Jump to content
ATVTQsV

102: Rádios extintas da Media Capital

Recommended Posts

200px-Media-capital-logo-certo-300x224.png

A Media Capital já foi expert na criação de rádios. Foram tantas as criações que deram pau: o formato não resultou, tornou-se numa "cassete FM", teve horário vendido, passou por crises, etc.

Actualmente, a Media Capital é detentora das seguintes rádios:

  • Rádio Comercial
  • Cidade FM
  • M80
  • Smooth FM
  • Vodafone FM (só as frequências)

A intenção desta edição é falar sobre a história não das rádios vigentes mas sim das rádios que a própria criou e que, conforme disse no primeiro parágrafo, encerraram definitivamente:

  • Rádio Nacional
  • Romântica FM
  • Mix FM
  • Classe FM
  • Rádio Nostalgia
  • VOXX/Foxx
  • Luna
  • Rádio Clássica
  • Rádio Portugal
  • MFM
  • Best Rock FM
  • Rádio Clube Português
  • Star FM
  • Cotonete

Finda a análise a todas as rádios, incluíndo as mais efémeras (provavelmente na ordem de cima), vai ser feita uma sondagem temporária (de 48 horas, provavelmente) com algumas das rádios mencionadas. Os utilizadores podem votar em mais de uma rádio e as vencedoras terão as suas próprias edições. Actualmente estou num HP recente, mas lento (tão lento que às vezes quando abre um separador quase que encrava com o Chrome), e que não tem os mesmos recursos do meu Surface. Mais uma experiência da tua história de subestação.

Edited by ATVTQsV
  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

O nosso primeiro alvo é a:

home-logo.jpg

RÁDIO NACIONAL
(1998-2007)

A Rádio Nacional foi uma das duas rádios da MCR que surgiu devido a uma mudança na Rádio Comercial. A 4 de Março de 1998, a Comercial deixa de ser emitida por onda média e passa o testemunho a uma experiência nova, uma rádio dedicada inteiramente à música nacional, de cariz popular (não necessariamente pimba). Nem tudo era nacional (só para contrariar o logo simplório que consistia no nome da rádio em Futura itálico, negrito e com as cores da bandeira), pois passava música lusófona, do Brasil e de África.

A Nacional tinha música tradicional portuguesa como o seu prato forte, no entanto nem toda a grelha era assim. Tal como acontecia na Comercial antes da vinda do Homem que Mordeu o Cão (o programa, não o Markl, pois o Markl já estava lá) com os programas da Igreja Pentecostal Deus é Amor, até a Nacional dava programas deles e não só - chegou a dar programas de videntes africanos, como um tal de Bamboo Voyance. O extinto canal Vivir Viver (já numa fase mais posterior como "Viver") chegou a ter um programa do género, o África Astrologia com o Professor Bambo.

Até 2001, a rádio era apanhada nas seguintes frequências:

FM:

  • 103.0 Lisboa (a partir de 21 de Outubro de 1998)
  • 99.3 Região Centro - Alcanena (a partir de 2 de Dezembro de 1998)
  • 101.0 Região Norte - Vale da Cambra (a partir de 2 de Dezembro de 1998)

Onda Média:

  • 1035 Centro & Sul
  • 783 Zona Norte

Os 103.0 de Lisboa foram temporariamente alugados pela MCR à RDP para a emissão da Rádio Expo, com emissores DAB no Parque das Nações - Portugal encerraria as emissões em DAB em 2011, no mesmo ano em que a Mediacorp de Singapura abdicou-se de tais emissões, o que é estranho para um país tecnologicamente evoluído.

Em 2001 a Nacional deixou de ser ouvida em FM para priorizar a Romântica FM que tinha sido criada pelo grupo como mais uma maneira de "ir mais longe e criar novos géneros de rádio em Portugal".

Na fase simultânea AM-FM (se bem que os programas estiveram no ar até 2003 pelo menos), os programas eram os seguintes:

PROGRAMA DA MANHÃ
Programa coordenado e apresentado por Carlos Ribeiro [NR: na TVI, chegou a apresentar o concurso Levem Tudo Menos a Casa]. Com grande participação, é um programa dinâmico e divertido que pretende passar para os ouvintes essa vontade de acordar e começar bem o dia...
Conta também esta emissão com as participações de Paulo Ferreira de Melo em Lisboa, e Diamantino Leite no Porto que dão todos os dias as informações sobre o trânsito.... e que de vez em quando lá têm uma ou outra para contar.
Sem dias nem horas certas um pouco ao sabor da manhã e da conversa os ouvintes podem participar em passatempos e momentos de opinião, tops de preferências e jogos de antena.
Tudo isto bem misturado com muita música portuguesa e brasileira: os êxitos do momento e pelo meio uma ou outra das canções da nossa vida.

