Jump to content
Titinha

Notícias TVI

Recommended Posts

Se calhar foi mais para ir passear. :curtainpeek: q

  • LOL 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ela não precisa de ir a Cannes, sai mais barato ir ao aTVboard 2 e copiar a grelha da HOO. 

  • Love 1
  • LOL 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cinco empresas já pediram informação sobre compra da TVI na Concorrência

“Cinco empresas já pediram acesso ao processo (de compra da TVI pela Cofina), entre as quais a Impresa, mas ainda não se constituíram como terceiros interessados”, confirmou fonte oficial da Autoridade da Concorrência (AdC) ao Dinheiro Vivo.

Além do grupo dono da SIC e do Expresso, ao que foi possível apurar, o Global Media Group (o grupo ao qual pertence o Dinheiro Vivo), e as operadoras de telecomunicações Altice Portugal, NOS e Vodafone foram as entidades que, até ao momento, já fizeram o requerimento junto do regulador.

https://www.dinheirovivo.pt/empresas/cinco-empresas-ja-levantaram-informacao-sobre-compra-da-tvi-na-concorrencia/

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Altice deve estar com uma azia desgraçada.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Media Capital considera oferta da Cofina "oportuna" e "condições adequadas"

Comunicado enviado à CMVM

TVI

 

 

O conselho de administração da Media Capital já se pronunciou sobre a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela Cofina, considerando que "a oferta é oportuna e que as respetivas condições são adequadas", de acordo com o comunicado enviado para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

A Cofina, que é dona do Negócios, anunciou, no dia 21 de setembro, o lançamento de uma OPA sobre a dona da TVI, tendo oferecido uma contrapartida de 2,336 euros por cada ação da empresa, um valor que o conselho de administração da Media Capital considera "adequado".
 

 
"O conselho de administração entende ainda como adequado um eventual aumento ou revisão em alta da contrapartida da oferta, encontrando-se num intervalo de valorização da sociedade visada que se considera razoável e apropriado", adianta a mesma fonte.

 

O conselho de administração da empresa que tem ativos como a TVI, Rádio Comercial e Plural considera ainda "positiva a estratégia apresentada" pela Cofina, "na medida em que prevê designadamente, potenciar o investimento na expansão digital, o lançamento de serviços inovadores e a promoção e desenvolvimento de conteúdos produzidos em Portugal, mantendo-se como um ativo com identidade portuguesa."

Em relação aos trabalhadores, o conselho de administração "está confiante" que a operação "terá um impacto positivo", uma vez que a Media Capital integrará uma "estratégia de consolidação dos media no plano global, mantendo-se no essencial a atividade" que atualmente existe.

Fonte: https://www.record.pt/fora-de-campo/detalhe/media-capital-considera-oferta-da-cofina-oportuna-e-condicoes-adequadas?ref=HP_BlocoColoridoSecçãoDestaque

Edited by tiago_nunes
  • Like 1
  • LOL 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Concorrência recebeu um comentário sobre o processo Cofina/Media Capital

“O prazo termina na segunda-feira, 21 de outubro. Até ao momento, apenas uma entidade apresentou comentários”, indicou, em resposta à Lusa, fonte oficial da AdC.

Media.jpg?w=850&h=531&q=60&compress=auto
Vincent West / Reuters;

O prazo dado pela Autoridade da Concorrência (AdC) para os interessados na compra da TVI pela Cofina apresentarem comentários termina na segunda-feira e, até ao momento, pronunciou-se uma entidade, avançou à Lusa fonte oficial do regulador.

“O prazo termina na segunda-feira, 21 de outubro. Até ao momento, apenas uma entidade apresentou comentários”, indicou, em resposta à Lusa, fonte oficial da AdC.

A autoridade liderada por Margarida Matos Rosa tinha dado 10 dias úteis para os interessados no processo se pronunciarem.

O registo da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital foi pedido pela Cofina na passada sexta-feira, o último dia do prazo para o fazer, conforme disse à Lusa, esta segunda-feira, fonte oficial da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em 21 de setembro, a dona do Correio da Manhã anunciou que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa (‘enterprise value’) em 255 milhões de euros. A operação de compra inclui também a dívida da Media Capital.

“O objeto da oferta é constituído pela totalidade das 84.513.180 ações ordinárias, escriturais e nominativas, com o valor nominal de 1,06 euros, representativas do capital social e dos direitos de voto da sociedade visada”, indicou a Cofina no anúncio preliminar da oferta.

A Cofina, empresa liderada por Paulo Fernandes, espera que a compra da Media Capital resulte em sinergias de 46 milhões de euros.

Além disso, a dona do Correio da Manhã estima que a compra esteja concluída no primeiro semestre de 2020.

A transação está sujeita a certas condições, em particular a aprovação dos reguladores e a realização de um aumento de capital da Cofina em 85 milhões de euros para o financiamento parcial da compra da participação da Prisa na Media Capital, que detém a TVI.

