Jump to content

Panda e Biggs


prow

Recommended Posts

O Biggs é mesmo uma merda de canal, sinceramente. Censuram tudo e mais alguma coisa, menos homofobia, violência e cenas de sexo hetero. Em vez de ouvirem as muitas criticas à censura e emendarem os seus atos, não, melhor mesmo é remover os animes da antena. Grande exemplo sim senhor.

  • Like 4
Link to comment
Share on other sites

Sim, mas ironicamente não censuram o Shin-Chan. Teria sido bem pior se o Cartoon Network tivesse os direitos, mas em Espanha dá na Neox, e ainda bem.

Agora, com 18 anos, estou a viver a era do politicamente correcto nos canais infantis. E estou triste porque a variedade dos conteúdos caiu de 2012 para cá.

Link to comment
Share on other sites

há 1 hora, ATVTQsV disse:

Sim, mas ironicamente não censuram o Shin-Chan. Teria sido bem pior se o Cartoon Network tivesse os direitos, mas em Espanha dá na Neox, e ainda bem.

Agora, com 18 anos, estou a viver a era do politicamente correcto nos canais infantis. E estou triste porque a variedade dos conteúdos caiu de 2012 para cá.

Falando de "Shin Chan" - a TV7 Dias desta semana deu-lhe um destaque de duas páginas (e é resumido na capa desta forma: "Canal infantil irrita pais - saiba porquê (Bronca)")...

Edited by LAboy 456
Link to comment
Share on other sites

De modo a que ninguém perca a reportagem sobre a controvérsia, está aqui a transcrição (com algumas adaptações - eu, resistente do acordo, também acho que "Shin-Chan" leva traço-de-união, ao ser um honorífico japonês) da reportagem da TV 7 Dias sobre o assunto.

Spoiler

 

O canal infantil Biggs está no centro de uma polémica relacionada com o conteúdo impróprio de Shin-Chan, uma série de animação transmitida desde 2013. Em causa está o episódio de 27 de Novembro, que mostra a personagem principal, Shinnosuke "Shin" Nohara, de cinco anos de idade, a ser abordado por uma médica e duas enfermeiras. O momento chocante acontece quando a médica agarra na criança e lhe afasta as duas nádegas, seguindo-se o seguinte diálogo:
"Este rapaz tem um ânus tão bonito, há muito tempo que não via um ânus tão bonito", começa por dizer. Uma das enfermeiras, antes de introduzir o dedo no orifício do personagem, enquanto este transpira de dor, responde ainda:
"Nem eu. Como será o interior?"

Ora, estas imagens têm estado a chocar muitos pais, que usaram um grupo privado do Facebook para transmitir a sua indignação:
"O Panda Biggs decidiu censurar um beijo lésbico na nova série da Sailor Moon porque aparentemente duas raparigas beijarem-se é uma acção muito complicada para crianças e pré-adolescentes "perceberem". In the meantime, passa este episódio de Shin-Chan, porque adultos a tocar inapropriadamente em corpos de crianças é uma mensagem cinco estrelas", escreve um dos membros do grupo Mães.

"Não sou muito deste género de posts, mas desta vez tinha mesom de o fazer. Não sei se em jeito de alerta para todos os pais ou se em jeito de "bora lá fazer barulho e acabar com um programa como este a passar num canal infantil" (ou que acha que não é infantil porque se diz Biggs, mas que é Panda, é português, e quem o vê são crianças a partir dos seis anos)", defende outro elemento do grupo.

Shin-Chan, que conta a história de um rapaz de cinco anos travesso, que adora mandar piropos a raparigas mais velhas, e que usa, muitas vezes, linguagem imprópria e adira mostrar as suas partes íntimas, tem sido alvo de várias polémicas ao longo dos anos, um pouco por todo o mundo, devido ao conteúdo inadequado para criança. Inclusive, no Japão, de onde é originário, um estudo realizado pela Confederação Nacional de Associações de Pais e Professores revelou que esta série surge em terceiro lugar na lista de programas que os progenitores menos querem que sejam vistos pelos seus filhos. Sendo o Biggs um canal que a Entidade Reguladora da Comunicação (ERC) caracteriza como "um serviço de programas temático infantil dirigido a um público entre os oito e os 14 anos", muitos são os pais a pedirem que o programa em causa seja retirado do ar.

