Jump to content

25: RTP África


Recommended Posts

A RTP África chegou aos vinte anos de emissão, mas antes, já havia emissão terrestre da RTP Internacional nalguns países.

Por volta de 1994/1995, a RTP instalou emissões terrestres da jovem RTP Internacional nos PALOP. A clara excepção foi Angola, não sei porquê, mas foi por causa da guerra civil. Os angolanos tiveram de se contentar com o monopólio televisivo detido pela TPA.

A RTP África nasce, então, a 7 de Janeiro de 1998, às 9 horas de Lisboa, e a emissão arrancou com a Patrícia Bull a falar. A RTP África usou os emissores terrestres da RTP Internacional em África para que a RTP Internacional fosse emitida apenas nas operadoras tipo DSTV. A RTP África teve como intuição colaborar com as televisões estatais de cada país lusófono em África, algo que recentemente deixou de ser cumprido.

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

Gosto de criar teorias sobre o primeiro símbolo da RTP África: estamos claramente cientes de que o sol representa África, mas devo ser a única pessoa que acha que há significado nos raios. Pelo menos um (e só um), pois representa cada país em que o canal emite. O primeiro grafismo era inspirado na cultura africana com uns toques manuais, grafismo refelctido também no primeiro genérico do Repórter (actual Repórter África), noticiário central da grelha que continua a ser emitido até aos dias de hoje.

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

A grelha era parecida à da RTP Internacional mas com características ainda mais "próprias". Nos primeiros anos, o canal emitia programas produzidos pelas televisões dos PALOP - lembram-se da série angolana "Conversas no Quintal", que a TPA ainda teima em produzir?

O Público noticiava os resultados do primeiro aniversário da RTP África a começar por dizer que até o lançamento do mesmo era nada mais nada menos que um mero espaço na RTP Internacional que ganhou a sua autonomia:
"Foi exactamente há um ano que Moçambique, Angola, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau passaram a receber emissões regulares de um canal que, até aí, não passava de uma pretensão a valer pouco mais do que um espaço de emissão na RTPi. Hoje, a RTP organiza uma grande festa para celebrar o ano I do canal e transmite-a em directo para os cinco países e para o resto do mundo.

