Jump to content
Rodolfo

Sexualidade

Recommended Posts

Boa tarde!

E o seguinte: eu estou interessado num rapaz (que eu acho que também e gay). Como é que eu posso começar a meter conversa com ele sem que isso pareça estranho?

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 2 horas, MariaJoão Vacosa disse:

Boa tarde!

E o seguinte: eu estou interessado num rapaz (que eu acho que também e gay). Como é que eu posso começar a meter conversa com ele sem que isso pareça estranho?

Tenta ir a algum evento ou coisa assim que ambos gostem (e onde ele vá também) e mete conversa com ele sobre um tema relacionado. 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

LOL, o que é que se pode esperar de um presidente anti-LGBT? :portugal:

  • Like 2
  • Confused 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 8 horas, Mr. Robot disse:

LOL, o que é que se pode esperar de um presidente anti-LGBT? :portugal:

Ele só vetou a lei pra que esta inclua um relatório médico, e acho que fez bem, foi uma lacuna da lei. Aliás, uma pessoa nem pode estar num processo de mudança de sexo/género sem ser acompanhada por médicos.

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 7 minutos, Forbidden disse:

Ele só vetou a lei pra que esta inclua um relatório médico, e acho que fez bem, foi uma lacuna da lei. Aliás, uma pessoa nem pode estar num processo de mudança de sexo/género sem ser acompanhada por médicos.

Atenção, o que foi vetado foi a possibilidade de requerer um "procedimento de mudança da menção do sexo no registo civil e da consequente alteração de nome próprio", através dos representantes legais (do/a menor, a partir dos 16 anos), sem necessidade de um relatório médico. Ou seja, o que está em causa nesta Lei não é a correção física (alteração cirúrgica), apenas e só a alteração de género e nome no registo civil.

O processo de alteração física continua, como sempre foi, a ser monitorizado por um conjunto de profissionais de saúde.

A mim, este veto não faz o menor sentido. Primeiro, aos 16 anos a identidade de género está mais que definida. Segundo, não é o menor que, arbitrariamente, vai ao Registo Civil pedir a mudança de género e nome no Cartão de Cidadão, teria sempre de estar acompanhado pelos seus representantes legais... A não identidade de género deve ser das coisas mais angustiantes que existem e isto seria apenas o 1.º passo facilitado, um preâmbulo, para o consequente processo cirúrgico e hormonal. Mas não, viva a burocracia.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 2 minutos, Kandinsky disse:

Atenção, o que foi vetado foi a possibilidade de requerer um "procedimento de mudança da menção do sexo no registo civil e da consequente alteração de nome próprio", através dos representantes legais (do/a menor, a partir dos 16 anos), sem necessidade de um relatório médico. Ou seja, o que está em causa nesta Lei não é a correção física (alteração cirúrgica), apenas e só a alteração de género e nome no registo civil.

O processo de alteração física continua, como sempre foi, a ser monitorizado por um conjunto de profissionais de saúde.

A mim, este veto não faz o menor sentido. Primeiro, aos 16 anos a identidade de género está mais que definida. Segundo, não é o menor que, arbitrariamente, vai ao Registo Civil pedir a mudança de género e nome no Cartão de Cidadão, teria sempre de estar acompanhado pelos seus representantes legais... A não identidade de género deve ser das coisas mais angustiantes que existem e isto seria apenas o 1.º passo facilitado, um preâmbulo, para o consequente processo cirúrgico e hormonal. Mas não, viva a burocracia.

Mas a pessoa vai lá mudar o nome porque pretende mudar de sexo, não? Uma coisa está ligada à outra. Ou a pessoa muda apenas o nome e depois não muda o sexo?!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Agora mesmo, Forbidden disse:

Mas a pessoa vai lá mudar o nome porque pretende mudar de sexo, não? Uma coisa está ligada à outra. Ou a pessoa muda apenas o nome e depois não muda o sexo?!

Há miúdos e miúdas que aos 16 anos (e antes)  há muito que se comportam e vestem consoante o género com que se identificam. E podem até já estar inseridos no processo médico de alteração física (que leva anos). Porque raio devem estar ainda associados a um nome que não querem? Vi uma reportagem de um rapaz (que fisiologicamente ainda é rapariga, mas que visualmente é já claramente um rapaz), que sofre horrores cada vez que vai a um sítio onde é necessário mostrar a ID. Ninguém inicia um processo de mudança de género por capricho, e, eu como sou por natureza a favor da eliminação do sofrimento alheio, sou a favor da celeridade deste processo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 1 minuto, Kandinsky disse:

Há miúdos e miúdas que aos 16 anos (e antes)  há muito que se comportam e vestem consoante o género com que se identificam. E podem até já estar inseridos no processo médico de alteração física (que leva anos). Porque raio devem estar ainda associados a um nome que não querem? Vi uma reportagem de um rapaz (que fisiologicamente ainda é rapariga, mas que visualmente é já claramente um rapaz), que sofre horrores cada vez que vai a um sítio onde é necessário mostrar a ID. Ninguém inicia um processo de mudança de género por capricho, e, eu como sou por natureza a favor da eliminação do sofrimento alheio, sou a favor da celeridade deste processo.

