Jump to content

Saga - Uma História Por Contar...


magg
 Share

Recommended Posts

História muito boa...Adoro a tua escrita é muito empolgante.

E devias publicar tens é que escolher uma editora certa e registar isto na IGAC, porque alguém pode se chegar a frente e se não há registo, não podes provar que isto é teu.

Espero continuar a ler não só aqui as tuas histórias, como em livros, quem sabe até em filmes.

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 61
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Magg, perdoa-me mas eu não estou a acompanhar a tua Saga já desde há duas/três semanas. Adoro a tua história mas é-me impossível ler com o pouco tempo que tenho!

Prometo que, quando puder, terás um comentário a esta tua grande história!

Link to comment
Share on other sites

Olá a todos, mais uma vez cá estou eu. Quarta-feira sem "Saga" não pode ser.

Obrigada, do fundo do coração aos leitores. Obrigada pelos elogios. Alimentam-me a alma e o gosto pela escrita torna-se ainda maior. Boas leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Montes Urais

(rumo a) Base de Abzu

Julho 2013

Distância

Desde o dia em que enterrara um corpo numa vala aberta por si, num desprezo total, Sasha ficara conhecido entre os escravos como o menino de gelo. Não apenas pela atitude em si, mas pelos olhos congelados, num conter de emoções que apagava, dispersas no vazio do seu ser.

O menino percorria a estrada com a mesma força dos Guardas, que os seguiam nos seus jipes esverdeados, encaminhando-os para a Base. Conduzia o seu corpo magro como se voasse, numa ligeireza cansada, mas ávida de tempo, desejosa de aportar.

Julho fazia-se sentir já ameno, envolvendo a caminhada num belo sol de Verão. Era assim o clima da Rússia, um Inverno rigoroso que se abatia acentuado, durante longos meses gélidos cobrindo rio e mar, e um Verão compassivo, em que por um escasso período de tempo, a terra se iluminava de sol quente, clareando as estepes de cereais e girassois.

Chegaram perto de uma tabuleta de metal rectangular da qual Sasha se aproximou para ler, juntando sílaba a sílaba, o nome grande demais para o menino pronunciar:

– Yekaterinburg, proferiu, feliz. Estavam cada vez mais perto da Base.

Era uma cidadezinha cinzenta situada no lado oriental dos Montes Urais, de ruas redondas e estreitas. Com as avenidas divididas por árvores altas e esguias. Três eléctricos amarelos estavam parados na linha, quedos no tempo, os cabos enferrujados cobertos de um limo verde e espesso que se abatia até à carris. O pequeno olhava uma catedral distante de cúpulas douradas matizadas de encontro o céu, debilmente iluminado.

Os Guardas estacionaram os jipes numa ruazinha apertada e saíram dos carros, andando com dificuldade sobre a relva que crescera, atingindo o cinzento do passeio, e lhes coçava os joelhos. Aglomeraram os escravos num canto fresco, debaixo das colunas de um edifício do séc. XIX, de aspecto colossal, que se erguia grandioso nas suas paredes brancas. Dirigiram-se ao interior da construção, vazia e degradada e retiraram uns cartões de um pendente no pescoço que passaram por umas máquinas ovais, pequenas e pretas. A máquina apitou e acendeu um visor, que emanava uma pálida luz lilás, que mostrou uns números. Os Guardas sorriram, contentes.

– Já ultrapassámos o limite de km por viagem. Vêm substituir-nos não demora muito.

Esperaram até que um novo grupo de Guardas chegou, fazendo o mesmo procedimento dos outros, validando o cartão, passando o código pela ranhura da máquina. Como as viagens eram longas, sempre que mudavam de cidade, ou atingiam o limite de quilómetros, os Guardas mudavam o turno para evitar o cansaço e prevenir as fugas dos escravos.

Sasha procurava com os olhos Elias, mas nem sinais do seu protector. Há 3 meses, quando se despedira dele, o Capitão dissera-lhe que regressaria, mas desde que abandonara Miass que não tinha informações dele. Em todas as cidades que percorria Sasha procurava-o, mas Elias estava sempre substituído por um outro Capitão.

O menino olhava para os prédios altos que se apinhavam numa amálgama de cores e o coração batia-lhe cada vez mais pesado.

O menino, num ímpeto, dirigiu-se aos Guardas e ergueu bem alto a cabeça, tentando mostrar-se alto e forte perante aqueles homens de físico desenvolvido e poderoso.

– Onde está o Elias? – Perguntou, sem sinal de medo.

Os Guardas entreolharam-se e riram com a pergunta disparatada do menino. Um deles, de cabelo preto e espesso e braços colossais e musculados, olhou o menino, arranjando o bigode farfalhudo.

– O que é que tu disseste, cria? Quem te deu ordem para chamares um Guarda pelo nome?

Sasha não respondeu e viu os outros escravos que o olhavam, tentando demove-lo de meter-se em sarilhos. Um dos Guardas aproximou-se dele, oferecendo-lhe um sorriso oblíquo e fechado, num esgar de contentamento.

– Para começar, está-me a enervar ver uma cria aqui enfiada no meio destes adultos, sem poder fazer o que eles fazem. Odeio inúteis. – O Homem baixou-se olhando para Sasha com um olhar altivo, continuando a humilha-lo.

– Depois, já devias saber que nós não temos nome! – Gritou-lhe, puxando-o para si, afastando-o do resto do grupo de escravos.

– Estão a olhar bem para ele? Aqui está um bom exemplo de como os homens são aquilo que fazem. E vocês são escravos! São insignificantes…um nada, secundários…

O Guarda cuspiu para o chão e largou Sasha, que resistiu friamente aos insultos daquele Capitão, permanecendo ao seu lado.

– Ainda não me disseram onde está o Elias… – Insistia o menino.

O Guarda agarrou violentamente o braço de Sasha, contorcendo-o até ao limiar da dor.

– Esse cão está morto. E foi bem merecido. Andava a ajudar escumalha como vocês a fugir, aquele traidor…

O Guarda ria-se do menino, torcendo-lhe mais o braço, fazendo-o vergar-se aos seus pés. Via-lhe a cabeça amarela, com o cabelo que lhe ornava a testa de onde pingavam finas gotas de suor. Expiava-lhe a boca de lábios finos que se aferrolhavam de dor. Mas Sasha não chorava nem gemia. Ao contrário, fincou-lhe os olhos azuis acinzentados, que o tomaram, convictos.

– …não faz mal, tu também vais estar!

O homem largou-o, afectado e trémulo, dirigindo-se aos seus colegas que o olhavam sem articular palavra.

O dia corria depressa e dirigiram-se aos jipes, enquanto os escravos seguiam ao lado, percorrendo as ruas da cidade à beira rio. A água livre, batia em ondas calmas e ritmadas no cimento, numa cadência embaladora. Sasha sentia a alma acalentada e pareceu serenar. A imagem de Elias, com os seus cabelos castanhos-claros e de olhos bondosos, não lhe saía da cabeça. Sentia-lhe a falta, tal como sentia a falta de Valentina e até do velho Orloff. Todas as pessoas de quem gostava teimavam em desaparecer. Fugiam-lhe do curso sem saber como nem porquê. Escapavam-lhe, simplesmente. Era sozinho, estava e seria sempre sozinho. Aquela jornada de meses rumo a Abzu seria a aventura mais completa, com a companhia mais plena que alguma vez viria a ter. E enquanto para os outros aquela viagem era um final de viver, para Sasha, a distância de Vyborg parecia-lhe o paraíso.

Sasha olhava as diversas pedras da calçada e repetia o nome das formas. O tempo passava sem se aperceber da caminhada. Um rapaz de cerca de dezasseis anos aproximou-se do menino e falou-lhe, amigável.

– Estás a ver aquela catedral ali? Foi ali que mataram um czar e toda a sua família… – Dizia o rapaz, visivelmente consternado.

– Eu também sei de uma história dessas, foi o que fizeram com a família dela, da Valentyna. Uma Observadora do Congresso. – Retorquiu Sasha, na sua vozinha infantil.

– Tu és esquisito miúdo. Pareces gostar disto, eu cá morro de medo daquilo.

Sasha olhou-o, encolhendo os ombros, visivelmente sem paciência.

– Eu cá não tenho medo... – Respondeu-lhe, secamente.

– Tas a ver o que eles fazem? Isto tá deserto. – Falava-lhe Anton, certificando-se de que nenhum Guarda percebia que estavam a dialogar.

– Mas isto não fica assim. Nós somos muitos e podemos vencer. – Proferiu, mostrando-lhe uma navalha pequena escondida na bota velha. Sasha olhou-o horrorizado, mas não proferiu palavra.

– Vários têm disto. Não vamos chegar àquela Base, garanto-te! Só estamos à espera que chegue a altura certa.

A tarde caía serena de encontro o rio. Os Guardas saíram dos jipes e mandaram os escravos recolherem-se nas ruínas de um prédio abandonado, de onde ainda se vislumbravam umas tonalidades de castanho e branco.

Sasha afastou-se em silêncio do rapaz, deitando-se num degrau do que devia ter sido uma escadaria. Não adormeceu, a imagem de Elias morto, sem nunca mais poder voltar, a imagem da navalha do jovem, agitavam-no. Olhava todas as sombras, tentando antever o que já pressentira nas suas visões. Os Guardas caminhavam de um lado para o outro na entrada do prédio e o menino chegou-se para o canto do degrau, encostando-se à parede. Julho trouxera um calor tão intenso que Sasha respirava a custo naquele ar carregado.

Olhava para o rapaz, que analisava atento os passos dos Guardas, à espera de um erro. Os escravos entreolhavam-se num código conspirado.

Dois dos Guardas saíram enquanto o Capitão procurou um local desviado dos escravos para descansar.

O rapaz olhou para os outros escravos dando o sinal. Levantaram-se de rompante, de navalhas em punho, e dirigiram-se ao Guarda que os fitou, aflito.

– O que é isto? – Inquiriu, estupefacto, o Capitão.

– É apenas um presente. – Respondeu o jovem que voou para trás do Guarda, cortando-lhe a pele fina e macia do pescoço, que cedeu abrindo-se em duas. A cabeça do Capitão caiu, de boca ainda aberta, para a frente e o corpo estirou-se no chão, tingindo o pavimento branco de um vermelho arroxeado.

Sasha encolheu-se mais na escada, fechando os olhos. “ O que eu vejo acontece! O que eu sei é real…”

O gelo adensou-se-lhe no peito, afastando-o definitivamente dos seus contornos de criança. Algo endurecia a armadura do menino de gelo. Cada vez mais distante estava Sasha, o rapazinho de Vyborg.

Olá a todos. Quarta-feira, mais "Saga". Esta temporada está para terminar. Mas, se tudo correr bem, vem uma segunda. Mais para a frente. Agora, fiquemos ainda com o resto das histórias dos nossos personagens, a ver como se saem, e como e se sempre se "livram" deste dominio de Nibiru. O que acham? Boas leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Turbulência

Manteve-se encostado no seu degrau, a salvo da confusão que se gerara na entrada. Os escravos apinhavam-se na frente do Capitão, enquanto a pulseira deste apitava no pulso colado à sua face ensanguentada.

Um dos homens saiu do grupo amontoado sobre o corpo morto no chão e trancou a porta da entrada, enquanto os guardas gritavam, histéricos, do lado de fora.

– Vocês vão pagar pelo que fizeram… – permaneciam encostados às grades da porta de vidro, vociferando, furiosos.

Lá dentro, o coração de Sasha batia de repulsa, com os seus olhos azuis arregalados fixos no corpo, engolindo todo o sangue que escorria da sua carótida para o chão. Mataste o Elias, merecias morrer, quem mata merece morrer

Ninguém se lembrava do menino naqueles momentos em que apenas um corpo, os guardas e uma fuga suja de sangue pareciam importar.

Os guardas quebravam do exterior todos os vidros que ainda restavam do edifício, mas as grades impediam-nos de entrar.

Balançavam-se encolerizados, roçando os pés no chão, contendo a raiva surda que os tomara.

– Como é possível? Como é que escaparam ao nosso controlo? Isto é um perigo…eles são muitos…ninguém contava com isto! – Proferia um guarda, aterrado.

– É fácil. Se eles não saem a bem, certifiquemo-nos que saem a mal, ou então que este lugar foi o último onde entraram… – O homem dirigiu-se ao jipe, voltando com um cantil de plástico com que regou o interior. De sorriso entre os dentes, retirou o isqueiro do bolso abrindo a patilha, atirando-o para dentro.

O cheiro da gasolina espalhou-se rapidamente pela divisão e o fogo ateava-se naquele rio de combustível. As chamas alaranjadas lambiam o chão frio e cresciam, viçosas numa pujança inigualável. Levantavam-se velozes consumindo a sua rota e tudo ao redor. Subiam, trepavam, abatendo todos os contornos com o mesmo fervor com que o gelo de Sasha as reflectia, dentro de si.

– E agora? Estão a gostar deste jogo do “queima ele”? Ou ainda não querem sair? – Ironizava o guarda, enquanto as labaredas bafejavam todo o prédio, tomando-o como seu numa conquista silenciosa com sabor a morte.

O calor tornava-se insuportável e os escravos precipitavam-se para as grades, colocando desesperadamente as cabeças de fora, sorvendo todo o ar que conseguissem respirar.

Sasha tossia, no interior, pequeno demais para trepar às janelas ou passar pela multidão que se apinhava, tentando apanhar ar.

O menino levantou-se do degrau onde se tinha resguardado tentando atingir a porta para sair. O fumo era tão negro e denso que não conseguia ver o exterior nem a rota a seguir. Os corpos dos outros escravos apinhados perto das janelas da entrada não facilitavam a fuga.

Viam o fogo tomar conta de todo o prédio, apoderar-se dos andares superiores, colorindo o tom desbotado da velha fachada de um vermelho vivo e fatal.

A morte era irrevogável. E Sasha não queria morrer. O fumo entrava-lhe nos pulmões, obstruindo-lhe os brônquios, espessava-se húmido no seu peito, tornando quase impossível respirar. A visão acinzentava-se e os olhos pesavam-lhe, pulando-lhe nas órbitas. Percorria de olhos semicerrados o caminho até à porta, tapando a boca com a sua mão pequena, enquanto a outra tacteava pela parede, em busca de escapar. O corrimão de madeira escura e maciça que ladeava as escadas, acabara de cair atrás de si, partindo-se em vários pedaços que se estilhaçaram pelo chão num estouro dissipado pelos gritos dos escravos.

O pó levantava-se mais do chão, cobrindo-os com um ar cinzento e rarefeito que se entranhava na pele e os fazia lacrimejar.

Sasha parou, levando as mãos ao peito que lhe doía de tanto tossir. Dobrou-se com o fumo que inalava e caiu de joelhos no chão, fraco e a ofegar, de respiração hesitante. Gritava fracamente, implorando ajuda. Mas ninguém o ouvia. Os escravos aflitos demais, sorvendo o fogo fruto da sua própria rebelião, os guardas, ocupados demais com o seu riso construído na superioridade do controlo.

O menino sentia o cheiro da carne carbonizada e agoniava-se. Sasha avistou o corpo do Capitão caído, perto da secretária de metal, com a cadeira de cabedal preto e velho, junto à cabeça. A pulseira deixara de apitar, agora berravam umas vozes que o chamavam a todo o custo.

Parou por uns segundos tentando inteirar-se do que se passava no exterior. Os risos dos guardas tinham cessado e o menino não conseguia ver o que estariam a fazer. O silêncio instalara-se no interior onde apenas o crepitar das chamas se deixava perceber. Os corpos tombavam inanimados no chão enquanto o ar se enchia de uma coloração escura e carregada.

Sasha empinou-se num dos corpos caídos junto da janela, respirando grandes tragos de ar, de olhos fechados. Sorvia o ar, sentindo-o a percorre-lo, clareando-lhe a garganta, atenuando o peso nos pulmões. Quando abriu os olhos, já mais restabelecido, conseguiu vislumbrar os guardas, sentados de costas para o prédio tomado pelas chamas. Teve a visão nítida da morte do Pai, caído no escritório, seis anos antes. Via-lhe o fato escuro com as insígnias do Exército e o sua barba clara e espessa de encontro o solo de madeira. E ouviu os gritos de Valentina, debruçada sobre o corpo de Leo Dornov. Eu não sou um Dornov, eu não vou morrer aqui

Anton levantou-se do chão com uma força imperativa e encaminhou-se decidido para a porta, clareando a voz, falando tão alto quanto a sua garganta enfumarada conseguia atingir.

– Nós não vamos morrer aqui! Somos muitos, mais do que eles! Vamos sair e, se for preciso, vamos lutar. – Falava num gesticular penetrante e estridente, ainda de navalha ensanguentada na mão.

Os outros escravos olhavam-no enfeitiçados, de olhar perdido no dele, seguindo as ideias megalómanas de um jovem em devaneio. Sasha não o escutava, os sentidos perdidos no fumo que aumentava ligeiro, os olhos ainda no exterior onde os guardas discutiam como os soltar.

Anton olhava para todos, incrivelmente calmo, alheio ao cenário dantesco em que se tinha tornado aquele prédio em ruínas, coberto de chamas. Explicava com um detalhe minucioso e preciso, todos os pormenores da próxima acção.

– Vamos abrir esta porta, os mais fortes seguem comigo na dianteira, os outros correm para as traseiras do edifício, evitando as chamas, abriguem-se lá, enquanto nós tratamos deles! O dia de hoje vai ser para relembrar. Hoje, vamos recuperar a nossa liberdade e o nosso sentido de seres humanos livres e válidos!

Anton exortava os ânimos, mobilizando as suas tropas com uma energia acérrima, nascida do fundo da sua raiva visceral. Os outros homens olhavam aquele jovem de compleição forte e correcta e aceitavam tacitamente o que lhes ordenava, sem duvidar.

Anton abriu a porta de rompante, sentindo um frio percorrer-lhe todo o corpo, subir-lhe pelas costas e parar, cravado no coração. Engoliu em seco e precipitou-se para o exterior, onde os guardas os olhavam, atónitos. Os escravos mais fortes corriam, formando quatro fileiras de homens. Três encaminharam-se a voar para os guardas, enquanto a última permaneceu como barreira nas ruínas da entrada que ardiam, para deixar os mais fracos sair. Um dos escravos que permanecia no interior olhou Sasha, que retirara os olhos do exterior, ainda encavalitado na janela, e dirigiu-se a ele, puxando-o pela camisola verde e suja.

– Tu! Vens comigo. – Disse-lhe, pegando no corpo leve do menino com um braço. Sasha esbracejava, Contorcia-se tentando a todo o custo libertar-se daquele homem que o levava para o exterior.

– Larga-me seu cavalão, eu não quero fugir, eu quero ser Chanceler…eu não vou fugir. – Estrebuchava, enquanto o escravo seguia o seu caminho, indiferente aos comentários do pequeno.

O homem, alto e magro, passou pela fileira que se mantinha em defesa na entrada, dirigindo-se às traseiras do edifício. Sasha olhou de relance Anton, que de dirigiu a um dos Guardas de navalha em punho, degolando-o rápida e friamente, tal como tinha feito com o Capitão. O menino deixou de gritar, a alma prendera-se naquele rapaz que se debatia estoicamente pela liberdade. Sem indecisões, sem interrogações, jogando-se com uma força anímica incondicional. O escravo encaminhou-se para as traseiras do edifício, onde outros já se abrigavam, enquanto atrás deles as ruínas do prédio tombavam em estrondos pungentes. Poisou o menino que o olhou, enfurecido, sem falar. Sasha aninhou-se num canto, obstinado e caprichoso. Pouco depois, Anton regressava coberto de sangue, juntamente com outros escravos.

– Vamos regressar à frente e enterrar dignamente os nossos companheiros de jornada. – Proferiu, mais em comunicado do que imperativo, virando costas e voltando para trás.

