Jump to content

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation on 05/13/2018 in all areas

  1. 23 points
    A final fez: Com 16,0 de rating e 36,4% de quota média de mercado, o direto do Altice Arena teve valores só comparáveis, na RTP1, a um jogo de futebol. Às 23h39 aconteceu o melhor momento de todo o dia, de longe. Neste preciso momento em que se estava prestes a saber quem era o vencedor, o evento chegou aos 19,6/50,2%.
  2. 19 points
    Audiências: 1.482.000 espectadores | 34.9% de share. Subiu mesmo em relação ao ano passado, um resultado muito bom, tendo em conta que havia Procissão das Velas, festejos ainda do FCP, etc.
  3. 18 points
    Ora bem, segue testamento! Ver a Eurovisão ao vivo é algo completamente diferente do que ver a Eurovisão na TV. O ambiente, a celebração, a junção de pessoas que, independentemente de terem músicas favoritas diferentes, cantam tudo, berram em pleno pulmões letras que não percebem (eu ), enfim... É um mundo diferente, são 4 horas que passam a correr num misto de ansiedade e diversão. Num mar de bandeiras espanholas (España flopadora) e vestidos extravagantes de Verkas, nada podia ter sido melhor. Poder ver a Elina a dar tudo na Greenroom quando passavam algumas músicas foi muito bom também . Foi um sonho que se tornou realidade, depois de quase 10 anos a acompanhar isto, ano após ano. Foi uma noite excelente, na companhia de muita gente aqui do aTV que tornou tudo ainda melhor. Ana Moura e Mariza arrasaram logo para começar. Foi excelente, assim como a parada com as bandeiras foi excelente. Acho que tivemos uma final fortíssima. A Ucrânia abriu muito bem este ESC, a Espanha teve um momento bonito (impulsionado pela onda espanhola que acredita sempre que não vão flopar desta vez - já parece o Sporting, para o ano é que é), a Eslovénia esteve excelente, a Lituânia emocionou, a Áustria esteve bem (não tão bem para aquele 1º lugar do juri ), Estónia ao vivo é ainda mais arrepiante, Noruega foi catchy e até esteve melhor que na semifinal. Seguem-se os anfitriões, Portugal. Considero que estivemos bem. A Cláudia não me parece ter desafinado, mas aquele staging foi fraco. Já não ia com expectativas altas da nossa música, embora não acreditasse num último lugar, mas no geral fomos simplesmente... esquecidos. A invasão de palco do Reino Unido também não ajudou, até porque houve uma ENORME onda de apoio por parte do público. Se já lá estavam imensos britânicos para começar, aquilo elevou ainda mais a canção. A SuRie esteve excelente, muito bem mesmo. Sérvia também foi competente, adorei a Alemanha (estou contentíssimo com aquele 4º lugar, o melhor desde 2010), o Eugent da Albânia arrepiou-me com aquele vozeirão, houve uma receção também bastante calorosa para a França. A República Checa esteve muito bem; a Dinamarca é muito melhor ao vivo por acaso (ou pelo menos tem mais impacto); a da Austrália desafinou um pouco, mas até esteve bem; Finlândia esteve bem também (o 2º lugar persegue-a, se não é no topo da tabela, é no fundo ); Bulgária esteve melhor que na semifinal; Moldávia esteve muito bem também (adorei aquilo ); Suécia esteve ok, nada de mais - a voz do Benjamim nunca foi nada de extraordinário; e a Hungria teve um apoio generalizado do público - e serviu de aquecedor, porque sentia o calor das chamas de onde estava 😮 . Seguiam-se as favoritas: Israel teve um apoio enorme do público. Foi a melhor atuação da Netta, toda a gente vibrou com aquilo e ela não desapontou nem um bocadinho. Esteve impecável e o público aderia aquilo de forma impressionante. A Holanda e a Irlanda (momento cute da noite) estiveram bem também, embora naquela altura já toda a gente esperava pelo Chipre. Eis que chega a Eleni Foureira e pronto, arrasou também e mais uma vez a arena foi abaixo com tanto apoio. A Itália fechou esta Eurovisão da melhor forma possível, eles estiveram muito bem. O interval act foi ok, confesso que esperava um pouco mais. O da Ucrânia foi