Jump to content

TekClub

Membros
  • Content Count

    2,145
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

3,305 Artista do Somos Portugal

2 Followers

About TekClub

  • Rank
    Comento crimes na CMTV
  • Birthday April 5

Informações de Perfil

  • Género
    Homem

Recent Profile Visitors

2,843 profile views
  1. https://pplware.sapo.pt/informacao/covid-19-processo-de-migracao-da-rede-tdt-suspenso/ Se não podem andar no terreno para mudar a frequência também não podiam andar la para adicionar novos canais...
  2. o problema disso e que tinham que ir aos emissores todos la adicionar o canal, já foi cancelada a mudança de frequência não iam agora adicionar canais se fosse assim ate adicionavam os da telescola, a única solução e mesmo a ARTV...
  3. Petição pede “cancelamento imediato” do TV Fest O TV Fest, festival de música em formato televisivo criado pelo Ministério da Cultura em parceria com a RTP com o objectivo de apoiar a música portuguesa com um milhão de euros, é apontado como uma “medida antidemocrática e não inclusiva”. A iniciativa, que arranca esta quinta-feira no canal 444 e na plataforma digital da estação pública RTP Play, está a gerar indignação na comunidade artística e deu já origem a uma petição, assinada por mais de 14 mil pessoas até ao momento, onde se pede “o cancelamento imediato” do TV Fest e se apela “à criação de mecanismos de apoio que não dividam, excluam, eliminem, e que contemplem todos os potenciais interessados e necessitados”. “A realização do TV Fest, no presente estado de emergência, constitui uma ameaça ao ecossistema cultural português que elimina curadores, directores artísticos, músicos, técnicos e os demais, operando através de um jogo em corrente exclusivo, e de círculo fechado, aos seus participantes artísticos, que desclassifica a participação, representatividade e diversidade de um sector, constituindo uma medida antidemocrática e não inclusiva”, pode ler-se no texto da petição, onde se acusa a iniciativa de anular “o trabalho invisível de mediação, pensamento e criação de experiência entre públicos e artistas, retirando-lhes a possibilidade de efectuar o seu trabalho e elegendo beneficiários activos, o que exponencia clivagens e divisões, numa classe social já de si marcada pela precariedade, desigualdade e instabilidade económica, e exclui centenas de profissionais em todo o país”. Ricardo Ribeiro, Fernando Tordo, Mariza Liz e Rita Guerra foram anunciados como os primeiros quatro artistas a actuar, escolhidos pelo apresentador da RTP Júlio Isidro. “O objectivo é criar uma corrente entre os músicos, entre os artistas. Portanto, a Rita Guerra escolhe o próximo, o próximo escolhe o próximo, vamos criar uma cadeia entre os próprios artistas para fazer este festival na TV”, explicou Graça Fonseca, ministra da Cultura. “Este apoio governamental estende-se não só aos músicos, mas também às suas equipas técnicas e agentes, que cada músico é encorajado a identificar publicamente na ficha técnica do programa em que participa”, acrescentava a nota do Ministério da Cultura sobre a iniciativa, que prevê a realização de 120 concertos e um orçamento de um milhão de euros. No entanto, os peticionários consideram que “o Ministério da Cultura não pode, em qualquer instância, criar um festival de música portuguesa, para apoiar músicos e técnicos” já que “não cabe ao Estado criar eventos de cultura”. “Para isso, contamos com os agentes culturais, promotores, curadores e directores artísticos activos em todo o país, que actualmente viram toda a sua actividade cancelada, muitos dos quais não encontram qualquer cabimento em nenhuma linha de apoio a artistas, trabalhadores independentes e entidades”, sublinham, reforçando a expectativa de que o Ministério da Cultura “crie condições estratégicas e financeiras para que os projectos aconteçam e sejam promovidos e apoiados, em diálogo concertado com os mais variados agentes culturais, e tendo em conta as suas especificidades artísticas e técnicas, bem como pela sua geografia de acção no país”. “Contamos com um compromisso com a pluralidade, inter-geracionalidade, diversidade e multidisciplinaridade artística”, resumem. Motivos por que, refere a petição, “apelando à protecção das comunidades artísticas e culturais, à especificidade intrínseca do seu labor, à incapacidade de tal medida responder no presente a uma multiplicidade geral de casos, pedimos o cancelamento imediato do TV Fest, e o cancelamento de qualquer medida que fomente disparidades, competição e desigualdade no acesso”. Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2020/04/peticao-pede-cancelamento-imediato-do-tv-fest/ Em atualização TV Fest: depois de petição polémica, festival do Ministério da Cultura é cancelado, avança Expresso Uma fonte da RTP confirmou ao jornal Expresso que o festival criado pelo Ministério da Cultura "foi cancelado". Para animar a quarentena, nas últimas semanas, os concertos online multiplicaram-se um pouco por todo o mundo, sendo lançadas várias iniciativas nas redes sociais. Esta semana, o Ministério da Cultura anunciou uma nova iniciativa. O TV Fest arrancaria esta quinta-feira, 8 de abril, às 22h00, e concertos seriam transmitidos na RTP Play e no canal 444 (disponível em todos os operadores de televisão por cabo). "Todos os dias, à noite, haverá quatro novos artistas. O festival começa na quinta-feira e convidamos o Júlio Isidro para ser aquele que inaugura o festival", contou Graça Fonseca, ministra da Cultura, à RTP1. Depois de anunciada, a iniciativa foi criticada por vários músicos, sendo lançada uma petição online - em menos de 24 horas, mais de 16 mil pessoas subscreveram a petição. "A realização do TV Fest, no presente estado de emergência, constitui uma ameaça ao ecossistema cultural português que elimina curadores, diretores artísticos, músicos, técnicos e os demais, operando através de um jogo em corrente exclusivo, e de círculo fechado, aos seus participantes artísticos, que desclassifica a participação, representatividade e diversidade de um sector, constituindo uma medida antidemocrática e não inclusiva", frisa a nota que acompanha a petição "Pelo cancelamento imediato do festival TV Fest". Ricardo Ribeiro, Fernando Tordo, Mariza Liz e Rita Guerra eram os primeiros artistas a atuar no TV Fest. O festival deveria decorrer durante um mês e a programação seria escolhida pelos artistas que passarem pela iniciativa. "O objetivo é criar uma corrente entre os músicos, entre os artistas. Portanto, a Rita Guerra escolhe o próximo, o próximo escolhe o próximo... vamos criar uma cadeira entre os próprios artistas para fazer este festival na TV", explicou a ministra da Cultura. Para a iniciativa, o ministério da Cultura tinha disponibilizado um milhão de euros para pagar aos artistas e técnicos que vão participar na iniciativa. "Esta iniciativa é fracamente mais positiva porque somos remunerados", frisou o fadista Ricardo Ribeiro à RTP1. Fonte:https://mag.sapo.pt/showbiz/artigos/tv-fest-depois-da-polemica-festival-do-ministerio-da-cultura-e-cancelado-avanca-expresso
  4. podiam usar a ARTV a essa hora já não tem nada para transmitir e isto nem ia ocupar muito tempo ao canal...
  5. Lançamento | TV Fest na grelha de todas as operadoras Durante o período de quarentena e até ao dia 18 de maio, o novo canal temporário TV Fest estará disponível na grelha NOS, MEO, Vodafone e NOWO. Irá ser mais de 1 mês onde todos os dias, 4 nomes da musica nacional irão partilhar os seus conteudos feitos a partir de casa com o objetivo da promoção da cultura e da musica portuguesa! Irão ser episódios diários às 22h e começa já hoje com o primeiro episódio, onde os artistas convidados são: Fernando Tordo Marisa Liz Ricardo Ribeiro Rita Guerra O canal estará disponivel na posição 444 de todos os operadores nacionais, a emissão será em Standard Definition (SD) e estará disponivel para todos os clientes com serviço Pay TV, com ou sem box! Fonte:https://www.novidadestelecomunicacoes.pt/lancamento-tv-fest-na-grelha-de-todas-as-operadoras/
  6. Não esta em SD, podem ver por aqui: http://www.digitalbitrate.com/dtv.php?mux=12246&pid=1411&live=66&sec=0&lang=en Lançamento | TV Fest na grelha de todas as operadoras Durante o período de quarentena e até ao dia 18 de maio, o novo canal temporário TV Fest estará disponível na grelha NOS, MEO, Vodafone e NOWO. Irá ser mais de 1 mês onde todos os dias, 4 nomes da musica nacional irão partilhar os seus conteudos feitos a partir de casa com o objetivo da promoção da cultura e da musica portuguesa! Irão ser episódios diários às 22h e começa já hoje com o primeiro episódio, onde os artistas convidados são: Fernando Tordo Marisa Liz Ricardo Ribeiro Rita Guerra O canal estará disponivel na posição 444 de todos os operadores nacionais, a emissão será em Standard Definition (SD) e estará disponivel para todos os clientes com serviço Pay TV, com ou sem box! Fonte:https://www.novidadestelecomunicacoes.pt/lancamento-tv-fest-na-grelha-de-todas-as-operadoras/
  7. No satelite sim já esta no cabo não sei...
  8. TekClub

