Jump to content

PierreDumont

Membros
  • Content Count

    40
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

12 Concorrente do Love on Top

About PierreDumont

  • Rank
    Vou ser o próximo Bruno Santos

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. TVTel dava seus canais por cabo ou satélite? como era a qualidade da imagem da TV Jornal do Recife na TVTel sabendo a diferença técnica entre Brasil (525 linhas e 30 frames por segundo) e Portugal (625 linhas e 25 frames por segundo)?
  2. A TV Cabo Branco (João Pessoa/PB) sequer tinha os slides dos programas, apenas a locução dos programas:
  3. PierreDumont

    Ouro Verde

    30 minutos de novela? vai durar uma eternidade! É fogo encurtarem a novela por causa do pastor! Já fizeram isso outras vezes no Brasil. Não apenas com Olhos de Água e Morangos com Açucar, mas com Segredos (os portugueses eram dobrados, os brasileiros não), Olá Pai e Equador. Já Paixões Proibidas e as angolanas deram no áudio original sem legendas. Não é exclusividade no Brasil, no México estiveram a dobrar uma novela argentina para o chamado "espanhol latino neutro".
  4. Aqui no Brasil, aonde a dobragem é predominante, existe a possibilidade de ouvir qualquer produção da TV à cabo ou da TDT com áudio original e legendas ocultas. Eu mesmo já assisti às novelas mexicanas em áudio original. É algo relativamente simples a ser feito, mas é necessário que o Zap Viva e o NOS disponibilizem a função: O Zap Viva é um caso deveras curioso: é generalista e ao mesmo tempo muito segmentado, pois seu foco está no imigrante africano já acostumado aos programas que dão na África como as novelas latinas. Aliás, Angola e Moçambique estão a consumir cada vez mais filmes, séries e novelas com dobragem em português brasileiro. Sinceramente, gostaria de saber como a dobragem do Brasil foi introduzida nesses dois países. Quando o Zap surgiu, em 2010, até o Zap Novelas era legendado. Suspeito de que o primeiro canal dobrado em português brasileiro tenha sido o TLN Network. Depois tenham introduzido a dobragem no Zap Novelas com grande aceitação. Por fim, surgiram os canais de filmes e séries com dobragem brasileira a partir de 2014: DStv Pipoca (começou com 12 horas de emissão e depois passou a 24 horas), Mundo Fox, Blast AXN Dublado, BoomTV e Eva.
  5. Se o áudio não estivesse em português, eu juraria que se tratava de alguma gravação feita no interior da Bolívia, Peru, Equador ou Bolívia... O Acre tem essa fama de "não existir" pelo seu grande isolamento em relação ao restante do país e tua tardia integração (se tornou território brasileiro por volta de 1903). Porém, não é só isso! O estado sempre sofreu com uma grande diferença horária em relação ao Rio de Janeiro (2 horas), mas a programação da TV nunca foi adaptada à região pelas dificuldades técnicas e financeiras. Resultado: toda a programação era exibida duas horas mais cedo na região. E a diferença acentuava-se durante a vigência do Horário de Verão, que costuma a abranger apenas a região centro-sul do país. E os absurdos eram comuns nos anos 80 e 90: a programação começava de madrugada (entre 3:00 e 4:00) e terminava muito cedo (entre 21:30 e 23:30). Era possível assistir aos desenhos animados apenas no amanhecer (o Xou da Xuxa era exibido de 5:00 às 9:00 no começo de 1991) e os programas "impróprios" no começo da noite (davam o Cine Privé, sessão de filmes eróticos, às 19:30 no verão de 1996). De uma maneira geral, todas as emissoras regionais de TV do Brasil eram muito precárias nos anos 80 e 90. Fui testemunha de uma época em que erros técnicos grosseiros eram constantes. Não raro, eles cortavam a programação nacional para a inserção de programas foleiros de produção regional.