SERVIÇO NACIONAL DE TRÂNSITO
Uma equipa de profissionais que o informam, de 2ª a 6ª feira e de meia em meia hora, sobre os caminhos que terá de percorrer de manhã e ao final da tarde. O rigor e a competência de quem está instalado no terreno, com repórteres volantes e câmaras de vídeo nos pontos mais "quentes" da cidade.

RAFAELA DE MELO
Entre as 10 e as 15 de 2ª a 6ª, Rafaela de Melo apresenta na antena da Rádio Nacional, grandes êxitos da música portuguesa e brasileira de todos os tempos: "As músicas da nossa vida"!
A palavra surge em antena, para assinalar os acontecimentos mais importantes ocorridos no mesmo dia do programa, nos outros anos: efemérides.
De hora a hora são actualizadas as temperaturas do ar das três principais cidades portuguesas e também a previsão do estado do tempo.

TERESA GONÇALVES
De 2ª a 6ª feira entre as 15 e as 19 horas Teresa Gonçalves presenteia-nos com música portuguesa, brasileira e também africana do melhor que há.
Temos as informações de trânsito às 17:30 e às 18:30 em ponto... já para não falar de Paulo Costa com a hora do Crime todos os dias pontualmente às 18:05, com as notícias de assaltos, crimes, peças e reportagens do jornal "O Crime".
Teresa Gonçalves proporcina-nos [sic] também às 18:45, pouco antes de se despedir, os Novos Parodiantes de Lisboa, com as suas caricaturas da actualidade.

PAULO MIRANDA
O nosso homem da noite... Paulo Miranda faz o horário do descanso de 2ª a 6ª... das 21 às 24 horas para relaxarmos depois de um dia cansativo de trabalho. Com sugestões de exposições, concertos, cinema e também a programação da televisão...
A ouvir a melhor música portuguesa, brasileira ou mesmo africana, Paulo Miranda anima a sua animação, mas nunca em demasia... pois no fim ele deseja-nos sempre uma boa noite.

Fora os programas mencionados aqui, na grelha há ainda uma tal de "Selecção Nacional", apresentado por um tal de José Nunes. Foi na Comercial que ele teve a Linha Avançada, antes de passar a ser uma versão extremamente reduzida como rubrica na Antena 3 (o próprio também escreveu a história da sua rubrica em livro). Às 16 horas de terça (e 11 horas de sábado) era emitido o tal "Bamboo Voyance". Às 20 horas dava o programa da "Igreja da Graça" - Portas Abertas (algo leva-me a crer que é a Igreja Internacional da Graça de Deus - vulgarmente denominada de "Igreja da Graça" pelos brasileiros"). Às 10 horas de sábado era emitido um compacto semanal dos Novos Parodiantes e à meia-noite e às seis da manhã, era emitida uma hora de programas da Deus é Amor, que anteriormente teve na Comercial o seu programa "A Voz da Libertação". Mais tarde o dito programa chegou a passar na MFM do Barreiro, da qual falaremos em breve. O resto da grelha era em automação, vulgarmente designado nos fóruns da altura como "cassete FM".

Excerto da Rádio Nacional em 2001, com o sinal horário e um resumo da Volta a Portugal: https://memoriasdaradio.com/?attachment_id=278

Em 2003, com a ressurreição do Rádio Clube Português, a rádio passou por um grave desinvestimento e perdeu os seus programas. Passou a ser uma cassete FM a tempo inteiro. Terá terminado em Maio de 2007, quando o RCP voltou a emitir em OM com os seus emissores. Até 2006, o RCP foi emitido noutras frequências, até terem sido substituídas por uma rádio pop-up, a Rádio Portugal. Por um mês (durante o Mundial de 2006), a Media Capital tinha duas rádios com sensivelmente a mesma temática, sendo uma temporária e uma em suporte de vida. Foi uma criação do Luís Montez, que também criou a Rádio Nostalgia, antes da venda para a SOCI (a actual Media Capital).

Edited by ATVTQsV
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Segunda rádio:

logo.jpg

ROMÂNTICA FM
(1999-2010)

Mais uma rádio que foi um claro resultado da "inovação" da Media Capital. A Rádio Nacional foi a primeira a dar primazia à música de expressão portuguesa - algo nunca visto desde os tempos do extinto programa da Rádio Comercial Onda Média, o Matiné (Matiné! A expressão portuguesa a ocupar o espaço é Matiné! Não me digas como cheguei lá, obrigado, Caderneta de Cromos). Pois bem, a Romântica FM era um caso de "o nome diz tudo". Foi a primeira rádio portuguesa de canções de amor, sobretudo das mais antigas. E desenganem-se que a MCR chegou a ter o monopólio desta temática. Mais tarde a fórmula foi copiada pela Global Diffusion, dona da Record FM e propriedade de Edir Macedo (que provavelmente usou dinheiro dos fiéis para criar uma empresa de exploração de rádios) que mudou o formato da Rádio Miramar para um clone da Romântica, mas com propaganda IURDiana. Quando a Romântica FM encerrou, a 95FM (como já era denominada a Miramar) passou a ter o monopólio da temática. Depois já sabem como passou: primeiro como repetidora da Kiss FM do Algarve e a partir de 2017 como repetidora da web rádio da IURD, a Rádio Positiva (primeira web rádio a saltar para as ondas hertzianas), para grande descontentamento dos ouvintes.