Em 1997, a dias da primeira emissão formal da RTP África, o seu responsável, Afonso Rato, dizia que o verdadeiro desafio do projecto não era a curto, mas a longo prazo. "Estamos preocupados com os próximos 20 anos, com uma televisão original que tenha um crescimento sustentado, uma boa distribuição e que seja feita em parceria constante." Um ano passado sobre estas afirmações, a RTP-África é já uma realidade nos cinco países africanos para onde é emitida - nuns mais do que em outros. Em Moçambique, por exemplo, o canal é uma alternativa real para os que não têm acesso às parabólicas ou procuram algo mais sofisticado do que a oferta dos canais nacionais, a TVM pública e a RTK privada, ambas pouco entusiasmantes. É indubitável que a RTP África representa um incontornável progresso em relação à RTPi (nos primórdios, a RTP África resumia-se a umas horas de emissão no canal internacional), mas os moçambicanos consideram que o canal está mais vocacionado para Angola e Cabo Verde do que para Moçambique e dão como exemplo o facto de as tardes de domingo serem dominadas pelo futebol angolano. De resto, se se excluir o principal bloco noticioso do canal, O Repórter, a restante programação é constituída por enlatados da programação dos dois canais públicos portugueses. E quanto ao Repórter propriamente dito, os comentários não são muito abonatórios: jornalistas pouco experientes, pouco exigentes e pouco ambiciosos do ponto de vista informativo fazem um noticiário que passa ao lado da realidade moçambicana. As telenovelas portuguesas agradam, mas não o suficiente para competir com o principal bloco noticioso da TVM que, por sinal, passa à mesma hora. E as emissões, condicionadas aos postos de retransmissão da TVM, estão sujeitas aos repetidos cortes de energia que assolam os meios de comunicação locais.Em Angola, a expressão da RTP África é residual. O canal não faz parte do quotidiano dos cidadãos e é acessível apenas a uma pequeníssima minoria de cidadãos que dispõem de parabólica. A Constituição angolana, de resto, não autoriza a instalação de qualquer retransmissor de canais de rádio ou televisão estrangeiros no território. Afonso Rato, director da RTP África, não nega as dificuldades, e reconhece que só com a mudança da legislação é que Angola conhecerá alguma evolução nesta situação. O responsável faz um balanço "positivo" do projecto, adiantando que ele permitiu que, pela primeira vez, os cinco países "se vejam uns aos outros, numa informação profissional e sem interferências políticas". Projecto apadrinhado pelo ex-titular da comunicação social Jorge Coelho, a RTP África surgiu no papel numa conferência da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa - em Julho de 1996 e viu a luz do dia sete meses depois durante uma visita de Guterres a Cabo Verde, de onde se produziram as primeiras emissões experimentais. O projecto inicial era mais ambicioso do que a realidade veio a consentir: previa a participação dos operadores privados portugueses, SIC e TVI, que não se veio a concretizar, e uma fatia crescente da programação deveria ser da responsabilidade dos países africanos em regime de co-produção, intenção que dificilmente saiu do estado embrionário. O investimento inicial estimado no canal foi de um milhão de contos, centrado essencialmente nas áreas técnicas, mas o ex-presidente do conselho de administração da RTP Manuel Roque afirmava em entrevista ao PÚBLICO, em Junho de 1997, que havia um bolo de cinco milhões destinado sobretudo à RTP África previsto para 1998. O objectivo era criar de facto um novo canal produzido "a seis" sob a responsabilidade editorial da RTP, com tecnologia completamente digital que pudesse preencher cinco a seis horas de emissão diária, que repetiria durante o dia. Transmitir 24 sobre 24 horas é o objectivo último deste instrumento de cooperação cujas virtudes o Governo não se cansa de exaltar. As potencialidades diplomáticas de um projecto como a RTP África não passam despercebidas a ninguém, tendo havido mesmo notícias de que o Ministério dos Negócios Estrangeiros estaria interessado no projecto, hipótese que acabou por ser excluída. Pelo menos, por enquanto. A RTP África parece gozar de grande audiência em Portugal, onde faz parte do pacote de base da TV [Cabo] desde Março de 1998. Dados referentes aos meses de Setembro/Outubro do ano passado situam a RTP África entre os dez canais mais vistos da TV Cabo, muito embora os níveis variem consoante a programação ofereça, por exemplo, um jogo de futebol importante. A título de comemoração do primeiro ano de emissões regulares, a RTP transmite hoje, em directo, um espectáculo alusivo que decorre na Aula Magna da reitoria da Universidade de Lisboa, a partir das 21h15."

A RTP África tinha uma oferta própria demasiado precária. Começou, claro está, pelo Repórter (actual Repórter África) e pelo África Sport (incialmente RTP Sport), à qual seguiu-se o África 7 Dias. A RTP África também chegou a assinar um protocolo com a ONU para emitir o Nações Unidas em Acção em português (que não é uma língua oficial da ONU) nalguns intervalos do canal, às quais foi seguido um protocolo com a produtora maliana People TV para emitir os programas Iniciativa Africana e Negócios em África em português e em exclusivo no canal. Curiosamente, cortaram-se os elos entre a RTP África e a ONU mas não com a People TV. Aliás, quem locutava os programas da UN e os da People TV era a mesma mulher.

A primeira renovação do canal foi em 2004, se descontarmos o grafismo de 2003 onde era o da RTP 1 mas em tons de amarelo. O canal optou por usar tons de laranja, vermelho e castanho para representar as paisagens africanas.

(em construção, é um problema de tempo que eu não tenho na mão, aha)

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...