Jump to content
João

Rádio

Recommended Posts

Jingles antigos da Antena Minho:

o indicativo antigo da Cadeia de Informação Norte e de intervalo, que saudades

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parece que voltou a Caderneta de Cromos, numa edição limitada "dia sim, dia não", sobre os anos 90. O problema é que a Caderneta de hoje (por "hoje" diga-se a nova série) pareceu-me forçada comparada com as edições mais antigas, e acho que em 2012 algumas edições eram meio forçadas a meu ver.

Hoje falou sobre o Tamagotchi, tema "repetente" pois já falou em 2011.

Entretanto achei um site que tem alguns arquivos dos programas da manhã das rádios (anos 2000 e 2010). Na página da Antena 3 há algumas das rúbricas do Markl que me arrependo de não ter ouvido na altura: http://soundlib.mediasmile.net/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Rádios da Media Capital crescem em toda a linha

Rádio Comercial é líder absoluta, Cidade FM lidera nas rádios jovens e a M80 é líder nas rádios mais adultas, além de ser a terceira mais ouvida

O Grupo Media Capital Rádios obteve a liderança com 27,9% de Audiência Acumulada de Véspera (AAV) e com 37,8% de Share de Audiência na quinta e última vaga do ano, traduzindo-se, respetivamente, num aumento de 1,6 pontos percentuais e 3.1 p.p. em relação à vaga anterior, um crescimento que também teve expressão no Reach Semanal com 51,4% e uma subida de 1,9 p.p. relativamente ao mesmo período.

Os resultados da 5.ª Vaga do Bareme de Rádio da Marktest confirmam também a liderança da Rádio Comercial, que mantém esta posição pela décima vaga consecutiva, e agora com a marca de 18,5% de AAV, tendo registado um crescimento de 11,4% relativamente ao período homólogo.

Em relação à Rádio Comercial, de sublinhar que a tendência registada desde o início de 2019 se manteve até ao fecho do ano com valores acima dos 18 pontos percentuais de Audiência Acumulada de Véspera.

A M80, líder entre as rádios mais adultas, mantém a posição da terceira rádio mais ouvida do país e regista nesta vaga a melhor audiência de sempre com 7,3% de AAV, um crescimento de 17,7% face à vaga anterior.

A Cidade FM é líder entre as rádios mais jovens (15/24), atingindo 4% de AAV, um crescimento de 37,9% em relação ao período homólogo, distanciando-a cada vez mais do segundo player, e conseguindo assim os melhores resultados, desde a 3ªVaga de 2013.

A Smooth FM registou a melhor audiência de sempre com 1,4% AAV, já a Vodafone FM registou uma AAV de 0,5%.

 https://tvi24.iol.pt/sociedade/31-12-2019/radios-da-media-capital-crescem-em-toda-a-linha?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=ed-tvi24

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bareme Rádio: Comercial cresce e reforça liderança

spacer.png

Após duas vagas em que Comercial e RFM estiveram separadas por apenas uma décima, a estação do grupo Media Capital Rádios descolou na liderança do segmento de rádio em Portugal, alcançando na quinta vaga do Bareme Rádio sete décimas de vantagem sobre a estação do grupo Renascença. Com uma Audiência Acumulada de Véspera (AAV) de 18,5%, a Comercial mantém o estatuto de rádio mais ouvida do país, reforçando a posição ao subir quatro décimas face aos 18,1% da vaga anterior e recuperando os valores da terceira vaga, enquanto a RFM desce ligeiramente, dos 18% para os 17,8%.

Apesar de uma evolução em sentidos opostos nesta última vaga do ano, os valores obtidos pelas duas estações representam um crescimento significativo face às audiências registadas na vaga homóloga em 2018. Altura em que a Comercial era igualmente líder com uma décima de vantagem, com uma AAV de 16,6% contra os 16,5% da RFM. Valores que traduzem, comparativamente à vaga homóloga, uma subida de 1,9 pontos percentuais no caso da estação do grupo MCR e de 1,3 pontos percentuais no que diz respeito à estação do grupo Renascença Multimédia.