Voltemos então à Romàntica. Ela foi criada no já longínquo ano de 1999 - assumindo a frequência 95.3 do Barreiro, na zona da Moita. Em 2000 muda-se para os 101.1 e cria uma frequência no Porto, nos 89.5 de Matosinhos. No seu primeiro ano, chegou a ser feito um concerto para promover a rádio, concerto que teve a participação dos Excesso e deu na TVI:

Em 2002, surgiram quatro novos emissores:

  • 101.1 - Moita/Lisboa (existente)
  • 89.5 - Matosinhos/Porto (existente)
  • 103.0 - Cantanhede/Coimbra
  • 99.3 - Alcanena/Santarém
  • 104.4 - Manteigas
  • 97.4 - Vila Real

Por uma breve altura, a Romântica FM teve uma cobertura semi-nacional, equiparável com a rede de emissores da RecordFM da Global Diffusion (antiga Rádio Record FM, Rádio Placard, Rádio Liz, Algarve FM). Porém, em 2003, foi mais uma vítima da ressurreição do RCP, perdendo para a dita os emissores de Cantanhede, Alcanena, Manteigas e Vila Real.  Já a emissão no Porto mudou-se para os 100.8. Os 89.5 foram ocupados por uma emissão dita "fantasma" do RCP uns anos mais tarde.

Sabe-se pouco sobre os programas da Romântica FM. Boa parte do dia, a rádio era uma cassete FM tipo a Nacional e outras do grupo com pouca manutenção. A rádio tinha em 2007 um programa da manhã, o Bom Dia Romântica, entre as 7 e as 10, e entre as 17 e as 20, o 100% Romântica. Também ouvi relatos na net a dizer que a rádio chegou a passar programas do vidente senegalês Professor Bambo:

astroafricano.jpg

Em 2008, foi aberta uma investigação ao próprio Professor Bambo, segundo o JN:

"O "Professor Bambo", conhecido vidente e astrólogo senegalês, foi ontem [NR: 27 de Maio de 2008] constituído arguido, no âmbito de um processo em que está a ser investigado por alegadas burlas e extorsões. Dois dos seus consultórios, no Porto e em Lisboa, foram alguns dos alvos das buscas realizadas por elementos da Divisão de Investigação Criminal (DIC) da PSP, numa investigação que tem decorrido sob a direcção do DIAP do Ministério Público do Porto.

Ao que apurou o JN, estão em causa várias queixas, algumas recebidas ainda durante o dia de ontem, por parte de pessoas que se sentiram enganadas nas "consultas", em que a troco de dinheiro lhes eram prometidas soluções para problemas de vária ordem, sobretudo no campo sentimental.

As verbas envolvidas não serão muito avultadas, mas provocaram vários lesados. Além das supostas burlas e de casos de extorsão, está a ser averiguada também uma denúncia de violação, que está a ser encarada com cautela. Fonte policial explicou, ao JN, que o objectivo das acções de ontem foi a recolha de elementos para a investigação, que já decorre "há muito tempo", mas está ainda longe de estar terminada. Interrogado pela PSP, o suspeito foi constituído arguido e permanece em liberdade. Não foi detido por não terem sido reunidos os pressupostos para tal, entre os quais o flagrante delito.

A actividade do Professor Bambo, de 52 anos, é publicitada, sobretudo, através de anúncios Mas o vidente tem aparecido igualmente em programas de televisão e rádio. No sítio na Internet, diz ter "gabinetes" em Lisboa, Porto, Faro, Ponta Delgada e Funchal, e apresenta-se como "o mais reconhecido médium vidente em Portugal". Define-se como "um homem simples, com grande sabedoria e poder místico, transmitido pelos seus antepassados". E garante que, "em mais de 27 anos de missão", já ajudou "milhares de pessoas" com problemas de amor, inveja, trabalho, dinheiro, saúde, espirituais e "outros para os quais não encontram explicação".

"Entregue o seu coração e a sua vida nas mãos do Professor Bambo e a Vida, Deus ou Alá ajudá-lo-á a encontrar o melhor caminho", é referido na Net."