A TV 7 Dias contactou a ERC para averiguar se teria sido feita alguma reclamação a este organismo. A resposta que obtivemos, no passado dia 14, foi a seguinte:
"Relativamente à série Shin-Chan, emitida no serviço de programas Panda Biggs, a ERC regista, entre o dia 5 de Dezembro e a presente data, a recepção de 119 participações, que incidem sobre a alegada transmissão de conteúdos televisivos inapropriados. Estas participações encontram-se ainda em apreciação pelos servicos da ERC."

Questionado sobre esse assunto, o Biggs respondeu:
"A cena em causa, dos 12m e 10s aos 12m e 30s do episódio 164, em que Shin-Chan é visto por uma médica e enfermeiras num hospital, está retirada do seu contexto e, assim, desvirtuada. Como em qualquer série televisiva, nenhuma cena deve ser considerada, avaliada e criticada se retirada do contexto no episódio de que faz parte, uma vez que tal é susceptível - como é claro e manifesto neste caso - de uma interpretação errada, precipitada, injusta e inadequada de que decorrem alguns dos comentários e críticas negativas a seu propósito. Apreciar o tipo de humor da série ou da personagem Shin-Chan e sua irreverência é um direito de cada um. Mas importa que a série, os episódios e as cenas sejam vistas no seu conjunto e contexto."

Historial de queixas:
O canal Biggs já esteve mais vezes debaixo de fogo. Em 2012 foi apresentada na ERC uma reclamação relativamente "à utilização de linguagem imprópria num episódio da série Transformers Prime" (ver deliberação aqui). Na altura, este organismo decidiu que o canal, sendo um serviço temático dirigido a crianças entre os 8 e os 14 anos, "deve assegurar que todos os programas que difunde comtêm conteúdos e linguagem apropriados ao seu público preferencial". Em 2014, a ERC recebeu outra queixa contra a emissão "de cenas de "um programa supostamente de humor", em que terão sido exibidos os seios de uma senhora". Nesse mesmo programa terá ainda "ocorrido a eexplosão de um animal de peluche". A série Morangos com Açúcar também foi criticada por serem emitidas "cenas de violência e de sexo algo inapropriadas para a idade das crianças a que se destina o canal". (ver deliberação aqui)

A ERC deixou duas advertências ao canal infantil:
"Adequar os conteúdos exibidos à faixa etária a que se destina [8-14 anos], tendo especial atenção ao facto de (...) induzier nos pais e educadores a sensação de menor necessidade de vigilância nos conteúdos, sendo-lhe, assim, exigida maior acuidade na composição das grelhas; e adoptar um sistema de classificação de programas de televisão que preveja um conjunto de sinais identificadores dos diferentes escalões etários em função dos conteúdos apresentados."

(texto original de Carla Ventura, publicado na TV 7 Dias a 20 de Dezembro de 2016)

 

Entretanto, o Biggs decidiu substituir Shin-Chan no seu horário (17:30) pela série Sonic X, que estreou no início do ano. Os telespectadores do canal já escreveram em massa para poderem continuar com a transmissão dos animes suspendidos. Cabe a nós, crianças nascidas na geração "gulosa e politicamente incorrecta" dos anos 90 e da primeira metade dos 2000 (a chegada do Noddy e do Ruca complicou as coisas), de perceber o porquê dos canais infantis estarem com um formato mais "politicamente correcto" do que antes.

  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

há 2 horas, ATVTQsV disse:

De modo a que ninguém perca a reportagem sobre a controvérsia, está aqui a transcrição (com algumas adaptações - eu, resistente do acordo, também acho que "Shin-Chan" leva traço-de-união, ao ser um honorífico japonês) da reportagem da TV 7 Dias sobre o assunto.