    Canais MTV

    "One World: Together at Home". Um concerto global contra a Covid-19 (com transmissão na MTV Portugal) O movimento Global Citizen uniu esforços com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e lançou a iniciativa "One World: Together at Home" ("Um só Mundo: Juntos em Casa"). Um festival que junta vários artistas internacionais na luta contra a Covid-19 e que em Portugal será transmitido pela MTV. Paul McCartney, Billie Eilish e Eddie Vedder são alguns dos artistas que vão participar, no dia 18 de abril, na emissão global de um concerto solidário com os profissionais que lutam contra a pandemia da covid-19, anunciou esta segunda-feira a organização. O evento que terá a curadoria de Lady Gaga visa angariar fundos para o combate à Covid-19 e vai ser transmitido em streaming e por vários canais de televisão, entre os quais a MTV Portugal (às 01h00 de 19 de abril). O cartaz é vasto e diversificado. Alanis Morisette, Stevie Wonder, Elton John, Andrea Bocelli, Stevie Wonder, Finneas, J Balvin, Lizzo ou Maluma são outros nomes que vão participar nesta iniciativa. A noite terá como mestres de cerimónia os apresentadores Jimmy Kimmel, Stephen Colbert e Jimmy Fallon, que terão a ajuda das personagens mais icónicas da “Rua Sésamo”. A fórmula é simples e tem resultado: cada artista atuará a partir de sua casa. Aliás, alguns dos artistas que participam no concerto, como John Legend ou Chris Martin, já atuaram online, a partir de suas casas, na rubrica "Together at Home", através do YouTube. A BBC One transmitirá o concerto no domingo, dia 19, à semelhança da televisão irlandesa RTE. Nos Estados Unidos a emissão tem início às 17:00 de dia 18 (hora da Costa oeste), através da ABC, NBC, Viacom, CBS Networks e iHeartMedia, entre outras plataformas. Através das plataformas digitais (e são muitas, como o YouTube, Facebook, Instagram, Twitch, Twitter, entre outras) será ainda possível, de acordo com a organização, aceder a artistas e performances adicionais de todo o mundo, além de histórias exclusivas dos heróis de saúde. Num comunicado publicado no site da OMS, Hugh Evans, co-fundador e diretor-executivo da Global Citizen, explicou que, além honrar e apoiar "os esforços heróicos dos profissionais de saúde de todas as comunidades, o One World: Together at Home procura também funcionar como uma fonte de unidade e de incentivo à luta global contra a Covid-19". "Através da música, do entretenimento e do seu impacto,o elenco que reunimos vai celebrar, ao vivo, todos aqueles que arriscam a sua própria saúde para proteger a de todos os outros", acrescentou. Na mesma nota, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que o concerto é "uma poderosa demonstração de solidariedade contra uma ameaça comum". O concerto visa mobilizar contribuições para o fundo Covid-19 Solidarity Response da da Organização Mundial de Saúde, potenciado pelas Nações Unidas. "As Nações Unidas encontram-se totalmente mobilizadas: estamos a apoiar o sistema de resposta de cada país, colocando os nossos sistemas de fornecimento e distribuição à disposição do mundo, enquanto defendemos um cessar-fogo global. Estamos, por isso, muito orgulhosos de unirmos forças com o One World: Together at Home para ajudarmos a suprimir a transmissão do vírus, minimizar os impactos socioeconómicos na comunidade global e trabalhar juntos para promover as Metas Globais para o futuro”, declara em comunicado António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas. Fonte:https://24.sapo.pt/vida/artigos/one-world-together-at-home-um-concerto-global-contra-a-covid-19-com-transmissao-na-mtv-portugal
  9. Pay TV e plataformas de streaming na rota da distribuição de cinema português Os canais de televisão por subscrição e as plataformas de streaming passam a poder ser utilizadas para garantir a exibição de cinema português enquanto as salas permanecerem encerradas devido à pandemia covid-19. A “medida excepcional” foi anunciada pelo Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) como forma de apoio aos distribuidores que recebem apoio financeiro da entidade, sendo destinada aos beneficiários dos concursos de apoio financeiro e estando em vigor por um “período transitório”. Desta forma, os distribuidores que recebem apoio para colocar filmes portugueses em sala mantêm o mesmo apoio, podendo fazê-lo através de plataformas de video on demand (VOD) em televisão ou internet (streaming) ou em canais de televisão por subscrição. No caso da distribuição em plataformas on demand, o ICA estabelece que os filmes portugueses devem manter-se disponíveis pelo menos durante o mesmo tempo em que estariam em sala, ou seja, “se um filme tem um plano com 10 sessões previstas a decorrer de Janeiro a Maio, terá de ficar disponível na plataforma pelo menos até Maio”, pode ler-se na página oficial do ICA. Já no que diz respeito aos canais de televisão por subscrição, o distribuidor deve garantir que os filmes sejam exibidos pelo menos uma vez por semana, cumprindo o plano temporal que teria em sala. Pelo que, por exemplo, “se um filme tiver uma distribuição prevista de quatro semanas, o filme terá de, durante quatro semanas, ser exibido pelo menos uma vez por semana”. Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2020/04/pay-tv-plataformas-streaming-na-rota-da-distribuicao-cinema-portugues/
  10. TekClub