Os que sobreviveram ao incêndio e estavam em condições de caminhar seguiram-no, mudos e de cabeça baixa. Anton dirigiu-se a um dos jipes dos guardas e retirou da mala ampla três pás. Estendeu duas a uns companheiros que estavam ao seu lado e, de braço apoiado na pá, olhava ao redor à procura de um local onde abrir uma vala.

Dirigiu-se até uma árvore frondosa, que se erguia com os seus longos ramos bem abertos de um verde vistoso, e enterrou com toda a força, que lhe brotava da alma em dor, a pá na terra quente de Julho. O solo rompeu-se numa fenda, seco e duro, e os outros seguiram-no, cavando num ritmo sincopado. Escavaram durante horas, até que diante deles se abria um buraco tão profundo quanto o que se lhes dilatara no peito, cunhando-lhes a alma em nódoa.

Sasha olhava, sentado numa pedra, os homens que arrastavam os corpos queimados até à vala comum. A vala que abrira meses antes em Miass emergira-lhe turbulenta, em lembrança. O barulho dos corpos que caiam uns em cima dos outros, num estampido seco, a um ritmo lânguido e tenebroso, o corpo débil e magro que chutou de uma só vez para a cova, o seu rosto amarelado de olhos vítreos, tudo o mordia num remorso colossal. O rosto do Pai, mais uma vez estampado naquele chão de alcatifa rósea, os gritos, Valentina…

Sasha correu para trás de uma árvore e vomitou das entranhas uma aguadilha transparente e espumosa. O corpo expelia em espasmos todo o horror que a náusea agora não lhe permitia dominar.

Quando o último corpo caiu na vala, Anton encheu a cova de terra, que caía pesada nos corpos negros e irreconhecíveis. Alisou-a, de modo a não deixar ficar nenhum sinal. Depois, com a raiva que se enfurecia no peito, retirou a navalha do bolso e cravou-a, num golpe rude e seco, na árvore. Ia-lhe perfurando o tronco denso e, sentindo-lhe os nós que estilhaçava em agonia até que dele começou a escorrer uma seiva que vertia às golfadas, derramando-se pela superfície rugosa da árvore. Anton gravou bem fundo na árvore uma cruz, que se cobriu lentamente de uma tonalidade esbranquiçada e leitosa. Depois, em cabeça baixa, afastaram-se respeitosamente num sofrimento silencioso, passando pelos corpos dos Guardas, que ignoraram num manifesto de revolta que já não se pode reprimir.

– Deixem-nos apodrecer, que os vermes calem esses corpos, anulados para sempre.

Sasha seguia inquieto todos os movimentos do jovem com os olhos insaciáveis, sedentos de conforto, à procura de alento. Muitos anos depois, seria a memória deste dia escrita em Sasha que o guiaria, por outras razões, mas com esta mesma força reproduzida de Anton, a uma vitória indubitável como Chanceler.

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Olá! Saga começa a entrar na rota final. Será que a humanidade vai escapar ao controlo da raça "superior"? Quem são estes seres e o que querem, afinal? Porque ninguém contesta esta dominio? E como se vão sair os fugitivos? E Alexandre, será que os seus actos vão ficar impunes e que Lúcia não escapa ao seu controlo obsessivo? Quem será ele afinal? E Valentina? De que lado estará?

Perguntas para virem a ser respondidas ao longo destes últimos capítulos de Saga. Boas leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Mudar

Base de Edín

Sauzesco

Agosto 2013

Maria Lúcia abdicou do seu rumo quando aos 13 anos se cruzou com Alexandre Albuquerque. Renunciou-o sem saber, numa irreflexão confiada, própria de querer viver. Até então, sabia apenas carregar um apelido forte demais para sustentar.

Quando se passeava pelas ruas de Belmopan com os pais e irmãos, com o mesmo à vontade com que corria nos jardins da Casa Lúmina, a mansão do Governador, pelas suas diversas ruas com nomes de flores, reconhecia os olhares estranhos que lhes lançavam de soslaio e a raiva contida, timbrada na dúvida.

Os "mestiços das cabeças vermelhas", como designavam pelas costas os cinco filhos de Johnson, eram tidos naquele recanto da América Central como seres invulgarmente estranhos, principalmente desde que o dom de Valentina se começou a manifestar.

Detestavam os ingleses que desde o século XVII lhes consumiam os recursos e roubavam identidade, usurpando-lhes as terras, fazendo deles escravos. Abominavam a língua daquele povo frio da Europa do Norte e os seus modos brandos e polidos.

Quando viu pela primeira vez Alexandre, Lúcia sentiu segurança naquele homem nos seus 20 anos. Ele não estranhara a coloração clara da sua pele em contraste com a tez morena e os cabelos cor de ébano da população local. Não os tratava com o desdém característico, nem olhava para eles como intrusos desconformes. Via nela, nos irmãos, e até na dominação serena do Governador estrangeiro, seres humanos normais a quem dispensou a sua atenção e afecto.

E ela pensou encontrar naquele homem de riso fácil e olhar meigo e profundo alguém com quem partilhar todas as suas brincadeiras e desabafos de adolescente. Naqueles tempos, os olhos pretos de Alexandre poisavam nos verdes, sorvendo todas as suas palavras, serenando-lhe os anseios. Tinha sempre uma palavra em tom de graça que a fazia sorrir. Nesses momentos, Lúcia esquecia o peso das suas origens. Sentia-se solta quando as gargalhadas dos dois se fundiam num riso só. Era feliz. Sorriu sorrateira por Alexandre quando a UDP de Manuel Esquível conquistou o país. Agarrou-lhe as mãos secas e firmes quando entrou no carro que a levou ao exílio. E foram essas mesmas mãos que lhe secaram as lágrimas, foram os seus braços ternos que a ampararam, quando em 94 lhe entraram pela casa e confiscaram o ser, matando-lhe a família e arrancando-lhe a alma. Fora ele quem estivera sempre presente em todos os momentos dela, numa ternura constante e inalterável. E Lúcia entregou-se àquele homem bastião de fortaleza, seu porto de confiança e protecção. Mesmo sem vislumbrar ainda o que se escondia por detrás daquela brandura.

Vinte anos depois, com as máscaras caídas na corrosão de todos os dias, percebeu ser esse mesmo passado, fonte anterior de tantos sorrisos, que lhe extorquira a consciência e toda a razão de ser. O seu ódio irrompeu, natural, de um amor engendrado, que nada mais tinha a oferecer. Hoje, era essa mesma presença impresente de Alexandre que a anulava e que era urgente afastar. Maria Lúcia Garza Johnson, não seria mais Meireles Almeida de Albuquerque. Voltaria a ter nas mãos o seu passado forte. Para ela, que não podia retornar à sua antiga estrada, era urgente mudar.

Alexandre Albuquerque antevia a chegada indesejada do seu conselheiro, o submisso Zeph Willoughby. Este anunciava-se, aproximando-se com os seus passos pesados que ecoavam no frio corredor de betão. Bateu três vezes na porta, esperando para entrar. Por momentos, Alexandre não respondeu. Gostava de sentir aquela superioridade latente, implícita nos pequenos actos.

– Willoughby, entra. Não sei do que estás à espera. Também me vais pedir licença para morrer? – Indagou, sarcástico, o Governador.

O conselheiro entrou de olhos baixos no chão, fugindo do olhar do Governador. Estendeu-lhe o braço dobrado e magro, passando-lhe um pequeno chip que o Governador introduziu numa ranhura da pulseira, colocada no pulso esquerdo. À sua frente desenharam-se, projectados verticalmente no centro da carpete cinzenta, uns envelopes com o respectivo remetente. Alexandre passava os olhos pelas imagens numa leveza sossegada, até que se deteve numa, com o sinete do Chanceler. Apontou com o indicador para a imagem que se abriu, aparecendo o holograma, claro e refulgente, do homem baixo e gordo de cabelo grisalho e oleoso, em três dimensões diante de si. A voz do chanceler, formal e rouca, retumbou decisiva, ao Governador.

Ao Governador de Edín, superintendente do terceiro entreposto comercial do Império.

(latitude 17º25 N, longitude 88º40 O).

Está incriminado de Alto Dolo contra o Venerável Império da Aliança, pelo uso indevido dos instrumentos do Império, servindo-se da soberania a si concedida para sua inerente beneficiação. Por ser verdade, e me ter sido conferida autoridade, submeter-se-á a juízo sumário, perante a mais insigne figura do Império pelo Sumo Auditório de Jurisdição do Senado.

Junto envio relatório que dato

Atenciosamente, O representante do Domínio do Império,

O Chanceler.

– Eu quero saber…quem foi o miserável. Quem me fez isto, Zeph? Quem é que poderia saber? – Inquiria rude o Governador, agarrando agressivo o conselheiro pelo braço que apertava, até o marcar de uma tonalidade avermelhada, fazendo-o guinchar de dor.

– …por favor, senhor, eu não sei. – Implorava de voz oscilante, Willoughby, retorcendo-se num trejeito de dor.

Alexandre retirou a mão que prendia rudemente o braço do outro e sentou-se de novo na secretária, onde se deixou afundar. As palavras de Valentina, no seu antigo escritório de Belize, ainda Barão, vestiam-se do sentido que lhes faltara, quase três anos antes.

talvez perceba a dor de ver desmoronar tudo o que construiu. Até que de si e da sua obra sobrará apenas a ideia do homem recto que arriscou ser

– Eu não vou perder toda a minha obra!

Alexandre olhou a chuva que fustigava as janelas e, numa irritação incontrolada, atirou-se sobre as portadas, que fechou violentamente. Estas ribombaram no silêncio do escritório, que mergulhara na escuridão total, como as trevas que se abatiam sobre o Governador. Fixou hostil o conselheiro que o seguiu, trancando a porta do gabinete, enquanto Alexandre se encaminhava para as escadas, descendo-as, desanimado. Na rua, a chuva caía dura e condensada, e começara a trovejar. O carro do Governador esperava-o, mesmo em frente a eles, mas Alexandre preferiu caminhar. Zeph seguiu-o, no interior do carro que percorria as ruas enlameadas a baixa velocidade, ladeando o patrão até aos limites das minas, parando ao aproximarem-se das cancelas que davam inicio à cidade de Sauzesco. A chuva caia por Alexandre, escorrendo-lhe dos cabelos espessos até ao rosto, toldando-lhe a visão. O Governador dirigiu-se a Zeph, pedindo-lhe que voltasse ao escritório e apagasse dos seus arquivos pessoais, todos os registos de Miguel. Zeph acenou respeitosamente e seguiu caminho, deixando para trás o Governador, que percorreu sozinho o resto do caminho até à Casa que lhe coubera, como Administrador da Aliança. Lá dentro, esperava-o Maria Lúcia Albuquerque, cujo apelido a tolhia mais do que pesava, definhado no âmago do seu ódio entranhado a Alexandre.

Estava na sala, sentada calmamente nos sofás de lanudo azul, vendo a figura abatida do marido aproximar-se, de fato branco encharcado.

Alexandre arrastou-se até ao assento da mulher, e sentou-se aos seus pés, poisando suavemente a cabeça no seu colo. Lúcia estremeceu de repulsa, examinando o cabelo molhado do marido que ainda pingava.

– Devias ir secar-te, Alexandre. – Disse-lhe apenas, secamente.

O marido não lhe respondeu ouvindo no exterior o som dos relâmpagos que cortavam o céu, negro de breu. Aproximou mais a cabeça de Lúcia, abraçando-se à sua cintura, apertando-a contra si.

– Tu tinhas medo dos relâmpagos e costumavas pedir-me para te abraçar, lembras-te? – Perguntou-lhe, num tom afectuoso.

Lúcia retirou-lhe de um golpe seco a cabeça do colo e levantou-se, fitando o marido, ainda sentado no chão, encostado ao sofá.

– Isso foi antes… – Respondeu, deixando-o preso num silêncio que lhe aumentou o aperto no peito.

– O que é que nos aconteceu? – Indagou Alexandre, levantando os olhos mínimos, reduzidos em toda a sua dor, numa expressão lancinante. Lúcia permaneceu de pé, desviando o olhar do corpo curvado de Alexandre, sentado no chão.

– Que conversa é esta, o que se passa, Alexandre? – Questionou-o, incrédula.

Alexandre levantou-se, dirigindo-se ao piso superior. Lúcia seguiu-o, subindo atrás dele as escadas.

– Vou ser julgado! …por causa do Miguel! Eu nunca o devia ter feito. Ele tem os genes dos Annunnaki, através da Clarisse, que era uma deles… – Falava-lhe, olhando o chão. – Eles não podiam ter descoberto isto. Sou um homem morto.

Lúcia olhou-o transtornada e aproximou-se da cama, sem se sentar. Alexandre levantou a cabeça e examinou o rosto claro da mulher. Nem dor, nem tristeza, nem amor. Lúcia nada mostrava, num rosto fechado àquela estranha lente.

Alexandre levantou-se disparado da cama e agarrou o braço da mulher, puxando-a até ao outro lado do corredor. Entrou no quarto de Miguel, visivelmente perturbado. A cuidadora fitava o amo, com o menino ao colo, perplexa com as duas presenças naquela divisão. Era uma mulher alta, de cabelo cor de mel e olhos aveludados, quase do mesmo tom. Os olhos oscilavam atónitos entre o Governador e a mulher que este agarrava pelo braço.

Alexandre aproximou-se dela e acariciou pela primeira vez os cabelos claros do pequeno. Depois, largou o braço de Lúcia, atirando-a contra a parede. Retirou do cinto uma pequena arma que lhes apontou, de olhos arregalados. Na cuidadora, com o seu filho nos braços, e na mulher que o fitava, sem nada dizer. Alexandre fazia pontaria à testa do pequeno, que palrava, inocente. Os olhos de Lúcia embaciaram-se pelas lágrimas que lhe afloravam nos olhos, vendo apenas a figura imprecisa do marido, de arma apontada ao filho.

– …Tu és louco, vais matar-nos e ao teu próprio filho? – Indagava, de voz trémula, saída do fundo de si.

– Não há alternativa …– Respondeu-lhe Alexandre, fixo no pequeno. – … e mesmo assim, não consigo… – Chorava profundo Alexandre, caindo de joelhos no chão do quarto.

Alexandre vislumbrou pelo canto do olho o Guarda que se aproximava atrás dele. Retirava um pequeno bastão, semelhante a uma lanterna. Este disparou uns feixes magnéticos que prenderam os braços de Alexandre. O Guarda afastou-se com o Governador, soturno e cabisbaixo. O silêncio apossou-se do corredor onde só os pingos compactos da chuva dispersados nos passos pesados de Alexandre se faziam ouvir.

Lúcia olhou pela janela e viu com prazer o carro preto parar em frente à casa. Olhou o homem, alto e contorcido, que se encontrava no interior, de nariz adunco e careca a despontar. Nunca Colin Young viera à Base de Edín. Muito menos sem a companhia do cão de guarda, o fiel Gallardo. Viu Alexandre aproximar-se deles, com o Guarda que o seguia atrás, e entrar no carro. Lúcia saiu do quarto, onde a cuidadora segurava, trémula, Miguel, sentada na cama. Dirigiu-se ao seu quarto onde se sentou no chão. Encostou as pernas contra o peito, apertando-as com os braços e deitou a testa, fechando os olhos que se encheram de lágrimas expelidas da sua alma em dor. Lúcia ouviu, no corredor, uns passos acelerados, que antecipavam uma presença desconhecida ali.

– Vim ver se precisava de alguma coisa… – Perguntou-lhe uma voz doce e serena, que lhe falava, numa quietude que a conseguiu sossegar.

Lúcia levantou a cabeça, e reconheceu a silhueta do Guarda que a ajudara meses antes. Ele olhava-a, da porta do quarto, com um sorriso brando que a percebia, num aconchego cúmplice.

Com a voz baça e coração perdido, Lúcia gaguejava com os olhos verdes de jade cintilantes, embebidos numa mágoa que o espírito expelia em lágrimas, dissolvidas na fina luz prateada do luar que iluminava o quarto.

– Fui eu… que o denunciei…quando fui às minas…eu queria salvar…a Clarisse. – Deitou para fora, como se se livrasse de um mal-estar opressivo que a murchava, num peso apagado em si.

O homem olhava a figura esbelta da mulher, arqueada e abatida e dirigiu-se a ela. Sentou-se no chão ao seu lado, puxou-a para si, abraçando-a, sentindo na face os seus cabelos macios e avermelhados, com um leve odor floral. Tomou-a meigamente nos seus braços fortes enquanto Lúcia soluçava.

– Ele matou-me… Deixou-me sem vida, sem rumo, sem casa… o que esperava que eu fizesse?

O Guarda deitou-lhe a cabeça no seu peito, envolvendo-a num amparo aconchegante.

– …não pense mais nisso. Agora tudo vai mudar. Ele vai engolir o próprio veneno que lhe dava a provar… – Respondeu-lhe docemente.

Ela sorriu e pôde finalmente respirar fundo. Deixou-se permanecer sentada, encostando mais um pouco a cabeça no homem, fechou os olhos, cercando-os de um silêncio, bálsamo tranquilizador.

Ele olhava no exterior os raios estirarem-se ao luar. Um arrepio fino adensava-se como borboletas no estômago, percorrendo-lhe a espinha, eriçando-o, remoendo-lhe o coração que lhe doía, cavalgante no peito. Tinha nos braços o ser mais perfeito que alguma vez vira, estonteantemente belo, frágil e assustado, magnificamente encantador.

Lúcia, Lúcia, porque tens tu tanta luz?

-- Quarta Jun 10, 2009 21:02 --

Olá! Aqui vai um dos últimos capitulos de "Saga". espero que as mentes se mantenham abertas para entender o que se começa a explicar...

Boas leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Base de Abzu

Zalas

Novembro 2013

Os Alquimistas da Alma

A matéria é uma dança frenética de energias em constante mutação num mundo não apenas confinado aos nossos sentidos.

Que força misteriosa é essa que interpenetra todas as coisas dotando-as de vida?

Todo o ser humano é uma estrela, corpo de luz, um ser pulsante em diferentes frequências. Todos os corpos, factos e circunstâncias, não passam de agitações contínuas de energia e de "Luz".

Eles ousaram acreditar que os Homens são mais que simples Homens, capazes de trazer à existência as coisas que não existem. E dos átomos que compõem uma partícula de ouro, fazem água. Vivendo do sentimento, do egoísmo faz amor, da culpa, gratidão, da tristeza solidariedade, na maior Saga, jamais contada…

Porque mais forte que a vitória, só a glória que ela encerra.

Valentina estava sentada na sala do Governador de Abzu, diante de uma mesa folhada a cerejeira, coberta de uma toalha de jantar de renda branca.

– O caso foi muito grave, Observadora. Os escravos rebelaram-se, e mataram todos os Guardas, é ainda tudo o que consegui apurar. O dossier que me apresentaram é dramático. Parece que os escravos também morreram todos carbonizados. Encontraram os corpos, algures em Yekaterinburg. Um deles era de um miúdo, ainda criança, vitimado pela inanição. Pobrezinho, deve ter custado a morrer.

O Governador olhava-a, vendo a consternação espelhada nela, que olhava o prato, incapaz de comer. Sem conseguir conter a aflição que lhe dava vê-la assim, pedia-lhe, suplicante, chamando-a pelo nome.

– Por favor, Valentina. Deixe-me ajudar. Eu também não concordo com esta ocupação. Quantas vezes vou ter que lhe dizer isto? Eu quero ajudar. – Repetia, pausadamente.

Valentina lia-lhe os pensamentos, sentia-lhe a verdade que lhe saia em palavras, do coração.

– Eu já lhe disse que não sei a que se refere, Governador. Eu estou muito bem, obrigada e não creio que necessite de ajuda. – Respondia-lhe, sem ponta de fraqueza.