Sei que cerca de metade deste post foi mais a divagar, primeiro por causa do Edir Macedo (pois no ar tudo o que brilha, brilha aqui, tá na RECÓÓÓ) depois a falar sobre um tal de vidente senegalês :P

Voltemos à Romântica FM.  Em Fevereiro de 2007 a rádio mudou mais uma vez de frequência, passando aos 107.2 da Amadora/Lisboa. Em Março de 2008, a rádio chega (ou melhor, regressa) a Coimbra, ocupando os 97.5 da antiga RCP Figueiró, em Figueiró dos Vinhos. A rádio nunca teve grande publicidade, sendo a sua publicidade televisiva limitada a breves spots de cinco segundos na TVI ou à promoção de CDs com os temas da playlist, com novos CDs sempre que a rádio buscava novas músicas. A rádio chegou a ter emissão na Cabovisão, infelizmente na altura não disponível no norte, entre sensivelmente 2008 e o seu encerramento.

JRLJtnh8eRGAvZDurSLB

Excertos da Romântica FM:

 

Em 2009 a rádio mudou de imagem (ver capa do CD Romântica FM volume 8), mas não vingou. No início de 2011, a Media Capital Rádios aprovou a Vodafone FM para as frequências de uma cassete FM que já deu o que tinha a dar. A 26 de Janeiro de 2011, a Vodafone FM entrou no ar e a única rádio dita "romântica" - com temas em português - despediu-se do éter. De salientar que no Brasil ainda existem rádios com o nome "Romântica FM" mas que aparentemente não tem nada a ver. No Brasil, há ainda supermercados com o nome "Feira Nova", o que complica a procura por informações da extinta cadeia de hipermercados portuguesa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Saindo dos temas em português para algo bem mais internacional:

Resultado de imagem para Mix FM Lisboa"

MIX FM
(1999-2010)

Começando as suas emissões em 1999, como consequência da compra da 96.6 de Lisboa, antiga Rádio Nova/Rádio Geste. Só passou a assumir a designação Mix FM a 17 de Julho de 2000. A rádio dedicava a sua playlist a músicas dance e derivadas. E vinha mesmo a calhar, pois a Mix tinha tudo para ser a sensação do verão.

r-425832-1202112882-jpeg.jpg?w=584

Em Junho de 2001, a rádio alarga a sua cobertura para os 105.8 do Porto, com emissor no Valongo. Em 2003 perde o emissor no Porto e muda-se para os 103.0 em Lisboa. A frequência antiga passou a emitir uma nova rádio do grupo, a Best Rock FM. Passados alguns anos o site da rádio (supostamente sem actualizações desde o verão de 2006) ficou ao abandono, estando em estado vegetativo até 2011. A Smooth FM entrou no ar na frequência restante a 19 de Setembro de 2011. Provavelmente a temática da rádio passou a ser pouco atractiva na altura do seu fecho. Nunca foi emitido numa operadora.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mudando a cassete:

(não consegui encontrar o logo desta desgraça - ou será que nunca teve?)

RÁDIO CLÁSSICA/CLASSE FM
(2004-2008)

Um dos géneros pouco apreciados pelas rádios privadas em Portugal. Aqui o monopólio da chamada "rádio erudita" é da Antena 2. No Reino Unido, por exemplo, a BBC Radio 3 não está sozinha - há também a Classic FM e a novíssima rádio digital Scala.

A Classe FM nasceu da morte de uma rádio que tentou integrar-se na Media Capital, a Luna, que na altura do seu fecho (7 de Março de 2004) tinha cerca de 30.000 ouvintes na Grande Lisboa. A Rádio Clássica (Classe FM a partir de 2005) emitia nos 106.2 do Barreiro.

A rádio, infelizmente, teve pouca substância comparada com a sua antecessora, a Luna, o que fez com que a rádio teve de ser mais uma "cassete FM". No entanto, em Abril de 2007, o Helder Sanches do blog Diário de uns Ateus, apesar de tecer críticas positivas à rádio, disse que considerava "aberrante" ter o Professor Mambo nas suas emissões.

"Então, uma rádio que se dedica à transmissão de música clássica, ópera e jazz – de excelente bom gosto, diga-se – encharca depois a sua frequência com missas em português e espanhol em simultâneo e consultas astrológicas em francês magrebino!?! Que falta de classe…"

Pois é, estava-se mesmo a ver, que mais tarde ou mais cedo, mais uma cassete FM, com playlists do computador 101 da sala 13 da MCR, chegava a ser vítima do "Satanás das Ondas" que era o Professor Bambo. Do blog Cenas & objectos (não necessariamente nesta ordem), surge um relato (de Março de 2007) que tornava o Bambo numa figura mais para o cómico, da mesma forma que eu e uns poucos olhamos aos pastores da IURD.

"Estava a conduzir em direcção à Praça de Espanha, subindo a R. António Augusto de Aguiar pela faixa da esquerda. Na rádio Classe FM (106.2) "bombava" a Diana Krall com «They can't take that away from me».

À minha frente parou, assim de repente e sem sinalizar, uma carrinha. Pus o "pisca" para mudar para a faixa da direita, enquanto um taxista que vinha lá ao fundo da rua resolveu acelerar só para não me deixar ir para aquela faixa.

