Jump to content

Festa é Festa


Recommended Posts

  • Replies 2.1k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Vocês a irem pelo sentido literal  Provavelmente a fala é exagerada "ah e tal só temos internet uma vez por ano" = a internet é péssima, pronto. Vocês também não acreditam quando eu digo que a Opto só tem 6 subscritores né. É ironia como é óbvio  Tem praí uns 14, vá... Vai ser interessante isto ser exibido durante a possível 4ª onda do covid 

Hidden Content Sign in or sign up to see the hidden content. Uau

Que coisa horrorosa de génerico, não pela montagem em si mas aquele longo FESTA.... FESTA... FESTA... aquilo parece que avariou o som. As cenas são de baile e eles enfiam a música com aquele jeito encravado... Flop ... flop ... flop tu queres é flop!

  • LOL 4
Link to post
Share on other sites

De facto a música também é fraca. Genérico no geral fraco. Para esquecer. Veremos a novela.

Link to post
Share on other sites

A música, para a parolice que é, foi muito bem colocada. Casa bem com a edição do genérico.

Se queriam Ana Malhoa, temos pena, também queria e não tive :galderia:

  • Like 1
  • LOL 2
Link to post
Share on other sites
30 minutes ago, willy said:

Que paródia o genérico.

Há aqui pessoal que ainda pensa que isto é para ir aos Emmys.

Mas alguém aqui acha que isto é para ir aos Emmys? :rofl:

  • Like 1
  • LOL 1
Link to post
Share on other sites

O genérico, dentro do género, está muito bonitinho. Só acho que deviam de ter tirado mais partido das luzes das diversões, dava uma estética mais bonita.

  • Like 3
Link to post
Share on other sites

Gabriela Sobral sobre a novela :

Spoiler

Já andamos há muitos anos a fazer novelas. E o que esta novela tem, para nós, de diferente – e digo para nós porque há um conjunto de pessoas que está por trás deste projeto – é, de facto, podermos dar ao público um tom de novela completamente diferente daquele a que estamos habituados. Quando digo tom, é um tom de humor, popular. Todas as novelas têm núcleos populares? É verdade. A maior parte das novelas tem sempre um núcleo popular, aquela descontração e descompressão da novela.

Aqui o tom é sempre esse. É uma novela bem disposta, com núcleos populares, em que o grosso dos plots tem sempre qualquer coisa de comicidade. Embora estejamos a tratar temas alguns mais dramáticos, menos cómicos, esses temas serão sempre tratados de uma forma leve. Portanto, posso dizer que é a novela mais bem humorada que fiz nos últimos anos. É uma novela em que os portugueses vão rever-se. Todos nós temos uma lembrança na nossa vida das idas às aldeias. Ou porque tínhamos família, ou amigos, ou porque no verão íamos passear... Todos nós fomos a uma festa qualquer a uma aldeia na nossa juventude ou na nossa infância. É uma bocado a aldeia, a recordação dessa memória viva da infância, da adolescência das aldeias, que vemos retratada aqui. É uma aldeia mas é uma aldeia atual, com todas as dessincronias e com todos os hábitos e a maneira de estar das nossas gentes. É uma novela muito portuguesa e acho que é isso que tem graça. Os personagens são muito portugueses. Vamos todos rever-nos nessa portugalidade. Temos um presidente da Junta de Freguesia, como todas as aldeias deste país...

Temos um padre, um café cujos donos são um casal que está sempre em conflito com o presidente da Junta, há ali um despique de poder. É o Tomé e o Bino. Temos uma velhota que é uma emigrante brasileira que viveu muitos anos – os loucos anos 20 – no Brasil e que vem para Portugal e é a matriarca da aldeia. É uma senhora já muito velhinha mas que vive como se tivesse 50 anos, é maravilhosa. São uma série de personagens que ali gravitam. Depois há o médico da aldeia, que também era uma coisa muito antiga mas que continua a existir. É um transpor o passado para uma certa atualidade mas que, na prática, o que vemos ali são as aldeias de Portugal, é qualquer aldeia aqui ao lado de Lisboa. Se formos para Alenquer – que é onde se passa a história – é assim que eles vivem, é assim que as pessoas continuam a relacionar-se. Acima de tudo tem um tom de humor muito engraçado porque o Roberto Pereira e a equipa conseguiram dar à novela uma graça e uma forma... Acho que é muito aquilo que os brasileiros fazem na Globo.

A novela das 19h na Globo tem sempre aquele tom de comédia, em que as personagens são tratadas de uma forma às vezes até um pouco estereotipada. Acho que é isso que estamos a fazer. Estamos a fazer uma novela com um tom completamente diferente daquele a que tenho assistido ao longo destes anos. Acho que isso vai muito de encontro àquilo que estamos a viver hoje em dia.

