Jump to content

136: Natal: Queixas à Televisão Para Aperfeiçoar a Dita Cuja


Recommended Posts

Estão convidados para uma crónica especial de Natal. Em vez de trazer balanços do ano que terminam em fracasso, acho que a melhor maneira de acabar o ano seria acumular todas as críticas negativas que tive da televisão portuguesa e fazer uma espécie de carta.

Regras:

  • Pelo menos 50% de realismo, por favor;
  • É preciso seguir as rédeas da carta exemplo;
  • Na passagem de ano ou depois irei fazer uma análise às cartas mais criativas.

EXEMPLO DE CARTA

ACERCA DE SI

Sou o ATVTQsV, 23 anos (quase 24), continuo a ter uma sapiência enciclopédica da televisão portuguesa. Desde 2017 que ando a escrever as célebres crónicas da tua história de subestação, nome que herdei a uma prenda do Secret Santa em 2016 e que passou ser associada mais às crónicas do que à canção do Emanuel Bandeira. Vendo que a televisão portuguesa está em pleno caos, eu gostaria de lançar um conjunto de medidas para a dita cuja.

VISÃO PARA A TELEVISÃO

Para a televisão portuguesa em 2022 sugeria às empresas que tivessem mais dinheiro e controlo, e que não passe exclusivamente conteúdos do mais baixo nível. Primeiro queria que cortassem a duração dos noticiários para estarem entre 30 e 60 minutos, e que não começassem sempre 6 segundos ou 2 minutos antes da hora certa. Quanto ao controlo das notícias, queria que não fizessem 800 peças com temas musicais, já que acho que é paleio o que a RTP anda a fazer há sensivelmente trinta anos e os canais privados seguiram as dicas. Parece digno de um noticiário local nos EUA ou no Reino Unido. Para os canais de notícias: vendo que a CNN Portugal rapidamente conseguiu se tornar num canal "bater no ceguinho" tipo CM TV, eu acho que os canais deveriam diversificar a sua oferta de conteúdos. Assim as pessoas deixariam de estar influenciadas sobre o mesmo tema. Quanto à comédia, deveríamos voltar a situações tipo anos 90 ou 2000, porque a comédia na televisão portuguesa foi praticamente monopolizada pela trilogia FPC: futebol, política e corrupção. Para contar piadas, não nos devemos limitar exclusivamente a piadas secas que já foram contadas praticamente desde o tempo em que a televisão era da cor da zebra.

Quanto aos anúncios: os criativos merecem uma pausa. Isto é ponto assente. Desde antes da falta das liberdades nos últimos dois anos que os criativos tem andado a deteriorar a qualidade dos anúncios, agora tentam ser mais chamativos mas ao fim de uma passagem perdem a atenção. Falo dos anúncios do Intermarché, do anúncio da Glovo, do anúncio de Natal deste ano do Pingo Doce, etc. Agora que falo sobre os anúncios do Intermarché (terça e quarta já me está a chatear), aproveito para dizer que deveriam era acabar com certos formatos das quais não entendo o propósito. Tipo o Terra Nossa na SIC, que aparentemente tem estado a ter uma audiência bem alta para um sábado à noite, ou o chorrilho de novelas pimbas que ocupam o horário nobre. Novela que é novela merece estar nos patamares da Globo, até de um canal da Turquia, de modo a se tornarem mais competitivas nos mercados internacionais. Quanto aos programas pimba, e os passatempos 760/761, eu não tolero, já que em tempos de pandemia foi utilizado pela SIC como táctica para promover a pimbalhada quando os outros sectores musicais estavam a sofrer ainda mais.

Reforçaria o interesse dos portugueses em filmes e séries nacionais e internacionais. Mudaria o horário de alguns programas tipo extras do BB para horas mais decentes afim de conseguir equilibrar melhor factores como o sono dos portugueses, ainda por cima julgo que existem pessoas que estão a ver as galas até ao fim e acordam bem cedo para ir ao trabalho, visando evitar o trânsito. Quanto às crianças e jovens reabriria as faixas infantis da SIC e da TVI, porque nem toda a gente tem acesso ao cabo e ao streaming (sei que alguns vão discordar comigo).

PORQUÊ EU?

Eu não posso mudar a televisão, mas para conseguir tais objectivos, a sociedade deve mudar os seus padrões. Muito obrigado.

  • Like 3
  • Love 2
Link to comment
Share on other sites

Olá, tenho um nome, tenho 27 anos e acho que as operadoras da TV têm que começar a fornecer acesso a serviços de streaming nos seus pacotes como se de canais se tratassem. Já não peço nada aos canais, porque já perdi a esperança e sei que nada vem dali. Vá, pronto, quero Dynamite e Rampage da AEW a dar num canal tuga a uma quinta ou sexta-feira da semana de exibição do episódio original para não ter que pagar pelo AEW+.

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...