Passou em alta velocidade, a "rasar" o espelho lateral, e como tinha baixado o vidro desse lado retorqui-lhe um "Obrigadinho" a plenos pulmões, que ele ouviu. O carro que vinha atrás do taxista deixou-me, naturalmente, mudar de faixa.

Enquanto na minha cabeça começavam a surgir pensamentos pouco apropriados acerca dos taxistas, e acumulavam-se ideias para uma teoria da condução portuguesa em geral (a falta de civismo e respeito pelo "outro" que impera nas estradas nacionais, a ideia de "racer" que todos os condutores têm, etc), eis que surge na Classe FM, o Professor Bambo

Por acaso do destino, e enquanto tentava coordenar o turbilhão de pensamentos que me atrevessavam a mente naquele momento, apanho o taxista 50 metros à frente, parado no semáforo. Como já tinha mudado para a faixa da esquerda, fiquei lado a lado com ele, e dei-lhe aquele ar de incompreensão. Responde-me ele "Ó amigo, é a selva, é a selva"! Duas vezes, não fosse eu esquecer-me onde estava.

Deu vontade de responder "torto". Mas não consegui. E porquê? Falta de coragem? Boa educação? Nada disso! Naquele momento comecei-me a rir pois "a selva, a selva" estava no meu rádio.

Senhoras e senhores, bem-vindos ao mundo do Professor Bambo!

Professor Bambo: a ajudar desde 1944

O Professor Bambo não fala português, mas atende chamadas. Como só entende francês, precisa de uma tradutora que tem um francês de nível 2 (também conhecido como "francês à Lazlo Boloni"). Dos ouvintes que lhe ligam, só lhes exige o 1º e último nomes, bem como a data de nascimento. E voilà!, dá-se início á "sessão".

Ao telefone encontrava-se um senhor que "se sentia perseguido por espíritos, e que estes o impediam de continuar com a vida dele".

O Professor Bambo não tem dúvidas: ele tem espíritos sim senhor!

O pobre do senhor ajuda muito uma outra senhora, mas não vê retorno nisso.

O Professor Bambo diz-lhe que os amigos dele acham que ela é uma usurpadora, e que falam mal dele nas suas costas.

Resposta do senhor: "Ai falam? Pois falam.. pois devem falar, com certeza. E o que é que eles dizem?"

O Professor Bambo revela que o senhor tem problemas de álcool.

O senhor responde com prontidão: "Não tenho problema nenhum com o álcool. Eu nem bebo. Só raramente. Às vezes bebo no trabalho. Mas não bebo, e há provas disso!"

O Professor Bambo avisa que o tempo já acabou, e que tem muito interesse no caso deste senhor, por isso quer continuá-lo a ver, mas particularmente. A tradutora lá vai transmitindo esta mensagem ao senhor, que no entanto não a ouve. Isto porque insiste em perguntar ao Professor Bambo, na língua de Camões: "Onde é que você está? Eu queria muito era vê-lo! É que você é famoso."

Depois disto, já não restava qualquer indício de raiva acumulada. Pode não funcionar noutras coisas, mas para acalmar ânimos nada melhor que ouvir o Professor Bambo!!"

Como diria o Mestre Mamba (Mestre Guirrassy) num vídeo (que foi apagado depois de ser alvo de uma análise na Mixórdia de Temáticas), "tudo coisas na vida, dificile ou non dificile, ben ou non é ben, tem soluçon" (todas as coisas na vida, difíceis ou não difíceis, boas ou más, tem solução). A solução era fechar a (carinhosamente apelidada de) Falta de Classe FM e mudar a temática para a da Cidade FM, na época "música à tua medida", ou uma "Morangos FM". Em Maio de 2008, a rádio fechou definitivamente.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje temos uma rádio vinda de França, que entretanto voltou (e eventualmente saiu) com outra licença. Falo é da:

cropped-radionostalgia.jpg

RÁDIO NOSTALGIA
(1993-2003)

A Rádio Nostalgia foi "o segundo canal" do jovem império radiofónico do Luís Montez, que em 1996 comprou os emissores da Rede Regional Sul da Comercial Onda Média, criando uma espécie de pequeno grupo. A rádio foi uma aportuguesação da francesa Radio Nostalgie. Descubram as diferenças:

120px-Nostalgie.jpg

Portugal não era o único país fora da França a ter uma sucursal da dita. Existem rádios Nostalgie na Bélgica e Holanda. Houve também Nostalgies no Líbano, mais recentemente existem filiais em países africanos (Senegal, Costa do Marfim, Togo) e territórios ultramarinos franceses. Tipo uma espécie de McDonald's da rádio. O caso mais bombástico foi na Rússia, existente entre 1993 e 2000 (2001 em São Petersburgo). No fim da existência da Nostalgie russa, foi uma cassete FM. Existe uma "tentativa de ressurreição" no Daguestão, na zona do Cáucaso (há também uma na cidade de Samara), onde os proprietários são os funcionários da rádio. Porém, uns dizem que estas rádios emitem em situações menos lícitas, como a de Samara, que alega emitir sem licença.