A par da liderança em AAV, a Comercial recupera nesta última vaga do Bareme em 2019 a primeira posição em reach semanal, com 37,5% contra 37,2% da RFM, que liderava neste indicador na vaga anterior. A estação do grupo Renascença Multimédia mantém, ainda assim, o primeiro lugar quando o indicador de comparação é o share de audiência, com 24,4% contra os 23,9% da estação da MCR.

A M80 reforça a sua posição como terceira rádio mais ouvida do país ao regressar a valores acima da fasquia dos 7%, o que não acontecia desde a segunda vaga deste ano. A estação cresce 1,1 pontos percentuais, ao subir dos 6,2% de AAV registados na vaga anterior para os 7,3% nesta quinta vaga do Bareme Rádio da Marktest, valor que representa ainda um crescimento de 0,9 pontos percentuais comparativamente à vaga homóloga em 2018 (6,4%). A Renascença mantém-se na quarta posição ao registar uma AAV de 6%, valor que representa uma subida de duas décimas face à vaga anterior e um crescimento significativo (+1,2 pontos percentuais) em comparação com os 4,8% que a estação registava na vaga homóloga em 2018. O top 5 das rádios mais ouvidas no país fica completo com a Antena 1, que desce dos 4,9% para os 4,6% entre as duas vagas, subindo 0,2pp relativamente à vaga homóloga.

No sexto lugar surge agora a Cidade FM, que ultrapassa a concorrente directa Mega Hits ao subir dos 3,7% da vaga anterior para os 4% nesta última vaga de 2019, valor que representa uma subida de 1,1 pp relativamente aos 2.9% que a estação do grupo MCR registava na vaga homóloga em 2018. Já a estação do grupo Renascença, que ocupava na vaga anterior o sexto lugar com uma AAV de 3,8%, desce agora para os 3,3%. Apesar da quebra de cinco décimas, a estação cresce face à vaga homóloga no ano anterior, altura em que registava uma AAV de 3,1%.

Ainda assim, caiu duas posições já que é ultrapassada também pela TSF. A estação detida pelo Global Media Group cresce três décimas entre as duas vagas, passando dos 3,2% para os 3,5% (+0,6pp face à vaga homóloga em 2018) e ocupa agora a sétima posição. No nono lugar mantém-se a Antena 3, apesar de descer dos 2,3% para os 2,1% (+0,5pp em comparação com a vaga homóloga). Seguem-se a Smooth FM, com 1,4% (+0,4pp face à vaga anterior e +0,5pp na comparação homóloga) e a Vodafone FM, com 0,5% (+0,1pp em comparação quer com a vaga anterior quer com a última vaga de 2018).

Analisando os resultados de audiência por grupos, a Media Capital Rádios recupera a liderança perdida na vaga anterior, com uma AAV de 27,9%, valor que traduz um crescimento de 1,6 pontos percentuais entre as duas vagas e de 3,3 pontos percentuais em comparação com os 24,6% que registava há um ano. O grupo Renascença Multimédia, que na última vaga se situava nos 26,3%, cresce, ainda assim, para os 26,6%, o que representa uma subida de 1,4 pontos percentuais face à vaga homóloga. Com 7%, a RTP desce duas décimas face à vaga anterior e sobe 0,9 pp relativamente a vaga homóloga em 2018.

Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2019/12/bareme-radio-comercial-cresce-reforca-lideranca/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Serviço em português da Radio France Internationale alvo de cortes

rfi-300x300.png

A redacção em português da Radio France Internationale (RFI), que emite para países africanos de expressão portuguesa, vai sofrer cortes, avançou a Lusa.

O consórcio público que detém a rádio, a France Medias Monde, anunciou no início da semana a intenção de cortar pelo menos 30 jornalistas nas redacções da RFI em árabe, português e inglês, através de um plano de despedimentos voluntários.