Estamos a viver uma tragédia há um ano e meio. Um tragédia humana, social, económica. Acima de tudo uma tragédia de vidas. Nunca, em tempo algum, vimos tanta gente morrer, tanta gente estar doente, tanta gente estar longe dos seus entes queridos sem poder sequer estar com eles no final. Estamos a viver uma tragédia muito grande, há muito tempo, com esta história da pandemia. Ninguém estava à espera disto. Andamos aqui há tantos anos, vivemos uma vida sem grandes guerras, e agora de repente temos isto? Mas estamos a sair. Devagarinho, devagarinho mas estamos a sair. E o que é que precisamos? Exatamente disto. Precisamos de conteúdos que nos façam relaxar, que nos façam sentir bem, que nos façam rir. Não é estarmos ausentes, porque não estamos. Continuamos todos os dias a ver informação e a ser bombardeados com os problemas todos. Mas por que não termos uma novela que nos faça rir, que nos faça descontrair, levar para um universo mais cómico? Foi também nesta perspetiva que a novela foi construída e foi pensada. 

Acho que poderá ser um aconchego. Estamos todos muito expectantes que, em setembro – a data foi vinculada pela Cristina [Ferreira] na apresentação – já esteja melhor. Hoje ouvia na rádio um grande responsável da vacinação a dizer que está convencido que, se tudo correr bem, no final de junho atingimos a imunidade de grupo. Estou convencida de que, se atingirmos a imunidade de grupo em junho, em setembro vamos, com certeza, poder estar ao ar livre, a ouvir uma música e beber uns copos. Se calhar não numa festa muito grande mas numa festa mais pequena da aldeia. Se não, vamos nós, TVI, levar a festa aos portugueses e ao público. É nessa perspetiva também que estamos a construir esta festa. Mais lá para o fundo, para podermos passar um verão de vacinação e depois, quem sabe, podermos dançar todos na festa da aldeia. 

Visitámos várias aldeias, sim. A nossa área geoestratégica era mais ou menos a uma hora de Lisboa. Não queríamos ir para muito longe. De todas as aldeias que vimos, esta foi a de que gostámos mais. A que reunia, digamos assim, o consenso entre produção técnica e artística. Porque tinha que ser uma aldeia bonita, com uma série de componentes. E a Galega da Merceana tinha essa cenografia que precisávamos. Foi uma escolha de todos mas foi muito em cima do que precisávamos.

A Cristina disse que íamos fazer uma novela cómica. Eu tinha acabado de chegar [à Plural], e a Cristina coloca-me aquilo em cima da mesa e, de facto, as novelas cómicas, na TVI, não tinham tido muito sucesso até então. Fiquei receosa porque já não estava na TVI desde 2010 mas lembro-me muito bem do que fiz lá para trás. Entre 1999 e 2010 estive envolvida em dezenas de novelas. E houve umas cómicas que não surtiram muito efeito e pensei que isto pudesse não dar. Mas depois, com a entrada no projeto, a começar a ler os guiões, a ver elencos, a tomar conta do projeto, comecei a perceber que era um projeto muito diferente e muito arrojado. Acima de tudo era uma coisa nova. Sou apologista da inovação. Principalmente em televisão, temos que inovar. Fazer mais do mesmo é seguro, às vezes, mas acho que estava na altura de criar um novo desafio.

Uma das coisas que queremos fazer aqui, na Plural, e a TVI também, é abarcar o maior número de atores e atrizes que queiram trabalhar connosco. Ou seja, pessoas como a Maria do Céu Guerra, que já há algum tempo que não fazia televisão: foi-lhe lançado este desafio e ela disse logo que sim, que estava com vontade de voltar. É muito importante colocar pessoas desta franja etária, que são os mais velhos, que normalmente são mais esquecidos, porque as novelas não têm assim tantas personagens nestas idades. São sempre os mais novos, os mais apelativos, digamos assim. Acho que é importante trazer esta franja etária. O Carlos M. Cunha também há algum tempo que não fazia televisão. Gosto de ter novidades nos elencos e gosto de ter pessoas até fora da caixa. Alguns deles até nem fazem muita televisão mas querem fazer. Acho que é importante a diversidade e trazer novos players ao mercado.

Acho mesmo que é uma telenovela revolucionária. Acho que as pessoas vão apaixonar-se não só pela aldeia mas por aquelas gentes. Há ali um núcleo jovem muito engraçado também, que é importante, que tem outras ideias. Temos o médico da aldeia, que tem as mulheres todas atrás dele, temos a Ana Carolina que é uma miúda que vem da Foz, de um outro universo mais urbano e que vem ter com a avó e há um confronto de quem vem da cidade e chega à aldeia porque acha aquilo tudo uma pasmaceira... Uma jovem cheia de tecnologia que chega a uma aldeia que não tem rede... Isto vai criar um conflito muito engraçado. Temos um casal de emigrantes. Vamos falar de emigração, da malta que vem às festas da aldeia, que vem de França e de outros países. Aqui há um casal que vem com os filhos. Os filhos vão ter aquele choque cultural de chegar a uma aldeia. É a vida. Uma pessoa estranha mas depois percebe que na aldeia há várias coisas que se podem explorar, ver e sentir.

