Jump to content

Recommended Posts

Que patétice. O que eles querem é gastar dinheiro do estado. RTP Informação? Não é a mudar de nome que se começa um refresh. Só com essa ideia já se vê o gasto dispendioso que irá ser essa mudanças

Share this post


Link to post
Share on other sites

É só mudanças e depois fica tudo na mesma... não creio que seja apenas pela mudança de nome que possa chegar à liderança mas é sempre bom refresh's.

É mais por aí...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas qual a necessidade de mudarem o nome do canal?! Mudam e depois fica tudo na mesma!!! :unsure:

Deviam era acabar com o canal que, para além de não acrescentar nada, aumenta a dívida pública e só chega aos portugueses que têm TV por cabo!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem-vindo Valentim. Por acaso também estava a ver o Só Visto e reparei nessa imagem.

E que coisa inenarrável! Deformaram por completo o logotipo original da RTP para criar essa coisa horrível. Não gosto!

Share this post


Link to post
Share on other sites

O logo propriamente dito é terrível... É que não vai com nadinha mesmo... banghead.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já tinham inventado da mesma forma com o RTP Música que supostamente estreava em Março mas que acabou por não avançar. O logotipo também era uma espécie de "M" com esta raíz do logotipo da RTP e também não era nada bonito.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O logotipo "deformado" deve ser para formar uma espécie de Globo, representado o Mundo.

Podiam, ao menos, ter mantido o vermelho da RTPN. Não há necessidade da cor azul estar sempre em evidência!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boa concepção sonora. Grafismo ainda deixa a desejar, pelo menos para mim...

Share this post


Link to post
Share on other sites

A música é boa, mas o vídeo podia ter mais dinamismo, não ser sempre aquilo... Podiam fazer algo na linha dos vídeos promocionais do TVI24, que gosto bastante.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boa concepção sonora. Grafismo ainda deixa a desejar, pelo menos para mim...

A música está excelente mas agora o grafismo está muito básico e parado!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ontem à noite, em zapping, apanhei na RTP Info um programa interessante e animado de conversa apresentado por Herman José e com Rita Ferro e Ana Mesquita (ontem em substituição de Helena Sacadura Cabral). Chama-se 'Moeda de Troika' e podem ver/rever neste canal do Youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=PD8sm644Mms

Tem um genérico e estúdio interessantes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Gostei do genérico. O chroma é interessante e diferente dos que se vê nestes programas. :) Não sabia que o Herman estava na RTP Informação. O programa parece ser interessante... e engraçado! A começar pelo nome que é sugestivo! :D

Share this post


Link to post
Share on other sites

Por acaso passei os olhos pelo programa e até me pareceu interessante!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu por acaso já sabia que ele tinha uma rubrica no 'Grande Jornal' pois vi numa notícia do aTV, mas ainda não o vi.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Agora que falas nisso, também me lembro dele ter uma rubrica. Ele disse-o no "5 para a meia-noite" há umas semanas, em conversa com uma convidada que é jornalista da RTP (que não me lembro quem era!).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Relatório entregue ao Governo

Governo segura RTP Informação

O grupo de trabalho para a definição do serviço público defende uma RTP sem publicidade, com pouca informação e sem um canal de notícias no cabo (a RTP Informação) e sem uma das três estações de rádio actuais. O relatório ontem entregue ao Governo por aquele grupo contradiz o Plano de Sustentabilidade Económica e Financeira da RTP, apresentado em Outubro, mas o PÚBLICO sabe que o Governo não está disposto a abrir mão da RTP Informação, embora refira, em comunicado, que as recomendações do grupo "servirão de base à definição, pelo Governo, de um conceito de serviço público".

A novidade sobre a posição do Governo é avançada pelo PÚBLICO nesta terça-feira. Ontem , no documento entregue pelo grupo de trabalho podia ler-se: “As missões de serviço público a que o Estado está obrigado podem ser bem desempenhadas por um só canal de televisão em sinal aberto."

Partindo do cenário da existência de apenas um canal generalista, essa nova RTP deve concentrar a informação em “noticiários curtos, limitados ao essencial” e de “carácter verdadeiramente informativo”, sem comentadores.

Todo o serviço público de comunicação social deve deixar de ter publicidade comercial, em qualquer formato, incluindo a colocação de produto, defende o grupo de trabalho. Mas não adianta como deve ser remodelado o processo de financiamento.

Quanto ao actual universo RTP, o canal Memória não tem “qualquer interesse público” – “seria mais útil a disponibilização dos conteúdos históricos através do site”; não se justifica manter a RTP Informação porque os privados já garantem “serviços de informação suficientes”; os canais regionais dos Açores e Madeira devem seguir as novas regras do canal de serviço público generalista.

A RTP África deve ser fundida com a Internacional num canal que promova a presença externa do país, da língua e da cultura portuguesas. Mais: este canal deve mesmo ser “um instrumento da política externa”, definido por um “contrato-programa” e financiado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Rádio só com dois canais

Não é só na área da televisão que se sugerem grandes mudanças. Na rádio, o Estado deve reduzir a sua rede de três para duas frequências nacionais; e o controlo da agência Lusa deveria ser assumido pelos seus accionistas privados, embora com um contrato de prestação de serviço público mediante uma comparticipação financeira.

No caso da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, o relatório defende que “deve ser extinta” e em caso de conflitos “a regulação deve ser realizada pelos tribunais”.

Voltando à RTP, esta deve deixar de produzir a maior parte dos conteúdos, optando antes por encomendar e promover a actividade dos produtores nacionais. Além disto, o Estado pode mesmo vir a financiar produção dos operadores privados, se isso for de interesse público.

Já no campo da gestão, a RTP deve deixar de ser uma empresa de capitais públicos, passando antes para um “modelo de uma instituição sem fins lucrativos”.

Notícia actualizada às 9h02 de 15 de Novembro: Acrescenta nos primeiros parágrafos informação sobre a posição do Governo, actualizando o título.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O espaço do Nilton no RTP Info chama-se "Ouvi Dizer...". É uma ideia interessante introduzir um pouco de humor no final do Grande Jornal.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...