Jump to content

Saúde & Bem-Estar


Recommended Posts

  • Replies 545
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Bem, eu pensei muito antes de fazer este post. Nunca fui de me mostrar muito por aqui, extra-TV, e sinceramente nem acredito que o estou a fazer, mas a minha personalidade impede-me de conversar sobre

Sei que não é o melhor momento e que não vai mudar nada, mas @Pedro M., eu AMO-TE! És o meu forista preferido, do lado do bem (SIC), comentador super completo e construtivo, sempre ponderado, não

Obrigado pelos vossos comentários. Precisava de falar um bocadinho sobre isto e este foi o caminho mais fácil. De vez em quando há algum acontecimento que é um gatilho para caírem todas as minha

  • 5 months later...
  • 1 month later...
  • 3 months later...
Bem, eu pensei muito antes de fazer este post. Nunca fui de me mostrar muito por aqui, extra-TV, e sinceramente nem acredito que o estou a fazer, mas a minha personalidade impede-me de conversar sobre isto com pessoas próximas, sinto um bloqueio, sei lá, e sinto que preciso de partilhar com alguém.
Já não é de agora que eu passo por momentos mais complicados de vez em quando, e sinceramente sem razão de ser. No segundo ciclo passei por uma fase estúpida em que todos os dias tinha medo que os meus pais morressem e adormecia todos os dias a chorar, e não sei porquê, não faço ideia de onde isso veio porque não passei por alguma situação traumática nem nada do género. Os meus pais chegaram a levar-me a uma psicóloga, mas acho que era daquelas coisas que pronto, o curso está tirado mas inteligência mesmo para lidar com as crianças, zero. Nem me lembro das consultas, sei que depois deixei de ir, as coisas acalmaram (nem sei como, sinceramente tenho memórias muito vazias dessa época) e pronto. Hoje acho que devia ter sido acompanhado por alguém a adolescência toda. Os meus pais não viram isso, e não os culpo porque são os melhores pais do mundo, mas eles não perceberam (e não sabem até hoje) da minha real situação.
O que é certo é que o tempo foi passando, tive uma infância normal, tudo em paz, mas depois houve outra coisa que surgiu e que me acompanha até hoje: o facto de estar perdido quanto àquilo que eu quero ser enquanto adulto, profissionalmente falando. Desde a adolescência que estou nessa situação. Completamente perdido e sem interesses em nada. Segui por determinada área, que não me preenche, mas para algum lado tinha de ir, só que ao mesmo tempo não consigo dizer aquilo que me preencheria. E é uma situação difícil, às vezes sinto que não tenho jeito para nada, que não ando a fazer nada de útil na vida... Se calhar há pessoas que me insultavam se eu dissesse isto. Há quem passe fome, há quem tenha uma vida miserável, enquanto eu pude estudar, os meus pais esforçaram-se (e não foi fácil pagar a Licenciatura, eles fizeram mesmo um esforço incrível), tenho um emprego na área, acabei de assinar um contrato de trabalho... Mas não deixo de me sentir perdido, de andar aqui anos da minha vida a fazer coisas que não me dão prazer nenhum.
O caso mais flagrante acabou de acontecer: andei a fazer uma cadeira isolada específica, para evoluir na minha área, mas provavelmente vou chumbar, porque a minha falta de motivação é tanta que não consegui mesmo concentrar-me e fazer tudo aquilo que devia. É um fracasso pessoal, ter-me proposto a fazer uma coisa e não a concluir, senti-me um lixo o fim de semana todo por não conseguir concluir algo a que me propus.
Eu costumo pensar que mais valia ter sofrido algum trauma na infância, assim pelo menos sabia de onde é que esta tristeza vinha. É parvo pensar assim, mas é o que é. Eu não sei de onde isto vem, qual é a origem para esta sensação de não pertencer a nenhum lado e de não me motivar com nada, de não ter paixão por quase nada... É assustador pensar que ninguém à minha volta sabe absolutamente nada daquilo que eu estou a sentir. Eles não fazem ideia daquilo que eu tenho sofrido durante anos. E por mais que eu tenha uma família incrível e que saiba que posso falar com qualquer um deles, eu não consigo. Não consigo despir-me e mostrar as minhas reais angústias. Se nem eu as percebo. Nem eu sei bem de onde vêm. Não tenho nenhum tipo de trauma infantil, nunca sofri maus tratos nem nada que se pareça, a minha família mais próxima é maravilhosa, não tendo uma vida cheia de dinheiro, nunca passei por problemas financeiros assim mesmo à séria, e simplesmente mesmo assim há alturas em que não me apetece viver. É uma angústia que eu não entendo.
Para piorar acho que devo ter algum grau de fobia social ou algo do género, porque tenho uma imensa dificuldade em mostrar-me às pessoas e a lidar com elas. 
E fico chateado comigo mesmo por me sentir assim. Eu não gosto de mim. Não gosto da forma como lido com algumas coisas, não gosto de certas coisas que sinto, e acho sempre que os outros vão ter sempre uma opinião negativa sobre mim, então prefiro tentar passar despercebido.
Às vezes tenho períodos em que estou bem (ou normal), mas depois há certas situações que são o click para me ir abaixo. No ano passado experimentei pensamentos suicidas pela primeira vez. E de vez em quando eles ressurgem. Houve um dia em que estive perto de concretizar isso. Não chegou a acontecer, e nos últimos tempos não tenho pensado nisso, mas a verdade é que eles vão assombrando quando existe alguma situação stressante. Basta algo que me deixe em baixo que sinto uma avalanche de pensamentos negativos e uma sensação insuportável de que não estou aqui a fazer nada.
Existe ainda a questão da minha homossexualidade ou bissexualidade, ainda nem sei bem. Ninguém sabe, e ninguém vai saber por enquanto porque não estou preparado. Mas isso não me afeta muito. Dá-me medo em relação ao futuro, mas acho que não me afeta, no sentido que, para mim, interiormente, é uma coisa bem resolvida e aceite desde muito novo, não é uma coisa contra a qual lute. Acho que não tem nada a ver com estes sentimentos depressivos que eu sinto. (A não ser que me afete sem eu ter consciência disso.)
Já há alguns meses que eu ganhei noção de que preciso de ajuda profissional, mas ainda não tive coragem de dar um passo em frente e ir buscar essa ajuda. Como este fim de semana houve então um desses tais acontecimentos que dão o click para me ir completamente abaixo, precisei de desabafar. Acreditem que expor-me desta maneira aqui já foi um passo enorme. Mas eu preciso de agir e não continuar a afundar-me assim. Talvez algum de vós já tenha passado pelo mesmo e saiba o que dizer. 
(Ainda nem acredito que escrevi isto assim, deve ter sido a situação em que fui mais transparente em relação aos meus sentimentos. Que se lixe, aqui fica.)
Também me revi em muito do teu texto e os comentários antes do meu são um bom exemplo que muitos de nós muitas vezes não sabemos qual é o nosso caminho, aliás pessoalmente até acho que isso é a maioria.