– Isto parece-me uma batalha perdida. Muito bem, Observadora, faça o que tiver a fazer. Eu prometo que não me entreponho. – Falou-lhe o Governador, de sorriso brando nos lábios.

Valentina pediu licença para sair, deixando a mesa com o seu prato intacto e dirigindo-se à cidade de Zalas. Entrou no seu quarto, imerso numa pacatez imensa, onde o relógio digital agitava os algarismos vermelhos, manifestando a sua presença de forma visível e inequívoca. Apenas o sentir de Valentina permanecia só, numa tranquilidade preocupada. O desenrolar das horas dizia-lhe que já era tarde e Valentina deitou-se na cama de madeira escura. Adormeceu, mesmo sem querer. O tempo mudou-se num sonho que surgia, desordenado e absurdo, mas real. Um armário de viga branca, uns olhos verdes pálidos que a procuravam dispersos, um barco navegante num mar tormentoso e uma menina fraca e extenuada que não parava de chorar. Hoje, vão morrer…

Acordou derreada, com um suor frio que a encharcava até ao peito, colando-lhe à testa os cabelos vermelhos desalinhados. Despiu a camisola cinzenta e arranjou a pulseira negra no pulso, para lhe tapar a cicatriz. Vestiu uma roupa simples, de calças de ganga largas e uma camisola de malha turquesa de trespasse. Olhou para a farda, cuidadosamente pendurada no cabide e seguiu até à sala. Apenas o candeeiro de pé velho iluminava a pequena divisão. Vestiu um sobretudo castanho e grosso que a cobria dos tornozelos até ao pescoço, sentindo-se abafar. Dirigiu-se para o carro. No exterior, o frio de Novembro já se fazia sentir. A neve acomodava-se em camadas altas e compactas no chão. Valentina caminhava enterrando as suas botas forradas a pele, de cano alto que saiam encharcadas.

Ausentou-se dos limites da cidade da Base de Abzu e esperou uns minutos, dentro do carro. Pouco depois apareceu uma pequena motoreta que parou silenciosa. O motorista, um homem alto e forte de cabeça careca redonda e pescoço curto e encorpado, dirigiu-se a ela, friccionando as mãos para as aquecer. O seu bafo quente cortava o denso ar gelado, enevoado e frio. Valentina viu pelo retrovisor a figura aproximar-se e saiu do carro, prontamente.

– Viko, já estava preocupada. Porque me fizeste ficar à espera? – Inquiriu, nervosa.

O homem poisou os olhos negros em Valentina e pareceu entorpecer.

– Estás com mau aspecto, querida. Outro pesadelo? – Viko não perguntava, falava numa interrogação retórica e Valentina abanou os ombros, acenando afirmativamente, enquanto se dirigiam para a pequena mota, estacionada atrás do carro.

Os dois esperaram em silêncio. As minúsculas partículas da motoreta, invisíveis a olho nu, agitavam-se diante deles. A motoreta transformou-se num pequeno helicóptero, onde ambos entraram ligeiros. Valentina sentou-se no lugar ao lado de Viko, enquanto este começara a pilotar. Poucos minutos depois, aterravam numa antiga bomba de gasolina abandonada. O veículo transformara-se de novo na velha e comum motoreta, que estacionaram perto de uma das bombas. Entraram para a loja, onde Jiya e Marius já os esperavam, juntamente com outras figuras conhecidas.

– … Meus companheiros de jornada. O que nos trás aqui hoje é um assunto melindroso, mas que precisa de resolução. – Viko olhava para todos, escoltando-lhes as reacções. Sentindo cada batida das suas emoções. Continuando a conversa, em tom baixo e pausado.

– Demoramos todos estes meses, mas finalmente conseguimos reunir o conselho. A verdade é que um membro deles vai ser julgado, mal o chefe daqueles humanóides alienígenas consiga aterrar. Nós, somos os únicos que podemos debater-nos contra eles, e é o que vamos fazer. Quero que saibam que todos os que estamos nesta sala podemos morrer nesta missão, mas é um risco que temos que correr. Já não há tempo de recuar e dar um passo em frente é a única coisa que podemos fazer. Daqui a sete dias, Enki vai aterrar na terra e julgar o Governador de Belize. Hoje, pode ser a última vez que consigamos reunir o conselho. Por isso, quero saber até que ponto estão dispostos a ir em nome das vossas convicções.

Viko sentou-se num banco alto de madeira atrás do balcão da velha loja e os outros olharam-no, amedrontados.

– Quero que tenham todos certezas, antes de assumirem as vossas posições e os vossos postos. Marius, tu voltas hoje para Belize e dás o sinal, mal aquele ser acabe de aterrar. Jiya, tu ficas na estação, e certificas-te que ninguém a consegue invadir quando a guerra começar, Valentina…tu diriges-te para Belize com o Chanceler, quando a mensagem do Marius acabe de chegar. Todos os outros ficam com a Jiya e protegem o nosso esconderijo. Vamos precisar de muitos, para barrar a estação. – Anunciou, severo, enquanto olhava Valentina a afastar-se.

Viko dirigiu-se a ela, que se encontrava no fundo da loja, perto de uma prateleira onde se encontravam alguns produtos de higiene e pacotes de leite vandalizados. Chegou-se silenciosamente a ela, poisando-lhe a mão no ombro, docemente.

– Tens a certeza que não me queres dizer? – Tentava mais uma vez, retirar a informação da mulher.

– Se te resta alguma consideração por mim, algo que ainda possas manter, peço-te que não me mandes para Belize. Por favor, Viko, faz o que te estou a pedir.

Viko olhou-a, emocionado, e com a voz embaciada, respondeu, hesitante.

– Sabes que faço tudo por ti, mas isso é algo que não está ao meu alcance desfazer. Tu és a Observadora, Valentina, a única capaz de o entender. Por isso, tu tens que ir com o Chanceler. – Anunciou, desanimado.

Valentina acenou-lhe afirmativamente e Viko despediu-se dos presentes, levando-a para a motoreta que se transformou uma vez mais em helicóptero. Ela olhou para o amigo, rompendo o silêncio que se abatera.

– Pergunta-me o que queres perguntar. – Falou, falsamente autoritária.

– Até que ponto é que estás do nosso lado? Tu tens marido, filha… Eu sei que estiveste com ele, que o salvaste. É verdade que foste imprudente ao ponto de cometeres esse risco? – Falou-lhe, seriamente.

Valentina fixou os olhos no piloto, declarando, formal.

– ex marido. E não era nada que tu não fizesses também. Peço-te, Viko, aconteça o que acontecer, nunca deves duvidar de mim… – A jovem mantinha-se fixa nele, não baixando a guarda, tão característica. Engoliu em seco e recuperou fôlego, para falar.

– Há só mais uma coisa que te queria pedir…eu não sei se regresso de Belize e tenho a certeza que tu o podes fazer. Há uma pessoa que quero que salves…um menino, meu irmão. Neste momento está preso algures num bosque nos Urais. Se puderes, por favor, estende-lhe a mão. – Pediu-lhe entre sussurros, quase a chorar.

Viko largou os olhos dos comandos, poisando a sua mão na dela. Valentina apertou-a, em busca de segurança.

– Prometo-te! Que mesmo que sendo a última parte do meu corpo, esse miúdo vai ter a minha mão.

A mulher sorriu-lhe, palidamente, enquanto o helicóptero aterrava, silenciosamente. Os dois saíram e este retomou à sua forma de mota. Valentina abraçou o amigo e entrou no carro que dirigiu, até casa. Ao entrar em casa, uma mão pequena e roliça impediu-a de abrir a porta.

– Então Observadora, eles já lhe disseram onde querem brincar aos rebeldes? – Indagou o Chanceler, altivamente.

A jovem fez-lhe sinal para entrar. Já em casa, no conforto do calor que exalava do sistema HVAC, sentou-se no sofá castanho e gasto, depois do Chanceler também se sentar.

– Eles vão atacar mal Enki consiga aterrar. Já reuniram toupeiras em Belize, onde o julgamento se vai dar. – Comunicou, certa e segura.

O Chanceler elogiou-a, aclamando-a, exaltadamente.

– Muito bem, Observadora, muito bem. Que ajuda preciosa que nos está a dar! Agora é só esperar. – Proferiu, de olhos exultantes. – Amanhã, espero-a para receber os novos lacaios.

Valentina encaminhou-o até à porta, regressando depois ao sofá onde se deixou tombar.

– Amanhã, meu senhor…sim, só amanhã.

Hoje, vão morrer…

-- Terça, 16 Jun 2009 19:34 --

Gente, amanhã antepenúltimo episódio de "Saga". Vamos lá dinamizar isto! Quero comentários :yahoo_mini:

Vamos lá, não custa nada perder uns minutinhos, até porque o final vai ser surpreendente.

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Por isso, façam-me a vontade e "brindem-me" com comentários, pode ser?

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_lol.gif">

-- Quarta, 17 Jun 2009 20:03 --

Força

Valentina percorria o Grande Auditório do Chanceler, caminhando certeira, de passos maquinais, como habituara todos os que a fitavam, semeados de dúvida. O fato grená impecavelmente engomado, de casaco abotoado e saia travada que lhe batia levemente nos joelhos, a cada passo acelerado que ensaiava.

Ao seu lado caminhava uma rapariga, ainda de aspecto púbere, e um rapaz de cabelo oleoso e dentes amarelados que a seguiam, curiosos.

No fundo do Auditório, o Chanceler encontrava-se sentado na sua secretária, estrategicamente colocada num púlpito que se elevava superior. O Homem, estendeu o braço pequeno para saudar a Observadora, de sorriso cínico nos lábios.

– Minha querida Observadora! Já vi que me trouxe os novos lacaios do Congresso! Sempre eficiente. Para a substituir, realmente dois destes não chegam. – Falou-lhe, fixando os dois jovens com uns olhos fumegantes e avaliadores.

– Obrigada, caro Chanceler, mas não tenciono ser substituída tão cedo das minhas funções. – Valentina retribuiu-lhe o sorriso seco e esfíngico, os dois jovens olhavam a figura, amedrontados. Pesquisavam aquela divisão fria e metálica, percorrendo todos os seus recantos, absorvendo cada detalhe.

O Chanceler desceu da superioridade da sua secretária, suspirando, desinteressado. Caminhou em passos pequenos e pesados até aos jovens, que tinham diante de si a figura pequena e gorda do indivíduo, tão diferente do que aparentava, na sua tribuna.

– Ora bem, vamos lá começar. O tempo estreita-se por entre os nossos dedos! – Falou-lhes, sempre com o mesmo esgar sorridente entre dentes.

Levou a mão pequena e reboluda ao bolso de onde retirou um comando. Estendeu o braço, gordo e curto, coberto pelas mangas do fato cinzento que lhe batiam nos pulsos enfunados e, da parede de metal abriu-se uma porta que deixava antever um corredor, estreito e escuro.

Valentina precipitou-se primeiro, seguida pelos dois jovens, escoltados pelo Chanceler.

Percorriam o corredor debilmente iluminado por umas pequenas lâmpadas incrustadas no tecto de cimento, pintado de branco.

No fundo do corredor, Valentina acercou-se de uma porta preta, de ferro espesso. Colou o polegar num refesto côncavo e a porta abriu-se, automaticamente. Estavam numa sala ampla, de paredes revestidas de um granito cinzento. Na parede do fundo da sala, liam-se umas letras salientes, esculpidas por todo o cumprimento da parede, formando a palavra “FORÇA”, cinzelada na pedra, em letras garrafais e vistosas, em alto-relevo.

Os jovens entreolharam-se, em interrogação, perplexos com a divisão. O Chanceler encaminhou-os para uma cadeira de cabedal almofadada e mandou-os sentar.

Ao lado, sobre uma pequena mesinha de apoio, vislumbrava-se um aparelho rectangular de madeira, com uns finos fios eléctricos de cujas extremidades pendiam uns discos metálicos.

O Chanceler aproximou-se do pequeno aparelho, olhando para o ar espavorido dos jovens, que seguiam todos os seus gestos.

– Como se chamam? – Indagou, de olhar irónico nos olhos.

– Virena Qualtrough – Respondeu a jovem, antecipando-se ao rapaz que se manteve fixo nela, silenciado na indecisão.

– … e tu? – Averiguava o Chanceler, exultante.

– Tindel…Gale. – Balbuciou o jovem, perplexo com a questão.

O chanceler mantinha o sorriso irritante nos lábios grossos, repleto de satisfação. Falou pausadamente e suave, quase entre sussurros, como se contivesse toda a sua indignação.

– Muito bem, Virena, Tindel. Apresento-vos o “espectro”. –Ironizou, pegando nos fios do pequeno aparelho e aproximando-os das têmporas dos jovens.

A jovem, de olhar perdido e inseguro, ferrou os lábios de medo e cravou a interrogação que lhe aguilhoava a mente nos olhos da Observadora.

– Não precisam ter medo, entreguem-se ao Chanceler e tudo correrá pelo melhor.

A rapariga pareceu abrandar. O jovem continuava hirto de aflição e calava no silêncio o medo que o atormentava, enquanto os discos frios permaneciam colados na sua cabeça.

– Ora vamos ver o que temos aqui… – Falava, agora verdadeiramente bem disposto, o Chanceler, enquanto ligava o aparelho a um projector que acendeu, lançando uma luz branca na parede de pedra cinzenta.

– “In spiritus, veritas”. Revelem-me a vossa mente, e dar-me-ão nada mais que a fiel verdade… – proferiu, enquanto os olhos se lançaram cobiçosos para a parede, onde a grande névoa branca projectada começava a ser substituída por umas imagens aleatórias e desordenadas com memórias vivas e reais da vida dos jovens que passavam como num filme, disseminadas e incertas, saídas do fundo que eram os seus espíritos soltos.Virena sentada num colo meigo e aconchegado de mãe numa casa, recanto familiar, a transpirar de um bem-estar apetecível

– O hipocampo e uma pequena dose de endorfinas tudo divulgam. São maravilhosas estas estradas da memória. Quando saírem daqui vão estar verdadeiramente renascidos.

Vamos apagar dos vossos pequenos armazéns, tudo aquilo que não nos interessa, vamos reconstruir todas as vossas sinapses, fazendo-as comunicar numa intenção diferente, mais eficaz.

Olhava para as imagens que apareciam projectadas na parede.Uma primeira espera, ansiada em sofreguidão e uma caminhada de triciclo por umas ruas cálidas e verdejantes, a primeira queda amparada numa protecção meiga e sincera

Valentina olhava-os, impávida, de olhos castanhos frios e distantes. Falando, pausadamente.

– Vão ressuscitar, para um mundo onde viverão liberados do peso de tudo o que guardavam e que vos consome. Todas as mágoas, todas as ligações, tudo o que pensavam conhecer, será apenas um registo apagado da vossa antiga memória. Isso é FORÇA.

Os rostos dos jovens perderam o ar assustado enquanto relaxavam, serenando num limbo vago, aconchegado nas cinzas vazias da reminiscência.

O sorriso retemperador, aberto e constante de Tindel, a entrega de um livro a um amigo, num gesto solidário de ternura, os olhos direccionados bem alto para as nuvens num por de sol sublime, contar as estrelas num sentir vigoroso de um sonho

Quando na parede não restava nada mais que uma reluzente luz branca, vaga e vazia, o Chanceler desligou o “Espectro” e retirou os jovens das cadeiras, voltando a questionar.

– Como se chamam?

Os jovens entreolharam-se, sem saber o que responder, enquanto gaguejavam, de mente diluída. Valentina olhou-os, sorridente, e estendeu-lhes dois copos de vidro transparente, com um líquido viscoso. Os jovens beberam o conteúdo que se lhes colava na garganta, de trago amargo e aveludado. Dos pulsos, começaram a emergir umas letras, formando a pouco e pouco os seus nomes.

– … o corpo liberta-se da vossa identidade e descarrega os vossos medos… – Proferiu, enquanto atiçou um ferro nas chamas vivas que dançavam numa redoma no centro da sala. Valentina poisou-lhes os ferros em brasa nos pulsos e os jovens não evitaram um brado de dor. Lentamente, os nomes desapareceram, diluídos letra a letra dos pulsos, sendo substituídos por uma queimadura em carne viva, que latejava, numa dor pungente e penetrante.

A Observadora aproximou-se deles, enquanto o Chanceler se encaminhava para a porta, abrindo-a, apressado. Os seus passos ouviam-se pelo corredor, arrastando a carne gorda e pesada, afastou-se em direcção ao Auditório. A Observadora encaminhou os jovens, visivelmente debilitados, para as galerias de repouso, entregando-lhes uma farda castanha, que eles receberam, amparando-a nos braços, como a um tesouro.

– A vossa farda é a vossa força! Façam por merecê-la! – Falou-lhes, no seu tom superior e severo, com sotaque de leste. Os jovens acenaram, respeitosamente, encaminhando-se cada um para o seu quarto.

Inspirou fundo e dirigiu-se a casa, voando em direcção ao quarto. Os pequenos dígitos vermelhos do relógio giravam, numa dança imperativa, soando imperiosa e crucial, ditando-lhe o propósito. 17h35

Sentou-se no chão, aos pés da cama, dobrada sobre os joelhos. Fechou os olhos por uns momentos, enquanto a dúvida pulsava, sobressaltando-lhe todos os contornos, embutida em todos os seus poros. Vida ou salvação?

Quando abriu os olhos, desenharam-se os contornos de um canapé avermelhado, com uma crioula de cabelos de ébano, estendidos em grandes mechas pelos ombros estreitos. O vestido branco de chita, debruado a renda guipour no pescoço e nos punhos surgia alvo, na aura que envolvia o seu corpo delgado e pequeno de uma pálida luz. A mulher abriu os seus enormes olhos castanhos amendoados, iguais aos de Valentina, e falou, ternamente.

Não será uma perda de tempo. Depois de entenderes esta lição, poderás saber como perceber melhor o tempo...

Os olhos de terra inundaram-se de lágrimas, enquanto Valentina perscrutava a figura angelical da mãe.

– mamita… eu não consigo! tenho tantas saudades…estou tão cansada, queria estar contigo…

A voz saia-lhe fraca e embargada. Valentina soluçava, de novo criança, nos braços doces do amparo de mãe.

Não chores minha garça, o Universo encarregar-se-á de nos voltar a reunir…

A mulher, sentada no velho cadeirão, afagava-lhe os cabelos de fogo, passando-lhe docemente os dedos longos e finos pelas madeixas desalinhadas da filha.

O canapé vermelho diminuía lentamente, como um suspiro, diluindo-se numa luz fraca e desbotada. Quando acordou, aos olhos de Valentina nada mais sobrava do que aquele quarto, desconfortável e frio. O relógio parava ainda nas 17h35. Arranjou mais uma vez a farda e dirigiu-se ao Gabinete do Governador, onde o esperava o Chanceler. Entrou, desta vez não tão certa e maquinal.

– Já me enviaram o sinal. Enki está a aterrar. São horas de ir.

A voz do Chanceler soou-lhe rude e imperativa. A Observadora acompanhou-o, atrás do Governador.

Saíram da Base e seguiram até um pequeno heliporto onde um avião os aguardava, de hélices giratórias ao vento.

Valentina sentou-se de frente para o Chanceler, ao lado do Governador da Base de Abzu. O espírito movia-a de força. Olhava o Chanceler envolta em anseio. O helicóptero iniciou a rota e, pouco depois, parou numa pista ampla, no meio de uma clareira frondosa. Um carro aguardava-os. O Chanceler saiu determinado, enquanto a Observadora e o Governador se entreolharam. O alto dirigente da Aliança, pausou por segundos, enquanto se encaminhava para o carro. Depois, de expressão trocista no rosto gordo fitou os seus dois seguidores.

– Há algo que temos que fazer antes de seguirmos para Belize. – Proferiu, analisando as reacções dos seus receptores. Virou bruscamente a cabeça que fitava os dois, cravando o olhar obtuso na Observadora. – Antes de sairmos daqui, vamos a sua casa buscar os códigos dos Annunnaki.

