Jump to content

Tempestades de Verão


Jão
 Share

Recommended Posts

Muito obrigado a todos vocês que tem acompanhado a história. :):P Não há satisfação melhor, do que receber esse feedback positivo. :blush::happy: Espero não desiludir ninguém nos capítulos restantes! :D

acho que se vê que adoras escrever :P
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

4.jpg

 

 

 

 

Capítulo 5 - Aos Olhos de Deus e aos Olhos dos Homens

[Antepenúltimo Capítulo]

 

 

 

 

No dia seguinte acordei numa cama de hospital. Mal consegui abrir os olhos, mas logo reparei na presença da Soraia ali ao meu lado.

- Renato, consegues ouvir-me?

- Consigo.

- Ainda bem. Ontem quando desmaiaste trouxemos-te para o hospital. Tens alguns ferimentos ligeiros, nada de grave. Os médicos só estão à espera que recuperes a total consciência para te darem a alta médica.

- A mãe?

- Está lá fora. Ela não me consegue encarar. Prefere estar lá fora no corredor enquanto aqui estou. Quando eu saía ela vinha ver como estavas.

- E o pai?

- Não sei. Desde ontem que não temos notícias dele. Provavelmente já deve ter voltado em casa, como passamos a noite toda no hospital não se sabe nada dele. Mas está tudo bem… dentro do possível. Tenta descansar. Em breve já vamos em casa. – ela passou-me a mão pelo rosto. Foi bom voltar a sentir o doce perfume da pele dela.

Voltei a cair no sono, acordei algumas horas depois. A minha mãe era quem estava ao meu lado. A expressão da cara dela era de desgosto e tristeza.

- Mãe?

- Descansa. Sentes algumas dores?

- Um pouco.

- Tens fome?

- Não.

- Tens sede?

- Não.

- Tens frio?

- Não.

- Tens…

- Estou bem, mãe! – interrompi. – Estou bem!

Ela não conseguia olhar-me nos olhos. Ela saiu e momentos depois entrou a Soraia.

- Soraia não quero voltar para aquela casa. Não vou querer este mau estar entre nós, a mãe e o pai. Assim que sair do hospital farei as minhas malas e irei ficar num quarto lá no hotel onde trabalho até arranjar um apartamento para mim.

- Compreendo. E eu?

- Queres vir morar comigo?

Ela sorriu.

- É uma oferta?

- Pode ser. – sorri. – Quero-te comigo.

Peguei na mão dela e beijei-a.

– Amo-te.

- Também te amo Renato.

A porta abriu-se e a minha mãe entrou. Certamente ela ouvira aquelas últimas palavras, pois lágrimas começaram a cair de novo dos olhos dela, por mais que ela tivesse disfarçado eu consigo reparar.

- Renato o médico disse que te vai passar agora a alta. Podes preparar-te para irmos embora.

- Mãe, precisamos conversar. Os três.

- Não vejo necessidade disso. Está tudo esclarecido.

- Não mãe, não está nada esclarecido! Eu compreendo a tua reação, mas porra! – lágrimas correram pelo meu rosto. – Estamos a falar de amor! Amor, mãe! Será que não entendes? É apenas, amor.

- Amor? Que amor? Isso é incesto! É monstruoso! Abominável!

- Treta! Qual o mal, diz-me, de dois irmãos se amarem? Que tem de mal uma manifestação de amor? É honesto, verdadeiro, sincero e incondicional.

- Mas não é correto. Nem aos olhos dos Homens, nem aos olhos de Deus!

- Mãe, como não será o amor uma coisa correta? Porque temos apenas um elo físico que é o sangue que corre nas nossas veias já somos impedidos de amar? Por sermos ambos teus filhos, não podemos nos sentir atraídos e apaixonados?

- Mãe, eu amo o Renato. E ele também me ama.

- Vocês não entendem… e o que os outros pensariam?

- Aparências. É isso que te preocupa? A opinião alheia?

- Claro que não Renato!

- Então o que há de mal?

- É que… não é correto. E por favor, fala mais baixo. Estamos num hospital, tudo o que menos quero é que isto se torne público.

- Mãe, nós amamo-nos. E nada vai mudar isso. Somos adultos e donos do nosso próprio nariz. Estamos a lixar-nos para o que os outros podem pensar ou deixar de pensar. Já tu tens duas opções. Aceitas ou não aceitas.

A minha mãe apenas chorava e não respondeu. Saiu a correr pela porta fora.

- Como sempre, ficamos só nós os dois. – disse Soraia.

- Parece que a partir de agora, seremos apenas nós os dois…

- Nós os dois, contra o mundo. – rematou Soraia.

 

 

 

 

No próximo capítulo:

O nosso caso tornara-se público e apercebi-me disso quando o rececionista olhou-nos com desprezo. Ele reconhecera-me. Porém não desistimos, e ficamos ali naquele mesmo hotel.

 

 

 

O final está próximo.

 

Grandes revelações, mágoas, surpresas, tristezas, esperança e acima de tudo amor é que se se espera dos capítulos finais de Tempestades de Verão. 

 

Uma história que sempre foi sobre e apenas AMOR. 

 

Não perca os últimos capítulos.

  • Like 4
Link to comment
Share on other sites

Que interessa para além do Amor quando ele é Verdadeiro?! Nada! Esta história é o espelho disso :D Mas estou com receio do final... estou para ver o que vais fazer João  :rolleyes:

 

Por acaso também fiquei com um bocado com receio quando o escrevi, mas acho que aquilo que escrevi é a opção que faz mais sentido.  :)  :P

 

Tens uma história mesmo emocionante João, gosto muito :P Amor verdadeiro e incondicional :cray:

 

Obrigado. :)  :D

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Ai nem acredito :cray: Não acredito que a Soraia morreu :cray:  Só depois da desgraça é que a mãe deles perdoou...

 

Fogo João, conseguiste surpreender-me, nada à espera, até me vieram as lágrimas aos olhos :( Adorei esta "aventura". Esperamos uma próxima tua :D

 

Obrigado Tiago.  :happy:  :P

 

p.s: ela não tinha nada a perdoar, apenas ser perdoada.  :rolleyes:  :)

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...