao tópico sugestões SIC, para verem que quando eu ou o Harry sugerimos entretenimento para o HN. os comentários que se seguem. :rolleyes: Portanto a televisão é apenas focada para mulheres sim, mas é assim que toda a gente gosta, ou pensasse que é assim que toda a gente gosta, já que a televisão tem perdido cada vez mais relevância na vida das pessoas. ;)

A televisão portuguesa sempre esteve carente de apresentadores galãs. Mesmo a SIC nos seus melhores anos, onde lançou a maior parte dos apresentadore que temos hoje em dia, eram principalmente as mulheres apresentadoras que mais se destacavam (Catarinas, Júlias, Fátimas, Silvias e afins).

Um apresentador de quem eu tenho gostado muito de ver é o David Dias, que apresenta o Conversas ao Sul na RTP Àfrica. È um miúdo novo, giro com talento, com potencial pra chegar longe.

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

A SIC ou a TVI bem que podiam pegar nele.

Já agora

Spoiler

Eu e ele temos amigos em comum, que me garantem que ele é gay. :mosking:

 

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

há 2 horas, Harry Cameron disse:

A televisão portuguesa sempre esteve carente de apresentadores galãs. Mesmo a SIC nos seus melhores anos, onde lançou a maior parte dos apresentadore que temos hoje em dia, eram principalmente as mulheres apresentadoras que mais se destacavam (Catarinas, Júlias, Fátimas, Silvias e afins).

Um apresentador de quem eu tenho gostado muito de ver é o David Dias, que apresenta o Conversas ao Sul na RTP Àfrica. È um miúdo novo, giro com talento, com potencial pra chegar longe.

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

A SIC ou a TVI bem que podiam pegar nele.

Já agora

  Spoiler - mostrar conteúdo oculto

Eu e ele temos amigos em comum, que me garantem que ele é gay. :mosking:

 

Esse apresentador no ano passado foi aposta para as emissões da tarde das 7 Maravilhas, que este ano não aconteceram. Também já fez uma passagem de ano da RTP 1 com o Volta ao Mundo. Começou na RTP África, por lá há de ficar...

Link to comment
Share on other sites

On 31/08/2018 at 16:03, Forbidden disse:

Isto já é um pouco off-topic (e talvez fosse melhor mudar a conversa para outro tópico), mas não deixa de ser curioso que mesmo os media apoiando determinado político ou partido (por exemplo a Clinton no EUA ou o Lula no Brasil) isso já não tenha efeito nenhum... até há uns anos atrás a media tinha uma grande influencia na vida real (literalmente podiam elevar ou deitar abaixo alguém), hoje em dia nem por isso (o Trump foi demonizado por Hollywood inteira e foi eleito, o Bolsonaro é atacado por toda a classe artística e mesmo assim está no topo das sondagens). Será por apenas se focarem em metade da população e ignorarem a outra metade? Eu acho que as pessoas cada vez mais se afastam da tv/media, eu acho isso claro quando esta demoniza em peso determinada pessoa e mesmo assim esta vence eleições (prova que o público não quer saber do que os artistas acham ou o que o canal x ou y acha).

 

Não necessariamente. A realidade da TV americana, principalmente a nível das notícias, é completamente diferente da TV portuguesa. Os EUA representam o sensacionalismo informativo. Se olhares à direita, tens a FOX News, em que tens caras como Hannity que defendem continuamente o Trump, indepedentemente de toda a gente, mesmo pessoas à direita, achar que aquilo que ele disse ou fez ultrapassa certos limites. Aliás, quando certas caras do canal criticaram Trump ou até mesmo colegas como Hannity no passado, como foi o caso de, por exemplo, Shep Smith, são normalmente criticados pelos espectadores que assistem ao canal, acusados de serem liberais ou de não serem demasiado conservadores. No entanto, o mesmo se passa à esquerda. A CNN e, pior ainda, a MSNBC, são bastiões da esquerda e não perdem tempo em atacar Trump ou comentarem sobre assuntos que o envolvem de forma demasiado sensacionalista. Mesmo certos jornais, que apesar de serem menos sensacionalistas que a TV americana, têm sempre editoriais mais virados à esquerda (caso do New York Times, por exemplo) ou mais virados à direita (caso do Wall Street Journal, por exemplo). No entanto, a comunicação social, como é de esperar, é mais liberal e está mais virada à esquerda (falando assim a nível nacional, porque a nível local isso vai variando conforme o estado). 