O Governador não conseguiu evitar um olhar atónito e estonteado, abrindo a boca. Valentina retribuiu o olhar rude do Chanceler, no expoente da sua frieza calculada. Vida ou salvação? O que escolher?

De olhos castanhos embaciados e sorriso forçado, respondeu-lhe, secamente que se fizessem à estrada. Era já noite quando chegaram ao pequeno porto de Vyborg. Um arrepio percorreu-a de lés-a-lés. Estava de novo na terra que lhe marcara os passos. De volta ao seu eterno chão. Do outro lado do porto, um café acendia as luzes, que iluminavam a fria escuridão de Inverno. A respiração de todos parecia congelar com as temperaturas negativas. A observadora tomou a dianteira, seguida pelo Chanceler. O Governador, continuava a rota, de olhar baixo e pensativo. Mal abriu a porta de casa, o Chanceler empurrou a Observadora, entrando primeiro uma pequena sala de chão de madeira e paredes de um amarelo pálido. A casa encontrava-se virada do avesso. No hall, a pequena mesinha de entrada encontrava-se tombada e com um pé partido e da parede pendia uma fotografia mal segura, dentro de um passe partout quebrado onde se vislumbravam os rostos feizes de Ilya e Valentina com a pequena Lera. Valentina sentou-se no sofá de vime coçado e esperou, enquanto o Chanceler percorria todas as divisões da casa.

– Onde está…o código? Vai-me deixar procurar sozinho enquanto fica aí, Observadora?

Valentina levantou-se, dirigindo-se à porta de entrada. Lançou-lhe um olhar seco, de sorriso escarninho no rosto, deixando a fingimento decididamente.

– O código já não está aqui…porque não era aqui que devia estar.

O Chanceler olhou-a, abismado, enquanto a Observadora saiu, trancando a porta, com os homens lá dentro.

Correu com a velocidade que conseguia a pequena ponte, os pés afundavam-se na neve, saindo cada vez mais gelados. Entrou no amplo café envidraçado. A porta ressoou, de encontro o pendente. Enquanto o dono, no fundo do café, de grandes braços musculados e bigode farfalhudo, a olhava, abismado.

Link to comment
Share on other sites

Fogo isto foi interrompido na melhor parte!!!

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_huh.png">

E é agora que vamos ter sangue e Vingança!!! :clapping_mini: :clapping_mini:

Mas quem são afinal aqueles seres estranhos? :puppyeyes:

Muito bem Magg, adorei estes ultimos capitulos.

Muito boms mesmos.

Parabéns!!! :headbang: :headbang:

Link to comment
Share on other sites

Olá a todos. Desculpem não ter publicado a minha história na quarta-feira, como de costume, mas um problema de saúde de um familiar não me permitiu vir ao pc. Contudo, cá estou eu para publicar hoje mais um episódio. Agradeço a quem lê a minha história. Como este penúltimo era um capitulo muito grande, dividi-o. Para a semana,também vou publicar no Sábado, excepcionalmente. Espero que se divirtam com estes momentos finais da história que ainda vai surpreender. Boas leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Revelação

Vyborg

Novembro 2013

21h00

– …mas, afinal, a que devo a honra de ter a Observadora do Congresso no meu humilde café? – Inquiriu ironicamente, de olhos baixos no balcão. No espaço mal iluminado, percebiam-se os contornos de um homem, grande e forte, de sobrancelhas espessas arqueadas e uns grandes olhos de um azul desbotado.

A mulher não respondeu.

– O Orloff deixou-me isto para ti, antes de partir... – Disse-lhe, entregando-lhe uma folha de linhas, dobrada em quatro, que poisou no balcão.

Valentina, incapaz de se acercar, manteve-se encostada ao balcão, onde o dono se fingia atarefado. Esticou o braço e apanhou com cuidado o pequeno papel.Engoliu em seco, preparando-se para ler.

Desde que o Sasha saiu que eu tentei perceber o que a vossa mente consegue conceber. Eduquei-o, tal como a ti.

Via-vos a todos, um por um, partir. O meu filho Ilya, a Lera, a ti…até o Sasha. Percebi que vocês tinham propósitos de vida, enquanto eu nunca os tive.

Desde o dia em que voltaste a bater à minha porta com o pequeno Dornov pela mão que os escondi. Para alguma coisa o meu «Dimah» haveria de servir.

Valentina saiu disparada.

– Vai, vai-te embora. Vocês são todos uns ingratos! Desaparecem todos, sem regressar… – Praguejou o homem, enquanto Valentina se dirigia ao exterior, vendo pela última vez, a menina que Roma recolhera num porto, apavorada e desnutrida, desaparecer.

Caminhou, ainda zonza e de pernas bambas, pela noite, toldada de um roxo violáceo, ansioso e farto que se estreitava nas horas. As ondas ecoavam, jogando-se contra o pontão da baía. Andou pelo areal gelado, que diminuía de ano a ano, até ao local onde dantes costumava estar o barco de Orloff, tão velho como ele, agora despojado e vazio. Na rocha, a erosão tinha cavado uma fenda. Valentina enfiou a custo a mão na fissura profunda, encaixando-a lentamente, cada vez mais fundo, até já ter enterrado praticamente todo o antebraço, até ao cotovelo. Sentiu a mão esbarrar em algo resistente e farposo que puxou, devagar. A grande caixa de madeira, robusta e compacta, partiu-se em dois. Do interior, saiu uma pedra de quartzo róseo, rectangular. Apertou-a com cuidado contra a mão e seguiu caminho, de novo rumo a casa. O Chanceler esperava-a, exultante.

– A ideia de me prender aqui foi genial, Observadora! – O pequeno rosto gordo apertava-se de riso, o queixo anafado dilatava a cada gargalhada.

Valentina retribui-lhe o elogio com um sorriso frouxo e dirigiram-se à grande praça onde o helicóptero os esperava.

– Neste momento os seus amiguinhos devem estar satisfeitíssimos à espera dos códigos…. – Jubilava o Chanceler, de mão gorda e rosada esvoaçante.

– A minha lealdade só tem um lado… – retorquiu a Observadora, enquanto levantavam voo em direcção a Edín.

Via o grandioso forte de Vyborg diminuir, à medida que a altitude ia apagando os contornos da cidade de enormes pináculos e abóbadas monumentais, até ser apenas uma enorme névoa glacial.

*****

Base de Edín

11h00

Sauzesco amanhecera num sol oculto, disperso numa neblina matinal, húmida e cálida, que se entranhava até aos poros. O dia ia alto quando o aeroplano do Chanceler aterrou, na pista da Base, onde foram prontamente recebidos por Colin Young, o Governador regente de Edín. A primeira a descer foi a Observadora, seguida pelo Governador de Abzu.

O Chanceler saiu, escoltado pelos homens de Young, que presenteava o representante do Império com um sorriso afectado.

Encaminharam-se para o escritório do Governador onde Colin acomodou as ilustres figuras presentes, num nervosismo indisfarçável. Juntou as mãos trémulas, que levou ao queixo, procurando acalmar a voz. Zeph Willoughby aproximou-se do Governador-regente, poisando o pequeno chip do relatório diário da viagem do líder supremo do Império em cima da secretária, pertencente a Alexandre.

– A primeira vez que vi este céu assim foi em 2011, ainda em Belize. Cinzento, matizado de vermelho. Continuo a não gostar. – Murmurou Zeph, sempre com o mesmo olhar cabisbaixo e pesaroso.

– Enki está para chegar. Segundo o último relatório, aterrará esta noite. – Anunciou Young, com uma expressão formal no rosto sumido, que lhe acentuava mais o nariz encurvado.

O Chanceler reclinou-se melhor na espreguiçadeira, olhando, inflamado, os rostos dos seus subordinados.

– Ora bem, vamos então decifrar esses códigos. Observadora, se fizer o favor… – O homem estendeu o braço curto, inclinando-se na cadeira para receber ao rectângulo róseo que a Observadora lhe entregou.

O Chanceler levantou-se, poisando o quartzo em cima da secretária. Valentina fixou a pedra por alguns segundos, antes desta se começar a desfazer, até que dela restava apenas um fino pó. Colin olhava a cena maravilhado, enquanto o Chanceler retirava uns pequenos papéis com algoritmos indecifráveis e nebulosos.

– Então, o que significa isto? – Questionou, vermelho. – …eles não articulam palavra?

O rosto gordo fixou o de Valentina, em cólera.

– Como é que tem comunicado com eles, Observadora? Tinha-me dito que eles tinham códigos…isto não são códigos. – Indagava, atordoado de pânico, desnorteado em dúvida.

O seu olhar cruzou-se com o de Colin, que tremia, num assombro profundo e aterrador.

– Eles comunicam de uma forma muito diferente daquela que conhecemos. Através das reverberações das nossas energias. Ou seja, eles entendem o nosso sentimento. – Respondeu-lhe, intrépida.

O Chanceler olhava-a, com a perplexidade espelhada no rosto, enquanto o braço que segurava os papéis ia baixando cadenciado com a incerteza, lentamente, em confusão.

Levou a mão ao bolso do casaco de onde retirou a arma, empurrando a jovem que caiu desamparada no chão de madeira escura.

– Eu mando-a para o Inferno, Valentina! Sua russa mentirosa! Diga-me qual é a sensação de se saber como vamos morrer? Isso sempre me beliscou…

Ao ouvir o Chanceler chama-la pelo nome, Valentina tremeu interiormente. Levantou-se superior, fixando o Chanceler nos olhos, e proferiu, num repto severo, sideral, num inglês perfeito e sem sotaque.

– Sabe o que mais me custou nestes anos, Chanceler? O fingir este sotaque, contrafeito nas suas barbas de grande senhor! Eu não sou russa! Sou inglesa de sangue e “belizeña” de coração.

Colin levantou-se afogueado, quebrando a densa indignação envolta em desapontamento.

– Na minha Base ninguém mata ninguém!

Foi o Governador de Abzu que retirou a arma da mão do Chanceler, usando-a para o prender, com os feixes magnéticos.

– A Observadora é-nos… indispensável.

O Chanceler conjurava, debatendo-se inutilmente para se soltar.

– É inútil, estrebuchar, já devia saber. Agora vamos pô-lo bem sossegado, porque o seu caminho termina aqui! O nosso líder está a chegar. – Proferiu o Governador de Abzu, fixando com prazer os rostos dos outros três homens emurchecer de frustração.

O homem estendeu delicadamente o braço a Valentina, perante o olhar absorto dos presentes.

– Eu sempre disse que a queria ajudar… chamo-me Sander Kinry.

Valentina levantou-se, fitando o rosto do seu salvador. Depois, olhou para Colin e Zeph com contentamento espelhado no rosto.

– Devo confessar-vos que já tinha saudades das vossas caras de fuinhas. – Falou, de sorriso jocoso.

Colin arrastou o corpo mirrado e espectral até à espreguiçadeira, enquanto Zeph a fixava, pesaroso e deprimido.

– …esses olhos, o cabelo…é a filha da Valéria Garza!

Colin e Zeph entreolharam-se aterrorizados, perante a revelação que se deparava frente-a-frente, como sombra do passado.

– O que queres tu de nós?

Valentina lançou-lhes um esgar fleumático e superior.

– …apenas que me deixem acabar o que tenho pendente. – Fixando de soslaio o Chanceler, que os olhava, atordoado, em silêncio. – Venha comigo! Vamos fingir mais um bocadinho!

Os três homens saíram do escritório, escoltando o Chanceler. Desceram até ao nível inferior onde o carro, com o motorista do Governador de Edín, os levou até à prisão.

Caminharam até um grande edifício oval de vidro e aço. Entraram da portaria. O Chanceler passou a sua impressão digital que mostrou o seu estatuto bem como os seus níveis de acesso.

Nos elevadores, de portas acrílicas transparentes, passaram pelos dormitórios de nível de segurança I e II (celas sem segurança elevada) até à secção de Super Máxima Segurança (supermax). No interior, cada edifício estava preso a um núcleo central, de onde se viam elevadores e umas escadas de emergência. Umas turbinas eólicas instaladas em cada andar eram responsáveis pelo fornecimento de energia.

Os Guardas do Centro de Admissão (C.A) onde Alexandre se encontrava, mantinham sob rígida atenção os presos cujos processos ainda estavam a ser avaliados.

– Visita para o Governador exonerado. – Anunciou o Chanceler, num tom forte e convincente.

Os guardas passaram-lhe uma chave magnética com uns números gravados, que o Chanceler entregou a Valentina.

Seguiram pelos corredores esguios até que as portas das celas, de aço frio e compacto, se começaram a avistar. Valentina seguiu sozinha até à porta cujos números condiziam com os da chave. Colocou titubeante a chave na pequena ranhura e a porta abriu-se, deixando antever Alexandre, de rosto envelhecido e gasto, com os grandes olhos negros amortecidos e cansados. O homem permaneceu sentado na cama de metal dura, enquanto a mulher entrava, fechando a porta, aproximando-se lentamente dele. Dirigia-se calmamente, semeando a espera num compasso longo e penoso, encostando-se à parede branca e fria, mesmo à frente de Alexandre. Este respirou fundo, como se procurasse a coragem para falar, mantinha o olhar no chão, sem fixar Valentina. Ela falou-lhe, de voz grave e seca, saída do fundo de si.

– Então, Alexandre, já começou a rezar?

Link to comment
Share on other sites

Desculpa magg mas por causa dos exames não tenho tido tempo para vir aqui ao fórum, assim que acabar prometo ser mais regular e ler o fim da tua história.

Grande história, este fórum tem os melhores guionistas de histórias web.

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Olá! Desculpem estas semanas de interrupção involuntária da minha história, principalmente nesta fase final. Mas estive mesmo muito ocupada. Agora tudo volta ao normal. Para compensar, deixo-vos com episódio duplo da minha "Saga" que espero que continue a agradar. Para a semana outro episódio duplo e FIM! Obrigado a todos os seguidores e comentadores da minha histórinha. Acreditem que é muito importante para mim! Boas leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Perfídia

– Então Alexandre já começou a rezar?

– Eu disse-lhe para não cruzar mais o meu caminho. Mesmo assim, ainda insiste em atravessa-lo …

Alexandre levantou brandamente a cabeça contemplando a mulher a quem matara os pais, ainda menina. A jovem mantinha as mesmas linhas que gravara, como que em encanto. Os mesmos olhos aveludados da mãe, os cabelos vermelhos e desalinhados que despontavam desarrumados, numa herança imemorial legada do pai. Falou-lhe no seu tom arrogante e superior, como se esperasse aquele confronto desde os primórdios do tempo.

– A Observadora do Congresso, aqui! …eras a última pessoa que estava a espera de ver.

Faz o que tens a fazer! Leva-me para este julgamento cómico e acabemos já com isto.

Valentina ofereceu-lhe um olhar irónico, mordendo um sorriso que lhe apontava ao rosto.

– Diga-me, Albuquerque, acha-me assim tão mentecapta para acreditar neste julgamento? Não vai haver sentença nenhuma! Vocês estão feitos!

Alexandre contemplou-a espantado, abrindo ligeiramente os lábios, em estranheza. Depois, voltou à postura arrogante que tanto o caracterizava, levantando ligeiramente o tom de voz.

– Nada nem ninguém me fará cair em sujeição! Pessoas como eu não existem para serem julgadas! Um dia o mundo entenderá a minha visão.

Valentina voltou a cravar o olhar indignado no homem, cheio de revolta.

– Pois é Alexandre, a vida está repleta de ironias… matou-me os pais, a família… E ainda quer fugir, depois de tudo o que fez? A fuga sempre gotejou de sangue as suas pegadas pelo caminho …

O homem fixou-a, assombrado com a surpresa.

– O teu pai era um estrangeiro corrupto que nos roubou as terras e fazia de nós escravos! – Pronunciou, sem oscilar.

– … O meu pai era um homem bom e simples, muito diferente disto que fez como Governador desta Base! Por onde quer que ande, por muito que ainda viva, encontrará apenas na morte o seu único legado, esse que eu teimo eu destruir…

Alexandre aproximou-se mais da mulher, ainda encostada à parede. Os olhos retorciam-se nas órbitas, passando as mãos pelos cabelos escuros, agora levemente clareados de umas mexas cinzentas.

– Vais matar-me … – Falou-lhe, de olhos arregalados pelo susto. – Soube-o desde o dia em que me entraste pelo escritório. Não aceitaste o cargo de Observadora em vão, tinhas que ter um bom propósito. Pensando bem, esta nem é uma má maneira de morrer. Destrui-te a vida…roubei-te tudo! Não há dia em que não os veja, na minha cabeça. A tua mãe foi a que custou mais a acabar…não largava por nada aquele bebé…foi difícil de morrer. Diz-me, quão sedenta estás de me ver morrer, até onde irias por vingança? – Falou, num tom frio e pausado, atiçando-a.

Valentina retirou da farda a pequena arma de feixes que guardava, apontando-a ao ex-Governador. Alexandre examinava cada movimento calculado da mulher, seguindo hesitante a arma que passava da sua cabeça para a testa, desta para o peito, percorrendo-lhe todas as partes vitais.

De um ápice, Alexandre estendeu o braço, ainda vigoroso e forte, apanhando-a de surpresa. Apertava-lhe o pescoço delgado enquanto a arma dela permanecia fincada no seu corpo.

– …então, morremos os dois hoje! Quem melhor para fazer companhia ao grande Spencer e à sua Valéria do que a filhinha Valentina…

Ela contemplou-o, escarnecedora, não evitando um esgar de satisfação.

– …todos acabamos por morrer… – Respondeu-lhe, de voz pigarreante, sentindo os dedos fortes de Alexandre apertarem-lhe a garganta, esmigalhando-a, retirando-lhe o ar, respirando sufocada, compassada e ritmicamente. Valentina disparou a arma contra Alexandre. Os raios percorreram-lhe a cintura em arrepios de dor, cravando-se no peito. Os dedos de Alexandre afrouxaram lentamente, retirando-os perplexo do pescoço de Valentina. Esta deixou escapar um riso agitado, respirando fundo, recuperou o fôlego, mexendo tremulamente os lábios.

– …esta é pela minha mãe… e pelo meu pai, que morreu a defender os meus irmãos. Sem pedir, sem implorar, sem gaguejar sequer…

Os seus dedos, longos e finos, passavam pela pequena roldana metálica da arma, rodando-a, lentamente. Os raios voltaram a sair, enquanto Alexandre se revirava no chão, contorcendo-se de dor.

– …estes são pelo Ilya e pela minha filha que não vejo crescer, pela vida que nunca hei-de ter…

Alexandre gemia, estendido no chão, de joelhos contraídos, em posição fetal. O suor corria pela cara, caindo no chão, formando uma pequena poça. Valentina aproximou-se mais, baixando-se ao nível do homem, ouvindo-o arfar.

– …assim está melhor! Já não rezinga tanto, pois não? Dói sermos humilhados, não é, Albuquerque? Acredite que de si já só se vê um ser velho, cujo cheiro da carne estagnada se sente já daqui, a apodrecer…

A jovem levantou-se, atirando para o chão a arma com que acabara de atingir o ex-Governador.

– …está no nível máximo, use-a, se quiser morrer! Eu não sou uma assassina. A minha vida já viu demasiado sangue...

Precipitou-se para a porta entreaberta, tentando perceber algum pormenor de movimentação estranha. O corredor permanecia envolto no mesmo silêncio astral que a envolvera, antes de entrar na cela. Saiu, fechando a porta, dirigindo-se mais uma vez ao homem, pelo lado de fora da grade.

– Esta é a terceira vez que lhe viro costas e saio pelas suas portas. Desta sou eu quem tem a chave! Garanto-lhe, vai ser julgado! Não será mais rei de nada! Nem sequer da morte com que fez o seu trono!