bem melhor. Nota positiva para o Salvador e o Caetano Veloso, que puseram toda a arena a cantar o "Amar pelos Dois". Eis que chega a votação do júri. Ao início, Chipre e Israel começam-se a destacar e começa a haver uma noção que seria algo assim ao longo da noite. Não podíamos estar mais enganados. Áustria, 12 pontos. Áustria, 12 pontos. Áustria, 12 pontos. As pessoas aplaudiam, mas estava tudo com cara de "Isto vai ganhar? ISTO?". As votações do júri foram tão, mas tão estranhas este ano. Já estava a ficar com um melão de todo o tamanho à medida que, nas votações finais, a Suécia começava a receber 12 pontos de vários países (isto acompanhado de festejos dos suecos não muito longe de nós, que já pensavam que iam ter uma 7ª vitória ontem). A Ucrânia foi trucidada pelo júri. Austrália mais uma vez com uma diferença arrasadora entre júri e público. Suécia então, foi incrível como o júri puxou aquilo de forma tão descarada. No final das votações, ninguém fazia a mínima ideia do que se passava e estava tudo com uma autêntica cara de choque, sem saber quem vencia e quem flopava. Recebemos tantos pontos que cada vez que apareciam pontos para Portugal aplaudiamos forte e feio. Chegam os resultados do público. Austrália, Portugal e Espanha flopam para começar. Esperava um pouco mais da Austrália, acho que os europeus só gostaram mesmo da Dami Im e do Guy Sebastian. Não fiquei surpreendido com Portugal estar tão baixo (mas esperava mais tanto do televoto como do júri espanhol e francês), mas esperava mais da Espanha. Tinha dito que este ano era provável vermos aquilo que aconteceu em 2016 com a Polónia, mas ao oposto: júris darem pontuações elevadíssimas a certos países e o televoto a arrasá-las. A Suécia confirmou isso mesmo. Assim que disseram que a Suécia tinha apenas 21 pontos (o pior resultado da Suécia na Eurovisão moderna no televoto, segundo o que já vi no Twitter e o pior resultado da Suécia na generalidade desde 2013) no televoto, a cara dos fãs e da delegação sueca passou literalmente para isto: Enquanto isso, eu festejava que nem um louco como se de uma vitória de Portugal fosse - diga-se que não queria MESMO nada que a Suécia tivesse outro bom resultado. Ouviram-se várias palmas um pouco por toda a arena também, mas creio que ninguém esperava que a Suécia ficasse tão baixo no televoto. Esperava mais da Bulgária, muito mais da França (), um pouco mais da Irlanda também por causa de toda a polémica dos últimos dias. É anunciada a Áustria e surge uma explosão de alegria. Sabia-se agora que seria entre Chipre e Israel, no final de contas. Esperava mais da Estónia - de facto, opera não se dá muito bem com a Eurovisão. Moldávia dentro do esperado, aquilo era material para top10. Tenho pena que a Ucrânia tenha ficado tão mal posicionada por causa do júri, porque pelo televoto ficaria num lugar mais merecido (7º no televoto). Bastante feliz pelo resultado da Alemanha, República Checa a arrasar e a Itália a acabar, surpreendentemente, no top3 do televoto, com mais pontos que o próprio Gabbani no ano passado. Eis que a Catarina entrega um fail imperdoável. "Cyprus is leading the vote" quando a Áustria ainda se mantinha à frente. A arena reagiu de imediato, talvez mais porque pensavam que Chipre tinha ganho no televoto e, dessa forma, ganho a Eurovisão - eu pensei o mesmo, embora assim que a Áustria foi anunciada dizia que Israel ganhava, muito por causa de cada vez que o recap passava, havia mais entusiasmo por Israel que havia até pelo Chipre. Acabou por ser Chipre a ser o próximo a ser anunciado e a arena entra ao rubro com a vitória (merecida) de Israel - quando ela voltou a cantar após lhe entregarem o troféu, já todos estávamos de pé a cantar mais uma vez. Olhando para as semifinais, Polónia a flopar e Rússia um desastre na semifinal 2. Roménia por pouco não passava. Na semifinal 1, tenho pena da Franka, merecia mais. Não esperava o Azerbaijão em 11º, confesso. Em relação ao espetáculo em si, acho