A Cofina espera financiar a operação de compra com 220 milhões de euros de dívida (‘debt financing’) e 85 milhões de euros do aumento capital.

Segundo a empresa, 50 milhões de euros de fundos captados serão utilizados para pagar os custos da transação e refinanciar a dívida líquida da Cofina.

Metade do aumento de capital será garantido pelos acionistas principais.

O grupo Cofina detém, além do Correio da Manhã e do Record, a CM TV, o Jornal de Negócios, a revista Sábado, entre outros títulos.

Por sua vez, a Media Capital conta com seis canais de televisão e a plataforma digital TVI Player. Além da TVI, canal generalista em sinal aberto que celebra 26 anos, conta com a TVI24, TVI Reality, TVI Ficção, TVI Internacional e TVI África.

A Media Capital tem também rádios, onde se inclui a Comercial.

Fonte: https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/concorrencia-recebeu-um-comentario-sobre-o-processo-cofina-media-capital-503370

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 9 horas, ATVTQsV disse:

“a quota de mercado das partes será menos de 25%, em termos de share e de volume de negócios, assinalando-se a tendência de quebra acentuada em 2019, por comparação ao crescimento dos canais do grupo Impresa, sendo inferior ao limiar indicativo previsto pela Comissão Europeia de 25%, salientando, assim, ausência de risco de entrave à manutenção de uma concorrência efetiva”.

 

Muito conveniente a queda de audiência do grupo TVI, este ano…...:diablo:

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 29 minutos, John1986 disse:

“a quota de mercado das partes será menos de 25%, em termos de share e de volume de negócios, assinalando-se a tendência de quebra acentuada em 2019, por comparação ao crescimento dos canais do grupo Impresa, sendo inferior ao limiar indicativo previsto pela Comissão Europeia de 25%, salientando, assim, ausência de risco de entrave à manutenção de uma concorrência efetiva”.

 

Muito conveniente a queda de audiência do grupo TVI, este ano…...:diablo:

Pois é... Isto explica algumas coisas. :cryhappy:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quão legal é baixar a audiência de propósito para conseguir uma venda? Onde anda a ERC?

Isto a ser verdade não é engraçado, é criminoso.

Prendam a TVI!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Quão legal é baixar a audiência de propósito para conseguir uma venda? Onde anda a ERC?
Isto a ser verdade não é engraçado, é criminoso.
Prendam a TVI!

Sinceramente duvido muito da verdade dessa teoria. Além disso, não seria ilegal porque a lei não proíbe a auto-flagelação. É o atual accionista que perde dinheiro ao vender uma empresa por menos do que valia há um ano e por perda de dinheiro de publicidade que poderia ter recebido entretanto.
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 32 minutos, dav01 disse:

 

Coitadooosssss

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 11 minutos, ATVTQsV disse:

Efeito da fusão?

Acho que não, devem só mudar as secretarias ou assim. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

OPA da Cofina à Media Capital: Sindicato dos Jornalistas opõe-se ao negócio

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) anunciou esta terça-feira que comunicou à Autoridade da Concorrência (AdC) a sua opinião desfavorável à compra da Media Capital pelo grupo Cofina após constituir-se como parte interessada no negócio.

Em comunicado, o SJ afirma que se constituiu como parte interessada no negócio, “uma vez que é uma entidade que defende os interesses legalmente protegidos dos seus associados, que podem vir a ser afetados por esta operação de concentração”. Nesta qualidade, o SJ, cumprindo o prazo definido por lei, comunicou, na segunda-feira, à AdC o que considera serem “os riscos inerentes ao negócio”.

A direção do sindicato sinaliza, a este respeito, o agravamento da concentração dos media “elevada a uma escala sem precedentes, com o domínio da quase totalidade dos principais meios de comunicação social por um grupo económico” e o potencial “controlo absoluto do mercado de trabalho no setor, com risco elevado de condicionamento da liberdade de expressão e de emprego”.

Refere ainda o risco de degradação das condições de trabalho dos jornalistas e do alastramento de práticas de desregulação e desrespeito pelo trabalho e a possibilidade de “domínio hegemónico do mercado de publicidade e de definição unilateral das suas regras”.

Segundo o SJ, a concretização do negócio representaria ainda um agravamento da tendência do atual patronato para se apropriar das criações dos jornalistas, transformando-as em mera mercadoria e aumentaria o receio dos jornalistas de que possam ocorrer alterações nas publicações abrangidas pela concentração que operam em segmentos de mercado semelhantes.

O sindicato assinala ainda que, “por norma, e lamentavelmente, este tipo de fusões tem-se traduzido em cortes de pessoal e emagrecimento de redações“. O SJ alerta também para o potencial impacto da fusão de vários órgãos de comunicação social na pluralidade e na qualidade da informação, podendo comprometer a liberdade de imprensa, um dos pilares da Democracia.