Alexandre permaneceu deitado na cela, enquanto ouvia os passos da mulher afastarem-se rapidamente. Desejou estar em Belize, sentado confortável na sua espreguiçadeira, enquanto a via afastar-se, no carro preto. Arrastou-se pelo chão, esticando o braço até alcançar a arma caída. Fechou os olhos enquanto enfiou o dedo no pequeno buraco, fazendo a arma disparar. Os raios crivaram-no, aumentando-lhe a dor, fazendo-o estremecer no chão, violentamente. A dor cravejava-se, espetando-se em cada músculo, interna, afiada, resistente. O coração bombeava disparado e energicamente, violento e assertivo, como sempre vivera. A mão inerte largou a arma que tombou uma vez mais para o chão. A cela inundou-se de trevas, os olhos revolveram e voltaram a fechar, pesados demais para sustentar.

Valentina caminhou certeira e maquinal até ao fundo do corredor, de chave na mão. Virava-a e revirava-a na palma da mão, sentindo o gosto doce de poder que lhe dava aquele pequeno gesto de controlo. Cada chave era um exemplar único, feito de um material de que não se conseguia fazer a cópia, por questões de segurança.

Procurou depois um túnel por onde andou curvada até uma pequena parede de tijolos, retirando um que se encontrava mais saliente. Os outros caíram, como despojos, mostrando-lhe do outro lado o nível inferior da Base. Diante de si estava uma antecâmara, com um canteiro oval no centro, ornado com plantas verdes. Várias portas de anteviam, todas iguais, até que uma delas se abriu, por onde saiu Marius.

– Já não era sem tempo. O Sander não aguenta o Chanceler por muito mais tempo e não me parece que aqueles fuinhas do Colin e do Zeph queiram ajudar…Bom trabalho, senhor Guarda! – Gracejou Valentina, piscando-lhe o olho.

Marius sorriu para a jovem, recebendo a chave magnética da cela de Alexandre, que guardou.

Valentina dirigiu-se então ao Centro de Admissão, onde o Chanceler e os Governadores a esperavam. Sander mantinha supervisionado o Chanceler, preso com os feixes magnéticos.

Colin olhava-a, admirado, sem saber que partido havia de tomar. Sander lançava uns olhos ameaçadores ao Chanceler que, afoitamente, tomou a palavra.

– Pronto, Valentina. Já brincou o suficiente. Agora devolva-me a chave.

A mulher olhou-o, contorcendo os lábios, fitando-o, superior.

– …só se deixarem julgar o Governador exonerado. – Comunicou, desafiadora.

Colin desviou o olhar para a jovem, com a dúvida espelhada no génio. Os olhos fervilhantes do Chanceler percorreram-na, emproados.

– Um homem como ele não é para deixar julgar… – Respondeu-lhe, com um ar de vitória reflectido no rosto adiposo.

O Chanceler voltou-se para Zeph que se aproximava. Por uma vez, desviara os olhos do chão, e o olhava com outra expressão que não a de vassalagem humilhante. O Representante da Aliança fixou o conselheiro do Governador.

O Chanceler abriu um sorriso para o conselheiro, falando-lhe no seu melhor tom irónico, quase provocante.

– Zeph, eu sempre soube que era um homem previdente…não quer perder esta oportunidade de ascender a Governador…livre-nos dele e os três seremos novos homens. – Falou, fixando o conselheiro e o Governador regente de Edín.

Por uns segundos Valentina pareceu estremecer. As mãos de Zeph retiraram oscilantes a arma da mão de Sander, carregando-a no máximo. Os braços magros e vacilantes subiram, fixando a testa do Governador de Abzu.

– Vá lá, Valentina, solte-me daqui, e dê-me o raio da chave. Não quer ver o seu protector morrer…

Valentina encarou-o uma vez mais, sem lhe responder, voltou-se para Sander que os fitava, visivelmente ansioso e aflito.

– Desculpa Sander, mas não posso …

Zeph disparou friamente. Sander desequilibrou-se, encostando-se ao balcão, tacteando com as poucas forças que possuía, deslizava enfraquecido, até cair sentado, contra o balcão. A cabeça pesada tombou para o ombro, expirando num último espasmo. Enquanto o Guarda que permanecia no balcão do C.A os olhava, boquiaberto.

O Chanceler sorriu para o homem que acabara de atingir o Governador de Abzu e que agora se dirigia a ele, soltando-o dos feixes. Valentina engoliu em seco, vendo a expressão satisfeita que emanava do homem, após a traição. Colin desviou o olhar do Chanceler, em estado de choque.

– Não vale a pena falar Colin, no seu breve domínio regente alguém tinha que ser o primeiro a morrer… – Falou-lhe cinicamente o Chanceler, de sorriso escarninho no rosto.

O homem ondulou o corpo anafado, dirigindo-se a Valentina, puxando-a. A mulher oscilou com o impacto, desequilibrando-se.

– Ora ainda bem que estamos precisamente no piso dos traidores… ironia, ironia. Deixe-me mostrar-lhe o que se faz aos infiéis.

Colin fitou o chão, enquanto Willoughby seguia, arrebatado, o Chanceler. Caminharam de novo pelos corredores da prisão. O homem arrastava a jovem, impelindo pelo chão os seus passos pequenos e pesados. Caminhava agitado, arrastando as suas curtas pernas seborreicas que se abatiam no chão com o peso, até chegarem à Sala de Interrogatório da prisão. Era uma pequena divisão rectangular, que continha uma marquesa, um sofá de pele amarelo pálido, uma mesa de metal fria e vazia ao lado de um pequeno escaparate fechado.

O Chanceler atirou Valentina para a sala, dirigindo-se ao pequeno armário, retirando o espectro. Sentou-se em frente à mesa, poisando o aparelho, que se ligou com um sonoro “clac”.

– Se não me diz a bem, vai mostrar-me a mal, vamos lá ver onde está essa chave…

Valentina mantinha-se imóvel no local onde o homem a deixara, sentindo-o aproximar-se com aquela estranha máquina na mão. Colin injectou-lhe uma substância que a deixava dormente e mole, deixando-se cair para a cadeira, enquanto o Chanceler, com um sorriso que lhe distendia os lábios pastosos, colocou os pequenos discos nas têmporas da mulher, endireitando o óculo por onde as imagens se iam projectar. Na parede, desenhou-se a névoa branca inicial e o Chanceler ardia de curiosidade à espera das imagens que se iriam desenhar. No entanto, o vazio da névoa branca persistiu, sem nada revelar. Valentina debatia-se bravamente contra o espectro, espírito fantasma que a tentava dominar. O rosto pequeno e anafado do homem assumiu um tom róseo de cólera, pedindo a Colin que a injectasse outra vez. Valentina sentia -se entorpecer, deslizava na cadeira com o corpo cada vez mais letárgico e apático. A pulsação sentia-se cada vez mais lenta e dilatada, o peito apertava-se, secando-lhe a garganta, respirando cada vez mais lentamente. A mente doía-lhe, confrangendo-a, tomando-a em imagens, representações provectas das suas mágoas mais fiéis. Na parede projectou-se um mar revolto e gélido que preenchia a parede em toda a sua imensidão. Valentina agitava-se, bamboleando como as ondas de encontro à areia e o vento. Via-se a cair a alta velocidade para o fundo de um imenso poço que a tragava, tão feroz como aquele vasto mar. O Chanceler aproximou-se mais da jovem. – O que se passa, Valentina, não me diga que tem medo do mar? – Questionava com escárnio, enquanto a jovem se contorcia, num gemido fino e contido. Debatia-se ainda, contorcendo-se, apertando em si todas as suas reminiscências marcantes. A localização da chave não aparecia. O próprio Chanceler tomou a seringa das mãos de Colin, baixando-se para injectar de novo Valentina, segredando-lhe ao ouvido. – Sabe que de cada vez que a injecto é mais uma parte da sua mente que se perde…até morrer completamente. Por isso, também já deve saber que tem um relógio decrescente, tic, tac, tic, tac, na cabeça … Mais uma vez, Valentina, qual é a sensação de saber como se vai morrer?

A mulher levantou a cabeça com as últimas forças que possuía, semiabrindo os olhos que lhe pesavam, fitando em esforço o Chanceler, conseguiu balbuciar – …serena… – Antes de abater-se para o chão, num tombo seco.

A noite mais longa

Lúcia passara a noite envolta em pesadelo. O Pai, ensanguentado, ao lado da Mãe. O corpo do irmão, com pouco mais de um ano, esventrado no quarto do casal. Os gritos de Valentina, escondida no armário de viga branca.

Lá fora a bela tarde de sol chamava-a imperativa, afastando-a do quarto. Desceu as escadas, abrindo a porta que dava até um pequeno jardim inglês. Caminhou até um chorão frondoso. Deixou-se estar ali, saboreando aqueles diminutos ápices de felicidade. As folhas de Verão ondulavam ao vento e uns leves passos ouviam-se certeiros atrás de si, estalando-as de encontro o solo. Lúcia adivinhou a presença, há muito percebida, mas deixou-se permanecer sentada, até que umas mãos quentes e protectoras se poisaram levemente no seu ombro. Marius aparecia-lhe, sem a sua farda de Guarda, olhando meigamente a mulher. – Queria estar contigo, antes de partir. – Falou-lhe, num tom carinhoso e doce.

Lúcia voltou-se para ele, oferecendo-lhe o seu olhar mais terno. – Partir, para onde? – Indagou, curiosa.

Marius sentou-se ao seu lado, tomando-lhe as mãos. – Há algo que ainda não disse…eu não sou só um Guarda de Edín.

Lúcia fixou-o, a dúvida emanava por todos os seus poros. Engoliu em seco, procurando explicações no rosto do outro. Marius aproximou-se mais dela. O calor do corpo dele, pareceu reconfortá-la. – Eu faço parte de um grupo que tem por objectivo acabar com o domínio alienígena na Terra. Temos como missão destruir todos os seus instrumentos de controlo. Estamos prestes a lançar-nos à guerra…

Lúcia parou abruptamente a conversa. Em silêncio, beijou-o demoradamente. Experimentavam-se tremulamente nos beijos um do outro. Levou-o até ao pequeno quarto, dantes só seu, abrindo devagar a porta, para que não os ouvissem. Ele colocou-lhe a mão na cintura descendo devagar pela perna, conhecendo-lhe os contornos. Despiram-se em silêncio, desejando-se. Os lábios sorviam-se, sequiosos, as línguas misturavam-se, envolvendo-se com a própria saliva quente. As pernas de Lúcia abriram-se, como nunca havia acontecido com Alexandre, num desespero inconsciente de carne, de sexo, de afecto, de paixão e de amor.

Conheciam-se, amavam-se, companheiros felizes e cúmplices. O rosto nobre de Marius acalentou-lhe todo o desencanto, preenchido por uma solidariedade frágil, quase ingénua. Sentira-lhe o medo encrostado, que a tomava em dúvidas, em hesitação, numa reciprocidade idêntica, surpreendente, interior, mútua, discreta. Curara-a, ousando decifrar o ininteligível, encontrando-lhe um admirável sentir, repleto de ternura. O tempo parara com ele, enquanto ela ganhava vida. Numa nova capacidade de sentir, de ser, de amar. No entanto, aquele era um fim de tarde diferente e torturante.

Marius sabia que não dependia dele continuar ali quando o sol nascesse. Mesmo assim, daria tudo para vê-la a bocejar desajeitada quando o sol a acordasse, ver esse mesmo sol a iluminar a pele clara do seu rosto de contornos esguios e definidos, imaginar os sorrisos cúmplices que trocariam quando já fosse manhã e não apenas aquela tarde longa que os encerrava. Sentia um amargo na boca, uma agonia implacável que lhe rasgava o espírito. Marius deitou a cabeça de Lúcia no seu peito. Esta ouvia o palpitar agitado do seu coração.

– Quero que saibas que te levo aqui, embora me soubesse melhor se te pudesse levar comigo.

Lúcia levantou ligeiramente a cabeça, apoiando-a com o braço. Fitava-lhe o rosto claro, os olhos azuis iluminados, enquanto lhe acariciava a barba rara do queixo.

– Porque não levas? – Indagou ela, amorosamente.

Marius poisou levemente os lábios nos dela, falando-lhe carinhoso.

– Vamos entrar em guerra. Estás melhor aqui…Prometo que te venho buscar, mal esta Guerra acabe.

As persianas do quarto fecharam-se automaticamente, enquanto as sirenes das minas anunciavam o fim do dia. Os dois permaneceram ali, sofrendo em sossego aquela falta calada que os arrepiava. O som do comunicador cortou o silêncio que os embalava num sono acordado e diligente. Marius pegou-o a contragosto, percebendo tratar-se de Viko, levantou-se da cama, afastando-se um pouco de Lúcia, que o olhava em dúvida, sentando-se na cama. Marius falou alto para si.

– …a Valentina!

Lúcia olhou-o, levantando-se bruscamente, sentou-se na cama.

– O que é que tu disseste? O que é que tu sabes da Tina? – Indagou, de sobrolho franzido.

Lúcia endireitou-se melhor na cama, Marius aproximou-se dela, fitando-a, profundo e enigmático.

– Há outra coisa que ainda tens que saber. A tua irmã Valentina, faz parte dos Alquimistas da Alma, tal como eu. Ela…está cá. E precisa de ajuda.

Lúcia baixou os olhos para os lençóis, como se precisasse de digerir, enquanto os lábios se abriam, em transe. Marius ouvia-lhe a respiração cada vez mais ofegante, o rosto delicado cada vez mais pálido com o anúncio.

Puxou-a ternamente para si, afagando-lhe os longos cabelos ruivos.

– Deixa-me tratar do assunto, por favor, não quero que faças nada. – Pediu-lhe, enquanto se dirigiu ao velho canapé vermelho, retirando de um dos bolsos das calças uma chave magnética.

Lúcia continuava queda, em transe. Marius voltou a chegar-se a ela, tomando-lhe gentilmente as duas mãos, depositou-lhe a chave nelas, fechando-as, beijando-as de seguida.

– Só queria que me fizesses um favor. Guarda-ma. É muito importante que ninguém a descubra ou que saiba que a tens. É o passaporte da nossa liberdade… – Pediu, antes de sair do quarto, deixando Lúcia envolta na dureza da perda, numa despedida calada, marcada pela incerteza do regresso. Será que se voltariam a ver? A questão inundava-lhe o espírito, minando-lhe todos os perímetros do seu ser.

Aproximou-se da janela, desta vez não para sofrer com o desgosto da privação que a vida lhe oferecia, apenas para ver Marius desaparecer. Deixou-o voltear a pequena praça de Sauzesco, e sumir-se na noite, entrando no carro da Guarda, para mais uma ronda.

Saiu disparada do quarto em direcção ao exterior. No quarto em frente, ouvia uma voz de criança palrar. Era o primeiro aniversário de Miguel. Entrou na pequena divisão, de um branco frio e impessoal, onde a cuidadora dava banho ao pequeno que sorria, visivelmente satisfeito. Ao ver a presença da senhora ali, a mulher retirou Miguel da pequena tina plástica e secou-o, rapidamente. Vestiu-lhe um pequeno fato, tipo marujo, e colocou-o sentado no chão. Ao vê-la diante dos seus olhos, o menino levantou-se, cambaleante, ensaiando os primeiros passos. Agarrou-se, vacilante ao estrado da cama grande ao seu lado e percorreu os escassos centímetros até à cuidadora, olhando-a, cativado. – Há uma coisa que queria fazer. – Disse-lhe, pegando no menino.

Miguel olhava, com os seus grandes olhos azuis, a mulher diante de si, fixando-a, com toda a sua atenção inocente. Lúcia sentou-se com o pequeno no colo. – Aqui, está a tua mãe. – Falou-lhe, em meiguice.

O pequeno, como se esperasse todo aquele tempo para o dizer, abriu suavemente os lábiozinhos vermelhos e carnudos, pronunciando, numa enorme candura infantil.

– mãa…

Lúcia abraçou-o gentilmente, retirando de um fio prateado uma pequena opala irisada que lhe pendia no peito, colocando-a no do menino. – …isto era dela. É uma pedra de alma. Guarda-a, porque aqui vais comportar a dela. – Disse-lhe na maior doçura que conseguia abranger, beijando os cabelos do menino, tão loiros como os da desditada Clarisse. – Quando fores maior, prometo explicar-te o que isto significa, quando já compreenderes.

A cuidadora recebeu o pequeno das mãos de Lúcia. Apesar de não conseguir ver naquele ser uma criança que conseguisse aceitar, fora ela quem o vira dar os primeiros passos e era ela quem ele precisava, mais do que a qualquer outra pessoa. Olhou o pequeno e combaliu-se de uma certa ternura piedosa que lhe invadia o peito. As palavras saíram-lhe certeiras, como setas.

– Hoje Sauzesco vai ser invadida por guerrilheiros. Vamos entrar em Guerra.

A cuidadora olhava-a, aflita e agitada, tomando a palavra.

– O que se passa Senhora? Porque não vem o Governador para casa?

Lúcia olhou-a, de lágrimas nos olhos. – Faça o que lhe digo, por favor, e ainda esta noite deixem esta casa. – Não me pergunte nada mais, porque não lhe saberia responder.

Saiu em seguida, para o breu da noite. A capa ondulava, agitada no orvalho frio. A escuridão envolvia-a em incerteza. Conhecia os trilhos da cidade, pelo menos até aos limites das cancelas, mas apenas no sentido da fuga. Agora que queria ir em percurso contrário à procura da prisão, a orientação dissipava-se no nevoeiro orvalhado. Parou em frente a um cruzamento, em busca de um rumo. Diante de si passaram apressados três carros com o emblema da Polícia da Aliança. Eram veículos de chassis alteados, assentes em grandes rodas, assemelhando-se a um escaravelho.

Lúcia seguiu-os, tapando o rosto com o capuz da capa. Gravou a rota dos carros, que entraram num edifício imponente, do qual Lúcia apenas vislumbrava a fachada redonda.

Acelerou o passo, para não lhes perder a direcção, e atravessou a rua. Da frontaria, pôde vislumbrar todo o edifício. Entrou para a Recepção, dirigindo-se aos elevadores, subindo até ao Nível de Segurança Máxima, procurou o Centro de Admissão, deixando-se permanecer oculta. Quando por fim não se encontrava mais ninguém na entrada, seguiu pelos corredores, até à porta com os números da chave que escondia na mão. Lúcia respirou fundo, entrando de rompante na cela de Alexandre. Este permanecia caído no chão, com a face comprimida de encontro o solo frio, as palmas das mãos abertas e pupilas dilatadas. Lúcia voltou-lhe a cabeça para cima, tomando-lhe a pulsação. A pouco e pouco, Alexandre foi recuperando os sentidos, abrindo devagar os olhos com que fitou a mulher. Tocava em todos os contornos do seu corpo extasiado, percebendo que ainda estava vivo, surpreso com o que estava a suceder. Alexandre sentou-se lentamente no chão, enquanto Lúcia permanecia de pé, a analisa-lo, admirando toda a sua surpresa. – É espantoso! Eu não fui mesmo feito para morrer… – Alexandre mexeu-se ligeiramente, ainda muito fraco para se levantar. Lúcia recuou, intimidada com os movimentos do marido. – O que fazes aqui…minha querida? Como arranjaste a chave? – Questionou-a, parecendo finalmente dar conta da presença da mulher na sua cela. – Sempre me vens tirar daqui? – Ironizou, levando a mão ao peito cuja dor ainda o derreava, pungente.

Lúcia parou a escassos centímetros da porta, olhando para os cabelos grisalhos de Alexandre. – Onde é que ela está? – Indagou, seca e severa.

Alexandre construiu uma risada, fraca e cansada, fixando o rosto da mulher. – Não sei. A esta hora já deve estar morta, quem sabe?