De acordo com o Fórum da Rádio, a Nostalgia começou como uma cassete FM (103,0 do Barreiro).

"Quem ler o seu texto e não ouviu a primeira versão da “Nostalgia”, RDS <NSTALGIA>, pode ficar com a ideia que havia locução nas emissões. Isso não foi assim numa primeira fase, as emissões eram automatizadas a 100%. Portanto, a rádio era de baixíssimo custo ao nível dos recursos humanos, limitados a técnicos que faziam a gestão dos sistemas informáticos e aquele(s) que escolhiam os temas que iam para o ar. Esta rádio foi notícia no jornal semanário “Expresso” por ser a primeira com emissões totalmente automatizadas em Portugal. Na era Montez, foi feita uma intervenção ao nível dos emissores da rede regional sul, com destaque para 96.4 Montejunto, que de um som “baço” e cobertura algo deficitária, passou a um som com qualidade Excelente e cobertura optimizada (hoje, 96.4 apresenta um som que se degradou relativamente a essa época. A gama média-alta e agudos perderam definição), e foi adicionado o novo emissor de Portalegre, 106.7. Fora do âmbito da rede regional sul, foram encetadas parcerias para retransmissão de sinal , como por exemplo em Aveiro, 94.4, a partir do ano 2000. A rádio “Nostalgia” dedicava-se à difusão de música popular das décadas de 50, 60, 70 e alguma coisa, pouca, da década de 80. Chegou a pontos de soar a produto esgotado e repetitivo, altura em que foi descontinuado para dar lugar ao “Rádio Clube Português”, RDS <R CLUB P>. Como não era feito o enquadramento dos temas, o ouvinte, muitas vezes, deduzia que determinada música era característica dos anos 60, e não era. Era da década de 50. A “Nostalgia” teve o mérito de reabilitar a memória colectiva, tendo atingido performances interessantes de audiência por esse factor. A “Nostalgia” deu destaque aos clássicos (oldies), de um dos períodos mais criativos da música contemporânea."

Em 1993, aquilo que era considerado como uma "cassete FM" era uma novidade em Portugal - longe de imaginar que, daí a uma década, a futura dona da Nostalgia, a Media Capital, iria ser a líder neste género (e, dentro da Renascença, a Rádio Sim na altura em que escrevi). Aparentemente, a RRS emitia fado antes de passar a Nostalgia. O joao_s do Fórum da Rádio diz:

"Numa primeira fase, as emissões foram para o ar com recurso a automação 24 horas/dia, por vezes com brancas, provavelmente quando os sistemas bloqueavam, outras vezes com os sinais horários desfasados da hora real, por exemplo, o sinal horário das 23 horas surgir às 21 horas e 15 minutos. Numa fase posterior, finais de 1997, talvez, havia um locutor no horário nocturno que não me lembro do nome. A julgar pelo timbre da voz, já com larga experiência. Posto isto, começaram a surgir nomes como os de António Macedo, Aurélio Gomes, etc. O António Macedo chegou a fazer uma emissão do seu programa matutino em directo a partir de Aveiro, já os 94.4 emitiam a estação. O programa conduzido pelo jornalista Pedro Mourinho (jornalista da SIC) chamava-se “BBC passagem para o milénio”, foi para o ar em 2000, 1 vez por semana (com direito a uma repetição). Foi um programa que, em retrospectiva, fez a cronologia dos principais acontecimentos que marcaram a segunda metade do século XX. Cada programa correspondia a 1 ano, tendo começado com o ano de 1950, ou seja, em cada semana eram abordados os factos históricos de um ano, narração acompanhada da música emblemática desse mesmo ano. Na semana seguinte, abordava-se o ano seguinte, e assim sucessivamente até ao ano 2000, ano em que o programa foi para o ar. Foi tão-somente um dos melhores programas de rádio que ouvi até hoje."

Tenho memórias muito vagas da rádio, provavelmente só sabia da sua existência à custa de anúncios televisivos:

O Luís Montez saiu da MCR em 2001, sendo substituído por Vítor Ribeiro e posteriormente pelo Tojal. Provavelmente, segundo as lógicas do Tojal, a Nostalgia era uma rádio com um processo de licenciamento complicado, sendo que a marca da rádio deixou de ser renovada para Portugal. Em 2003, a rádio foi substituída pelo Rádio Clube Português, depois de 24 anos fora do ar - e desta vez como uma rádio privada (a RCP antiga era do governo, sendo que a rede em FM foi dividida no terceiro e quarto programas da RDP - a Rádio Comercial, em Março de 1979).

À laia de epílogo [1] para esta rádio, o RCP começou como uma "réplica" da Nostalgia, sendo que uma nova Nostalgia, criada pelo Montez, agora a trabalhar para a Música no Coração, foi anunciada em Junho de 2011, para substituir a Rádio Europa Lisboa (antiga Rádio Paris Lisboa). A rádio anunciou o seu fim em Outubro de 2016, sendo substituída pela SBSR FM no fim de Novembro.