  6. @ATVTQsV @skizzo Band tratrá a novela Ouro Verde ao Brasil A Band comprou os direitos de exibição da novela portuguesa Ouro Verde, produzida em 2017 pela TVI, uma das principais emissoras do país europeu. A produção foi vencedora do Emmy Internacional na categoria Melhor Novela desbancando superproduções do mundo todo. O Observatório da Televisãoapurou que a trama já foi aprovada por Johhnny Saad para ir ao ar logo após o fim da turca, Minha Vida (O Hayat Benim), que não teve suas próximas temporadas adquiridas e terminará sem o final original. A Band não confirma oficialmente a aquisição da novela. Todavia, o ciclo de novelas turcas não caminha para o fim, elas poderão retornar após a exibição de Ouro Verde, que não tem previsão de estreia na grade da emissora, informou nossa fonte. O elenco de Ouro Verde é integrado por grandes nomes da teledramaturgia brasileira como Silvia Pfeifer, Gracindo Júnior, Úrsula Corona e Zezé Motta, além do português Pedro Carvalho, no ar em A Dona do Pedaço de Walcyr Carrasco como Abel. Silvia Pfeifer também pode ser vista no Brasil como a Mariinha de Topíssima, na Record TV. Polêmicas, referências e trilha sonora brasileira Ouro Verde também foi uma novela cheia de polêmicas, causando até protestos. Segundo informações publicadas pelo site Jornal de Notícias, de Portugal, a trama abordou de forma errônea sobre a vida de pessoas que sofrem de Doença de Crohn (Uma patologia inflamatória do intestino). A Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino (APDI) emitiu uma nota, na época, reclamando da situação. “Em vez de estar a ser feito um trabalho meritório e correto, que poderia estar a contribuir para acabar com a iliteracia em saúde junto dos portugueses, relativamente às doenças inflamatórias do intestino, a TVI está a incorrer em erros terríveis, clínica e cientificamente, que só vão contribuir para aumentar o estigma e a falta de informação da população sobre a doença”, afirmou a APDI, que enviou carta à TVI e se disponibilizou a ajudar os responsáveis pela novela a entenderem melhor a doença. Outra polêmica tem relação com a o Brasil apresentado na novela, de acordo com especialistas e críticos, Ouro Verde mostrou um Rio de Janeiro e uma Amazônia irreal. Mesmo com tudo isso, a trama foi um verdadeiro fenômeno. Sua trilha sonora contou com temas brasileiros como Velha Infância dos Tribalistas, Boa Sorte da Vanessa da Mata e Zezé Motta na interpretação dos temas Batuque de Angola e Ficar ao teu Lado. Há 15 anos a Band assinava acordo para exibição de novelas Portuguesas De olho no sucesso do SBT com as histórias mexicanas, em 2004 a Band foi estudar o mercado da teledramaturgia para tentar algum tipo de investimento, porém, antes de descobrir o fenômeno Floribella, a emissora dos Saad testou algumas produções de Portugal. Para isso, a Band assinou um contrato de exclusividade com a NBP, a maior produtora de conteúdo em teledramaturgia de Portugal. Foi então que trouxe ao Brasil as novelas Olhos d’ Água (2001) e Morangos com Açúcar (2003/2012). Depois dessa, a única produção que aproximou os dois países foi Paixões Proibidas (2006), uma co-produção com a mesma produtora. https://observatoriodatelevisao.bol.uol.com.br/noticia-da-tv/2019/06/band-compra-novela-portuguesa-vencedora-do-emmy-e-com-elenco-global Vão exibir com áudio original (como em Paixões Proibidas) ou vão dobrar os portugueses (como em Segredos)? E o tempo de emissão será tão curto quanto as novelas turcas? sim, porque Minha Vida tem capítulos com duração de 45 minutos com comerciais (20:25 - 21:10), tudo para garantir que o Pastor R.R. Soares tenha o melhor horário.
  7. As atrações de baixo orçamento eram relativamente comuns na Televisão do Brasil entre meados dos anos 80 e o final dos anos 2000, a ponto de criar-se uma verdadeira cultura "trash" no país. Sempre que você acessava aos canais mais altos da banda UHF ou da antena parabólica, era certeza de ver algum programa assim. Aliás, era possível ver alguns programas inusitados até mesmo em estações regionais e em horários marginais das grandes redes. Mas, nem todos os programas eram "produções independentes de responsabilidade de seus idealizadores". Alguns eram produções apoiadas, compradas ou mesmo diretamente produzidas pelas grandes emissoras de TV do Brasil. A facilidade de compra de horários e a grande quantidade de canais talvez tenha inibido o surgimento de Televisões piratas no Brasil. E existia de tudo o que se possa imaginar: desde programas musicais feito em quintais à programas eróticos com cenas de sexo amador bem antes da invenção do X-Vídeos. Podemos incluir nesta conta até algumas atrações