De facto, saber desde cedo o queres ser/fazer/etc. deve retirar muitas das angústias que muitos de nós passamos, embora também essas pessoas possam ficar sem chão quando não conseguem realizar o que idealizam.

Eu não sou ninguém para dizer o que deves fazer, até corro o risco de ser hipócrita por recomendar algo que eu não faço mas devia fazer, contudo como tu próprio disseste a ajuda profissional pode ser de facto uma ajuda.

Os amigos e familiares podem e são importantes, mas pelo teu texto parece-me que o caminho é tu te conheceres, conseguires perceber o que se passa contigo. E essa descoberta provavelmente só a vais conseguir fazer se fores guiado, os amigos apesar de toda a sua importância dificilmente te vão conseguir ajudar a fazê-la daí alguém especializado ser possivelmente a melhor opção.
  • Like 3
Link to post
Share on other sites
há 12 horas, AGUI disse:

Tu compreendes tão bem o mundo televisivo. Nunca pensaste em dedicar-te profissionalmente a ele?

Já pensei, sim. Acho que ser de um meio pequeno também não ajuda, por aqui as opções não são muitas e falta-me um bocado a coragem de me atirar de cabeça e correr atrás. Fui ficando nesta área e resignei-me, mas já há algum tempo que eu tenho a noção de que preciso de outras coisas. Tenho uma coisa em vista, mas lá está, ainda não me sinto preparado para realmente me aventurar e deixar a vida atual para trás, lidar com as questões que daí podem surgir. Quem sabe daqui a uns tempos.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
há 1 hora, Pedro M. disse:

Já pensei, sim. Acho que ser de um meio pequeno também não ajuda, por aqui as opções não são muitas e falta-me um bocado a coragem de me atirar de cabeça e correr atrás. Fui ficando nesta área e resignei-me, mas já há algum tempo que eu tenho a noção de que preciso de outras coisas. Tenho uma coisa em vista, mas lá está, ainda não me sinto preparado para realmente me aventurar e deixar a vida atual para trás, lidar com as questões que daí podem surgir. Quem sabe daqui a uns tempos.

Acho que tens mesmo de te atirar de cabeça. Se a vida atual apenas absorve o teu ânimo e te corrói por dentro, tens mesmo de arriscar. E o mundo da televisão vai além dos canais de TV. Sei de foristas brasileiros que conseguiram empregos no IBOPE devido aos grandes conhecimentos sobre audiências, em que nas entrevistas de emprego as pessoas ficavam surpreendidas por todos os conceitos sabidos. Não é um conhecimento comum e é mesmo raro para a maior parte dos funcionários desse tipo de empresas no seu início. e rapidamente esses foristas atingiram cargos de topo. Não sei efetivamente como funciona esse mercado cá e, além de ser mais pequeno, acredito que tudo se processe de forma mais fechada e lenta, mas é questão de te informares e, quem sabe, perguntares como foi essa escalada para eles.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
On 7/15/2020 at 2:58 AM, Luíza Albuquerque said:

Sei que não é o melhor momento e que não vai mudar nada, mas @Pedro M., eu AMO-TE!

És o meu forista preferido, do lado do bem (SIC), comentador super completo e construtivo, sempre ponderado, não cede aos ataques das fanáticas da TVI, tens o nome do grande amor da minha vida a seguir ao dinheiro.