que podemos estar orgulhosos. Não foi a melhor Eurovisão de sempre, mas não deixou de ser competente e bem feita, para mim até superior que 2015 e 2017. As quatro apresentadoras foi um número demasiado grande, bastava perfeitamente a Ruah e a Filomena (que arrasou tanto, mas tanto, na Greenroom ao longo destes dias). Os grafismos estavam bons, embora o scoreboard estava praticamente igual ao da Ucrânia que, diga-se, era bastante simplista. Postcards estavam muito bem feitos também, mas tinham demasiada Lisboa. O ESC2015 também foi realizado em Viena e nem 10 postcards tivemos lá. Aqui eram uns a seguir aos outros. Os interval acts foram ok, esperava mais na final e os da semifinais com o Planet Portugal e as apresentadoras a ocupar o resto do tempo podiam dar perfeitamente para uma atuação da Carolina Deslandes ou Luísa Sobral. Valeu pela Filomena a fazer de Loreen... Siga agora para Israel! 🐔
  4. 18 points
  5. 17 points
    Não vou falar da vitória da Netta, pois já mostrei o meu enorme entusiasmo ontem, no entanto vou falar sobre o que foi tudo isto cá em Portugal. A nossa organização está de parabéns. A RTP está de parabéns. A produção esteve fenomenal. Os apresentadores escolhidos para a Blue Carpet, animados, divertidos, as conferências de imprensa muito bem feitas. As nossas apresentadores destacam-se a Daniela e a Filomena que foram a alma do espetáculo! O palco foi um dos melhores da história da Eurovisão. Todas as tecnologias nunca antes usadas, os jogos de luzes, o trabalho de câmaras, a realização, muito, muito bom. Cada país teve o seu momento, todas as performances diferentes e acabou uma única à sua maneira (é certo que algumas delegações podiam ter trabalhado melhor o seu palco). Coisinhas a melhorar para uma próxima: o nosso festival nacional não pode ser tão seletiva nos temas (temos de dar mais liberdade de inscrições), as nossas performances em palco tem de ser mais autêntica, a sala de imprensa tinha de ser mais alargada e, pronto acho que é só. Por fim, dizer que vivi esta aventura tão intensamente que nem da para explicar. Fui aos espetáculos ao vivo, estive nos locais de interesse, e, caramba, foi em Portugal e demos uma lição à Europa de como fazer algo grandioso e ao nível de outros países.
  6. 14 points
    Conta-me Como És - 6,2%/20,8% Alta Definição - 6,3%/21,6% Muito bem mesmo.
  7. 14 points
  8. 14 points
    Eu gosto imenso da música da Netta e foi de longe a melhor performance dela. O público na Altice Arena vibrava com aquilo, não só na atuação em si, mas também durante os recaps que iam passando durante a votação e depois mais tarde durante a votação do júri cada vez que Israel recebia 12 pontos. Ela sempre foi irreverente naquilo que faz, tem um vozeirão e um talento desmedido. Mereceu por completo esta vitória. Acho bastante piada à brigada do "music is feeling". Esquecem-se que as vitórias da Jamala e do Salvador são raridades neste concurso. Eu acho engraçado quando dizem que a Eurovisão perdeu a credibilidade também. Mas vocês vêem isto desde quando? 2017? Já tivemos Lordi, Verkas, velhinhas russas, slavic girls com movimentos praticamente sexuais, gorilas, Ireland Douze Points, entre tantas outras músicas, que dizer que a Eurovisão perdeu a credibilidade porque ganhou uma canção tipicamente eurovisiva é demonstrar a completa ignorância que têm da Eurovisão. Netta não foi puxada pelo júri como o Ingrosso foi (estava a ver que ia ficar com um melão enorme à conta disso ), ganhou no televoto, nas preferências do público. Portanto o problema de quem não gosta é tudo menos um problema da Eurovisão. O que vale é que agora que isto segue para Israel, vamos deixar de ver a ignorância eurovisiva generalizada de pessoas que começaram a ver no ano passado e que acham que agora tudo o que é feelings resulta ("O Jardim vai ficar no top10" ) e que tudo o que é fireworks é uma treta de todo o tamanho. E finalmente vou deixar de ouvir esta frase que já irrita.