  Hide contents

 

O canal infantil Biggs está no centro de uma polémica relacionada com o conteúdo impróprio de Shin-Chan, uma série de animação transmitida desde 2013. Em causa está o episódio de 27 de Novembro, que mostra a personagem principal, Shinnosuke "Shin" Nohara, de cinco anos de idade, a ser abordado por uma médica e duas enfermeiras. O momento chocante acontece quando a médica agarra na criança e lhe afasta as duas nádegas, seguindo-se o seguinte diálogo:
"Este rapaz tem um ânus tão bonito, há muito tempo que não via um ânus tão bonito", começa por dizer. Uma das enfermeiras, antes de introduzir o dedo no orifício do personagem, enquanto este transpira de dor, responde ainda:
"Nem eu. Como será o interior?"

Ora, estas imagens têm estado a chocar muitos pais, que usaram um grupo privado do Facebook para transmitir a sua indignação:
"O Panda Biggs decidiu censurar um beijo lésbico na nova série da Sailor Moon porque aparentemente duas raparigas beijarem-se é uma acção muito complicada para crianças e pré-adolescentes "perceberem". In the meantime, passa este episódio de Shin-Chan, porque adultos a tocar inapropriadamente em corpos de crianças é uma mensagem cinco estrelas", escreve um dos membros do grupo Mães.

"Não sou muito deste género de posts, mas desta vez tinha mesom de o fazer. Não sei se em jeito de alerta para todos os pais ou se em jeito de "bora lá fazer barulho e acabar com um programa como este a passar num canal infantil" (ou que acha que não é infantil porque se diz Biggs, mas que é Panda, é português, e quem o vê são crianças a partir dos seis anos)", defende outro elemento do grupo.

Shin-Chan, que conta a história de um rapaz de cinco anos travesso, que adora mandar piropos a raparigas mais velhas, e que usa, muitas vezes, linguagem imprópria e adira mostrar as suas partes íntimas, tem sido alvo de várias polémicas ao longo dos anos, um pouco por todo o mundo, devido ao conteúdo inadequado para criança. Inclusive, no Japão, de onde é originário, um estudo realizado pela Confederação Nacional de Associações de Pais e Professores revelou que esta série surge em terceiro lugar na lista de programas que os progenitores menos querem que sejam vistos pelos seus filhos. Sendo o Biggs um canal que a Entidade Reguladora da Comunicação (ERC) caracteriza como "um serviço de programas temático infantil dirigido a um público entre os oito e os 14 anos", muitos são os pais a pedirem que o programa em causa seja retirado do ar.

A TV 7 Dias contactou a ERC para averiguar se teria sido feita alguma reclamação a este organismo. A resposta que obtivemos, no passado dia 14, foi a seguinte:
"Relativamente à série Shin-Chan, emitida no serviço de programas Panda Biggs, a ERC regista, entre o dia 5 de Dezembro e a presente data, a recepção de 119 participações, que incidem sobre a alegada transmissão de conteúdos televisivos inapropriados. Estas participações encontram-se ainda em apreciação pelos servicos da ERC."

Questionado sobre esse assunto, o Biggs respondeu:
"A cena em causa, dos 12m e 10s aos 12m e 30s do episódio 164, em que Shin-Chan é visto por uma médica e enfermeiras num hospital, está retirada do seu contexto e, assim, desvirtuada. Como em qualquer série televisiva, nenhuma cena deve ser considerada, avaliada e criticada se retirada do contexto no episódio de que faz parte, uma vez que tal é susceptível - como é claro e manifesto neste caso - de uma interpretação errada, precipitada, injusta e inadequada de que decorrem alguns dos comentários e críticas negativas a seu propósito. Apreciar o tipo de humor da série ou da personagem Shin-Chan e sua irreverência é um direito de cada um. Mas importa que a série, os episódios e as cenas sejam vistas no seu conjunto e contexto."