Eu arrisco-me a dizer que entrei no fórum para não deixar de te ler quando instauraram o limite de páginas para anónimos.

Dentro dessa moderação toda, sempre achei que estivesse uma pessoa calma e segura por trás e, sinceramente, sempre apreciei que não te mostrasses muito perante entidades forísticas cujas pessoas reais por detrás nunca se vai saber bem quem são. Sempre interpretei isso como inteligência.

Fico genuinamente triste por perceber que encerras esse bocadinho de escuridão e infelicidade que te tolda a vida nos mais variados componentes.

É muito difícil para mim conseguir ajudar alguém desta maneira, até porque uma vilã deve fazer maldades e não ajudar (q), mas perante o teu apelo sincero, que imagino que tenha sido um último recurso, só posso motivar-te a aproveitares o lanço e falares com o teu amigx mais próximo, nem que seja aos bocadinhos.

Tens aí pequenas variadas coisas que precisam de uma ajuda profissional qualificada para serem orientadas, nomeadamente relacional e profissional, mas isso vai levar bastante tempo. O que mais me aflige é a ideação suicida, por motivos óbvios, e é essa que tem de ser mais urgentemente partilhada. O estado de saúde mental deve ser avaliado por profissionais da área, mas parece-me que tens aí encerrada uma depressão, pelo menos pela descrição e pelos sintomas. Os pensamentos suicidas são mesmo o mais preocupante, pelo menos numa fase aguda.

Como diz um psiquiatra que gosto de ler, "falar é o princípio da solução". Não tens, não podes passar por isso sozinho.

Obrigada pela tua partilha, meu querido. Tu vais vencer isso e vais ser rei e senhor da SIC. E, nessa altura, eu poderei dizer orgulhosamente que és um homão da porra e inventar um relacionamento entre nós para os foristas da altura que não estão cá hoje e ainda hão de chegar. :cryhappy: Concordo plenamente com o @AGUI, eu até sempre achei que fosses de ciências da comunicação no mínimo.

Beijinho.

Lulu você falou tão bem. Só há aí uma coisa...

Spoiler

VOCÊ JÁ TEM HOMENS SUFICIENTES, deixe o Pedro.

 

  • LOL 1
Link to post
Share on other sites
  • 4 weeks later...

Amanhã vou à praia pela primeira vez em mais de um ano (nem parece que sou de Aveiro) e admito que não me gosto de ver com pêlos... tenho cera (em bandas e frasco) mas só de pensar na confusão que faço fico sem vontade 

 

alguém tem dicas sobre métodos depilatórios ?

Edited by creampie
Link to post
Share on other sites
há 16 horas, creampie disse:

Amanhã vou à praia pela primeira vez em mais de um ano (nem parece que sou de Aveiro) e admito que não me gosto de ver com pêlos... tenho cera (em bandas e frasco) mas só de pensar na confusão que faço fico sem vontade 

 

alguém tem dicas sobre métodos depilatórios ?

Não sei que dicas queres, acho que não te digo nada que não saibas, mas tens sempre aqueles cremes depilatórios para usar no banho ou a típica Gillette... Se tiveres máquina de barbear pode ser uma opção útil também. 

Link to post
Share on other sites
há 3 horas, Diogo Marreiros disse:

Se a minha esteticista lesse isto, dava-te um tiro.:cryhappy:

 

Acho que nós todos sabemos que é do pior que podemos fazer.

Mas depois ao menos não sofremos... :cryhappy:

Edited by Francisco_D
  • Like 1
Link to post
Share on other sites
  • 4 weeks later...
On 13/08/2020 at 10:03, creampie disse:

Amanhã vou à praia pela primeira vez em mais de um ano (nem parece que sou de Aveiro) e admito que não me gosto de ver com pêlos... tenho cera (em bandas e frasco) mas só de pensar na confusão que faço fico sem vontade 

 

alguém tem dicas sobre métodos depilatórios ?

Vai a um profissional. Tenho amigos que até tiram  o pêlo do cu e há profissionais que fazem isso. Acho que é mesmo a melhor opção.

Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...

Tenho-me cada vez mais interessado por soluções e hábitos naturais na luta contra o cancro. É a doença que mais me fascina (negativamente, claro está), e penso que a indústria farmacêutica aproveita-se imenso destes doentes. Do que tenho vindo a pesquisar, há algo que parece ajudar mais do que tudo o resto: jejum! Se conhecem alguém que esteja a lutar contra esta doença, informem-se sobre o jejum. É um ótimo aliado para "cansar" e matar as células cancerígenas, e os tratamentos convencionais tornam-se assim mais eficazes. Há que ter algum cuidado quando se passam alguns dias em jejum; é necessário voltar a "alimentar" o organismo (vitaminas, curcuma, etc), sem no entanto comer o que quer que seja. A forma mais eficaz de fazer jejum é simplesmente não comer e beber somente água.

Fica a dica. Espero que nenhum de nós o tenha de enfrentar, mas nunca se sabe quando (e se) nos toca à porta...

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

×
×
  • Create New...