E eu sou a favor da lei, mas acho que tem que ser acompanhado por um médico. Esse tipo de decisão é demasiado importante pra ser feita sem aconselhamento médico. Não acho isso uma burocracia, é algo fulcral.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 1 minuto, Forbidden disse:

E eu sou a favor da lei, mas acho que tem que ser acompanhado por um médico. Esse tipo de decisão é demasiado importante pra ser feita sem aconselhamento médico. Não acho isso uma burocracia, é algo fulcral.

Mas achas mesmo que os representantes legais do menor de 16 anos aceitam (iniciar) o processo sem consultar um médico/especialista primeiro?

O que eu não concordo é com o facto dessa consulta ser vinculativa.

E sim, uma mudança de nome é importante, mas não vai alterar nada no corpo dos próprios. Já na alma e na felicidade vai alterar e muito (para melhor)...

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 1 hora, Kandinsky disse:

Mas achas mesmo que os representantes legais do menor de 16 anos aceitam (iniciar) o processo sem consultar um médico/especialista primeiro?

O que eu não concordo é com o facto dessa consulta ser vinculativa.

E sim, uma mudança de nome é importante, mas não vai alterar nada no corpo dos próprios. Já na alma e na felicidade vai alterar e muito (para melhor)...

A partir do momento em que permites que uma pessoa com distúrbios de personalidade ou até mesmo esquizofrenia possa mudar de género no CC as vezes que quiser, porque sem esse relatório médico não há nada que o impeça de o fazer, independentemente da idade que tenha, é mais que óbvio que essa consulta deve ser vinculativa. Além de que o facto de assumirmos que a maior parte consulta sempre um médico primeiro, antes de aceitar essa mudança por parte do menor de 16 anos, não exclui a possibilidade daqueles que podem muito bem fazê-lo sem consultar quem quer que seja, o que não deixa de ser um erro.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 7 horas, Forbidden disse:
há 16 horas, Mr. Robot disse:

LOL, o que é que se pode esperar de um presidente anti-LGBT? :portugal:

 

Just a reminder

  • Like 1
  • LOL 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Agora mesmo, Rdrigx disse:

Just a reminder

Ele era Presidente quando essas leis foram aprovadas? Não, então qual é a relevância disso?!

De resto, não importa o que ele acha, ele apenas pode vetar a lei uma vez, na segunda vez a lei até poderia ir igual que ele era OBRIGADO a assinar. Ele apenas quis alertar o Parlamento para esta lacuna da lei.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A parte do relatório médico eu estou de acordo quando se trata de uma mudança de sexo, aqui só é uma mudança de género no CC. É completamente diferente, não se trata de uma intervenção cirúrgica 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 20 minutos, Forbidden disse:

Ele era Presidente quando essas leis foram aprovadas? Não, então qual é a relevância disso?!

De resto, não importa o que ele acha, ele apenas pode vetar a lei uma vez, na segunda vez a lei até poderia ir igual que ele era OBRIGADO a assinar. Ele apenas quis alertar o Parlamento para esta lacuna da lei.

Qual é a relevância? A relevância é que ele é anti-LGBT e já o demonstrou antes de ser Presidente. Ninguém consegue ser 100% unbiased e ele tem poder suficiente para vetar uma lei com base em argumentos fortes, mesmo que tenha uma agenda pessoal por trás, muito presente, que a maioria insiste em não ver.

Edited by Faded
  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 3 minutos, Mr. Robot disse:

Qual é a relevância? A relevância é que ele é anti-LGBT e já o demonstrou antes de ser Presidente. Ninguém consegue ser 100% biased e ele tem poder suficiente para vetar um alei com base em argumentos fortes, mesmo que tenha uma agenda pessoal por trás, muito presente, que a maioria insiste em não ver.

A questão é que não é o presidente que faz as leis, mas sim o parlamento. Como disse, ele apenas pode vetar a lei uma vez, depois disso é obrigado a assinar. O Cavaco Silva também era contra o casamento gay e a lei passou na mesma.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Enfim.

Se até O presidente é preconceituoso imaginem a influência que poderá ter.

Enfim belo presidente.

Desceu muito a minha consideração.

  • Confused 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 1 hora, Black & White disse:

Enfim.

Se até O presidente é preconceituoso imaginem a influência que poderá ter.