  9. 14 points
    De volta da arena, depois de muito berrar cantar de forma perfeitamente afinada. Não vou fazer comentários elaborados agora, mas só para dizer que Israel foi a música mais celebrada entre o público. Notava-se no recap que dançavam e cantavam ainda mais que a do Chipre. Por isso, para todos aqueles que viraram fãs da Eurovisão em 2017 só porque o Salvador ganhou e que agora estão aziados pela vitória da Netta, relembro que Israel sempre foi dos favoritos e é uma música tipicamente eurovisiva. Podem deixar de ser fake fãs agora. Also, sabes que vais ter um péssimo resultado quando ficas feliz por receberes qualquer ponto do júri. Salvador só há um, tive pena e foi injusto, mas não estou surpreendido pelo último lugar. Ah! Soube-me pela vida festejar de pé os 21 pontos que a Suécia ganhou no televoto e ver a cara de azia dos suecos perto de onde estava, que ao longo das votações do júri festejavam como se viesse uma nova vitória a caminho cada vez que tinham 12 pontos.
  10. 13 points
    Se o Festival da Eurovisão de 2018 foi tão mágico como eu esperava que fosse? Talvez não tanto. Se acho que havia canções que mereciam mais a vitória do que Israel? Acho. Se estou triste com o último lugar de Portugal? Claro que estou. Mas numa altura onde é fácil reclamar, apontar dedos e dar uma de "Eu bem disse", prefiro não demorar muito no negativo (sem obviamente fazer de conta que não existiu) e realçar o positivo. Porque para mim o balanço continua a ser inequivocamente positivo. Para quem como eu é fã da Eurovisão desde muito tenra idade e julgava que mais depressa o inferno iria congelar do que Portugal ganhar o evento um dia e organizá-lo no ano seguinte, estes dias foram o concretizar de um sonho, cheios de momentos felizes. Entrar no Altice e ver o palco. Ouvir as músicas nos ensaios das semifinais e vibrar como se fossem mesmo os espectáculos em directos. Ouvir as habituais frases de ordem como "Welcome to the Eurovision Song Contest" ou "Europe, start voting now" ditas por quatro caras conhecidas de televisão portuguesa. Ver pessoas que vieram a Lisboa de todo o mundo (tantos australianos!) e as bandeiras dos diferentes países. Assistir às semifinais e finais no Terreiro do Paço onde toda a gente ia cantando as diferentes canções e dançando como um só ao som delas. Ver tanta gente a cantar e a dançar ao som da canção vencedora enquanto o fogo de artifício rasgava o céu sobre o Tejo. Registar a alegria genuína dos cantores, jornalistas e turistas estrangeiros em estar cá em Portugal e denotar que na sua estadia sentiram algo que dificilmente outra parte do mundo será capaz de reproduzir integralmente. É sobretudo tudo o que foi bom que que eu irei guardar e o que foi menos bom empalidece na comparação. E sinto-me feliz por ter vivido tudo isso.
  11. 13 points
    Parece ter subido em relação à final do ano passado.
  12. 12 points
    Vitória merecida. Música muito boa e performance excelente, mais nada a acrescentar. E ainda soube melhor porque foi o Salvador a entregar-lhe o troféu. Adorei. Vem, @Ana Maria Peres. Este momento é nosso. A desvalorização da música israelita e das suas hipóteses de vitória chegaram a rondar o surreal aqui no tópico e fico feliz que tenha ganhado não só porque era das minhas favoritas mas também para calar muita gente. Chipre também esteve muito bem, quer a nível da performance quer das votações. Mais ou menos dentro daquilo que eu esperava e foi merecido. Já deu para pisar bem na Grécia por ter recusado ser representada pela Eleni. Quanto a Portugal, não estou minimamente surpreendido. A música é bonita, sim, mas a maior parte das pessoas que vê a Eurovisão nem conhece as músicas antes de as ver no ecrã e a música portuguesa pouca marca deixa, especialmente dentro de um conjunto de músicas tão grande em que se passa rapidamente para a seguinte. E Portugal ter atuado cedo também não ajudou. O bottom 3 era previsível, ainda que achasse que ela ia ficar um pouco acima a rondar o 20º lugar. Mas agora vamos lá ver quantos portugueses e foristas é que se lembram para o ano que a Eurovisão ainda existe. A nossa Bulgária, @Duarte. Convenci-me a mim mesmo que não ia ser uma Skeletons da vida e acabar em 14º e... Foi uma Skeletons da vida e acabou em 14º. Uma música tão impactante, tão bem produzida, vozes no ponto e performance também ela marcante e acaba num mísero 14º abaixo de coisas como a Albânia e a Dinamarca. ESTE NÃO É O MEU MUNDO. Minha França também. Merecia bem mais do que um 13º, mas também já me estava a conformar que o top 10 não vinha porque o público ia estragar tudo como quase sempre faz. Lituânia merecia o top 10 e Ucrânia, Espanha e Portugal também mereciam melhor mas é vida que segue. As grandes surpresas para mim foram o grande arraso da Áustria no júri - sabia que ia sair-se bem mas nunca pensei que chegasse a este ponto e que acabasse mesmo por ganhar essa parte das votações -, a Dinamarca no top5 do televoto - nunca pensei e não concordo nada - e Itália no top 3 do televoto com apenas 4 pontos de diferença para o Chipre - nunca sequer me passou pela cabeça que tal pudesse acontecer. Quanta azia, credo. Música há para todos os gostos. Só tem que se respeitar que há quem goste mais de x música e outros tantos que não tenham sido tocados por y música em vez de vir para tópicos na internet diminuir os feitos de músicas e atacar a credibilidade de concursos. O Jardim não foi a primeira nem será a última música a ser injustiçada na Eurovisão, é escusado tanto exagero.