“O plano de despedimentos voluntários ao qual a empresa não pode fugir tendo em conta a sua estrutura orçamental, e que será ainda negociado com os representantes do pessoal, vai ter impacto em 30 jornalistas e não haverá qualquer despedimento compulsório”, garantiu fonte oficial da France Medias Monde à Lusa. “O projecto prevê a supressão de cerca de 20 postos de trabalho de jornalistas em árabe, sete ou oito em inglês e dois ou três jornalistas em português”, referiu a mesma fonte.

A France Medias Monde agrega a RFI, a estação de televisão France 24, também difundida em várias línguas, e a rádio Monte Carlo Doualiya, em árabe, para o Médio Oriente e o Norte de África.

Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2019/12/servico-portugues-da-radio-france-internationale-alvo-cortes/

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Vodafone tem a RFI em português

Spoiler

do Brasil.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

“Motivos de sustentabilidade económica” ditam encerramento da Rádio Sim

radio-sim-300x225.jpg

A Renascença Multimédia prepara-se para descontinuar a emissão da Rádio Sim, estação do grupo dirigida ao target sénior, justificando a decisão com “motivos de sustentabilidade económica”. A estação, no ar desde 2008, detinha actualmente 10 frequências no espectro FM com emissão a nível nacional. “Apesar de todos os esforços desenvolvidos, a sustentabilidade económica do projecto nunca foi atingida durante estes 11 anos actividade”, refere o grupo em comunicado emitido esta sexta-feira ao início da tarde, acrescentando que “a Rádio Sim foi a primeira experiência de um projecto de rádio completamente estruturado a pensar no público sénior mas, infelizmente, sem alcançar a indispensável viabilidade económica”.

“Neste enquadramento, percebeu-se ser necessário descontinuar a Rádio Sim, estando agora a ser encaradas outras alternativas para este público”, esclarece o grupo que detém ainda as estações RFM, Renascença e Mega Hits, garantindo que estão “a ser pensadas soluções para continuar a acompanhar o respectivo público-alvo”. O encerramento da Rádio Sim, adianta o grupo, “será um processo gradual que acontecerá ao longo dos próximos meses”.

De acordo com os dados mais recentes do Bareme Rádio, a Rádio Sim registava no final de 2019 uma Audiência Acumulada de Véspera (AAV) de 0,8%, ocupando a 11ª posição, resultado que compara com os 1,1% registados na vaga homóloga em 2018. Entre as estações do grupo Renascença Multimédia, era aquela que apresentava menor volume de audiência. A RFM é a segunda estação mais ouvida do país com uma AAV de 17,8%, enquanto a Renascença ocupa o quarto lugar com uma AAV de 6% e a Mega Hits, com 3,3%, situava-se, na última vaga do Bareme Rádio em 2019, no oitavo lugar.

Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2020/01/motivos-sustentabilidade-economica-ditam-encerramento-da-radio-sim/

  • Shock 1
  • Sad 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Arcebispo de Braga surpreso pelo encerramento da Rádio Sim:

https://www.diariodominho.pt/2020/01/05/arcebispo-de-braga-apreensivo-e-surpreendido-com-encerramento-da-radio-sim/

Por agora vão continuar com a música e as celebrações religiosas. Não sei se vão manter os simultâneos com os noticiários e a Bola Branca da Renascença.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Arcebispo de Braga manifesta “apreensão e surpresa” pelo encerramento da Rádio Sim e equaciona rádio de inspiração cristã

d-jorge-ortiga-300x199.png

O arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, recebeu com “apreensão e surpresa a decisão, por parte da gerência da Rádio Renascença”, de suspender as emissões da Rádio Sim. A Arquidiocese de Braga, que é proprietária do grupo Diário do Minho, que detém o jornal diário, a revista Minha e uma gráfica, poderá agora avançar com uma rádio própria de inspiração cristã.

Em comunicado, D. Jorge Ortiga considera que a “Rádio Sim era uma presença da Igreja na comunicação social com grande acolhimento por parte dos cristãos. Num tempo em que cresce o número de idosos em Portugal, a Igreja deveria ser-lhes próxima, produzindo conteúdos que lhes proporcionassem companhia e os ajudassem, muito concretamente, a viver, aprofundar e a celebrar a fé. Bem como a serem informados sobre a actualidade da Igreja”.

