Jump to content

Notícias TVI


Recommended Posts

  • Replies 22.4k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Felipa Garnel nova diretora de programas. Bruno Santos está out. Felipa Garnel assume Direção de Programas da TVI https://tvi24.iol.pt/sociedade/18-07-2019/felipa-garnel-assume-direcao-de-programas-da-tvi  

Ouro Verde ganhou o Emmy!

há 1 minuto, RGarrido disse:

A Cristina ainda vai lançar a carta reverse do Uno e lançar um OPA à Cofina :curtainpeek:

  Spoiler - mostrar conteúdo oculto

Agora quero-vos ver a tentar meter os :confuso:, mas sem poder, sofram :cryhappy:

 

Olha que já imaginei isso varias vezes...

Cristina compra Cofina e fecha-a logo de seguida :riso::riso::riso:

  • Love 1
  • LOL 1
Link to post
Share on other sites
há 1 minuto, John1986 disse:

Olha que já imaginei isso varias vezes...

Cristina compra Cofina e fecha-a logo de seguida :riso::riso::riso:

Antes disso ainda despedia a sua maior inimiga, Luísa Jeremias.

  • LOL 1
Link to post
Share on other sites
há 4 minutos, dav01 disse:

Cofina 0- Media Capital 1 <3

Media Capital aconselha acionistas a rejeitarem OPA da Cofina

A Media Capital considera que o preço oferecido pela Cofina, 41,5 cêntimos por ação, não reflete o valor da empresa. Além disso, denuncia as notícias dos meios da Cofina para atacar a Media Capital. 

A administração da Media Capital aconselha os acionistas da empresa de media a rejeitarem a Oferta Pública de Aquisição lançada pela Cofina a 41,5 cêntimos por ação. “O Conselho de Administração da Media Capital considera que o preço oferecido não reflete adequadamente o valor da Sociedade e que o prémio implícito na Oferta é baixo considerando a prática seguida no mercado nas situações onde existiu aquisição de controlo. Portanto, o Conselho de Administração não pode recomendar que os acionistas vendam as suas ações ao preço oferecido”, lê-se no comunicado divulgado ao mercado.

A resposta da administração da empresa que é dona da TVI é particularmente assertiva. Além de questionar o preço oferecido para uma tomada de controlo da empresa, ao contrário da operação que foi feita com Mário Ferreira, a administração da Media Capital recorda que “é notória a recuperação, tanto da quota de audiência como do mercado de publicidade nos últimos meses do 1º semestre de 2020”. Além disso, a administração da Media Capital assinala as contratações realizadas nos últimos meses, numa referência implícita a Cristina Ferreira, que saiu da SIC para a TVI.

A Cofina, recorde-se, alterou as condições e o preço de uma anterior oferta de aquisição sobre a Media Capital, desta vez para a totalidade do capital e a 41,5 cêntimos por ação. A administração da Media Capital — empresa controlada pelos espanhóis da Prisa com cerca de 65% do capital — comprara também a revisão de preço oferecida pela Cofina nesta oferta com a que tinha lançado em dezembro do ano passado, de 70%, quando a redução de valor da cotação de outros grupos de media comparados caíram 40%.

Na resposta à OPA, a Media Capital também ‘destrói’ a oferta por não apresentar qualquer plano estratégico para o futuro da companhia. “A trajetória da Cofina não permite garantir a credibilidade no mercado nem uma estratégia sustentável no âmbito dos media, tendo dado recentemente sinais contraditórias e abortado ultimamente a transação Anunciada Preliminarmente na sequência da celebração do contrato de 20 de setembro de 2019, de compra e venda de acções com a Promotora de Informaciones, S.A. (“Prisa”)”.