    Rádio

    Audiência da rádio regressa a valores de 2018 O consumo de rádio em Portugal apresentará uma descida face ao patamar registado nas duas primeiras vagas do último ano, situando-se numa Audiência Acumulada de Véspera de 58,1%. Números que comparam com aproximadamente 60% no intervalo das duas primeiras vagas de 2019, ano marcado por audiências históricas no meio rádio em Portugal. Os dados são apresentados pela Marktest, que, apesar de a nova vaga do Bareme Rádio ser publicada apenas no próximo mês de Maio (correspondente ao fecho da vaga de Abril), disponibiliza um comunicado extraordinário ao mercado com vista a aferir o impacto da crise covid-19 nas audiências de rádio. “Considerando a situação especial, a Marktest e os principais grupos de rádios acordaram em disponibilizar dados gerais de audiências, após o fecho da vaga intermédia de Março. Esta vaga não tem, numa situação normal, divulgação de resultados oficiais”, ressalva a empresa de estudos de mercado. “Atendendo à necessidade do mercado melhor perceber o impacto da covid-19 nas audiências de rádio, a Marktest disponibiliza um comparativo de tendência do indicador AAV%, comparando valores da última vaga oficial, da vaga intermédia e dos dados específicos mês de Março”, justifica a empresa em comunicado. De acordo com os resultados agora disponibilizados, “os dados mais recentes de Audiência Acumulada de Véspera para o Total Rádio apontam para um valor ligeiramente inferior ao patamar registado nas vagas de 2019, que era de aproximadamente 60%”. “Esse indicador de consumo de rádio está agora um pouco mais abaixo, ao nível do valor do fecho de 2018 (-58%), e dentro do intervalo de variação dos últimos cinco anos”, indica a Marktest, deixando a ressalva de que “o resultado de AAV do mês de Março é divulgado a título excepcional e deve ser lido apenas como indicador de tendência tendo em conta as respectivas limitações de representatividade”. Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2020/04/audiencia-da-radio-regressa-valores-2018/
  11. Governo cria festival na TV e apoio de 1 milhão de euros para a música O ministério da Cultura anunciou, esta quarta-feira, que vai criar um canal de televisão para dar um palco aos músicos nacionais. O TV Fest terá uma dotação de um milhão de euros. "A música foi das primeiras áreas ter de parar, ainda antes do estado de emergência", explicou a ministra da Cultura, Graça Fonseca, ao JN. "E foram os músicos que iniciaram uma dinâmica de entrar em nossas casas, através do online e das redes sociais", acrescentou. O movimento aconteceu de forma inorgânica, mas tem agora um palco onde se pode concentrar. O TV Fest tem um orçamento de um milhão de euros, saídos das contas do ministério e que serão distribuídos igualmente por todos os músicos. Serão quatro atuações por dia durante pelo menos 30 dias. Estão, por isso, previstos 120 concertos. A partir desta sexta-feira, na RTP Play ou no canal 444 de todas as operadoras de televisão nacionais, o TV Fest exibe conteúdos inéditos filmados