[1] estava eu a ouvir a edição da Caderneta de Cromos sobre o Titanic e deu-me vontade de incluir esta frase aqui

ACTUALIZAÇÃO: À laia de outro epílogo, descobri que, com a ressurreição do RCP, a  rádio continuou online, como uma "cassete" entre as rádios temáticas do site Cotonete.

Edited by ATVTQsV

Share this post


Link to post
Share on other sites

O próximo caso é um "2-em-1" (tu aine one, como diria Lauro Dérmio), uma vez que estas rádios nunca entraram na Media Capital mas o seu proprietário, o Nobre Guedes (que as comprou numa fase posteiror), estava ligado à empresa:

RadioLuna20031129.png

voxx.gif

LUNA E VOXX
(1999-2004)

Duas rádios, um proprietário igual (Ricardo Casimiro), frequências sequestradas pela Media Capital. No início de 1999, entrava no ar a Luna (106.2 do Montijo). A Luna foi a primeira tentativa de acabar com o monopólio "erudito" da Antena 2 (a Rádio Paris Lisboa - mais tarde Europa Lisboa - chegou a ter programas de tal índole, mas eram poucas, e numa fase anterior retransmitia os programas da RFI). A Luna foi uma rádio de sucesso, comparado com a sua sucessora no éter, a Rádio Clássica (Classe FM).

A rádio era uma cassete FM (tal como muitas outras), sendo alvo de uma crónica do Eduardo Cintra Torres (actualmente no CM) a 8 de Fevereiro:

"Aproveitando a boleia dum artigo que escrevi sobre a Antena 2, a nova Rádio Luna, que emite na região da capital a partir do Montijo, tornou pública a sua existência de vários meses. Transmite apenas música, quase toda clássica. É privada, mas não tem publicidade. Não tem programas. Tal como acontece na Nostalgia, os temas são postos no ar digitalmente, sem interferência humana, não sendo por isso identificados.O seu emissor só permite um som baço e de difícil aceitação por melómanos. Os temas, além de incógnitos, não são tocados na íntegra, limitando-se a escolha a um dos andamentos, o que faz da música clássica e romântica uma espécie de top of the pops. Não é muito diferente daqueles discos tipo Hooked on Classics ou Mozarts' Elvira Madigan ou Rock & Bach. Além disso, a Luna tem uma escolha demasiado cingida à música mais vulgarizada (algum barroco, muita clássica, quase toda romântica). A escolha das interpretações escolhidas não é muito cuidada. Parece que os donos da rádio compraram o seu stock na secção dos discos de música clássica a 600 escudos num hipermercado.É legítima esta opção para uma rádio privada em arranque, tanto mais que qualquer iniciativa na área cultural tem riscos e é quase sempre fonte de dissabores. Mas o projecto faz temer pelo conceito de transformação da melhor música do mundo em música de elevador ou de aeroporto (lounge das partidas internacionais). Neste sentido, na região onde pode ser recebida a Luna não ocupa o mesmo espaço da Antena 2, com uma escolha mais ampla, com programas especializados e com audição de obras na íntegra."

Passado algum tempo surgiram os programas de autor. E é claro, rádio privada que é rádio privada necessita de sustento e consolidação. Na altura do fecho, estimava-se que a Luna tinha 30.000 ouvintes - uns dirão que, no âmbito da Grande Lisboa, era bem mais do que as pessoas que ouviam a Antena 2 na altura à escala nacional. Na altura em que o Nobre Guedes chegou à administração, entraram cabos para o edifício da Luna que - azar dos azares - vinham da Rádio Comercial. A 7 de Março de 2004 foi dada a machadada final e a Luna saiu do ar. Nas suas frequências - já sabem o resto da história, pois não?

Do mesmo proprietário havia também a Voxx. A rádio da Mélinha. Uma das rádios mais irreverentes do seu tempo, com uma escolha musical digna de XFM, mas com mais variedade, com música indie, programas de converseta em directo e, sobretudo, uma linha alternativa. Quase como a Rádio Universitária do Minho aqui em Braga, mas melhor (deixou ao critério dos poucos utilizadores - mais velhos do que eu - e que viveram em Lisboa e no Porto - para compararem o estilo da RUM com o da Voxx ao ouvirem um stream da RUM e depois digam a verdade que disserem). Uma rádio com mais sucesso do que a Luna, também com um emissor no Porto (a Luna estava limitada a Lisboa). A Voxx teve separadores inesquecíveis, alguns a roçarem o profético até (se virmos o estado da rádio portuguesa).