Mas isto é política, é um mundo diferente dentro da generalidade da TV e que perdeu terreno porque há mais formas de ver notícias, mesmo que essas sejam bastante duvidosas, mas que também é preciso ver de acordo com a situação de cada país. Na França, por exemplo, Macron era o favorito dos media e venceu claramente as eleições. Hillary, no entanto, tinha uma bagagem enorme e cometeu erros crassos, para nem falar da personalidade extremamente robótica que tem. Bolsonaro tem como principal vantagem o facto de a situação política no Brasil estar tão má que já não importa mais quem é que escolhem. Já Portugal não sai muito afetado porque os próprios canais de TV em Portugal não perdem muito tempo a analisar política, visto que nem sequer há interesse para isso, nem mesmo nos canais informativos - que estão cada vez mais cheios de desporto. Já os canais informativos nos EUA perdem horas e dias em imensos programas de comentários de direita ou de esquerda, dependendo do canal.

Os generalistas aqui perderam a sua influência porque deixaram de querer saber e não vão alterar essa fórmula tão cedo, também porque sabem que em Portugal quem consome os canais generalistas durante grande parte do dia prefere canais a programas. Isso nota-se ainda mais nas tardes e é por isso que não há investimento, porque tens uma TVI que sabe que é líder com duas novelas repetidas mesmo que a dar durante 20 minutos cada uma, um intervalo de 15 minutos a separar e um mini-break de 2 minutos após um minuto de novela e porque a própria TVI sabe que as pessoas não irão pegar no comando e mudar de canal. Não é só o público masculino, é literalmente metade do público que se perdeu para o Cabo e Outros e que só volta para ver programas que realmente lhe despertem interesse como foi o caso do Pesadelo na Cozinha. A política será sempre uma 99ª prioridade neste país, atrás até dos casos de arbitragem do jogo de ontem ou das vacas bravas na CMTV, por isso nesse aspeto Portugal continuará imune ao que se passa noutros lados.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...
1 hour ago, Duarte com D said:

Não o problema da SIC é não perceber que o canal das novelas portuguesas é a TVI, (chorem mas é vrdade) a SIC conseguiu respirar muito devido ás borradas que a TVI foi fazendo, andar nas trocas e baldrocas de horários entre novelas, nunca nenhuma começava e acabava no mesmo horario, passavam todas pelos 3, a primazia que foi dando ao SS, permitindo o publico noveleiro fixar-se na SIC,  a TVI começou a não brincar com essas m*rdas e é lider incontestável no que toca à fição (exeção para Amor Maior VS AI mas AM logo perdeu a liderança com a estreia de OV).

Há grande base de publico para as novelas? Há, mas não para os dois canais em simultâneo estarem a lutar por esse mesmo publico, e a não ser que a TVI faça uma grande, grande borrada (Jp primeira fase ou AI) essa vitoria é dela.

A SIC devia fixar-se em tentar apanhar o publico que não gosta de novelas, e que cada vez é maior.

Mesmo! A SIC neste momento é o pior dos 3 canais generalistas por ter perdido a sua identidade.

A RTP e principalmente a TVI podem ter muitos defeitos mas tu olhas para o prime time de ambas e constatas que ainda estão lá os mesmos géneros de programas de há 10/15 anos que se tornaram a imagem de marca dos dois canais (programas de cultura geral e novelas), ao passo que a SIC, que um dia foi a rainha do entretenimento e do humor em Portugal hoje em dia não tem nem uma coisa nem outra... DESTRUIRAM este canal completamente! :S 

  • Like 2
  • Sad 1
Link to comment
Share on other sites

Eu acho é que o vosso problema é perceber que tanto a SIC como a TVI são duas empresas privadas que não têm que fazer serviço público nem caridade uma em detrimento da outra, que estão aqui para vender e ganhar dinheiro e estão-se as duas nas tintas para qual é o canal das novelas, das séries, dos filmes, etc, desde que consigam gerar o máximo de receitas/lucros. 