a partir de casa dos próprios músicos. Com a iniciativa, sublinha Graça Fonseca, "estamos a apoiar os músicos e dar às pessoas um festival de música portuguesa" para ver em casa. "Os artistas têm estado a ser inexcedíveis", diz a ministra, que recorda dois objetivos que o TV Fest terá de cumprir: "as escolhas têm de refletir a diversidade da música portuguesa; e o pagamento tem de incluir os técnicos". Cada músico será encorajado a identificá-los publicamente na ficha técnica do programa em que participa. O primeiro episódio arranca às 22 horas (todos têm a duração de uma hora e meia) com apresentação de Júlio Isidro, que escolheu os primeiros quatro nomes: Fernando Tordo, Marisa Liz , Ricardo Ribeiro e Rita Guerra. A partir daí, a seleção dos músicos seguintes será sempre feita pelo último artista a atuar. As escolhas ainda estão a decorrer, mas Graça Fonseca congratula-se pela seleção já feita, que "vai do pop ao fado e do hip hop ao cante alentejano". Fonte:https://www.jn.pt/artes/governo-cria-festival-na-tv-e-apoio-de-1-milhao-de-euros-para-a-musica-12045307.html
  12. Governo cria festival na TV e apoio de 1 milhão de euros para a música O ministério da Cultura anunciou, esta quarta-feira, que vai criar um canal de televisão para dar um palco aos músicos nacionais. O TV Fest terá uma dotação de um milhão de euros. "A música foi das primeiras áreas ter de parar, ainda antes do estado de emergência", explicou a ministra da Cultura, Graça Fonseca, ao JN. "E foram os músicos que iniciaram uma dinâmica de entrar em nossas casas, através do online e das redes sociais", acrescentou. O movimento aconteceu de forma inorgânica, mas tem agora um palco onde se pode concentrar. O TV Fest tem um orçamento de um milhão de euros, saídos das contas do ministério e que serão distribuídos igualmente por todos os músicos. Serão quatro atuações por dia durante pelo menos 30 dias. Estão, por isso, previstos 120 concertos. A partir desta sexta-feira, na RTP Play ou no canal 444 de todas as operadoras de televisão nacionais, o TV Fest exibe conteúdos inéditos filmados a partir de casa dos próprios músicos. Com a iniciativa, sublinha Graça Fonseca, "estamos a apoiar os músicos e dar às pessoas um festival de música portuguesa" para ver em casa. "Os artistas têm estado a ser inexcedíveis", diz a ministra, que recorda dois objetivos que o TV Fest terá de cumprir: "as escolhas têm de refletir a diversidade da música portuguesa; e o pagamento tem de incluir os técnicos". Cada músico será encorajado a identificá-los publicamente na ficha técnica do programa em que participa. O primeiro episódio arranca às 22 horas (todos têm a duração de uma hora e meia) com apresentação de Júlio Isidro, que escolheu os primeiros quatro nomes: Fernando Tordo, Marisa Liz , Ricardo Ribeiro e Rita Guerra. A partir daí, a seleção dos músicos seguintes será sempre feita pelo último artista a atuar. As escolhas ainda estão a decorrer, mas Graça Fonseca congratula-se pela seleção já feita, que "vai do pop ao fado e do hip hop ao cante alentejano". Fonte:https://www.jn.pt/artes/governo-cria-festival-na-tv-e-apoio-de-1-milhao-de-euros-para-a-musica-12045307.html
