Jump to content
ATVTQsV

79: Os Padrinhos Mágicos

Recommended Posts

0: INTRODUÇÃO

Num daqueles dias de Janeiro de 2004, ali por volta das 18 horas de um dia útil, a minha vida, a minha própria visão das coisas, mudou por completo. No Canal Panda eu via regularmente o Doraemon, em espanhol e com legendas. Mas tudo mudou quando os meus olhos depararam-se com esta obra-prima da animação americana que na altura chamava-se Os Meus Padrinhos são Mágicos.

Para um telespectador do Cartoon Network, a animação foi um regalo para os olhos. Uma experiência sensorial que na altura tornava o Canal Panda num canal mais prazeiroso. A animação tinha trejeitos à Cartoon Network, falada em português mas com as canções em inglês (alguém teve falta de dinheiro para traduzir as canções todas). Portugal passou a contemplar uma série inteira onde as fadas conviviam com crianças pobres e incompreendidas como eu, com quase seis anos.

Esta edição da tua história de subestação vai ser dividida em capítulos, com o tempo vão saber de que é que estou a falar. Não concedam os desejos, já que isto precisa do seu tempo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

1: DESENVOLVIMENTO

O conceito por trás de Os (Meus) Padrinhos (são) Mágicos data de 1997. Na altura, Butch Hartman, criador da série, estava no Cartoon Network a trabalhar para séries do canal: O Laboratório do Dexter, Cow e Chicken, Eu Sou o Weasel e Johnny Bravo - séries que saíram do What-a-Cartoon!, que concedia novas séries ao canal que tinha acabado de diversificar a sua grelha com séries próprias. O conceito: um desenho de um rapaz de dez anos - inicialmente Mike mas que depois mudou para Timmy - tinha poderes mágicos (eram para ser científicos mas iria evitar um conflito com o Dexter). Para tal, bastavam só duas fadas e o conceito estava pronto em cerca de um quarto de hora. Inicialmente a série era para ser do Nickelodeon, mas depois de conflitos trouxe a ideia para a Hanna-Barbera e o Cartoon Network, mas rejeitaram à brava. Regressou ao Nickelodeon e aprovaram a ideia. A série foi colocada na antologia Oh Yeah! Cartoons, que era tipo a resposta do Nickelodeon ao What-a-Cartoon, mas num canal com um trajecto de animação mais desenvolvido do que o do Cartoon Network na altura.

A 4 de Setembro de 1998, ia ao ar nos EUA o primeiro episódio piloto de dez que foram emitidos até 2001, com animação mais rasca comparado com a série que mais tarde nasceu a sério. As personagens tinham outra aparência, o Cosmo e a Wanda tinham as personalidades trocadas, etc. Estes pilotos nunca deram em Portugal pelo que sei, pois nem a SIC ousou emitir a antologia (com base nos meus dotes do que dava no Buéréré, pois os detalhes por volta de 1999/2000 estão mais limitados) e, como só os descobri em 2006 e criticava a qualidade da animação (eram só pilotos), considerei-me na altura com muita sorte, pois era muito bebé quando o Cartoon Network já tinha deixado de lado os pilotos mais inferiores das Powerpuff Girls para passar a série a sério. Outra coisa: o boné do Timmy era para ser azul
The_Fairly_OddParents_postcard_1998.jpg
mas havia um problema: coincidia com a cor do quarto dele. Mudaram para um rosa-roxo que era o da camisola.

latest?cb=20101226213040&path-prefix=en

O Nickelodeon aceitou a série e optou por uma temporada de seis episódios mais um especial de Natal. Inicialmente a temporada reduzida serviria como maneira para testar a preferência dos telespectadores. Caso a temporada tivesse poucos telespectadores, a série iria ser cancelada. Porém, a série criou toda uma onda de popularidade que chegou a estar a par de outra série icónica do canal, SpongeBob SquarePants a um ponto que ultrapassou a audiência infantil pretendida. As audiências subiram entre 2002 e 2003 e chegou a ultrapassar o SpongeBob nas audiências e chegou até a ser a série infantil mais seguida nos EUA e na Austrália. Isto gerou alguns telefilmes: Abra-Catastrophe, Channel Chasers e School's Out!: The Musical, e à medida que os anos avançavam, a qualidade subiu. A série espalhou-se por toda a parte e gerou uma base de fãs bastante extensa no Brasil e na América Latina. A série foi cancelada em 2005, mas quem liga? Pois o conceito antes e depois de ser cancelado mudou, e isto vai ter o seu próprio post.