Historial de queixas:
O canal Biggs já esteve mais vezes debaixo de fogo. Em 2012 foi apresentada na ERC uma reclamação relativamente "à utilização de linguagem imprópria num episódio da série Transformers Prime" (ver deliberação aqui). Na altura, este organismo decidiu que o canal, sendo um serviço temático dirigido a crianças entre os 8 e os 14 anos, "deve assegurar que todos os programas que difunde comtêm conteúdos e linguagem apropriados ao seu público preferencial". Em 2014, a ERC recebeu outra queixa contra a emissão "de cenas de "um programa supostamente de humor", em que terão sido exibidos os seios de uma senhora". Nesse mesmo programa terá ainda "ocorrido a eexplosão de um animal de peluche". A série Morangos com Açúcar também foi criticada por serem emitidas "cenas de violência e de sexo algo inapropriadas para a idade das crianças a que se destina o canal". (ver deliberação aqui)

A ERC deixou duas advertências ao canal infantil:
"Adequar os conteúdos exibidos à faixa etária a que se destina [8-14 anos], tendo especial atenção ao facto de (...) induzier nos pais e educadores a sensação de menor necessidade de vigilância nos conteúdos, sendo-lhe, assim, exigida maior acuidade na composição das grelhas; e adoptar um sistema de classificação de programas de televisão que preveja um conjunto de sinais identificadores dos diferentes escalões etários em função dos conteúdos apresentados."

(texto original de Carla Ventura, publicado na TV 7 Dias a 20 de Dezembro de 2016)

 

Entretanto, o Biggs decidiu substituir Shin-Chan no seu horário (17:30) pela série Sonic X, que estreou no início do ano. Os telespectadores do canal já escreveram em massa para poderem continuar com a transmissão dos animes suspendidos. Cabe a nós, crianças nascidas na geração "gulosa e politicamente incorrecta" dos anos 90 e da primeira metade dos 2000 (a chegada do Noddy e do Ruca complicou as coisas), de perceber o porquê dos canais infantis estarem com um formato mais "politicamente correcto" do que antes.

Mas eles nos anos 90 também censuravam, não esquecer que na Sailor Moon transformaram a Sailor Uranus e a Sailor Neptune em "primas" (se não estou em erro, penso que foi isso) e trocaram o sexo do gato Luna.

há 8 minutos, Danno41 disse:

O Biggs esteve muito bem ao defender-se daquela cena do Shin Chan. Os paizitos viram a cena totalmente fora do contexto...

Mas que a cena é bizarra é, eu não vi esse ep mas do que li até me arrepiei. Agora escusavam de ter tirado a série do ar...

Edited by Forbidden
Link to comment
Share on other sites

O episódio passa-se num hospital apenas para a cura de hemorróidas. Daí aquela cena...

Realmente, não deviam ter tirado a série do ar... Havia muita gente que gostava, inclusive eu. Foi um bocado falta de respeito, nem um comunicado fizeram acerca disso.

Edited by Danno41
Link to comment
Share on other sites

há 5 minutos, Forbidden disse:

Mas eles nos anos 90 também censuravam, não esquecer que na Sailor Moon transformaram a Sailor Uranus e a Sailor Neptune em "primas" (se não estou em erro, penso que foi isso) e trocaram o sexo do gato Luna.

Mas que a cena é bizarra é, eu não vi esse ep mas do que li até me arrepiei. Agora escusavam de ter tirado a série do ar...

1: As censuras dos anos 90 eram normais, era só porque recebiam as cópias da empresa francesa AB, que cortou montes de anime. Eles também foram os responsáveis daquela canção do "Dragon Ball Z-Z-Z, energia total".

2: Vi esse episódio no verão e não vi problema nenhum. Basicamente o Hiroshi (o pai do Shinnosuke) teve um acidente e foi ao hospital, acho que era uma trilogia.

Link to comment
Share on other sites

há 2 minutos, Danno41 disse:

O episódio passa-se num hospital apenas para a cura de hemorróidas. Daí aquela cena...

Realmente, não deviam ter tirado a série do ar... Havia muita gente que gostava, inclusive eu. Foi um bocado falta de respeito, nem um comunicado fizeram acerca disso.

Isso eu concordo, foi algo muito abrupto. Aliás, eu quando ia ver novos eps do Shin Chan não encontrei nas gravações, e pensei "hmmm, deixaram de dar, será que mudou de horário?!" agora percebi o porque de terem deixado de dar.