Estou muito confiante que as pessoas vão gostar de seguir a história destas famílias que povoam a aldeia. Isto é uma história em que as pessoas se vão rever. Vão identificar as personagens com pessoas que conhecem, são personagens comuns, são personagens que todos nós já conhecemos na vida. E a história dos amores é igual. Os miúdos, aquelas pessoas têm vontades, têm amores, têm atrações, discórdias, dramas... Alguns não se podem ver e andam sempre às turras. Essa parte do amor também lá está. Vai haver muito amor, principalmente entre os mais novos.

Espero muito que seja líder mas não estamos a trabalhar para a liderança. Aqui na Plural trabalhamos para o cliente, que é a TVI, e aquilo que ele nos pedir nós faremos e ajudaremos sempre. Essa matéria compete à TVI e a quem a dirige. Agora, se me pergunta se o Festa é Festa pode ser líder? Acho que sim, pode. A estratégia da TVI é a estratégia da TVI, não sei bem de que forma a TVI vai criar essa estratégia. Nós produzimos a novela, entregamos ao cliente e depois a forma como ele a emite, assiduidades, etc, cabe à TVI. Mas estou convencida de que o produto tem tudo para ser vencedor. Mesmo que não vença e que tenha um bom score e uma boa audiência já é muito bom. Esta coisa da liderança tem muito que se lhe diga. Às vezes ser líder não é tão bom assim como se pensa. Durante muito tempo – e já aconteceu – o segundo lugar, com uma diferença mínima, é tão bom como o primeiro. Em termos de publicidade, em termos comerciais e económicos não é uma grande diferença. Mas é óbvio que todos queremos ganhar. Faz parte da natureza humana, de todos nós, querermos ganhar e querermos ser primeiros.

Depois das pessoas verem vão perceber que não tem nada de cópia de Amor Amor. As pessoas associam se calhar pela aldeia. Mas há outras aldeias, temos outras novelas em aldeias. Não estou a ver o que é que pode ser parecido com a concorrência. Não tenho essa angústia. As pessoas depois de verem não vão fazer comparações. São coisas completamente diferentes.

Vamos fazer uma apresentação com toda a gente. A TVI convidou-nos para o programa Cristina ComVida e nós lá estaremos. É um começo em grande. O que é engraçado nesta novela e que eu senti desde que cá cheguei é que há uma grande unidade na novela. Ou seja, as pessoas que a estão a fazer estão todas juntas. Percebe-se que é uma equipa vencedora.

 

 

  • Love 2
Link to post
Share on other sites
há 1 minuto, André disse:

Acho muito bem, este gif não pode morrer. :brinde:

Não sei quem o fez, mas que mente brilhante 

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

  • LOL 2
Link to post
Share on other sites

Genérico e tema dignos de programa pimba. Agora só falta tirar os nomes dos actores e cortar para o local onde se desenrola o suposto "programa" (embora sei que é novela).

Link to post
Share on other sites

As novelas da Globo são muito humor, mas geralmente abordam temas sérios. Chocolate com Pimenta e Haja Coração têm histórias de vingança, Salve-se Quem Puder tem uma trama policial. É rara a novela que não tem uma vilã bem vincada.

Se for só uma história para a palhaçada, sem substância, até pode fazer valores simpáticos como um Beirais, mas jamais vai ser algo que vai ficar na memória...

Link to post
Share on other sites
há 9 minutos, Free Live disse:

Chocolate com Pimenta

Aqui há vários tipo de humor como um humor pastelão nas novelas do Ortíz e Silvio de Abreu. Humor farofa no Walcyr, Humor circo, humor com drama e outras formas. Seria uma boa caso tivesse um horário assim fixado em Portugal.

Link to post
Share on other sites

Não puseram todos os nomes no genérico. Faltam os do Ricardo Trepa, Kika Cerqueira Gomes, Marta Gil, Maria Sampaio, Filomena Gonçalves (e outros que provavelmente não identifiquei). Devem ser considerados elenco adicional.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Não se podem queixar de promoção, 45 minutos de acesso ao Prime completamente dedicados à estreia e a terminar o programa da Cristina com um mega oráculo a dizer que estreia esta noite

  • Like 4
Link to post
Share on other sites
há 1 minuto, Tiagotv disse:

Não se podem queixar de promoção, 45 minutos de acesso ao Prime completamente dedicados à estreia e a terminar o programa da Cristina com um mega oráculo a dizer que estreia esta noite

Mesmo em termos de qualidade de promoção também foi das novelas que teve das estratégias mais diferentes dos últimos tempos, até teve direito a distribuição de flyers. A única coisa que faltou, a meu ver, foi um Somos Portugal dedicado ontem - o SP é claramente o programa que tem mais a ver com a novela. Mas percebo que pudesse anular um bocado o efeito o CCV de hoje.

 

Link to post
Share on other sites
há 10 minutos, mrimbaiwtshc disse:

Não puseram todos os nomes no genérico. Faltam os do Ricardo Trepa, Kika Cerqueira Gomes, Marta Gil, Maria Sampaio, Filomena Gonçalves (e outros que provavelmente não identifiquei). Devem ser considerados elenco adicional.

Ah não. Têm de listar no genérico! 

#barracanoinstadatina

  • Sad 1
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...