Enfim belo presidente.

Desceu muito a minha consideração.

O MRS lá teve os seus motivos! Aos 16 e muito cedo para alguém se submeter a um processo destes! Além de que os jovens se podem vir a arrepender. Além disso se aos 16 não se poder beber, nem tirar a carta e depois poder mudar de sexo há uma falta de coerência na legislação.

Acho uma piada criticarem quem queira mudar a orientação sexual sexual e serem a favor de quem quer mudar de sexo. São ambos problemas de aceitação, seguindo a vossa lógica 

  • Like 1
  • Confused 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 4 minutos, MariaJoão Vacosa disse:

O MRS lá teve os seus motivos! Aos 16 e muito cedo para alguém se submeter a um processo destes! Além de que os jovens se podem vir a arrepender. Além disso se aos 16 não se poder beber, nem tirar a carta e depois poder mudar de sexo há uma falta de coerência na legislação.

Acho uma piada criticarem quem queira mudar a orientação sexual sexual e serem a favor de quem quer mudar de sexo. São ambos problemas de aceitação, seguindo a vossa lógica 

Isso é tudo muito bonito. 

Mas depois obrigam nos a escolher aos 14/15 anos a área que vamos seguir! 

Tanto uma coisa como a outra o são muito importantes para o nosso futuro, pois determina a nossa vida. 

Edited by Black & White
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 2 minutos, Black & White disse:

Isso é tudo muito bonito. 

Mas depois obrigam nos a escolher aos 14/15 anos a área que vamos seguir! 

Tanto uma coisa como a outra o são muito importantes para o nosso futuro, pois determina a nossa vida. 

Sim concordo contigo que aos 14/15 anos e demasiado cedo para escolher a área, pois a maioria dos putos não sabe o que quer fazer da vida 

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 1 minuto, MariaJoão Vacosa disse:

Sim concordo contigo que aos 14/15 anos e demasiado cedo para escolher a área, pois a maioria dos putos não sabe o que quer fazer da vida 

Eu por acaso desde cedo soube o que queria ser. 

Mas as minhas amigas não sabiam o que queriam ser. 

Nem faziam ideia. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 10/05/2018 at 12:38, Ruben Fonseca disse:

A partir do momento em que permites que uma pessoa com distúrbios de personalidade ou até mesmo esquizofrenia possa mudar de género no CC as vezes que quiser, porque sem esse relatório médico não há nada que o impeça de o fazer, independentemente da idade que tenha, é mais que óbvio que essa consulta deve ser vinculativa. Além de que o facto de assumirmos que a maior parte consulta sempre um médico primeiro, antes de aceitar essa mudança por parte do menor de 16 anos, não exclui a possibilidade daqueles que podem muito bem fazê-lo sem consultar quem quer que seja, o que não deixa de ser um erro.

O distúrbio de personalidade não entra na equação. Mas sim, dou de barato que possa ocorrer a exceção do doente esquizofrénico querer encetar este processo de alteração de "género civil" as vezes que a sua descompensação o impelir. E sim, basta haver uma exceção para o controlo ter já de ser diferente.

Mas então, que se criem equipas especializadas a auxiliar rapidamente este processo burocrático, e acima de tudo sensibilizadas para a questão (para não se correr o risco de ter a felicidade de um miúdo/miúda nas mãos de um médico conservador que fará um julgamento pseudo-moral e não científico). Ou que seja criado um "braço" das equipas multidisplinares que monitorizam todo o processo de alteração física de género só dedicado a esta alteração de "género civil".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Como é que vocês acham que o coming-out "deve" ser feito? O que quero dizer é: existem formas simples de revelar aos pais? Ou seja, não queria que fosse algo muito chocante, mas queria sim algo leve. Eu sempre pensei que a minha mãe fosse homofóbica mas há uns dias esteve durante horas a defender os homossexuais numa conversa comigo. Pelo menos queria revelar a ela quem eu sou. Por isso gostava de saber algumas formas do coming-out aos pais.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 21 minutos, Duke Nightwing disse:

Como é que vocês acham que o coming-out "deve" ser feito? O que quero dizer é: existem formas simples de revelar aos pais? Ou seja, não queria que fosse algo muito chocante, mas queria sim algo leve. Eu sempre pensei que a minha mãe fosse homofóbica mas há uns dias esteve durante horas a defender os homossexuais numa conversa comigo. Pelo menos queria revelar a ela quem eu sou. Por isso gostava de saber algumas formas do coming-out aos pais.

A forma mais simples é dizer diretamente :haha: Mas se achas que ela está recetiva aproveita quando o tema vier ao caso e através do "conversa puxa conversa" dá um rumo à conversa que acabe com a revelação, sem muita algazarra xD

 

  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...