O mesmo responsável relembra que, para o projecto da rádio Sim, a arquidiocese “disponibilizou gratuitamente, para o efeito, espaços e motivou as pessoas para uma generosidade em prol de um projecto de abrangência nacional”. Aliás, D. Jorge Ortiga refere que, por apoiar o projecto da Renascença, “foi renunciando a diversas iniciativas de índole local”.

O arcebispo de Braga faz agora saber que a arquidiocese “repensará a sua presença na rádio — sem perder muito tempo — e garantirá aos cristãos mais simples e humildes a escuta da voz da Igreja”.

A Renascença Multimédia anunciou esta sexta-feira que se preparava para descontinuar a emissão da Rádio Sim, justificando a decisão com “motivos de sustentabilidade económica”. A estação, no ar desde 2008, detinha 10 frequências no espectro FM com emissão a nível nacional.

Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2020/01/arcebispo-braga-manifesta-apreensao-surpresa-pelo-encerramento-da-radio-sim-equaciona-radio-inspiracao-crista/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Muitas rádios (locais) estão com problemas, infelizmente.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 7 horas, TekClub disse:

Arcebispo de Braga manifesta “apreensão e surpresa” pelo encerramento da Rádio Sim e equaciona rádio de inspiração cristã

Em comunicado, D. Jorge Ortiga considera que a “Rádio Sim era uma presença da Igreja na comunicação social com grande acolhimento por parte dos cristãos. Num tempo em que cresce o número de idosos em Portugal, a Igreja deveria ser-lhes próxima, produzindo conteúdos que lhes proporcionassem companhia e os ajudassem, muito concretamente, a viver, aprofundar e a celebrar a fé. Bem como a serem informados sobre a actualidade da Igreja”.

O mesmo responsável relembra que, para o projecto da rádio Sim, a arquidiocese “disponibilizou gratuitamente, para o efeito, espaços e motivou as pessoas para uma generosidade em prol de um projecto de abrangência nacional”. Aliás, D. Jorge Ortiga refere que, por apoiar o projecto da Renascença, “foi renunciando a diversas iniciativas de índole local”.

Keep dreaming. O que falha em Portugal são rádios e televisões de inspiração dita "cristã" - sobretudo católicas. Estas rádios e televisões - com a notável excepção da Rádio e TV Canção Nova (há uma rádio deles em Fátima) estão destinadas a falhar. A Canção Nova sobrevive porque é uma sucursal de uma rádio e televisão católica de um país com mais recursos para tal índole que é o Brasil, para nós, fora a Canção Nova só as seitas resultam.

Quanto ao fecho da Rádio Sim, no Fórum da Rádio (que tenho andado a visitar bastante nos últimos dias), alguém no Facebook andou a espalhar rumores sobre o seu fecho. Na sexta, momentos antes de divulgarem o comunicado no site, comunicaram aos trabalhadores. Depois, às 10:05 de sábado (segundo o link em baixo), a rádio entrou em modo de "suporte de vida" (que é como quem diz, piloto automático):

https://memoriasdaradio.com/?attachment_id=275

A playlist só pára quando há noticiários regionais (aparentemente a serem gravados, só não sei em que frequências) e simultâneos com a Renascença sempre que der o terço ou o noticiário.

Alguns vídeos da Rádio Sim:

Excertos da rádio em 2010. No fim há o início do programa Alvo. Infelizmente não é o mesmo da fase da "Renascença regional":

https://www.youtube.com/watch?v=ka5ZzHoL5nE

2016:

https://www.youtube.com/watch?v=DcvV4M5nEGQ

5 de Janeiro de 2020. Ainda usam o sinal horário antigo da Renascença (também usado pela RFM) e o indicativo de publicidade deles de 2006. Preparem-se, malta, pois haverá o dia em que vamos ouvir este clássico sinal horário pela última vez.

https://www.youtube.com/watch?v=zXwT72ggsbg

E com muita pena pelo meu avô falecido que, na sua fase mais crítica, ouvia o Alvo na cama. não resisti em "repostar" isto. Infelizmente não achei o original, portanto eu decidi reconstituir o jingle de memória.

https://www.youtube.com/watch?v=_CxXTJAtbHE

Mais alguém se lembra deste jingle? Parece que a emissão regional daqui ficou com a dita até surgir a Rádio Sim. Tempos bem "desactualizados" que se viviam :D

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parece que o Diário do Minho continua a dar as grelhas normais da Rádio Sim como se nada tivesse acontecido.

