Jump to content

bacalhaucomnatas

Membros
  • Content Count

    23
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

61 Concorrente do Love on Top

About bacalhaucomnatas

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. "Ele é gay": José Castelo Branco sobre Daniel Guerreiro do 'Big Brother' O socialite não tem dúvidas e mostra que Soraia tem de abrir os olhos em relação ao colega do reality show. https://www.vidas.pt/a-ferver/detalhe/ele-e-gay-jose-castelo-branco-sobre-daniel-guerreiro-do-big-brother Quero o José Castelo Branco como comentador do BigGranny. Carregadinho de experiência com a Betty.
  2. Não indo a votações, a Sónia conserva a ilusão de popularidade. Ainda se vai casar em direto num próximo "Somos Portugal"
  3. Volta "5 Noites, 5 Filmes"!
  4. O Henrique (que uns anos depois chegou mesmo a entrar para uns missionários e depois saiu para virar poc...) era divertido à custa da Elsa (Elsa que com aqueles beijinhos intermináveis nos confessionários chegou a inspirar uma campanha publicitária de descontos da PT Comunicações ). À sua maneira, o Diogo também tem uma história de vida caricata (o ser nómada digital) e sentido de humor, só que mais sarcástico, menos popularucho (passaram-se quase 20 anos - é da geração do 'The Office'!)
  5. não estando ao nível de um Zé Maria, acho que a iconicidade do Diogo não é muito diferente da de um Henrique (BB2) ou Catarina (BB3)... (o 4 não acompanhei)
  6. "A Dois: Por Todos"... uns anões mais tarde a RTP1 copia-lhes o slogan.
  7. As sonoridades da 2: pareciam-me bastante up-to-date com o que era corrente na música mais electrónica do principiar do milénio, não desgostava.
  8. A produção já confirmou à Sónia que lhe continua a pagar o casamento para que ela não desista?
  9. Lembro-me de em miúdo, ao fazer zapping, deparar-me com coisas do tipo História do Teatro Português II, Pré e Proto-História de Portugal III ou Poéticas da Representação Artística V e ficar feito boi a olhar para o palácio... Um bloco de best-of de #EstudoEmCasa durante a semana ao final das manhãs ou a meio da tarde também não era má ideia para desenjoar de tanto Zig Zag, e se calhar roubava algum público aos talk shows da concorrência. Era desta que metade do público da Praça da Alegria e d'A Nossa Tarde tirava a escolaridade obrigatória!
  10. Eu queria era as cadeiras unidades curriculares da Universidade Aberta de regresso aos fins-de-semana pelo fim da manhã
  11. O "A Fé dos Homens" fazia sentido às 18h, para preparar as beatas para o Terço às 18h30 na Renascença A essa hora podiam transmitir um magazine ou documentário ligeiro e de seguida, às 19h, quando na RTP1 já terminou o Portugal em Direto, uma versão renovada do Sociedade Civil. (Claro que com o Sociedade Civil às 19h, agora não faço ideia do que a RTP2 deveria emitir às 14h... talvez repetições das suas séries de horário nobre? se houvesse dinheiro podiam recuperar o "Tudo em Família", um Sociedade Civil mais familiar, com a Margarida Mercês de Mello ou uma Isabel Stiwell ou Laurinda Alves
  12. Programa "Sinais do Tempo" que, se não estou em erro, servia para enquadrar aqueles documentários de produção internacional que agora passam à hora de jantar na RTP3... Lembro-me que numa série os documentários eram seguidos de entrevista/debate. Chegou a reaparecer anos mais tarde na RTPN: Valia a pena apostar num espaço assim para não tornar a exibição dos documentários tão avulsa e impessoal.
  13. mítico genérico em tempos cheguei a enviar mail para o João Garção Borges (o criador do programa, um cinéfilo á séria) a perguntar pelo autor da música, mas ele ou não o viu ou não quis responder
  14. Do pouco que conheço, tenho ideia que o La 2 tem uma programação mais popular (semelhante ao tempo em que a nossa TV2 também transmitia novelas) e um orçamento maior.
  15. https://www.rtp.pt/programa/tv/p39039 Hoje a RTP2 exibe, às 22h12, a primeira de três partes de um espectáculo inspirado n'A Divina Comédia, pelo prestigiado encenador Romeo Castellucci. É uma das marcas positivas da direcção da Teresa Paixão este cuidado com a programação de artes performativas. Ainda me lembro, no tempo do Jorge Wermans e da Paula Moura Pinheiro, esta última justificar-se no Provedor que a transmissão deste género de espectáculos na televisão não faz muito sentido, porque perdem a magia da fruição "ao vivo", do "directo"... Um bocado irónico que dez anos dep
×
×
  • Create New...