A Media Capital não se limita a rejeitar a OPA por causa do preço ou da ausência de um plano estratégico. “Após renunciar ao acordo e a subsequente transação nos termos anunciados preliminarmente a 21 de setembro de 2019, a Cofina iniciou uma estratégia publica de desvalorização do Grupo Media Capital utilizando as suas publicações, para veicular de forma reiterada noticias negativas do Grupo Media Capital e dos seus acionistas, visando evidentemente lesar a sua imagem e credibilidade dos seus principais ativos”, lê-se na resposta divulgada esta sexta-feira à noite.

Fonte:ECO

Ou seja vai acabar por cair, porque basta a MC rejeitar a proposta que a OPA deixa de ter efeito.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
há 32 minutos, D91 disse:

Eu ainda estou para perceber este interesse da Cofina pela Média Capital. Até tenho medo das ideias deles.

Porque não transformar a TVI numa CMTV? Alerta TVI :clap:

Link to post
Share on other sites
há 1 hora, D91 disse:

Eu ainda estou para perceber este interesse da Cofina pela Média Capital. Até tenho medo das ideias deles.

É claramente óbvio, ter o maior grupo de comunicação do país. Com uma CMTV líder no cabo, com a TVI com vista a liderar a médio - longo prazo, a Cofina só sairia a ganhar. 

No entanto, a estratégia da MC é outra. 

Sobre a estrutura, o coiso do grafismo já devia de ter sido afastado. Pelo menos, que a Cristina meta as mãos nisso e dê as suas ideias. 

  • Like 4
Link to post
Share on other sites
há 8 minutos, Tomás Rodrigues Lopes disse:

Mas será que custa assim tanto a esta gente perceber qual a diferença entre um diretor-geral e um diretor de programas? Vamos às analogias, talvez seja mais fácil.
O Nuno assume o cargo de primeiro-ministro, a Cristina e os outros assumem as pastas dos vários departamentos da estação, como se fossem ministros.

O papel do Nuno será essencialmente um cargo de natureza estratégica. Ele define os objetivos, as políticas de programação e conteúdos e a visão de longo-prazo que pretende para a estação e os outros diretores assumem uma posição mais operacional, trabalhando o dia-a-dia da estação, com base nos objetivos e metas definidos pelo Diretor-Geral.

E sim, o Nuno manda mais do que a Tina porque o Nuno supervisiona tudo (programação, informação, comunicação e marketing...) enquanto que a Cristina é a responsável operacional pela programação. Ela e o Anselmo, por exemplo, respondem diretamente ao Nuno Santos.

Achei um pouco rude da tua parte, honestamente, mas obrigado por responderes. Fiquei surpreendido só com a parte da gestão de grelha e gestão orçamental, porque achava que esse era o trabalho do diretor-geral, não pensava que pertencesse ao diretor de programa, por isso perguntei de forma genuína, embora com algum humor. Obrigado pelo esclarecimento. 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
há 19 minutos, Tomás Rodrigues Lopes disse:

A posição do board da MC não surpreende... Já estava mais que visto.

Mas será que custa assim tanto a esta gente perceber qual a diferença entre um diretor-geral e um diretor de programas? Vamos às analogias, talvez seja mais fácil.
O Nuno assume o cargo de primeiro-ministro, a Cristina e os outros assumem as pastas dos vários departamentos da estação, como se fossem ministros.

O papel do Nuno será essencialmente um cargo de natureza estratégica. Ele define os objetivos, as políticas de programação e conteúdos e a visão de longo-prazo que pretende para a estação e os outros diretores assumem uma posição mais operacional, trabalhando o dia-a-dia da estação, com base nos objetivos e metas definidos pelo Diretor-Geral.

E sim, o Nuno manda mais do que a Tina porque o Nuno supervisiona tudo (programação, informação, comunicação e marketing...) enquanto que a Cristina é a responsável operacional pela programação. Ela e o Anselmo, por exemplo, respondem diretamente ao Nuno Santos.

Eu sou da opinião que vos custa entender que isso não vai resultar e um dos dois vai ter necessariamente de cair.

