Jump to content

13: MVM


Recommended Posts

Do único canal musical 100% português ao capital angolano

Sejamos sinceros, a TV Tel também teve os seus canais próprios. Comprou a Invicta TV (que esteve em emissões experimentais até mais não mas passaram a ser regulares quando mudou para a Regiões TV com a entrada na ZON), o MVM e o ainda mais obscuro Música Brasil.

A MVM surge antes da ZON ter comprado por atacado a Bragatel, a Pluricanal e a TV Tel, detentora do canal. O canal nasce na primavera de 2007. No seu primeiro ano era emitido na TV Tel (lembram-se? Crime é não ter TV Tel) numa altura em que a operadora estava banhada numa controvérsia que envolvia a saída da SPORT.TV (ou, como se assinava na altura, SportTV). O projecto iria envolver o canal em si e um site, à qual fizeram um concurso para fazerem o símbolo a ser usado. O prémio era um estágio na TV Tel. And the winner is:

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

O significado do nome MVM salientava na filosofia do canal: Moda, Vídeo e Música. Um canal para jovens que combinava telediscos de artistas da altura (em particular de talentos ainda pouco conhecidos) com programas para jovens em geral, com imensa moda à mistura. Uma espécie de renascimento do extinto Sol Música, só que noutros moldes e operado por uma empresa mais fraca.

O site do canal esteve integrado no portal  Neo, uma tentativa falhada da TV Tel para concorrer com sites como o SAPO ou a Clix.

O apogeu chegou em Maio de 2008, quase um ano depois do seu lançamento, onde o canal chegou à ZON, meses antes da compra dos operadores regionais. O canal manteve-se mais ou menos no mesmo até que, em 2011/2012 (entre um ano e outro), a NEXTV decidiu vender o canal à NFM. Foi mais ou menos aqui que começa o descalabro.

Ora, estava eu a fazer zapping mais ou menos por alturas das férias da Páscoa (ou será que foram do Carnaval? Tive mais "férias" porque estive praticamente doente) de 2012. Ponho no MVM. O que é que estava a dar? Isto:

Esta aberração do Emanuel (não, não é o Emanuel Bandeira cuja canção dá nome à rubrica, é o "Emanuel" do Américo Monteiro). Em suma, música pimba num canal supostamente "para jovens". Mas o canal não vivia só de pimba: o ar jovem, a "lufada de ar fresco" de 2007, tudo isso mudou. Estrearam programas tipo o da Veríssima e, mais tarde, um programa com o José Castelo-Branco, contribuição também para o Altos e Baixos do Canal Q. O canal entretanto voltou às mãos da NEXTV, onde o canal começou a piorar cada vez mais.

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

No ano de 2016, o canal foi vítima de duas renovações em tão pouco tempo. Não, afinal estava enganado. Três renovações.

Hidden Content

    Sign in or sign up to see the hidden content.

Entre Março e Novembro, o canal (Movimento com Vontade de Mudar) passou por três renovações: o símbolo dos tempos da TV Tel foi abandonado depois de quase nove anos no ar, foi substituido por algo que parece um M colado a um V. Eventualmente o canal mostrou as suas "novas cores", as cores da bandeira de Angola. Os antigos donos embalsamaram 20 milhões de euros para vender a RTV e a MVM para angolanos. O resultado da MVM: uma pioria considerável da sua programação, onde chegaram a incluir também programas como o Angola Hoje graças a um acordo com a TPA, ou o Isto é Matemática (como se dar nas SICs temáticas não fosse suficiente).

Em 2017, tudo mudou. Actualmente, uma fatia considerável da sua programação consiste em música gospel brasileira. Não estou a gozar, e em Portugal ainda não existe mercado para tal. (Ou seja, o canal passou a investir, de uma forma algo subliminar, num mercado pouco explorado em Portugal.) É verdade, 80% da grelha semanal consiste em música gospel, ou seja, quase todo o dia com só umas horas de desvio. Nestes últimos dez anos, um canal que começou com tanto potencial teve o seu potencial reduzido a cinzas graças a várias mudanças administrativas. Teríamos, por exemplo, programas dedicados à K-Pop pouco tempo depois do sucesso do Gangnam Style, mas este mercado infelizmente não tem a popularidade que tem na Ásia ou numa rapariga peruana. Isto da K-Pop já passou de moda, pouca gente ainda quer saber das novas dos 2NE1.

Acabo este post antes de que alguém tenha a ideia de alterar mais uma vez as cores do canal para passar a ser um canal de entretenimento africano para começarem a passar filmes e músicas ganesas, porque com a administração actual, o canal não tem um rumo.

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...