Lúcia engoliu em seco, perdendo o medo, aproximou-se mais dele, sem se deixar derrubar pelas palavras do marido. – A minha irmã, em troca da tua liberdade. – Anunciou, perante o olhar atónito de Alexandre, que lhe retorquiu prontamente, como se a resposta saísse sem precisar de considerações.

– Continuas a licitar um preço demasiado alto pela vida dela.

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Confesso que já há algum tempo não lia a tua história. Tive a ler uns poucos de episódios seguidos e só posso dizer que continua com a mesma qualidade! Estás realmente de parabéns, e venha daí esse final... estou curioso pelos últimos desenvolvimentos...

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Desculpem mesmo esta ausência do forum. Devia ter publicado os momentos finais em episódio duplo 4a feira passada, seguido do episódio final, mas não pude sequer vir ao forum. Não é desrespeito, apenas uma vida agitada que não me permitiu respirar a semana passada. Tenho 3 episodios para entregar. Muito atrasada, eu sei

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_unsure.png">

Farei os possiveis para vos compensar. Hoje episódio duplo e amanhã (se acharem que deve ser, por favor digam algo) final da história. Mais uma vez, desculpem. Detesto não cumprir a minha palavra, mas foi por motivos mais fortes do que eu. Espero que continuem a seguir e que não desaponte mais...

Obrigada e Boas leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

O voo da Garça

Lúcia percorria, serena, o caminho da porta até Alexandre, parando a escassos centímetros dele. – Pois é. Mas agora já não tenho 13 anos. Decide-te, Alexandre. Queres liberdade ou não?

Os olhos esbugalhados do homem demonstravam toda a surpresa que a estranha atitude de Lúcia lhe provocara. Levantou-se devagar, com as poucas forças que lhe assomavam ao corpo. Encostou-se à cama da cela, sentando-se, lentamente.

– Estou aqui preso há demasiado tempo para discutir preços contigo, mas não sou eu quem tem mais a perder.

– E há outra forma? – Questionou ela, mantendo os olhos afastados dos dele, fechados em repugnância. – És a única pessoa que me pode ajudar. Continuas a ser o preço mais alto na minha vida...

O homem arranjou o cabelo que caía desajeitado, dirigindo-se de novo à mulher.

– Se não fosse a tua irmã roubar a chave da minha cela eu já nem estaria aqui… Alexandre levantou-se, mantendo-se seguro nas grades da cama. – Dá-me a arma que tens contigo!

Lúcia retirou da capa azulada a pequena arma que escondia, estendendo-a a Alexandre que deu uma breve risada seca, olhando para o rosto da mulher. – Tremes como uma criança! Vais precisar eternamente de mim, para te resolver os conflitos. Como é que ainda fazes tenções de me tirar daqui?

Lúcia olhou-o, sem responder, fixava-o de olhos mudos. Alexandre aproximou a arma da mulher, falando-lhe num tom calmo e brando, muito longe do seu comum timbre autoritário e formal: – mata-me! Preciso que alguém me mate.

Lúcia consternada, afastava-se a passo lento do marido, incrédula. – Tu queres lá morrer…

Alexandre aproximou-se ligeiro dela, jogando-lhe a arma para as mãos, fincando-a contra si. – Peço-te, mata-me!

À mente de Lúcia assomaram todos os dias torturados que passara com Alexandre. Os maus-tratos, a negligência, as horas de vergonha, cravadas de ódio, de aflição, de angústia. O espírito doía-lhe, inundando-a de uma raiva miúda, que roía aos poucos os seus ideais, todos os resquícios de racionalidade que a sua mente ainda podia abarcar. Vou mata-lo…é tão fácil carregar no gatilho…vou dar-lhe o mesmo destino que ele ousou querer vencer

Toda a dor que vivenciara, todos os momentos de sofrimento a que ele a destinara, subsistindo cerrada numa sombra, escura e bafiosa, onde já nem se reconhecia, declarando-se destruída e gasta. Farta, achincalhada…a humilhação de não poder sequer ter um filho. Sangue. A única moeda de troca que Alexandre tinha como válida, a sua assinatura de vida, o seu legado de devastação. A imagem do pai, sentado na secretária do seu escritório de Governador, o seu corpo recto e hirto, antes de levar o tiro que lhe extorquiu a existência. Carregar no gatilho…matá-lo, excrucia-lo, acabar com ele…

O braço baixou, regulado pelas memórias, até os dedos perderem a força e largarem a arma, que caiu estridente no chão.

– Ainda me sobra dignidade para não atender aos teus últimos pedidos. Tu devias ter alguma que não te fizesse suplicar.

Lúcia saiu disparada. Alexandre estatificou na cela, ouvindo os passos da mulher percorrerem o corredor vazio. Olhou para a arma caída no chão e suspirou fundo, ainda sem saber o que sentir. Olhou para a cela que o continha, para o corpo cada vez mais combalido e velho, sentando-se na borda da cama. Estou gasto, consumido e não tenho mais nada, tal como ela disse. Se não o fazias por mim, devias, ao menos, tê-lo feito por tLúcia caminhou vagarosa pelo corredor, agarrando-se às paredes, tacteando o frio do cimento que lhe corria nas mãos, colando-se ao peito que apertava de dor e de apreensão. Sentia-se inútil, incapaz, impotente, vã. Chegou ao Centro de Admissão, onde Marius a olhava, espantado, perdido.

– O que é que estás aqui a fazer?

Os olhos de Lúcia abriram de admiração, a voz embargava-se na garganta, sem forças para sair. Buscou o chão, como fuga, baixou a voz e falou, quase que em perdão.

– …tinha que a salvar. E não pude fazer nada…já fiz todas as tentativas…não me resta outra hipótese senão vê-la morrer…

As lágrimas galgavam-lhe aos olhos, caíam-lhe pelo rosto, amargas, doridas, silenciosas.

Lúcia balançava, zonza. Marius aproximou-se dela, segurando-a. Sorriu para ela, como se já estivesse à espera daquela atitude. Falou-lhe brandamente, no seu tom doce.

– Fica descansada, não a vamos deixar morrer.

Marius passou pelo Centro de Admissão com uma força destruidora. Correram até ao piso intermédio, reservado ao Chanceler, escoltado pelos seus Guardas pessoais. Marius voava enquanto os Guardas se afastavam, deixando-o passar, atemorizados.

Chegaram à pequena sala de interrogação, onde o Chanceler, Zeph e Colin riam. Marius atirou para o chão a porta.

– Dêem-me a Valentina! – Ordenou, impondo-se incisivo.

O corpo gordo do Chanceler voltou-se para a voz que se afirmava, mordaz e penetrante, dirigindo-lhe superior a palavra. – Desde quando um Guarda se dirige ao Representante do domínio do Império nesses modos?

Marius voou até ao Chanceler, visivelmente fora de si. Agarrou-o pelo braço, apertando-o, enquanto o homem se contorcia de dor, mordendo os lábios.

– Não devia ser tão arrogante, sua reprodução mesquinha de Chanceler! Eu estou encarregue de vigiar o domínio dos representantes. Sou o verdadeiro elo de comunicação com os Annunnaki. – Os olhos dos três homens fitavam-no, titubeantes.

O Chanceler baixou os olhos em submissão, enquanto Marius se aproximava de Valentina, ainda caída no chão da sala. Os olhos ainda lhe pesavam, e o corpo mostrava-se fraco e dormente. Ao ver o corpo caído na sala, Lúcia correu ao encontro da irmã. Valentina abriu com dificuldade os olhos, levantando-os um pouco para vislumbrar a figura que se deparava diante dela.

À sua frente, uns magníficos olhos verdes procuravam-na, convulsivos, ansiosos.

– Tina… – Chorou Lúcia, caindo de joelhos na cela da irmã, envolvendo os braços à volta do seu pescoço.

Lúcia soluçava, sem forças para falar, enquanto a abraçava cada vez com mais força. – Minha pequenina, minha querida pequenina…esperei tanto.

Puxou para si a irmã que deitou no seu colo. Tocava-lhe o rosto, limpando-lhe as lágrimas, beijando-lhe os olhos, num afecto terno, maternal. Apertava-a de encontro a si, afagando-lhe os cabelos – Deixa-me olhar bem para ti. Estás tão linda! Cresceste tanto, meu amor.

E como se o tempo parasse para as duas, conheciam-se uma vez mais, revendo-se no rosto uma da outra, silenciando todas as palavras que a comoção não deixava declarar.

O coração de Lúcia batia em choque, sentia a pulsação aumentar, ofegante, ansiosa.

Os corações magoados do passado pareciam serenar, consumados um no outro, os últimos bastiões de fortaleza que Alexandre não conseguira anular.

Lúcia fitava-lhe o semblante, tão semelhante ao seu. – Não tenhas medo, acabou tudo! Já acabou! Está tudo bem.

Valentina levantou a cabeça e fitou a irmã, gravando com a precisão que os seus olhos conseguiam reproduzir todos os detalhes daquele rosto.

Como se aquele fosse o somar de toda uma vida, sorriu uma vez mais para a irmã, numa ternura intemporal. O sorriso que esperara toda uma existência, que fizera a mais longa viagem em si, sobrevivendo à distância, ultrapassando continentes. Terra e planície encontraram-se, intensas, carentes.

Uma lágrima caiu silenciosa pelo rosto de Valentina, num torpor cálido e brando, quase doce. O colo da mãe. O rosto de Ilya. Como o amava, mesmo sem saber amar. O coração bombeava paulatinamente o sangue que lhe corria nas veias, cada vez mais lento, a cada segundo menos certeiro, abandonando a sua atitude maquinal. O primeiro grito de Lera, ao nascer, e o seu choro de alegria, numa comoção incontida. O sorriso amortecia lentamente, perdendo força, até ser apenas um leve esgar jovial e acolhedor. Do seu peito saiu um suspiro denso, compacto. A voz dele, ingénua e serena, perguntando-lhe a custo o nome. A sua mão pequena assinando numa letrinha miúda e infantil “Valentina”…

A mão buscou vacilante e incerta a de Lúcia, apertando-a – … Finalmente não tenho medo. – Até afrouxar, largando a de Lúcia calmamente, arrefecida, impresente. Os olhos emurcheciam, perdendo todo o brilho, extintos de vida. A terra endurecia-lhe secando-se-lhe na garganta, abandonando-lhe o ser. Despedia-se, vagueando invisível nos trilhos que secavam o seu ser, em minúsculas partículas de pó, como um grito vagabundo que se solta para o mundo das entranhas do seu ser.

Lúcia parou de a embalar, estatificada, de olhos pulverizados, descrentes.

Marius aproximou-se dela, afastando-a do corpo, puxando-a para si. Viko entrou em seguida, visivelmente fora de si. Aproximava-se de Valentina, tomando-lhe o pulso extinto. – Ela… o que é que se passa aqui?

Marius mantinha Lúcia presa contra si, enquanto ela admirava a situação vazia, gélida, numa mágoa contundente que lhe tomava todos os poros, paralisando-lhe os músculos.

– …morreu. – O anúncio saia-lhe pesado e grave, fatal.

Viko aproximou-se do corpo de Valentina que jazia no chão e pegou nele, com cuidado, numa dor terna, sofrida, profunda.

Lúcia libertou-se de Marius e correu para Viko que caminhava pelos corredores com o corpo da mulher. Queria gritar, mas a voz continha-se num silêncio amordaçado e sufocante. Queria chorar, desequilibrada, histérica, mas as lágrimas secavam-se numa mágoa visceral. Marius puxou Lúcia para si, envolta num torpor, numa apatia que não a deixava reagir.

Viko baixou os olhos e dirigiu-se ao exterior. Lúcia abandonou Marius e corria atrás de Viko, tentando alcançar os largos passos do homem. Viko não parava. Caminhava contido, até atingir o exterior. Marius puxou mais uma vez Lúcia para si, trazendo-a para dentro.

Marius deixou cair o disfarce que o toldava há meses e aproximou-se dos três homens que o olhavam, intrigados.

– Vocês humanos não fazem mais nada senão matarem-se uns aos outros. Isto é demais. Basta!

– Quem és tu? – Inquiriu Lúcia, olhando abismada para o homem que se aproximava dela, baixando-se ao seu nível.

– Eu sou o Enki. O ser alienígena que acaba de aterrar….– Respondeu, enquanto caminhava com o Chanceler e os três homens em direcção às celas.

Lúcia caiu no chão da Sala de Interrogatório. Os sentidos abandonavam-na, envolta numa névoa pálida que a congelava, num pesadelo sem resposta.

No exterior Viko poisou o corpo de Valentina num pequeno banco de pedra. Do peito pendia-lhe uma corrente que continha uma pedra translúcida, de um castanho dourado que refulgia, parecendo transportar todo o pulso da terra. Viko arrancou o fio, retirando-a, enquanto a pedra perdia o brilho.

Da pedra da jovem saiu a figura refulgente de uma menina de boina escarlate e cabelo vermelho que corria para os braços de uma senhora de cabelos escuros, chamando-a de mãe. Leva-me para casa

Viko soltou uma pequena lágrima, dorida, pesarosa, transparente. Como a dor que sentia e, como líder, não podia manifestar, como a mágoa que o corroía abrasiva, cortando-lhe o ânimo, tornando difícil respirar.

– Voa, minha garça, voa.

Eterno

Valentina fora o primeiro amor de Ilya. E os seguintes que buscara nas outras mulheres, que só o conduziam de volta a ela.

Recordava-se ainda de quando a conheceu, menina pequena e delicada. Gravara em si todos os detalhes. Era um dia vulgar de Outubro, as nuvens agitavam-se de um tom cinzento, pincelando o céu de uma cor monótona e pardacenta, numa melancolia infeliz. Como aquela que ele sentia nela, quando nenhuma criança devia sofrer um absurdo inconveniente e despropositado como a dor. Ela tremia de medo e de frio, num desassossego crente e convicto, transportado em si. Os olhos castanhos amendoados e grandes, semelhantes a dois sois, brilhavam timidamente. O cabelo vermelho encaracolado, escondia-se numa touca escarlate, e uma madeixa pendia, em desalinho e encharcada, nos seus ombros. E das lágrimas que chorava, num pranto imerecido, Ilya fez ternura e encanto. Aproximou-se docemente da sua silhueta, esboçada de incompreensão, trajada de ânsia. “Se fosse eu, nunca deixaria que chorasses todo esse desassossego…”

Lembra-se de ter pensado, mesmo sem falar, mesmo antes de o saber dizer. “É tão feia”, acabou por pronunciar. A menina largou a mão de Orloff e poisou os olhos nos seus, oferecendo-lhe o seu maior sorriso, para sempre deles. Ensinou-a a falar a sua língua, para ela um idioma confuso e estranho, e ela contava-lhe do seu país onde a terra era cinzenta e os bairros tinham nomes de santos.

Com ela descobrira novas palavras para o mundo, correndo pelo porto de Vyborg, que deixavam cobertos de pegadas, sempre a par e par. E, ao fim da tarde, viam o pôr-do-sol atrás do mar imenso que ela tanto temia, quando viera de barco. Percorriam juntos o globo terrestre, ouvido vezes sem conta a sua história interminável de como ali chegou.

Com ela aprendera a rezar. Hoje, mesmo que quisesse, nenhuma dessas rezas conseguia evocar, porque a memória silenciava-lhe a voz baça na garganta. Fizeram-se cúmplices, viajantes dos mesmos lugares e companheiros dos mesmos dias. Com ela aprendera a partilhar. Primeiro a sua cama, grande demais para o conter sozinho, e pequena demais para os aconchegar. Depois os seus segredos que compartilhavam numa descoberta curiosa e constante, iniciada lado a lado, nos mesmos bancos de Escola.

E quando o amor surgiu sem razão, nos corações unos e indivisíveis dos dois, com ela experimentou pela primeira vez o gosto da saliva misturada na sua. Percorria a sua pele onde escrevia com os lábios os nomes mais ternos, inventados juntos, numa promessa conjunta de jamais se deixarem. Mas a vida tinha que os testar.

A primeira vez fora ele a deixá-la, perdida e submersa em dúvida, engolindo as lágrimas que o seu orgulho forçava travar. Mas Ilya voltara. E encontraram-se. Dois seres que se lêem e adivinham um no outro, em ânsia, numa angústia irreparável que não se pode serenar.

Da segunda, fora ela quem lhe virara costas, sem remordimentos ou explicações, selando o seu destino com a batida compassada de uma porta de café. Porém, ele teimava em encontrá-la. Suspenso num amor raro, curto e talvez por isso forte demais para ser contido. Era sempre aquele amor intenso, embebido nele que o guiava até ela, numa sede incontrolável de a buscar.

E apesar de saber que o caminho com Valentina o conduziria sempre ao mesmo beco desabitado e frio, a sua alma era dela. Estava entranhada nele, como carne da sua carne que lhe ardia como um vício, perdidos um no outro, sem forma de voltar.

Para eles, contudo, não haveria próxima vez. E Ilya assustou-se. Porque ela era a sua rota. Sem ela, apenas o vazio dos dias remoídos numa reminiscência intemporal. Sem ela, apenas um espírito torturado numa carência íntima, tumoral.

E algo em si se quebrou. Perdeu a conta das horas, dos dias que se somavam sempre iguais, perdeu o norte da bússola que enterrara em si; numa dor interna inexplicável fixa nele, que o seguiria até o fim dos seus dias, quando ela, o seu chão eterno, se extinguiu consigo, diluída no seu último sopro de vida.

Uma menina corria pela neve, atrás de dois rapazes de pernas muito maiores que as dela. Afundava os pequenos pés, retirando-os gélidos, não desistindo de os apanhar.

– Isaac, Abel, vocês vão ver! – Gritava, aos irmãos Bruun.

Ilya via de uma pequena casa tipo cabana a menina correr enquanto segurava no colo um menino pequeno de aproximadamente três anos. Nataliya saía do interior. Os olhos inexpressivos da mulher viraram-se para o marido e para o filho. Ilya estendeu-lhe o braço, ajudando-a a sentar-se. – Não me canso de a ver brincar.

Ilya via a figura pequena da menina correr ao longe, a sua cabeça vermelha perdia-se na névoa branca, agitada, impetuosa.

Lera corria exaltada, até parar, subindo a uma árvore, onde procurava os companheiros de brincadeira.

Nataliya levantou-se assustada, aproximando-se do alpendre. – Lera Andreev, desce imediatamente dessa árvore!

Lera olhou-a, desafiadora, de olhar astuto, continuando a procurar do cimo da árvore. – Não saio antes de os conseguir apanhar…

Nataliya virou-se para trás, procurando apoio em Ilya. Este levantara-se e estava já longe, dirigindo-se a Viko que entrara no refúgio e era seguido por Jiya.

– O que é que fazes aqui? Não devíamos estar em guerra? – Questionou.

Viko virou-se para Ilya, transportando numa maca com ajuda de dois jovens, um corpo inerte. O de Valentina. Ilya aproximou-se, parecendo perder a respiração. O peito doía-lhe, comprimindo-se e a cabeça rodava-lhe, furiosa. Correu para o corpo, afastando-o de Viko com uma força devastadora. – Valya? Ela está mesmo…?

Aproximou-se, puxando-a para si. Embalava-a, apertava-a contra si, mas não obtinha resposta do corpo que calava em letargia. – Valya, querida, tu não…por favor…

Viko aproximou-se dele, de lágrimas nos olhos. – Ela está morta, Ilya, não vale a pena.

Ilya buscou o rosto do homem, siderando-o com a raiva que lhe queimava no olhar.

– A culpa é toda vossa. Vocês puseram-lhe essas ideias na cabeça. Se não fosse por isso, ela ainda estaria viva. Odeio-vos tanto e a tudo isto que criaram, armados em salvadores e lunáticos da energia. Vou sair daqui, com ela e com a minha filha!

Ilya levantou o rosto vendo à sua frente a figura de Nataliya que o olhava, desolada. – Como é que podes ser tão egoísta, Ilya? Depois de tudo o que fiz por ti, ainda só consegues pensar nela?