  • Thanks 4
Link to post
Share on other sites
há 56 minutos, Da ni el disse:

Achei um pouco rude da tua parte, honestamente, mas obrigado por responderes. Fiquei surpreendido só com a parte da gestão de grelha e gestão orçamental, porque achava que esse era o trabalho do diretor-geral, não pensava que pertencesse ao diretor de programa, por isso perguntei de forma genuína, embora com algum humor. Obrigado pelo esclarecimento. 

Não quis ser rude, de todo. Se o fui, desculpa, mas essa história sobre a relação entre os dois, nomeadamente o facto de muito por aqui se questionar para que serve o Nuno, já passou por aqui tanta vez, e parece-me uma noção de hierarquia tão simples, que me custa a perceber por que motivo se acha o Nuno Santos descartável neste projecto de futuro que a TVI parece apresentar.

Eu não tinha percebido que a tua questão era especificamente sobre a vertente de gestão orçamental, pareceu-me ser algo genérico sobre a função do Nuno Santos, daí a minha reação. Tenho a sensação de que o diretor de programas tem de lidar com orçamentos porque, afinal, é ele (ou ela, neste caso) que escolhe os formatos e define as grelhas, ora, estando tudo isso dependente do orçamento para os financiar, o diretor de programas tem de fazer escolhas em função do orçamento que tem (e que certamente lhe será dado pelo diretor-geral).

Mas ainda bem que falas do orçamento porque a notícia do PÚBLICO que já aqui foi partilhada refere, a propósito disso, o seguinte: a estrutura visa uma “centralização da decisão, sustentada num robusto controlo orçamental” embora os diferentes directores tenham “autonomia, iniciativa e poder efectivo”. Portanto, não me parece restarem dúvidas de que é o Nuno que tem a chave do cofre. E isto é uma coisa. Depois, a Cristina, com o orçamento que lhe cabe, terá de construir uma grelha e isso será com ela. O Nuno só deverá intervir para discutir e definir as guidelines que devem balizar o trabalho dela, como os targets que se pretende atingir, a política/estratégia de programação a seguir e etc. No fundo, ele vai fazer com a Cristina aquilo que já sabemos que ele fez com a informação.

há 49 minutos, Lu Bloqueada até 03.08 disse:

Eu sou da opinião que vos custa entender que isso não vai resultar e um dos dois vai ter necessariamente de cair.

Eu acho que estão os dois condenados a entenderem-se porque uma coisa é certa: a TVI precisa dos dois e não pode desperdiçar nenhum. Eu estou convencido que o NS vai dizer à Cristina, genericamente, aquilo que pretende e ela depois, dentro desses limites e do orçamento que tem, fará o que entender. Porque se não for o NS, vão ser os accionistas a fazer esse trabalho. A Cristina não vai simplesmente ter aquilo que quer e pronto, sem limites. E acho que a administração do grupo, ainda para mais ao promovê-lo a diretor-geral, já deu sobejos sinais de que conta com o Nuno e de que precisa dele para o futuro quase tanto como precisa da Cristina.

  • Like 2
  • Thanks 1
Link to post
Share on other sites
On 30/08/2020 at 00:50, PedroTexas disse:

Depende de como for a personalidade do Nuno. Se for daqueles que engole sapos então vai correr bem. Se fizer frente à Cristina, que gosta de controlar tudo (não é hate, foi assim que se tornou na brilhante mulher de negócios que é hoje), então claro que vão ser incompatíveis. Não consigo imaginar o Nuno a dar ordens à Cristina.

São duas personalidades fortes e com carreira feita. Terão de ser inteligentes e encontrar uma plataforma de entendimento...a bem da TVI.

  • Like 3
Link to post
Share on other sites
há 1 hora, Tiagotv disse:

Para mim foi o maior choque este mês 

Sem BB, com o final de tarde um fosso e sem apostas nenhumas, ser o melhor mês do ano...

Sem dúvida, com a programação mais fraca, sem o reality a ajudar em quatro horas por dia, e mesmo assim encurtaram a diferença para a SIC. 

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...