Link to comment
Share on other sites

Epá, eu tenho de escrever isto:

Eu acho graça como é que vivemos tempos em que os canais infantis e infanto-juvenis censuram cada vez mais, os pais fazem fazem cada vez mais birras quanto aos conteúdos dos mesmos e as crianças e pré-adolescentes são cada vez mais precoces no conhecimento que têm sobre os temas que os pais fazem birra e os canais censuram.

  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

há 9 horas, Ambrósio disse:

Enfim, criticam e censuram essas coisas, quando qualquer criança pode ver coisas bem piores na net, e hoje em dia já quase todas as crianças têm pc ou tablet, mais facilmente vêm essas coisas piores para elas...

Mesmo, tem uma lógica... e que na internet está tudo ao alcance de um click, e quase todas as crianças hoje em dia tem acesso a internet, portanto de que adianta censurarem a televisão se as crianças podem ver o que quiserem na net?! Parece que não pensam :O

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Por acaso tinha ideia que o Shin Chan passava só às 23 e tal, podiam manter só nesse horário, hoje em dia há gravações automáticas quem não pudésse ver a essa hora voltava atrás, eu em tempos era grande fã do Shin Chan tinha montes de episódios no pc, até me admira não ter havido problemas mais cedo, aqui há 2 meses para aí, o Nuno Markl pôs uma foto do filho a ver e a elogiar a série e foi duramente criticado logo ali percebi a opinião dos pais em relação à série, qualquer dia vão os Morangos à vida também.

  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

há 1 hora, Forbidden disse:

Mesmo, tem uma lógica... e que na internet está tudo ao alcance de um click, e quase todas as crianças hoje em dia tem acesso a internet, portanto de que adianta censurarem a televisão se as crianças podem ver o que quiserem na net?! Parece que não pensam :O

É... O meu irmão (10) tem um tablet e às vezes apanho-o na net a ver cada coisa, eu até fico de boca aberta, eu na idade dele era um santo e inocente, ia à net jogar no miniclip, no club penguin, jogava os jogos do windows xD

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Só que o Biggs devia ser um canal para maiores de 10 ano até aos 16, por isso não estou a perceber o drama dos pais, quando os filhos já começam a entrar num idade "perigosa" e não é por culpa da televisão, e como disseram acima há internet e agora qualquer criança tem acesso a ela, mas enfim tanto os querem meter numa bolhinha, eu via isto quando era pequeno e não me transtornou, via Dragon Ball super violento, via digimons femeas a disparar lasers pelas mamas, enfim ridiculo, há 20 anos atrás 1996 havia mais liberdade.

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Recorde-se que a última vez em que houve uma grande controvérsia com um anime em Portugal foi quando a SIC retirou a dobragem portuguesa de Evangelion do Buéréré por causa da sobrecarga de referências à religião, ao existencialismo, entre outros problemas "pesados" para as crianças. Isto aconteceu em 1998.

Link to comment
Share on other sites

há 11 horas, srcbica disse:

Epá, eu tenho de escrever isto:

Eu acho graça como é que vivemos tempos em que os canais infantis e infanto-juvenis censuram cada vez mais, os pais fazem fazem cada vez mais birras quanto aos conteúdos dos mesmos e as crianças e pré-adolescentes são cada vez mais precoces no conhecimento que têm sobre os temas que os pais fazem birra e os canais censuram.

Já vi no twitter, miúdos com 12-13 anos a falarem de como se deve fazer sexo anal. :lol: Os pais são rídiculos, 

  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

há 30 minutos, ATVTQsV disse:

Recorde-se que a última vez em que houve uma grande controvérsia com um anime em Portugal foi quando a SIC retirou a dobragem portuguesa de Evangelion do Buéréré por causa da sobrecarga de referências à religião, ao existencialismo, entre outros problemas "pesados" para as crianças. Isto aconteceu em 1998.

Eu adoro esse anime. Mas deve ver-se em japonês. A dobragem é péssima. :girlsigh:

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...