Ilya levantou-se, com uma dor irónica pungente nos olhos. Nataliya aproximou-se dele, abraçando-o. Deitou-lhe a cabeça no ombro, falando, docemente, baixinho. – Desculpa, imagino a dor que estás a sentir. – Tentando emendar a situação e apaziguar-lhe a dor. Ilya afastou-se dela, virando-lhe a cara, numa atitude estranha, grotesca, incompreensível. Recusava-se a aceitar, mas de cada vez que a cabeça se virava era o corpo dela que estava ali, independentemente do seu querer. – Aproximou-se uma vez do corpo da jovem, agora deitado sobre o chão. Leve e docemente, deu-lhe ao um beijo na testa, como se ali depositasse toda a sua afeição. – Admiro-te meu amor. Foste capaz do acto mais bárbaro, em troca dos mais heróicos.

Levantou-se, deixando ali o corpo entregue a Jiya e a Viko. Nataliya correu para casa, à procura de Lera. Procurou-a em toda a parte, debaixo da mesa da sala, atrás do sofá, no exterior, empoleirada na árvore, mas de Lera não tinha sinais. A noite caíra sem ela aparecer e o coração da mulher apertava. Deitou Daniel no pequeno berço, correndo em busca de Lera pelos bosques. Encontrou-a a dormir a salvo, numa clareira, gélida de frio e a tremer. Pegou na pequena ao colo e encaminhou-a para casa, sem ela dar sinais de si. Deitou-a na cama, vendo-a delirar, a tiritar de febre. Via uma pequena menina, com pouco mais de 9 anos, de boina vermelha na cabeça e cabelos pelos ombros em largos caracóis abundantes. Ao lado esquerdo dela dois rapazes mais velhos ladeavam-na e atrás uma mulher de cabelos castanhos longos e um homem de cabelos ruivos seguiam-na também. Aproximava-se dela, sentando-se com Lera à beira rio, dando-lhe as mãos, falou-lhe, numa voz infantil. Não tenhas medo, Valéria, eu protegi-te e vou proteger-te sempre

Já de manhã, Ilya saiu da pequena sala onde depositara o corpo da jovem e dirigiu-se a casa, procurando a filha.

Lera irrompia, como se esperasse a chegada do pai. Corria esbaforida até ele. Ilya segurou na filha, apertando-a no seu colo, com os seus braços fortes. Beijava-lhe os cabelos vermelhos, afagava-os, olhando-a, em compaixão. – Minha filha…minha querida filha.

Lera olhou-o, falando-lhe adulta, adivinhando a conversa. – Se me vens dizer que a minha mamushka morreu, eu já sei. Disse-me a menina de boina vermelha.

Ilya poisou-a no chão. Os olhos arregalaram, a boca abriu-se confusa e o coração congelou, incerto. – Mas…

Lera correu para longe, deixando para trás o pai e os seus gritos que chamavam por ela. Queria deixar também para trás toda aquela vida, o mundo, a dor que a queimava afatando-a para sempre do seu mundo de criança.

Ilya caminhou pesaroso até ao alpendre, onde se aninhou, pesaroso. O corpo exausto arqueado de cansaço esqueceu por uns momentos todo o angústia e amargura que lhe amargavam o espírito em dor. Estava num pequeno templo de colunas romanas e descia umas escadas de mármore branco, aproximando-se mais de Valentina, que o esperava, num magnífico vestido vermelho. Ilya Andreev, és um ser verdadeiramente confuso

Ilya sorria, pleno e feliz, encaminhando-se à mulher que o olhava, terna, compassiva. Não sei se me fazes mais falta morta ou viva...Porque tinhas que te deixar morrer? Porque tinha eu que te deixar morrer? Sou mesmo um amorfo, incapaz de interferir, nem mesmo para te ver viver…

Ilya tentava, embora não conseguisse, aproximar-se mais do corpo brilhante da mulher.

Nada resiste ao tempo, Ilya, nem o próprio tempo. E já vivi tanto. Tive uma filha, um amor, uma vida…

Valentina aproximou-se dele, beijando-o ternamente. Ilya sorvia aquele gosto pela primeira, pela última vez, numa ânsia completa que não iria esquecer. Valentina olhava-o, afagando os cabelos claros do jovem.

Encontrei-te uma vez e hei-de encontrar-te sempre…

Ilya abriu os olhos sem saber se tinha estado num sonho. Lera estava à sua frente, com os olhos castanhos de Valentina muito abertos e despertos. – Estás a ver como ela também te apareceu aqui?

Ilya sorriu, beijando o rosto miúdo da menina, levantando-se com mais força e mais certeiro. Dirigiu-se a Viko que se preparava para sair. – Eu disse-lhe que era o seu caminho. Agora, eu vou seguir o dela. Mas prometo-vos, mal isto acabe, também o meu caminho se conclui, completo.

Viko sorriu, acenando positivamente. Ilya olhou em frente e respirou fundo, ganhando fôlego, seguiu em frente, trilhando o seu rumo, o dela.

-- Quarta, 12 Ago 2009 19:33 --

Olá a todos, outra vez. Desculpem o atraso, mas o trabalho obrigou-me a reduzir em muito a minha participação neste forum. Finalmente apresento-vos os derradeiros episódios da minha "Saga". É com uma certa nostalgia que o faço. Foram alguns meses (QUASE 6

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_blum.gif">) em que vos dei a conhecer aquela que foi a minha maior criação. Obrigada a todos que a leram, aos comentadores assíduos da minha pequena trama: Jorge, João, Catita, K3O4, muito, muito, obrigado por perderem o vosso tempo.

Espero que o final vos agrade, e que se tiverem algumas dúvidas, por favor, não hesitem em colocá-las. Criticas são bem vindas. Perdoem algumas falhas ou lacunas que a história possa ter, mas condensar quase 300 páginas é obra! (mesmo assim, aqui estão publicadas 122 :mocking_mini:

Pela última vez (para já, quem sabe não haja uma segunda temporada, se vocês quiserem, claro está!) Boas Leituras

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.
/emoticons/ATV_wink.png">

Nova Aliança

Quando acordou, Lúcia estava deitada no sofá da Sala de Interrogatório. Marius, olhava-a, numa tristeza terna que exalava por toda a sala.

Aproximou-se dela, afagando-lhe os longos cabelos vermelhos e ela pareceu estremecer. – Não me toques, Marius, Enki ou lá quem és!

Levantou-se, impulsiva, parando a escassos centímetros dele. Ele fitou o rosto baço e marcado que a vincava, fechado de pesar. – Quero que vejas uma coisa.

Lúcia seguiu Marius até ao nível de Segurança Máxima sem perceber as suas intenções. Ele caminhava seguro pelo corredor e parou, diante da cela de Alexandre. Os gritos do antigo Governador ouviam-se penetrantes à distância, ecoando pelo longo corredor. Marius chamou-a, pedindo-lhe que se aproximasse. Lúcia olhou para o interior da cela e viu Alexandre que se debatia como louco, mordendo-se, arranhando-se, lutando sozinho contra fantasmas invisíveis. Esperneava e bradava, contorcendo-se, num pesadelo atroz. Marius fitou Lúcia, antecipando-se à pergunta que lhe urgia na mente. – Querias que te livrasse dele…pois estás livre! Este é o efeito da S.A.T (Suspensão Atípica do Tempo). A mente dele permanece pendente num tempo de pesadelo ininterrupto, através da estimulação do hipocampo, influenciando os neurotransmissores a trabalhar a uma velocidade invulgar. Só se liberta quando quiseres…

Lúcia não evitou um leve esgar de contentamento. Marius respirou fundo, e olhou para ela, um pouco mais leve. – Espero que agora não duvides do que sinto por ti… agora também chegou a altura de tu me dares provas do teu amor.

Lúcia fixou-o, sideral. – Eu não te amo, Enki. Não agora. Nem nunca mais…

– É pena. Um desperdício tão grande. Mesmo assim, podias, ao menos, fazer-me este favor. Quero que sejas Chanceler.

Lúcia olhava-o, as palavras passavam-lhe, sem as ouvir sequer. Marius olhava-a, expectante, num silêncio que lhe adiava a resposta.

– O que se passa? Indagou, de olhar terno, falando-lhe pausadamente.

O rosto dela fechou-se novamente numa dolência sombria que a tomava em si. – Onde é que está a minha irmã? Ela morreu e nem sequer me despedi…

Marius estendeu-lhe a mão sob o olhar estupefacto de Lúcia que lhe deu a dela, hesitante, caminhando a par e passo com aquele ser percorrendo o silêncio mortal que se apossara do corredor. Movia-se branda, numa dor serena, guardada em si.

Caminharam até um carro da polícia estacionada em frente ao edifício oval de vidro e aço da prisão, que se transformou no helicóptero, perante o olhar atónito da mulher.

Marius fê-la entrar e poucos minutos depois estavam numa estação abandonada, com um comboio ferrugento parado na linha interrompida. – Vamos ver a tua irmã.

Lúcia seguiu-o, entrando no comboio, vendo-o percorrer as carruagens, apressado, até que, numa delas, abriu uma porta. Os olhos de Lúcia arregalaram com a novidade.

Diante dos seus olhos desenhava-se uma aldeia coberta de neve com casinhas minúsculas que se perdiam, insignificantes naquela imensidão glacial e branca.

Marius indagou-a, lendo a hesitação dela. – Tens a certeza que queres continuar?

Lúcia anuiu e saíram do comboio, encetando caminho. Tremia de frio, cravando os pés na neve, enquanto os olhos gravavam, sôfregos, o caminho. Viko avistou-os ao longe, aproximando-se deles. – O que é que estás a fazer aqui? – Indagou, furioso. – Queres morrer, de certeza, seu rato de esgoto infecto!

Marius esperava-o, impávido, estranhamente calmo, num não sentir absurdo e inconsequente.

Viko defrontava-o, irado, o peito cheio de raiva. – Enganaste-nos, usaste-nos! Infiltraste-te, mordeste como um parasita horrífico, mortal.

– Eu não vos enganei… Não quero nada mais do que uma aliança com a vossa raça. Para acudir a minha, que está a morrer. Nós não somos conquistadores. Mas a raça que nos subjuga não se roga em sê-lo. – Retorquia Marius, tentando serena-lo.

Mantinha o mesmo olhar de dúvida escrito em si. – Tu lutas pelo teu povo, eu também procuro salvar o meu. Vocês ainda não entenderam que se não se unirem a mim, também acabam por morrer?

Viko suava, a raiva transparecia por todos os poros, tornando o seu corpo grande ainda mais descomunal. – Quanto vale a vida do teu povo, Enki? Multiplica isso ao expoente máximo…a nossa vale mais, infinitamente mais. Não temos nada a ver com as vossas guerras!

Marius perdera a ligeireza e brandura com que costumava fitar os seus antigos companheiros. – É pena…ela já tinha percebido isso…e prontificou-se a morrer mesmo assim.

Viko abanava a cabeça em completo descrédito, mordendo a raiva que controlava em si. – Esvaziares-nos de nós mesmos é igual a condenar-nos à morte!

– Tal como vocês humanos, nós também temos direito a ser livres. Só que, até agora, vocês só se perderam nessa conquista.

Marius deslizou o olhar para ele, que tremia de nervos. – Depois, como se apenas Lúcia estivesse ali, Viko tomou-lhe o braço, puxando-a para si. Vamos ver a sua irmã. Caminharam até uma pequena casa de madeira, semelhante a uma igreja onde Ilya ungia o corpo da jovem. Lúcia aproximou-se, vendo o rosto pálido do homem, que velava o corpo da irmã. Aproximou-se dele, numa mágoa serena, contida. – …a dor torna-se menor quando é partilhada.

Lúcia pegou trémula num dos recipientes. Ilya olhava em dúvida a mulher que se convidava a participar na tarefa. Reconhecia-a nos traços semelhantes aos de Valentina: o mesmo cabelo ruivo desalinhado, as feições delicadas, o rosto esguio e pálido num reflexo nervoso, os olhos do mesmo formato: uns castanhos de Outono, que costumavam cheirar a terra, os outros verdes de jade, revoltos como o mar. Reconheceram-se no silêncio propositado que mantiveram, embalando mutuamente a melancolia que acalentavam em cada ser. As palavras que não disseram ecoavam distantes, algures, na memória de Valentina. Numa cumplicidade indecifrável traçada nos momentos de partilha de dor.

Lúcia vacilava, pegando na mão inerte da irmã enquanto a outra se cravou, penetrante, dolorosa, no frasco do unguento. Cobria-lhe todo o corpo, num sofrimento apertado que amarrava em si. As lágrimas caíam-lhe silenciosas pelo rosto lavando-lhe a alma, arrancando-lhe os pilares, afastando-a de si. Viko olhava, emocionado, deixando que os dois seres ainda com vida que mais a amavam, levassem a cabo a tarefa que ele se travava para não participar.

Ilya levou a mão à fina corrente que lhe ornava o pescoço puxando com raiva o ónix pequeno e redondo que lhe pendia até ao peito. Arrancou-o dolente, num espasmo repentino e contundido, amputando-o de si. Com cuidado, levou a mão que estremecia levemente à de Valentina, escondendo-lhe o ónix na mão. – Guarda-a. É tua.

Colocou sob o singelo caixão de carvalho uma tampa de vidro, inclinando-se sobre ele, parecendo aperta-lo contra si. – Estavas tão cansada…agora estás em casa. Descansa, Valya, meu amor… Guarda tu também onde estiveres um bocadinho de coração na tua imensa alma, para mim.

Viko contornou a pequena Igreja, até chegar ao caixão de madeira que alojava Valentina.

Outra lágrima sentida rolou pela face bravia do homem. Esta sentia-a mais pesada, mais densa, mais perdida nos recônditos de si. Era uma lágrima de desalento, de dor e frustração. Uma lágrima de desgosto e de revolta contra a conformação dos golpes que a vida parecia reservar. Poisou a mão na tampa de vidro e olhava magoado para o rosto pálido da jovem.

– Tínhamos tantos sonhos, tantas certezas, tanta força e paixão pela nossa causa. Agora, os sonhos vão desvanecendo lentamente enquanto um a um, acabamos por morrer…perdoa-me ter-te feito ir a Belize. Perdoa-me ter-te obrigado a morrer.

O rosto fechado de Viko escurecia com as palavras e o peito pulsava-lhe de tristeza, de saudade. Mantinha a mão, grande e forte, assente no caixão que lentamente perdia a textura de madeira e vidro e se transformava num mausoléu de pedra fosca, tal como todo o corpo da mulher. Sepultura cinzenta, onde se prostravam todos os sonhos, fonte, continuação e fim, sem volta a si. Nela jazia Valentina, para sempre imortal numa doce recordação de mármore baça, descansando eternamente o seu coração humano num sepulcro de pedra fria. Da sua alma, permaneceria como resquício eterno dos seus passos pela terra, a figura luzente de uma menina, num sonho perene que não perderia a voz.

Valentina

N: 15-09-1986; F: 30-11-2013

De toda a existência eu sou a fonte e o fim.

Germe; crescimento; declínio.

Vida e Lei

– Custe o que custar, lute o que tiver que lutar. Prometo-te, pedirei contas do teu sangue!

Viko caminhou até Lúcia. O seu rosto, delicado e belo, havia mudado nas últimas horas, tornando-se mais pesado e espectral. Era o peso da dor dos dias, a mágoa da frustração e das penas que lhe subia à face, lembrando-lhe o calvário das horas que a torturavam num suplício mortal. – Fazia-lhe bem desabafar…

Lúcia fitou-o, o peito sangrava-lhe, premente. – A vida dói-me. Só isso.

Como se também ela se adaptasse, umas das poucas características universais reservadas aos humanos, falou-lhe sentida. – Tudo o que sempre quis, todos os que amei, insistem em fugir de mim… e eu, que me cansei, que nem sei se quero, continuo a viver. Parece que o meu destino é ver todos os que amo, partir, um a um, antes de mim. Leve-me embora, por favor.

Viko fixou-a uma vez mais sem saber o que responder. O corpo estatificara na dúvida e as palavras saíram-lhe, forçando-o a questionar. – Para onde é que a levo?

Lúcia baixou os olhos para o chão. Outra vez na vida, já vezes demais, o destino arrancava-lhe o chão sem lhe deixar o que pisar. O rumo afigurava-se-lhe nulo, em mais uma repetição irónica da vida que teimava em sujeitá-la, roubando-lhe mais um porto onde voltar. – Não sei…

Lúcia travou. Diante dos seus olhos uma menina de cabelos vermelhos, alta para a idade e olhos de terra, olhavam-na curiosos, a dançar.

– Viko, quem é? – Indagou a vozinha fina de criança, fitando o mestre.

Lúcia aproximou-se dela e uma lágrima escorreu-lhe pelo rosto. – Ela é…?

Viko sorriu ligeiramente, fitando Lera, passando-lhe levemente a mão grande e pesada pelos cabelos da menina, voltando-se depois para Lúcia. – Sim…a Valéria.

A cabeça de Lúcia baixou-se ao nível da pequena, os cabelos do mesmo tom misturaram-se num abraço apertado, sentido, união de duas vidas: uma que escalava astuta a montanha do seu principio, outra que se impelia iminente para o abismo do fim. – Olá, Valéria… – Gaguejou, emocionada.

As duas palavras saíram-lhe num cumprimento inevitável, obrigatório e violento. Nas veias corria-lhes o mesmo sangue; unidas na mesma história de vida, para Lera imemorável, para Lúcia impossível de esquecer. Contudo, o caminho de vida que as uniria num passado, forçava-as agora a afastar-se num futuro menos cruel, cujo rumo se pudesse vislumbrar, menos ausente.

– São tão, tão idênticas… – Chorou, apoiando-se em Viko, que lhe respondeu benevolente. – Ao menos saberá que parte dela vive aqui…

Os pensamentos invadiam-na velozes, toldando-lhe os sentidos. Agora sou a única da família que ainda teima em sobreviver… mesmo quando a minha vida acaba com a dela. Resignar a mim… a única forma de lhe pagar tudo o que sacrificou…aceitar esta nova forma de morrer.

Lúcia levantou os olhos do chão, fixando-os de novo nela, esboçando um ténue sorriso. – Não será a primeira vez que busco um novo rumo à minha vida. Eu fico bem…Tenho algo a fazer.

A mulher afastou-se da pequena, que a seguia com os olhos, as mesmas janelas ávidas que relembrava de Valentina.

Os dois rumaram ao comboio, deixando para trás a menina, que os olhava, em dúvida.

Marius esperava-os, ainda preso diante dos olhos ferozes do grupo vigilante. – Espero que já tenhas uma resposta para mim…Se me ajudares a salvar o meu povo eu posso fazer todo este pesadelo desaparecer. Quero ajudar-vos. A salvação do meu povo…e do vosso. Vida por vida. Libertarei parte dos teus, outra parte permanecerá escrava para que possamos cumprir as quotas de pagamento exigidas.

Viko olhou para Marius, que permanecia impávido em busca do seu objectivo. – Não há vitória se não forem todos! Quero todos, os escravos livres, ouviste? Todos! – Viko aproximava-se da mulher, travando-a. – Não faça isso. Não sabe no que se está a meter.

Marius levantou mais uma vez os olhos, fixando-os duros, ferozes, numa convicção consistente e sólida, firme em si. – Junta-te a mim…e poderás ver a tua irmã renascer…

Lúcia não respondeu. Soltou bruscamente o braço da mão de Viko num ímpeto agressivo, nascido do fundo da raiva enterrada em si. Dirigiu-se a ele, severa. – Não tenho nada a perder… Eu aceito a tua proposta!

Lúcia regressou a Edín com aquele estranho ser. A névoa tingia o céu de uma leve coloração cinzenta, de onde se descortinava o sol palidamente amarelado.