relativamente conhecidas como as sessões de filmes "B", "C" e "D" programadas pelas redes SBT e Bandeirantes como o Cine Trash (que passava filmes de terror de baixo orçamento às 15 horas) ou o Cine Privé (que passava filmes eróticos às 22h30). Infelizmente tais espaços foram diminuidos na atual década pelo avanço das igrejas evangélicas e católicas. Também existem as TVs comunitárias, que são canais à cabo de carregamento obrigatório por parte de todos os operadores de cabo e satélite. Qualquer um pode ter acesso gratuito à esses canais, desde que haja algum interesse "social" e ali é que passam produções ainda mais precárias e foleiras .Mas não engana-se, muita gente conhecida começou com programas tão ou mais ruins que a Fadinha do Brasil: Fausto Silva, por exemplo, apresentava um programa iconoclasta nas madrugadas de sábado para domingo na TV Gazeta pelos idos de 1984. Até mesmo o polêmico filósofo Olavo de Carvalho, considerado o maior influenciador do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, participava de um programa político na TV Comunitária de São Paulo há uns 10/15 anos atrás. Gostaria de mostrar-lhe algumas pérolas da Televisão do Brasil: CD na TV, exibido nas madrugadas da RedeTV! e da CNT pelos idos de 2004 à 2006: Na antena parabólica era possível ver emissões de comerciais de produtos eróticos ou durante a madrugada: E um típico programa da TV comunitária: Esse singelo programa musical produzido em Fortaleza, no Ceará, nos anos 2000 e que tem a participação dessas moças puras, recatadas e "virgens". Estava disponível na antena parabólica até 2009. A TV Diário de Fortaleza fez tanto sucesso que teve o seu sinal codificado por exigência da Rede Globo em função da concorrênciaE: Também existia o programa da Regininha no começo da madrugada: E o reality show Glitter, em busca de um sonho:
  8. @ATVTQsV a Flavinha Cheirosa nem estreou e já está a dar problemas...isso porque gravou o seu programa no buffet infantil da Xuxa sem autorização. Até apagaram o post do Instagram, mas não tem problema, tem o YouTube a ajudar-nos: E é claro que ela foi repórter "erótica"...
  9. Sei que é uma mensagem muito antiga, porém não houve resposta adequada à vossa dúvida... Na Europa, África e maior parte da Ásia, convencionou-se que os canais analógicos tivessem 7 ou 8 Mhz de espaço, sempre com 625 linhas de definição (576 linhas ativas) e 25 quadros por segundo. Nas Américas, Japão, Coreia do Sul, Taiwan e Myanmar, adotou-se os parâmetros técnicos dos EUA: cada canal com 6 Mhz, quase sempre com 525 linhas de definição (480 linhas ativas) e 30 quadros por segundo. Na Argentina, Paraguai e Uruguai adota-se norma muito semelhante em relação ao espaço e numeração das frequências, mas usando 625 linhas de definição e 25 quadros por segundo como na Europa. Sabendo disto, deve-se dizer que os canais das normas M e N (Argentina, Uruguai e Paraguai) são "colados" um no outro em função do pouco espaço (6 Mhz), portanto deveriam ser ocupados de maneira intercalada para evitar interferência: Na cidade do Rio de Janeiro eram ocupados os canais analógicos 2, 4, 6, 7, 9, 11 e 13. Os canais 3, 5, 8, 10 e 12 não poderiam ser ocupados. A mesma regra era valida para a Banda UHF: se o canal 14 era ocupado, o canal 15 não poderia ser e assim por diante. As únicas exeções para canais adjacentes eram os canais 4 e 5 (porque existe um espaço de 4 Mhz entre eles) e os canais 6 e 7 (porque entre esses canais existia as rádios da banda FM). Nos canais que não eram ocupados, a única coisa que poderia ser vista era a estática. Os canais 3 ou 4 eram normalmente usados para conexão com o VHS, Videogame ou antenas parabólicas da Banda C (muito comuns no Brasil até hoje). Sobre o canal 1, ele simplesmente não existe no continente americano e a explicação é deveras curiosa: entre 1941 e 1948, a FCC (Comissão Federal de Comunicação, semelhante à ANACOM) dos Estados Unidos faz várias realocações de frequências e numerações por causa do surgimento da Televisão e da Banda FM. Nos primeiros anos da Televisão americana (anos 40) existia o canal 1, mas a FCC mudou os parâmetros técnicos e obrigou a NBC sair do canal 1 para o canal 4. Algum tempo depois, o