  13. A partir de terça feira a Globo Now passa a emitir a Globo News temporariamente
  14. Audiências TV: Consumo sobe mais 11 minutos e dispara 43% no espaço de um mês Com o início das férias escolares da Páscoa, a par do estado de confinamento, o consumo televisivo dispara para às 7h17m, o que face à semana passada representa um aumento de mais 11 minutos, e que relativamente à primeira semana de Março (período pré-coronavírus) representa ainda uma variação positiva de 43%. Quanto à repartição da audiência, o Cabo recolheu 38,4% do share; segue-se Outros, que inclui o visionamento em time-shift, streaming e vídeo/jogos com 14%, índice que continua acima quer da TVI, que subiu para os 13,1% de quota, quer da RTP1, que desceu para os 11,3%. A SIC, que continua na liderança dos free-to-air, vê o seu share subir para os 20,1%. A informação lidera, mas o entretenimento, filmes/séries e infantis começam a ganhar terreno e acompanhar as rotinas do isolamento social, até porque estamos em período de férias de Páscoa dentro de portas. Os informativos: CMTV e SIC Notícias continuam no topo dos canais Pay TV mais vistos mas perdem audiência, tal como a TVI 24, que caiu para o sexto lugar. A Globo regista a melhor performance de audiência do ano: 64,8 mil telespectadores, e sobe ao terceiro lugar; o Hollywood mantém-se na quarta posição, mas ganhou telespectadores. A Fox, que ascendeu ao meio da tabela, viu também a sua audiência ultrapassar a fasquia dos 60 mil telespectadores/dia. Com o máximo do ano como seria expectável: 47 mil telespectadores, a sétima posição pertence ao Disney Channel. A finalizar, e acima do patamar dos 30 mil telespectadores diários, encontram-se o Fox Movies, AXN e Fox Life, registando os dois últimos o melhor retorno de 2020. Na programação para além de se manter o domínio absoluto da SIC, vários conteúdos registaram recordes de audiência. Um mês após a estreia, Isto é Gozar com Quem Trabalha atingiu o seu melhor desempenho de audiência média: 19,1%, revelando-se o programa mais visto do ano, a seguir ao jogo de 27 de Fevereiro da Liga Europa: Benfica x Shakhtar Donetsk. No terceiro lugar encontra-se o episódio de quarta-feira de Nazaré, com 17,4%, que chega a um novo máximo desde a estreia em Setembro. Segue-se, com 15,9% a edição de domingo do Primeiro Jornal, o seu melhor resultado em medições GFK com diferido. Com 14,2%, o melhor retorno de 2020, no episódio de sexta-feira, Terra Brava fecha o top da semana 14. Na oferta paga verifica-se mais uma vez que o principal interesse dos telespectadores vai para a procura de conteúdos informativos, embora se constate uma ligeira perda de audiência. Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2020/04/audiencias-tv-consumo-sobe-11-minutos-dispara-43-no-espaco-um-mes/
  15. TekClub

    RTP Memória

    Não entendo e porque não usaram a ARTV agora nem deve emitir quase nada...
×
×
  • Create New...