  13. 12 points
    Tão bom saber que depois de um ano em que a Eurovisão foi importante por cá vai voltar a ser um programa irrelevante. Ahhh como é bom reavivar tradições.
  14. 11 points
    Eu sou apologista do cada um faz o que quer, se um autor não quer incluir está no seu direito. Apenas não se devem justificar com o "não dá". Porque qualquer história pode ter inclusão de qualquer grupo. Esse protagonista, se for negro, muda alguma coisa? E se o vilão for budista, o que muda? O plot da adopção em vez de ir para a mãe, e se fosse para avó, quais os entraves que ela encontra? E se o racista for asiático em vez de branco? E se o preconceituoso da trama for gay e religioso, quais são os estigmas dentro da própria comunidade? Há sempre forma de inclusão, é preciso é ter vontade, e criar plots diferentes do habitual. E faço distinção entre diversidade e inclusão, diversidade é um número, quantas minorias tens? Inclusão é realmente envolvê-las na trama e no plot de forma a que a sua participação adicione algo à novela, e não sejam apenas um adereço. Eu gosto quando as coisas são bem feitas, para serem mal feitas prefiro não tê-las. Por isso criticio os sotaques quando são mal feitos e digo que preferia que não tivessem sotaque algum do que um mal executado. As coisas têm de ser minimamente realistas, por isso é que gosto quando séries e filmes vão para outro país e realmente existe uma barreira linguistica, quando de repente todos os figurantes que têm falas sabem falar inglês, tira-me completamente da cena. Não é algo que me faça não gostar duma série, filme, novela, whatever, mas é um detalhe que poderia ser melhorado sem dúvida.
  15. 11 points
    Na minha opinião, ou incluimos com dignidade e valor, ou então nem vale a pena incluir. Prefiro isso do que uma inclusão forçada que cai no ridiculo ou no banal. Não sei se ela não gosta ou não sabe escrever para séniores, mas acho que neste tipo de ocasiões o melhor para ela, seria ter ficado pelo "não há espaço na trama". Por muito que possa doer, porque há sempre forma de incluir inteligentemente qualquer grupo, é preferivel dizer isso a ter uma postura defensiva e com base em fontes duvidosas.
  16. 11 points
    Tendo estado na arena e vendo agora os vídeos no YouTube fico fascinada como o som do público a cantar na arena não se ouve quase nada! Se vocês estivessem lá durante a performance de Israel iriam ver como estava TODA a gente a cantar com a Netta! Até nas bancadas estávamos em pé e aos saltos! Naquele momento senti-me parte de uma irmandade! Foi incrível. A performance de Chipre também teve uma reacção semelhante por parte do público na arena. Era uma questão de ver como o júri ia votar. Tive logo a impressão de que o top 2 do televoto seriam estas duas, mas nunca pensei que o júri desse tantos pontos à música israelita. Aliás, os pontos do júri este ano foram uma coisa estranhíssima. Eu estava ao pé de dois ingleses e estávamos chocados com as votações demasiado imprevisíveis e maioritariamente a favor da Suécia. A nossa reacção quando a Suécia só conseguiu 21 pontos do televoto foi um misto de "Woooow" de choque com um riso de um certo regozijo. Algo assim: Diria que além do reacção à música vencedora, este momento da revelação do televoto da Suécia foi o meu preferido nas votações. Mas pronto, quanto à reacção à música vencedora: estão a ver quando estão a ver um jogo de futebol e a vossa equipa marca golo? Foi assim que a arena reagiu quando a música de Chipre foi anunciada como segundo lugar (e consequentemente Israel em primeiro): Estar lá na arena é uma sensação espectacular! A minha preferida ainda é Chipre, mas com aquela euforia toda nem sequer consegui ficar minimamente triste ou chateada. Aquele momento que a música israelita me proporcionou foi provavelmente dos mais felizes da minha vida. Ver o ESC ao vivo é definitivamente uma experiência que quero repetir!