Porque é que não dão as frequências da Sim em Braga para o DM/a Arquidiocese? Ou será que a Renascença tem um plano secreto pela frente? Só o tempo dirá.

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hour ago, ATVTQsV said:

Parece que o Diário do Minho continua a dar as grelhas normais da Rádio Sim como se nada tivesse acontecido.

Porque é que não dão as frequências da Sim em Braga para o DM/a Arquidiocese? Ou será que a Renascença tem um plano secreto pela frente? Só o tempo dirá.

Segundo a notícia o fim vai ser gradual por isso parte da grelha, pelo menos, deve-se manter durante algum tempo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 11 minutos, zent disse:

Segundo a notícia o fim vai ser gradual por isso parte da grelha, pelo menos, deve-se manter durante algum tempo.

Já não há grelha, apenas os noticiários em simultâneo com a RR e as missas.
No resto do tempo é um computador a debitar música sem parar...

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 9 minutos, zent disse:

Segundo a notícia o fim vai ser gradual por isso parte da grelha, pelo menos, deve-se manter durante algum tempo.

Segundo o que vi no Fórum da Rádio (se calhar vou tentar entrar lá), a grelha passou a ser automática (tirando o que o canal5 disse em cima), a não ser que Braga tenha a sua grelha local.

Estive a ver pérolas (com o seu quê de "certo") e decidi comentar aqui:

"Mas, na minha óptica, o que é uma brutal contradição é o facto da RFM, em tempos, «o outro canal da Renascença», passar canções como o «Faz Gostoso» da Blaya ou a «Mafiosa» da Caroliina e, espaçadamente, ter pequenos trechos sonoros com reflexões cristãs ou recitações dos salmos (como já desisti de ouvir a estação há muito, nem sei se ainda passam)." (O Bigode do Sala)

Não sei se vou ir aderir ou não, mas deixa-me responder (indirectamente) a ele: ainda passam, pelo menos em certos horários como as 12:30 e as 15:30. E algumas nem sequer chegam a ter a ver com temas directamente relacionados com a Bíblia, aliás, a dicção do tipo (que deverá ter uma idade maior do que o banal ouvinte da RFM) é bem mais digna de Renascença. Cria uma espécie de "ilha de paz" que dura uns 40 segundos, tudo bem, até que - silêncio - um separador (que parece ter vindo de um dos pacotes anteriores) entra em cena e começa o tipo a falar (houve uma frase que veio destas reflexões, "(já agora) vale a pena pensar nisto"). Parece que ainda há uma salvação. Depois de todas as guerras, as pessoas a passarem fome nas ruas, mulheres e crianças a serem exploradas pelo mundo, ainda existe uma salvação, a paz.

Até o separador regressar e o "business as usual" voltar.

Eis um exemplo. Só não tem o separador, que tem sido usado nos anos 2010. Ainda houveram mais dois que o antecederam (tenho memórias do mais antigo, que mudou a meados dos anos 2000):

Até existe um livro de reflexões da RFM, saiu em 2014. Creio que o seu equivalente para televisão seja o Encontro, que deu na TVI até 1998 - sendo que ao fim de algum tempo era emitido exclusivamente antes da emissão acabar (e também abrir).

E pelo que entendi, o AG disse que a Renascença passa por uma crise de identidade:

"Desde a saída de António Sala da direcção de programas da RR que tem sido sempre a descer para a estação (pouco, como se viu agora) católica. 

A RR actual é completamente pífia e boçal. Quando a «estrela maior» da estação é a Joana Marques está tudo dito.

Quanto à RFM e Mega Hits são puro lixo sonoro."