Share this post


Link to post
Share on other sites

2: AMBIENTE E PERSONAGENS

A série desenrolava-se em dois ambientes base: a cidade de Dimmsdale e o Mundo das Fadas.

latest?cb=20101121164844&path-prefix=en

O lugar central da série é Dimmsdale, cidade imaginária localizada no norte da Califórnia (se bem que a geografia assemelhava-se a Los Angeles, com as montanhas e tal). Timmy Turner vive nesta cidade e é lugar de pontos de interesse como o Dimmsdale Dimmadome, o bode do presidente da câmara e a escola que o Timmy frequenta.

latest?cb=20100418231011&path-prefix=en

Por outro lado, o Mundo das Fadas é um lugar distante onde vivem as fadas todas. Para manter equilíbrio, são forçadas a viverem com base no livro das regras.

latest?cb=20180813140232&path-prefix=en

Timmy Turner tem dez anos e é "um miúdo normal que ninguém compreende". Os seus pais são desobedientes e tem de viver à mercê da babysitter malvada Vicky. É vítima de bullying na escola e acha a sua vida miserável. Tudo mudou quando uma bola de bilhar mágica revelou os seus padrinhos mágicos, o Cosmo e a Wanda, e tem de viver à custa deles para tentar melhorar a sua vida.

Cosmo image

O Cosmo é o padrinho do Timmy. Tem uma personalidade bastante cómica, a um ponto que chegou a gostar de uma moeda e que chorou quando a perdeu. A sua falta de inteligência já tem séculos, pois afundou a Atlântida nove vezes (como é que isto é possível?).

WandaFOP

A Wanda (que na nossa dobragem costuma ser Vanda) é a madrinha e é todo o oposto do Cosmo. Os desejos a ela concedidos são mais "consistentes" e é a mais inteligente das duas. O seu pai, mostrado num par de episódios, era da máfia das fadas.

Mr Turner main pageMrs Turner main page

Os pais (desobedientes) do Timmy preferem passar os dias fora de casa. O pai trabalha na Lápis Nexus (nas temporadas mais recentes) e nem sequer estudou na escola por alguns anos. A mãe também é louca, uma altura chegou a fazer previsões malucas no noticiário do Chet Ubetcha que se tornaram em realidade. Já trabalhou como agente imobiliária.

Vicky7

O elo de ligação entre os pais e o Timmy é a Vicky, uma baby-sitter adolescente com um comportamento cruel para o Timmy. A sua malvadez é mostrada em toda a sua falta de esplendor quando os pais do TImmy não estão em casa.

Denzel Crocker

O professor de Timmy Turner, Denzel Crocker, é um professor com instabilidade mental. Isto porque ele anda à procura das FADAS! e anda a encontrar provas suficientes de que o Timmy turner tem PADRINHOS MÁGICOS! e por causa da sua insistência, é uma das personagens mais sádicas.

Jorgen Von Strangle

A fada mais poderosa do Mundo das Fadas é Jorgen Von Strangle, que foi inspirada em Arnold Schwarznegger (e se termos em conta algumas influências dos Simpsons, Rainier Wolfcastle do "filme que a série escondeu nos episódios" McBain). Não usa asas porque são coisas mais "femininas". O livro As Regras (sim, este é o nome) é dele, e quem desrespeitar as regras mais estranhas terá uma punição do próprio.

Trixie

A Trixie é a menina mais popular da escola e o suposto amor do Timmy. Apesar de ter a mesma idade do Timmy, é mais alta. O Timmy tenta namorá-la, mas sem sucesso.

Fop vector 4 chester mcbadbat by rainyhooves-d6ewtc4

O Chester é pobre. Vive numa caravana (tal como as Irmãs Leal Kanker Sisters) e é pobre no baseball. Odeia actividades consideradas "educativas" e tem um pai pouco higiénico.

Stock Image of A.J.

O AJ é o contrário. É tipo um clone afro-americano do Dexter mas num laboratório minúsculo (que na verdade é mantido em segredo e que dá para mudar para o seu quarto) e vive numa mansão, pois os seus pais são ricos. Apesar da sua inteligência ainda partilha o interesse por BDs do Timmy e do Chester.

Elmer Stock 2018Sanjay Stock Image

O Elmer e o Sanjay eram personagens menos significativas. O Elmer era problemático pois tinha um furúnculo com personalidade própria e o Sanjay era tipo o AJ com etnia do sul da Ásia.

Share this post


Link to post
Share on other sites
há 5 horas, ATVTQsV disse:

"um miúdo normal que ninguém compreende".

Ia jurar que ele era "um miúdo anormal que ninguém compreende". Anormal as in nerd, porque, por alguma razão em traduções portuguesas antigas, nerd/geek era traduzido para "parvo" ou "idiota".

Mal posso esperar pelo resto da crónica, especialmente na dobragem. Por falar em dobragem, já reparaste que o misterioso dobrador do pai do Timmy é parecido ao locutor destes anúncios:

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

É outro, pois este locutor faleceu em 2000. O dobrador do pai do Timmy, cujo nome me escapa, não é o mesmo. Ainda vou falar da dobragem.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...