  • Voxx. Uma rádio amarela num país cinzento.
  • Voxx. A re-nascença da rádio.
  • Voxx. Emissora Caótica Portuguesa. (supostamente o estado actual da Renascença)
  • Voxx. A número 1 (dos ouvintes da Voxx).
  • Voxx. Um processo evolutivo no lado descendente da curva.
  • Voxx. Rádio Disfunção Portuguesa.
  • Voxx. Uma imensa minoria.
  • Voxx: não confundir a obra-prima com a prima do mestre-de-obras
  • Tudo o que se passa, passa ao lado da Voxx.
  • Voxx: a melhor rádio cá do prédio

E assim sucessivamente. Existe uma compilação dos jingles da rádio:

Existem excertos e programas inteiros da Voxx no YouTube e noutras paragens:

O Mensageiro da Moita:

Ao contrário da Luna, a Voxx continuou sob a gestão da Media Capital. Daqui para a frente (7 de Março), juntou-se a um extenso filão de cassetes FM, juntando-se aos primos de sua índole, como a Rádio Nacional. Durante esta fase, passou LCD Soundsystem. No entanto, a rádio estava com problemas técnicos, nomeadamente a questão das falhas de som. Nunca um dos seus slogans (Rádio Disfunção Portuguesa) fez tão sentido.

As frequências da Voxx passaram a emitir a Cidade FM (na altura uma Morangos FM). Uma nova rádio, da qual ainda vamos falar, nasceu nas frequências antigas da Cidade FM em Lisboa e no Porto: a Foxx.

Edited by ATVTQsV

Share this post


Link to post
Share on other sites

Depois da Voxx, veio uma rádio com um nome parecido:

Foxx-FM.gif

FOXX
(2005-2007)

Para já, criatividade zero. Ninguém mesmo estava à espera que a Media Capital lançasse uma rádio onde o "oxx" foi mantido - trocou-se o V pelo F - e a qualidade da rádio baixou. Ou será que não? Da rádio da Mélinha à rádio afro do grupo.

OK, tudo bem, provavelmente deram o nome em homenagem a Jamie Foxx. isto porque a "rádio afro" passava, pura e exclusivamente "música urbana negra": leia-se "Janet Jackson, Lenny Kravitz, Marvin Gaye, TLC, Stevie Wonder e Prince, entre outros".

Infelizmente a rádio nunca teve apresentadores, agindo como mais uma "cassete FM", saltando da Cotonete para a rádio FM. Situação (quase) idêntica à Mix FM? Não vingou, nem mesmo o Professor Bambo comprou horários, tendo sido exterminada pelas forças radiofónicas no início de 2007. Os dois emissores (107.2 Vila Nova de Gaia e 107.2 Amadora) terminaram em datas diferentes, primeiro no Porto a 22 de Janeiro, já a emissão em Lisboa terminou a 24 de Fevereiro. No Porto foi substituída pela Cidade FM e em Lisboa pela Romântica FM.

Edited by ATVTQsV

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só umas pequenas notas para corrigir imprecisões:

1. A Romântica passou a emitir nas frequências da Nacional (excepto em 103,0 que foi para a Mix no fim de 2002) ainda em 2001;

2.  "Porém, em 2003, foi mais uma vítima da ressurreição do RCP, perdendo para a dita os emissores de Cantanhede, Alcanena, Manteigas e Vila Real."  Só Manteigas e Vila Real é que foram para o RCP,  pois Alcanena mudou para a Cidade em 2004 - ainda hoje emite nessa frequência e Cantanhede passou a emitir a Best Rock em 2003.

3. "Os 89.5 foram ocupados por uma emissão dita "fantasma" do RCP uns anos mais tarde. " Não, emitiram mesmo o RCP de Tojal de Abril de 2003 a Janeiro de 2007.

4. O RCP regressou nos anos 90: o antigo proprietário (Jorge Botelho Moniz) relançou a rádio em 1994 nos 96,6 de Lisboa (sucedendo à Rádio Gest ou Geste), 101,1 da Moita, 90,6 de Gondomar (e depois 100,8 Maia) e 97,2 Redondo, depois de falhada a aquisição da Rádio Comercial no ano anterior. Por volta de 1996 fez associação com a Rádio Nova até 1999 (o RDS era 'RCP_NOVA'). Depois a Média Capital comprou a estação, após a Sonae/Nova ter desistido da associação.

Se quiseres fazer posts para a Best Rock e para o RCP agradeço. :)

Edited by Rangel
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas que posts fantásticos!
Muito obrigado pelo excelente trabalho nestas publicações!

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 06/02/2020 at 19:03, ATVTQsV disse:

Existe uma "tentativa de ressurreição" no Daguestão, na zona do Cáucaso (há também uma na cidade de Samara), onde os proprietários são os funcionários da rádio. Porém, uns dizem que estas rádios emitem em situações menos lícitas, como a de Samara, que alega emitir sem licença.

Depois disto, vê-me se consegues encontrar o jogo completo do Lazio vs FC Porto para a Taça UEFA de 2002/2003, se faz favor.

Edited by JDaman
  • LOL 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...