E chegámos ao ponto do golpe. A Rádio Renascença Multimédia anunciou o despedimento de três dos seus profissionais (incluindo um tal "Carlos Lopes") e um capítulo traumatizante da história da rádio aqui em Braga vai fechar, ao fim de 35 anos - a delegação em Braga da Renascença vai ser encerrada, sendo que as duas pessoas que lá trabalhavam (creio que a Renascença desinteressou-se pelas emissões regionais durante a vida da Rádio Sim) vão mudar para a delegação geral do Norte: https://www.cmjornal.pt/tv-media/detalhe/cortes-na-renascenca-dividem-igreja?ref=TvMedia_DestaquesPrincipais

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Programa de rádio BBC World Questions terá edição gravada em Portugal

bbc-300x169.jpg

O BBC World Questions, programa de debate da estação pública britânica que permite ao público questionar directamente políticos e líderes de opinião, vai ter uma edição gravada em Portugal. “Levamos o nosso principal programa de debates para países de todo o globo para ouvir o que o mundo está a dizer e estamos agora, em Lisboa, para descobrir as questões importantes relativas a Portugal e também o que Portugal e os portugueses pensam sobre os acontecimentos na Europa e no mundo”, aponta Stephen Titherington, editor sénior da BBC World Service English.

O debate, que terá lugar no Centro Cultural de Belém no próximo dia 14 de Janeiro, com o apoio e organização do British Council, é totalmente conduzido pelas questões levantadas pela audiência. Pedro Siza Vieira, ministro de Estado da Economia e da Transição Digital, Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, António Costa Pinto, professor do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, e Catarina Carvalho, jornalista e editora executiva do Diário de Notícias, são os participantes na edição portuguesa do programa, com moderação a cargo de Manuela Saragosa, jornalista da BBC que, há duas décadas, apresenta o programa Business Daily.

O programa gravado em Lisboa será transmitido a nível global através do BBC World Service English no próximo dia 18 de Janeiro, entre as 19h e as 20h e no dia 19, entre as 12h e as 13h.

Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2020/01/programa-radio-bbc-world-questions-tera-edicao-gravada-portugal/

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O Diário do Minho anda com a grelha desorientada da Rádio Sim, pois pelo que vi, na fase em que é uma tal de "cassete FM" [N.R.] meteram permanentemente uma grelha de domingo (como se todos os dias fosse domingo). Mais valia era porem um aviso relacionado com o fecho da rádio.

Pelo que percebo está a ser uma situação parecida ao fecho do Rádio Clube Português, onde a rádio anunciou o seu fim "regular" mas permaneceu em versão extremamente reduzida até ao nascimento da Star FM (que salvo erro emitia em onda média também). No entanto, a Rádio Sim anda desgovernada que nem o DM, pois eles metem separadores alusivos à madrugada de dia. Num anúncio a uma campanha solidária do Lidl aparecem os logos das rádios da Renascença Multimédia mas não a Rádio Sim, o que implica que ainda em Fevereiro terá a sua emissão terminada definitivamente.

[N.R.] O termo "cassete FM" tem cerca de quinze anos e tem a ver com antepassados do Fórum da Rádio. As principais vítimas eram rádios com dimensão limitada (sobretudo) a Lisboa e ao Porto, como a Mix FM ou a Best Rock FM nos seus últimos anos (meses até).

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um dos comentadores da Golo FM é um membro do Fórum da Rádio, o Nelson Soares.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pergunta: como é que a Rádio Comercial apoie um evento como a Taça de Portugal, considerando que:

  1. a rádio não passa desporto há pouco mais de 20 anos;
  2. desde que o Rádio Clube Português encerrou em 2010 a MCR nem sequer tem rádios para passar futebol?

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 1 hora, ATVTQsV disse:

Pergunta: como é que a Rádio Comercial apoie um evento como a Taça de Portugal, considerando que:

  1. a rádio não passa desporto há pouco mais de 20 anos;
  2. desde que o Rádio Clube Português encerrou em 2010 a MCR nem sequer tem rádios para passar futebol?

Resposta: €€€€€€€€. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...