canal 1 foi considerado uma "frequência comunitária de baixa potência" e antes de 1950 acabou por ser extinta para dar espaço maior aos radioamadores. Mas o FCC decidiu não renumerar as frequências, já que não houve mudança significativa (apenas um canal fora desativado). Muitos países das Américas passaram a comprar equipamentos de Televisão junto à empresas dos Estados Unidos, como a RCA e a General Eletric, e acabaram por copiar os padrões e exigências técnicas do FCC para não ter o trabalho de fazer algo do zero. A única exeção à regra é o Japão, que decidiu numerar os canais da Banda VHF a partir do primeiro canal, indo até o canal 12, mas os canais de lá são intercalados. Tudo isso mudou com a implantação da TDT (Televisão Digital Terrestre), que permite o uso do primeiro canal e de canais "colados". P.s.: sim, a Televisão analógica no Brasil tem definição menor que o padrão adotado por Portugal e até pela Argentina. A explicação não é díficil: os quadros por segundo eram sincronizados pela rede elétrica. A rede elétrica do Brasil é de 60 Hz por influência dos EUA e a da Argentina ou de Portugal é de 50 Hz. Metade de 60 é 30 e a metade de 50 é 25, assim eram medidos os quadros por segundo, sendo feita a compensação na questão da definição, mas a diferença não era tão grande. Vou dizer algo deveras polêmico, mas o sotaque português é muito gutural e omite-se muitas vogais, o que dificulta o pleno entendimento do vosso sotaque por parte de nós brasileiros, especialmente o "padrão lisboeta" e os sotaques da Madeira e dos Açores. A maioria dos brasileiros assim como os espanhois, italianos, franceses e alemães tem natural preferência pela dobragem. Não apenas por isso, mas as produções estrangeiras exibidas em Televisão de sinal aberto (FTA) devem ser obrigatoriamente dobradas por exigência legal desde 1962. Tal norma não aplica-se ao português europeu, mas a decisão "natural" dos radiodifusores é emitir com dobragem por essa dificuldade.
  10. Neste sábado, às 10 horas, vai estrear um novo programa infantil na Rede Brasil. Um clone do Xou da Xuxa gravado diretamente da Casa X. Programa da Flavinha Cheirosa
  11. Quando criança, sempre tive a curiosidade de saber para que servia o TELETEXTO que aparecia nas opções de Legendagem Oculta (Closed Captions). Sempe era um quadrado preto que cobria parcialmente o ecrã, mas que nunca tinha qualquer texto e só depois de muitos anos descobri o que era isso. Aqui no Brasil, nunca tivemos um serviço de Teletexto nos canais de Televisão. Apenas a antiga estatal telefônica (Telebrás) dava o Teletexto para serviços muito específicos como a consulta à lista de maus pagadores, não sendo de acesso público como na Europa. Talvez pela influência dos Estados Unidos, aonde o serviço não foi aceitado pela população. O Teletexto já estava bem avançado para 1979: Em 1981, o Antíope estava sendo experimentado e conseguia reproduzir gráficos de qualidade muito superior: Mas nada supera esse curioso engenho da Philips de 1983: um televisor capaz de imprimir teletextos:
  12. O R.R. Soares já está presente em terras lusitanas? o Brasil precisa indenizar Portugal por esse tipo de coisa...
  13. No Brasil, as operadoras são obrigadas a darem os canais Rede Vida, a Canção Nova, a TV Aparecida e a RCI (que emite a programação da TV Pai Eterno). Surpreende-me que não hajam velhas senhoras reformadas ultracatólicas que tirem alguns euros de suas pensões para manter a Angelus TV. Apenas dois canais católicos brasileiros vendem comerciais: Rede Vida e a TV Aparecida. Mas todos se mantêm com o dinheiro das pensões das senhoras católicas do interior.
  14. O Blast foi exclusivamente criado para ser um canal de filmes dobrados para o mercado africano e concorrer com o DStv Pipoca, que tem a mesma premissa. Se colocassem legendas e áudio original seria apenas mais um canal de filmes, a menos que seja uma selecção de filmes de ação. Aliás, o Blast já não dá apenas filmes de acção, dia desses emitiram a comédia Scary Movie 2. P.s.: Imagino que o nome DStv Pipoca seja inspirado no Telecine Pipoca, o primeiro canal premium do Brasil a dar apenas filmes dobrados (isso em 2004). Mudou algo?
×
×
  • Create New...