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/uploads/emoticons/ATV_offtopic.gif">.
Se eles se estão nas tintas para o público só se prejudicam, pois são eles que dependem do público e não o contrário. É por a SIC não ouvir o seu público que está na lama. A mim é-me igual. As pessoas hoje em dia são mais exigentes e não gostam de ser feitas de otarias.
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

3 minutes ago, AGUI said:

A identidade da SIC já são as novelas portuguesas também, produziu grandes marcos, tanto a nível nacional como internacional (da perpetiva interna). E não acho que seja por isso que tenha que não possa ser rainha do entretenimento e a TVI também tenha novelas. Acho que existe espaço para tudo e, se os resultados globais são maus, é por falta de qualidade e não por causa de formatos ou géneros em si. 

Desculpa mas não. Todos os canais têm/criaram o seu próprio ADN, e a identidade da SIC sempre foi o entretenimento, tal como as novelas portuguesas o são na TVI, esta sim detentora dos maiores marcos de sempre da ficção nacional quando se trata de novelas, quer se goste quer não.

A SIC, ao deixar o entretenimento para último plano acabou por rejeitar todo um público completamente avesso ás novelas da TVI e até mesmo á oferta da RTP, para no fim estar a definhar nos 15%/16% de share diários e com as suas duas principais novelas em prime time (e que ainda por cima são excelentes de acordo com as opiniões gerais) a floparem forte e feio, isto para não falar do day time e do horário nobre ao domingo que estão uma vergonha sem precedentes.

2 minutes ago, Maciel said:

Mais nada. Elas são generalistas. Têm de ter de tudo! Em 2018 nao fazia sentido algum a sic estar 100% da Globo (e eu sou dos maiores defensores da importancia da Globo na grelha da SIC).

Uma linha de ficção nacional novela faz todo o sentido. Assim como faria uma 2a se conseguissem manter 2 produções de qualidade, diferenciadas e com um número razoavel de episodios. Não sendo possível esse modelo, defendo que só devem ter uma novela de produção nacional em grelha e apostar noutros generos de ficção como séries/sitcom. 

 

Óbvio que não defendo uma SIC 100% Globo, se bem que ás vezes tenho dúvidas se não estaria melhor assim do que está agora. :rofl:

  • Love 1
Link to comment
Share on other sites

há 4 minutos, Harry Cameron disse:

Desculpa mas não. Todos os canais têm/criaram o seu próprio ADN, e a identidade da SIC sempre foi o entretenimento, tal como as novelas portuguesas o são na TVI, esta sim detentora dos maiores marcos de sempre da ficção nacional quando se trata de novelas, quer se goste quer não.

A SIC, ao deixar o entretenimento para último plano acabou por rejeitar todo um público completamente avesso ás novelas da TVI e até mesmo á oferta da RTP, para no fim estar a definhar nos 15%/16% de share diários e com as suas duas principais novelas em prime time (e que ainda por cima são excelentes de acordo com as opiniões gerais) a floparem forte e feio, isto para não falar do day time e do horário nobre ao domingo que estão uma vergonha sem precedentes.

Óbvio que não defendo uma SIC 100% Globo, se bem que ás vezes tenho dúvidas se não estaria melhor assim do que está agora. :rofl:

Por isso é que eu sempre defendi o fim da 2a faixa. Para os resultados miseraveis que faz uma brasileira da conta do recado, com um custo muito o inferior, sobrando orçamento para outras apostas.

Edited by Maciel
  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

há 14 minutos, AGUI disse:

O ADN da SIC sempre foram as novelas, muito mais do que qualquer entretenimento. E nem falo das portuguesas, mas sim das brasileiras, embora nesta década as novelas portuguesas sejam a sua maior identidade, ela criou este ADN e não é por ser relativamente recente que deixa de fazer parte dele. Existe espaço para tudo, a SIC pode muito bem ter novelas como produtos de não-ficção. O dia tem 24 horas, não precisam de ser ocupadas só com ficção e ou só com outro tipo de entretenimento, existe tempo de programação para tudo.

O problema não é o tempo ser suficiente para ter uma grelha diversificada mas sim a falta de orçamento para a construir. 

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...