O SJ lembra que defende, há mais de duas décadas, a necessidade de medidas legais contra a concentração da propriedade dos meios de informação e insta à intervenção das autoridades que tutelam e têm responsabilidades no setor – nomeadamente a Assembleia da República, o Governo e a Entidade Reguladora para a Comunicação Social – para que iniciem uma fiscalização urgente aos processos de fusão e de alianças ou parcerias no setor.

O SJ – que pediu reuniões aos dois grupos, mas foi apenas recebido pela administração Cofina – apela, na nota enviada, para a união entre todos os jornalistas ao serviço nos órgãos de informação abrangidos pela operação.

https://eco.sapo.pt/2019/10/22/opa-da-cofina-a-media-capital-sindicato-dos-jornalistas-opoe-se-ao-negocio/

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em 2020 têm de vir com uma experiência social inovadora a la Big Brother como em 2000, que possa alavancar vários horários, e com uma intensa campanha de marketing, para ver se as coisas mudam alguma coisa. De outra forma, a tendência será para piorar... 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

TVI e Sérgio Figueiredo acusados pelo Ministério Público de ofensa à reputação económica

tvi-300x200.jpg

O Ministério Público responsabiliza a TVI pela perda de 984 milhões de euros e por ter precipitado o encerramento do Banif. Em causa está a notícia emitida pela estação de Queluz no passado dia 13 de Dezembro de 2015, onde avançava que estaria iminente o encerramento do banco, o que acabaria por resultar em perdas na ordem dos 984 milhões de euros em depósitos no espaço de uma semana. De acordo com o despacho de acusação do Ministério Público, divulgado pelo Correio da Manhã, tanto o canal como o director de informação, Sérgio Figueiredo, são acusados do crime de ofensa à reputação económica por se considerar que a notícia, por ter provocado uma corrida ao levantamento dos depósitos, terá contribuído para precipitar o encerramento do Banif. No caso de Sérgio Figueiredo, a acusação estende-se ainda a desobediência qualificada por o director de informação da estação de Queluz se ter recusado a divulgar o nome do jornalista responsável pela notícia.

“Na sequência da notícia, a situação de liquidez do Banif degradou-se pela diminuição dos depósitos dos clientes, que caíram 984 milhões”, refere o despacho de acusação do MP agora divulgado, onde se acrescenta que a divulgação da notícia de que o Governo ia avançar com a resolução do banco foi prejudicial por ter sido feita “sem assegurar ao Banif a possibilidade de se pronunciar em momento prévio” e sem se “asseverar, com segurança, da fiabilidade das informações que possuía”, o que “era o seu dever”. O mesmo despacho declara ainda que Sérgio Figueiredo “não se opôs a que notícia falsa fosse difundida”, apesar de estar ciente de que “sendo verdadeiro ou falso, tal conteúdo era prejudicial e ofensivo da credibilidade, consideração e prestígio, confiança e reputação” do Banif.

Fonte:https://www.meiosepublicidade.pt/2019/10/tvi-sergio-figueiredo-acusados-pelo-ministerio-publico-ofensa-reputacao-economica/
 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

ERC dá ‘luz verde’ à compra da Media Capital pela Cofina

 

A ERC concluiu que a operação não coloca em causa “os valores do pluralismo e da diversidade de opiniões”. Parecer foi já remetido à Autoridade da Concorrência

 

ERC.jpg?w=850&h=531&q=60&compress=auto,f

Fotografia cedida

O Conselho Regulador da ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social deliberou não se opor à operação de concentração da Cofina e Media Capital, anunciou o regulador esta quarta-feira.

A deliberação foi feita “sem prejuízo das ressalvas enunciadas na respetiva deliberação, por não se concluir que tal operação coloque em causa os valores do pluralismo e da diversidade de opiniões, cuja tutela incumbe à ERC aí acautelar”, adiantou em comunicado divulgado no site da ERC.

“O Parecer foi já remetido à Autoridade da Concorrência, dele tendo sido notificada a requerente da operação”, explicou.

A OPA está sujeita à apreciação da CMVM e tem ainda de ter parecer favorável da Autoridade da Concorrência (AdC) e da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que agora deu ‘luz verde’.

A OPA da Cofina foi anunciada a 21 setembro, quando a dona do Correio da Manhã e do Jornal de Negócios, entre outros títulos, indicou que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros. A operação de compra inclui também a dívida da Media Capital.

Nesse dia, a Cofina fez o anúncio preliminar da operação, e o pedido de registo da oferta pública junto da CMVM foi concretizado a 11 de outubro. A CMVM, entretanto, solicitou um auditor independente para fixar a contrapartida da oferta.

Fonte:  https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/erc-da-luz-verde-a-compra-de-media-capital-pela-cofina-507849

Edited by tiago_nunes
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...