  17. 10 points
    Sim ficámos em último lugar, mas vendo o copo meio cheio tivemos a votação mais alta do último lugar dos últimos dez anos (possivelmente mais, mas não me dei ao trabalho de procurar mais). 2018 - 39 2017 - 5 2016 - 11 2015 - 0 2014 - 2 2013 - 5 2012 - 7 2011 - 19 2010 - 10 2009 - 22 2008 - 14
  18. 10 points
    Morreu para ti, apenas , a música pode ser folclórica mas a verdade é que conquistou a Europa por completo ainda não percebeste isso? A Eurovisão é isto diversidade musical a todos os níveis, aceita isso.
  19. 10 points
    Para o ano mandamos um coro a imitar a quinta toda.
  20. 10 points
  21. 9 points
    Podem chamar a senhora para o desafio final? Agradecido.
  22. 9 points
    Só me lembro quando alguém gritou: Manipulação! E a TG: Não seja idiota!
  23. 9 points
    O Igit (da final nacional francesa) tinha profetizado!
  24. 9 points
    Nada a ver com questões geográficas, mas acredito seriamente que a Moldávia devia ganhar um prémio de originalidade por causa desta coreografia...
  25. 9 points
    Eurovision Asia? É tipo a SIC quando dá o Queridas Manhãs à tarde.
  26. 9 points
  27. 9 points
    Então ele queria que o júri desse 12 pontos a um país só pela nacionalidade dos backup vocals?? Ele está bem?? O júri foi introduzido para dar mais imparcialidade às votações. Quanto a mim, não dá, mas era esse o seu objetivo e ele tem uma enorme lata por estar publicamente a tentar manipular o júri português. Ele está a reclamar com a falta de "patriotismo" do jurados, mas se ele próprio fosse tão patriótico não estaria a cantar por outro país na Eurovisão.
  28. 9 points
    Portuguesas e portugueses, foi um orgulho fazer parte desta final icónica. A final mais inesperada de sempre deste pequeno concurso. Portugal did THAT Do 1º para o último. Resultado de pura m@rda. Resta esperar por Popota para 2019 com a primeira performance holográfica! relembrem-se: EUROVISÃO NÃO É ARTISTA
  29. 8 points
  30. 8 points
  31. 8 points
    No ano em que temos a Eurovisão em Portugal, dói sempre mais ver Portugal em último. Fomos um bocado injustiçados, fomos, mas também a delegação portuguesa não se esforçou muito ao nível do palco. Estando a cantar na nossa língua, deviam ter-se esforçado por passar a mensagem, o tema doutras formas, e o cenário era importante. Para quem percebe português tudo bem, mas isto não era o Festival RTP da Canção. Era preciso mais, e quem não entende português não deve ter entendido nada da música, não reteve nada, apesar da excelente prestação da Cláudia. É pena, porque a música é bonita e a intérprete (esquecendo a Isaura que foi só destoar) esteve muito bem.
  32. 8 points
    Eu quero, porquê há problema? Pelo menos o fogo de artificio para o ano está garantido, vão ser as bombas vindas do Iraque.
  33. 8 points
    Marcelo a cortar relações com Espanha depois dos 0 pontos.
  34. 8 points
    Parabéns Portugal, sinto um orgulho gigante pelo nosso país, excelente organização, excelentes espetáculos, um ano que passou a correr mas que foi tão bom de saborear cada momento, isto passou demasiado depressa mas foi muito bom parabéns RTP.