Ao fundo, a pequena cidade de Sauzesco ardia, consumida pelas chamas, reflexo da ira interna daquele ser. Mortificada e consumida, fantasma de si, a mulher correu até à pequena casa onde vivera durante dois longos e penosos anos que roubara à sua vida. Diante dos seus olhos o fogo alastrava, fazendo-a cair, em ruínas. Lúcia vislumbrava a janela do seu antigo quarto estilhaçar. O vidro quebrava-se em pequenos pedaços que se jogavam ao ar fragmentados, caindo em gravidade no imenso chão. Via o corredor frio e informe e o quarto em frente ao seu, onde durante meses se ouvira choro e palrar de criança, desfazerem-se, num pó denso e compactado, num silêncio mortal acomodado no vácuo febril do obscuro crepitar das chamas. O pequeno e velho canapé vermelho caía, desfeito no cimento. Os pedaços, retalhos vermelhos de encontro o frio chão, imitação jocosa da sua vida. Lúcia estremeceu. Assim se conclui a minha vida, estendida, desfeita neste chão

Marius aproximou-se dela. Lúcia questionava-o, enfurecida. – Só queria saber porquê, Marius, porquê?

– Encara-o como a tua despedida. Não tens mais nada que te prenda a ti…

Lúcia deitou-lhe um olhar de desprezo, prendendo-o num rancor suspenso, ressentido em si. A raiva agitava-a, abanando-a, estremecendo-a.

– Estás a ver isto? É esta a vida que queres para mim? Viver aqui, sozinha, sem nunca me poder revelar? Se é isso que queres, porquê que me salvaste?

Marius fitou-a, arrogante. – Para já és muito nova para perceberes que essa era a minha missão. Eu já perdi mais batalhas do que as que ganhei, mas garanto-te, esta não vou perdê-la!

Lúcia afastou-se da janela, baixando os olhos para o chão. – Não contes comigo! Conseguiste o que querias, agora é bom que cumpras o que prometeste e que me tragas a Tina de volta. Depois, nunca mais quero olhar para a tua cara.

Marius afastou-se dela, falando-lhe pesaroso, as últimas palavras que ouviria dele, durante muito tempo, anos demais. – Então vais ficar contente em saber que amanhã, já não estarei aqui. Quando a guerra com o meu povo tiver acabado, dou-te a minha palavra, que a terás de volta.

Ela fitava-o, em transe. Prometo-te, Enki, seu vérmico alienígena assassino e fétido, hei-de matar-te! Nem que me obrigue a viver cem anos, só para arranjar maneira de acabar contigo! Irei continuar a lutar, até não existir um único escravo!

Marius encaminhou-a até à Base. Entraram numa sala vazia e rectangular, onde um pequeno aparelho de madeira, com uns discos metálicos pendentes dos fios, os esperava, poisado numa secretária. Enki sentou-a numa pequena cadeira forrada a cabedal. Ligou o espectro, fitando a névoa branca que se desenhava na parede. Um pequeno rio cálido invadiu-lhe a face, humedecendo-a. Pela primeira vez, Enki provava o gosto salgado de água e cloreto de sódio. – O que é que me está a acontecer?

Lúcia olhava enquanto a alma se manifestava cada vez mais congelada, numa apatia amorfa que a definhava e a apodrecia. – Estás a chorar…

A injecção impregnou-a de uma substância incolor que a entorpecia, anestesiada, à medida que o sangue corria nas veias, cada vez mais dilatado. No ecrã imagens dispersas apareciam da vida da mulher que em breves instantes deixaria de ter nome.

Na sala do Governador, o punho frouxo do Chanceler assinava de letra fraca o acordo que o destituía do cargo. – Nenhuma vida, nada, vale outra vida. – Anunciou, antes de retirar a arma, fitando-a, de ar demente. Atirou o primeiro tiro, que voou certeiro, cravando-se no tecto. – Balas…isto já nem se usa! – Falou, o timbre saia-lhe fraco, desproporcionado, numa loucura letal. Soltando uma risada senil, decrépita. A segunda bala cravou-se-lhe certeira no céu-da-boca. O corpo deslizou apático pela cadeira, enquanto o sangue espirrava pelo ouvido, num último gesto de vida.

Lúcia olhava o pulso que lhe ardia, com a queimadura vermelha que a abrasava sufocante, anulando o seu passado, roubando-lhe a identidade. Seria a nova Chanceler, sem rota, sem molde, sem perfil.

Os duros passos dele ecoaram pelo corredor, tão diferentes, tão iguais aos de Alexandre, deixando-a inerte, presa à ausência. Lúcia correu para a janela, vendo Enki afastar-se até se dissipar no imenso horizonte.

“ Eu Maria Lúcia Garza Johnson renuncio a mim, ao meu nome e identidade (…) Perante o Império ofereço-me também para exercer o cargo de Representante do seu domínio na Terra, conduzindo e reformando o Governo da Nova Aliança, sendo indefinidamente,

O Chanceler…”

Na parede o rosto da mãe, embalando-a nos seus braços, numa ternura eterna que iniciara a saga do seu ser.

No dia em que tu nasceste, nasceram todos os sois, e no peitoril da tua janela, cantaram os rouxinóis

Aos olhos de Sasha

Kirkenes

Fronteira

Noruega/Rússia

Aleksandr Leovich Dornov, Sasha, era o único filho biológico do grande Leo Dornov. Um cientista biomolecular, declarado louco por muitos, aceite por todos como extraordinário. Da mãe, sabia apenas ter saído de mansinho pela porta em busca de uma outra forma de liberdade. Cansada das provetas e tubos de ensaio, microscópios, lâminas e reagentes, procurara no exterior daquele universo paralelo um mundo mais comparável ao seu. Mais do que talento para pesquisar, Leo tinha talento para unir. Era um ser humano afável, afectuoso e temperamental. Acolhera Valentina, quando esta vagueava pelas ruas de Vyborg alheia a tudo, presa ao estigma da morte, rejeitada da casa de Roma Orloff. Abrira as portas da sua morada à agoirenta, dando-lhe um abrigo, uma nova família, um lar. Ousou chama-la de filha, ama-la sem perguntas, com certezas. Dera-lhe um nome, uma nacionalidade, quando deambulava como sombra, na ignorância de uma existência fantasma. Sem saber, Leo uniu para sempre o destino dos seus filhos. Ensinara-os a falar com a vida, a dar tudo o que tinham para dar e a chorar, sem medo de chorar, sem apertar o sentimento.

Forçosamente, o caminho de Sasha cruzara-se com o de Valentina à nascença, unindo-se invariavelmente a ela, de forma abstracta e indiferente. Leo aproximara Valentina do pequeno berço onde ele dormia, colocando na mão dela a pequena mão do recém-nascido. “Aqui está o teu irmão”. E pelas mãos dela, Sasha aprendera a andar, com ela dissera as primeiras palavras, com ela aprendera a ser terno, à sua maneira, a sorrir e ser alegre. A buscar naquele escritório cheio de livros, estantes e pipetas com fluidos coloridos, um sentido para a existência, aprendendo a caminhar sem embaraço, a desejar sentir e existir.

Era essa mesma fome de existir, de ser, que provera Sasha de uma ambição compulsiva e constante que o compelem a acatar a miséria, a fome, a falta de compreensão, a penalização implacável dos actos que não compreende, mas que constata e que acolhe.

E fora também pelas mãos dela que Sasha percorrera pela primeira vez o bairro pobre dos pescadores, com cheiro a peixe a dilatar-lhe as narinas. Foi com ela que entrou vacilante na casa térrea do pescador, mais velho que a sua própria idade.

E fora a falta contida nele, a saudade escondida, disfarçada nos recônditos do seu ser, que o fizeram segui-la ávido, naquela manhã cinzenta de Inverno, pelas ruas de Vyborg, imitando os seus passos certos e maquinais, procurando mais uma forma de a guardar, colmatando o frio do abandono. Sasha deixara Roma correr em direcção ao café do outro lado da rua. Orloff corria de braços abertos para a neta que chorava agoniada ao colo do pai.

Para Sasha, outro cenário o chamava. Uma mulher que saíra pouco antes, percorrendo apressada o caminho rumo a casa. Sasha seguiu-a, até ao prédio majestoso onde vivera com ela e com o pai, de onde sobressaía uma torre amarelada de telhado cónico. Deixou a jovem desaparecer e abriu devagar a porta de madeira cinzenta. Esgueirou-se até à sala de estar da casa que conhecia tão bem e escondeu-se debaixo da mesa, à espera. Queria perguntar-lhe a razão de não continuar ali com ela, o porquê das horas parecerem intermináveis, demorando-se em dois anos extensos e dolorosos.

Por mais que quisesse, por mais esforço que fizesse, a memória guardaria sempre nele, com a sofreguidão com que os seus olhos ansiosos gravaram as imagens que o invadiram, o momento em que ocultado na mesa da sala da sua Valentina, ouviu as vozes e palavras que o seu espírito infantil era incapaz de entender. Ouviu passos aproximarem-se da porta. Levantou ligeiramente a cabeça e viu a figura dirigir-se a ela. - «Bem-vindo, Chanceler. Já me desfiz dela, tal como combinado.» - Os olhos pequenos brilharam no rosto gordo, em perfeito entusiasmo. - «Debelar a adversidade, espírito de sacrifício, não é pedir muito em troco da redenção deste planeta…»-

Aquele era o Representante máximo do domínio do Império. No entanto, era Leo o responsável pela influência daqueles seres na Terra. Sasha deixou-a sair, percorrendo depois a casa como um furacão. Buscava os códigos que o pai escondera algures, dias antes de morrer. Quando ele fosse Chanceler, as pessoas não teriam que se afastar. Quando ele fosse Sasha, o Chanceler, voltaria a ter Valentina, seriam de novo uma família e a saudade não seria mais do que um pesadelo, letargo e maçador, inteligível e simples, fácil de debelar.

A cova que cavara meses depois, num desejo incontrolado de crescer, fora apenas eco da morte da sua própria infância, imersa nas acções que não pôde conceber. A alma fechou-se numa arma cortante que lhe dilacerava o ser, a existência retalhada e a dúvida o único caminho de vida provável de antever.

Desde o dia em que mataram os Guardas, num acto de rebelião que lhes salvou as vidas, aquele grupo de escravos, escondia-se das rondas de guardas, procurando sempre sítios diferentes onde pernoitar, alimentando-se dos alimentos deixados nos diferentes locais.

Um pequeno radiozinho tocava, diante de um menino que o sorvia atento. Sasha levantou-se do sofá do hotel abandonado onde estavam albergados.

«Companheiros de jornada. Ontem, às 09:55, a sorte mudou para nós. Os acontecimentos precipitaram a morte do antigo Chanceler e os nossos Governantes foram julgados pelos crimes cometidos.

Quando somos dominados, são vários os sentimentos que a nossa alma abarca. A vontade da fuga pela liberdade, a revolta na ira revestida de indignação. Resignação, fruto do sangue que corre nas veias em constante frustração. O silêncio penoso que se amordaça em conspiração no peso das horas. Hoje a nossa caminhada vai mudar. Finalmente, não temos que estar mais encerrados como sombras, escondidos como criminosos e vagabundos. Hoje a nossa vida tem valor. O medo, a privação, provocaram em nós reacção. Um estímulo poderoso, mas incerto, difícil de controlar. É no limiar que o ser humano consegue as maiores façanhas, sendo livre de si.

Porque homens são mais que simples homens, sem secundários escravos ou indigentes. Vamos lutar! E esta vitória será partilhada por todos nós! Por todos aqueles que lutarem, por todos os que não se entregarem, também pelos que já ficaram pelo caminho sem se deixar conduzir. Maior que vitória, só a glória que ela encerra. De futuro o mundo aguarda e espera. É um novo rumo que aflora debaixo dos nossos pés. Um novo caminho onde cada um arranjará a coragem necessária para o percorrer, onde nem tudo muda, porque sempre algo se mantém. »

Sasha levantou-se, fitando nervoso Anton. O seu corpo franzino e delgado crescera, tornando-se alto e menos escanzelado. Anton percorria com o seu robusto físico adolescente o caminho desde o fundo da sala até ao rádio, que desligou. – Ainda não acabou!

O anúncio, feito de voz alta e clara, reverberou por toda a sala, onde alguns dos sobreviventes do incêndio ouviam, entreolhando-se, sem nada dizer. Anton parou, congelado no espaço e no tempo. Todo o seu sentido de vida fora procurar uma forma daquela ocupação terminar. Agora, embora fosse feita noutros modos e com outros termos, ainda haveria muito para lutar. Porque a luta era o sentido da sua vida. – Nós, seres humanos, vivemos durante dois milénios de forma independente! É esta autonomia de administração que nada nem ninguém pode ousar continuar a apartar-nos!

Os olhos de Sasha baixaram em silêncio, fixando a carpete azulada do chão. Levantou-se com uma força interior demolidora, fixando o rosto do rapaz, de forma distante, glacial. – Tens razão, Anton, ainda não acabou!

Saíram em direcção aos carros dos Guardas onde viajavam, desde há vários meses.

Um vulto sentado na margem da estrada, dobrado de encontro os joelhos, vislumbrava-se indefinido na distância. O carro rodava o asfalto, aproximando-se mais da massa indistinta. A figura do homem aparecia, cada vez mais precisa. Viko assomava, desenhando um sorriso aberto no rosto.

Levantou a cabeça careca e avantajada, assente no pescoço curto, fitando o rapaz que se encontrava ao volante. – Estás atrasado! – Proferiu, com um tom de conquista na voz.

Anton lançou-lhe uns olhos em dúvida, fixando Viko que se sentou ao lado. Contudo, este parara noutra direcção, fitando os olhos cinzentos glaciais de um jovem.

Viko voltou-se mais uma vez para ele. Lia-lhe o espírito ansioso e aflito, num verdadeiro conflito. Percebia-lhe a dor inquieta, o ânimo impaciente e torturado.

– Só podes ser o miúdo que andamos à procura, o Sasha. Caminhaste meses por todo o território russo, deves ter muito que contar, a Valentina falou-nos, falava, muito de ti. Desculpa, ainda não me ter apresentado. Sou o Viko. – Anunciou com um sorriso – Eu prometi-lhe que te dava a mão. – Comunicou, estendendo-a, com um sorriso.

Sasha inclinou-se um bocado, apoiando-se no assento da frente, aproximando-se de Viko. – … a minha já está estendida. – Respondeu, oferecendo-lhe a dele.

Respirando fundo, voltou a encostar-se ao banco, fechou os olhos e adormeceu.

Os jipes verdes cortavam o asfalto, lentos, exactos, quebrando a neve que se adensava no frio de Novembro. No horizonte, uma compacta paisagem branca gelava os pequenos pinheiros e pântanos, perdendo-se de vista, numa paisagem desolada e glacial. Ao longe, o monte aumentava, sólido e altivo, e a estrada perdia a textura alcatroada, anunciando a presença de fronteira.

*****

4 anos depois

Edín

Colin Young percorria os corredores da prisão com um menino alto, mais esguio do que magro, pela mão. O menino alinhava a camisola de trespasse vermelha, enquanto tentava esticar os calções, indiferente ao que lhe estavam a dizer. Percorriam devagar o caminho enquanto o homem alto, fazia a visita guiada, lançando um olhar absorto ao edifício. – Isto já teve os seus tempos áureos, com outro Chanceler.

Os dois continuaram caminho até à Ala de Segurança Máxima. O menino olhava aqueles corredores metálicos com um olhar estranho, desprovido de interesse. Na cela do fundo do corredor, Alexandre Meireles Almeida de Albuquerque, esperava-o, de cabelo grisalho e olhos enormes, baços e pretos. Miguel percorria todo o corpo do homem, analisando-o em pormenor.

Colin poisou os olhos no miúdo, anunciando, seco e grave. – Este é o teu pai.

Alexandre continuou alienado, como se não percebesse a presença do filho. Colin lendo o incómodo do pequeno, segredou-lhe, tentando serená-lo. – Um dia Miguel, tudo isto será teu.

O menino largou a mão de Colin correndo os corredores da prisão até ao exterior.

Colin dirigiu-se a Alexandre que permanecia demente, na sua loucura atípica. – Não te preocupes, companheiro. A ideia de a usarmos como isco foi deveras inteligente…já acabamos com o Chanceler, agora é altura de ver os alienígenas amansar para conseguirmos o nosso pequeno “coup d’état”. A raposa é um felino esperto, mas, aproximando-se dos humanos, perde-lhes o medo, esquecendo a sua verdadeira natureza. Aí reside a sua fraqueza. Nela…

Miguel dirigiu-se a uma loja em frente à prisão, semelhante a um cone, ligeiramente mais afunilado, e poisou um cartão plástico em cima do Balcão. O dono apareceu, de olhar altivo e superior. – O que é que queres?

O menino olhou-o, com um sorriso matreiro no rosto. – Tenho aqui todos os meus créditos de N.M.I.* Quero comprar um pai.

O homem sorriu para o menino, sentando-se no banco alto no interior do balcão. – Pois isso é das poucas coisas que os créditos não podem negociar…

Miguel saiu da loja, com um leve desapontamento infantil a invadir-lhe o espírito. Percorreu sozinho o caminho da loja até casa, finalmente livre de Colin. Riu-se daqueles homens que falavam de politicas como se de receitas se tratasse e trancavam de tal forma as convicções que se esqueciam de guardar a chave.

Diante dele depararam-se as ruínas do que antigamente teria sido a cidade de Sauzeszo.

Miguel correu para os destroços, aproveitando um pouco do tempo livre para brincar. Os seus olhos grandes de tom incerto sorviam toda a informação, gravando-a com a vertigem de um precipício. Vislumbrou ao longe uns pequenos farrapos vermelhos e aproximou-se, qual salteador da arca perdida, para investigar. Baixou-se de joelhos, apanhando uma caixa metálica velha, caída ao lado do que dantes devia ter sido um sofá.

Abriu-a devagar, encontrando umas imagens antigas, feitas num material impresso e diferente. Percorria os desenhos com os seus olhos ávidos e plenos, a sua alma adulta e ampla, guardava tudo, insaciável. Parou numa, que não conseguiu identificar. Virou para o verso, onde umas pequenas letras desbotadas ainda se conseguiam ler. Era uma língua desconhecida, muito diferente do esperanto, linguagem universal.

Ao seu lado um carro parou e uma figura alta, de cabelos castanhos claros e ar maternal poisou a mão no ombro do menino, dirigindo-se a ele, docemente. – Já estávamos preocupados sem saber onde te encontrar.

Miguel levantou-se, fitando o rosto da cuidadora, entregando-lhe a fotografia antiga.

– Não sei o que isto é. – Falou-lhe, numa queixa infantil.

A mulher viu a imagem de um recorte de jornal onde cinco crianças e os pais posavam, num pôr-do-sol, procurando o verso «nesta saga de domínios, ainda muito permanece por contar».

Voltou-se para Miguel, afagando-lhe os cabelos loiros. – Isto é um pôr-do-sol, Miguel.

O pequeno voltou-se para ela, em dúvida. – O que é isso?

A mulher passou-lhe ternamente a mão pelo rosto, falando-lhe, carinhosa. – Apenas mais uma forma que o sol, que é uma estrela, tem de nos dar luz…

O menino chegou-se mais a ela, abraçando-a, passando-lhe os braços pela cintura. – E eu também sou uma estrê…estrela?

Ela sorriu-lhe, enternecida. – Sim, tu também vens de lá e és uma pequena, linda, estrela. Agora anda. Vamos para casa.

Os enormes olhos azuis esverdeados do menino poisaram nos dela, em busca de conforto. Perderam o brilho e parte do vigor. Baixou-os para o solo, caminhando desanimado, enquanto respondia, entristecido. – Eu gostava de ver um pôr-do-sol…

*Nota: N.M.I.= Nova Moeda Interplanetária

FIM

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...