  35. 7 points
    Ate no último lugar somos bons! 😂
  36. 7 points
    Jerusalém foi onde andou Jesus Cristo, normal acontecer destas coisas. Sim.
  37. 7 points
    Para mim das melhores actuações que já assisti de sempre.
  38. 7 points
    A Fátima hoje faz anos. E a idade só lhe tem feito bem, cada vez mais liberta. Sempre a espalhar sesuality. Que tenha um dia em grande junto das suas muchachas (e longe de carecas malvados )!
  39. 7 points
  40. 7 points
    Este César é tão ridículo, só quer é ser falado
  41. 7 points
  42. 7 points
    Morto que afinal o truque para ganhar a Eurovisão não é ter vizinhos mas sim ter o máximo possível de estrangeiros no nosso coro para os júris desses países votarem em nós
  43. 7 points
    Cheguei há pouco a casa e ainda não acredito que houve uma edição do ESC em Portugal. É surreal! Quando o Salvador ganhou em Kiev, nunca pensei ir assistir à final em Lisboa. Gostei imenso das atuações ao vivo da Noruega, Portugal, Austria, Moldávia, Irlanda e Estónia (não adoro a música, mas do balcão onde eu estava dava para ver todo o vestido). Na minha opinião houve boas atuações e palcos que pareciam muito vazios, mas muitas delas ganham muito mais vida em televisão como a da Suécia e Chipre. A quantidade de câmeras faz toda a diferença e torna o espetáculo um luxo! Não gostei muito da atuação da Austrália, mas gostei da música. Talvez com outro palco, sem aquela estrutura e utilizando mais as luzes de fundo se safariam melhor. A organização do espetáculo é incrível e acontece tudo tão rápido, sendo que a parte que mais me fascinou foram as trocas de palcos. Tenho de destacar as músicas da Alemanha e do Reino Unido, surpreenderam-me ao vivo. E por falar em Reino Unido, fiquei cheio de pena da SuRie... Foi muito desagradável e ela soube manter a postura muito bem. Mereceu cada aplauso que recebeu depois. Em relação à vencedora, eu não tenho muito a dizer. A música fica na cabeça e as reações na Arena eram sempre de muito festivas. O mesmo acontecia com a música do Chipre e acho que até ser anunciado o segundo lugar houve muitas dúvidas. Não percebi uma coisa durante a distribuição dos votos: porque é que houve países a serem vaiados quando anunciavam os seus votos? Em suma, foi um espetáculo incrível - com muito do #AllAboard a acontecer e canções diferentes das outras - e acho que a RTP está de parabéns por toda a organização. Tenho de parabenizar a Netta mas gostava de ter visto a Irlanda, Alemanha, Noruega, ou até mesmo o Chipre a ganhar. Não sabia, mas quando fui ver quantas vezes Israel havia ganho notei um padrão (1978, 1979, 1998, 2018). Sei que falta um ano, mas estou curioso com o Festival da Canção 2019 e com a música que Portugal levará a Israel. Será em inglês?
  44. 7 points
    Pessoal entendam que as pessoas têm gostos diferentes. Já vi muitos comentários a detestar Israel, e também vi igualmente muitos comentários a dizer que foi uma vitória muito melhor que a música do ano passado (leia-se Salvador).
  45. 6 points
    PROGRAMAÇÃO ATVDIRECT HOJE Boa nooooite, trago-vos agora a programação para esta noite deste que é o canal de eleição dos portugueses, o aTV Direct. Ora vejam: 21h15 - Clube do Livro aTV - o book da semana 22h - The Bachelor - Estreia ®️ 23h30 - Destaques Gala The Prison 23h35 - Momento Estranho by ATVQGSGWT 0h - Onde Está @SIM? (um thriller que relata o desaparecimento de SIM, o seu rapto pelo @ e a sua fuga da cave) 1h30 - @Tiago João no Mundo das osas ⭕ 2h30 - The Prison - Gala 4h - The Prison - Pós-gala com @IsabelRuvino Parece que a direção do aTV resolveu atrasar ainda mais a gala do The Prison e agora começa já fora d'horas. Para tapar o buraco, o horário nobre será preenchido pelo clube do book atv, um verdadeiro sucesso. Também o The Bachelor está de volta, depois de ter sido cancelado, eis que aparece um flop maior que obriga a ressuscitar o formato de @Angel Ft - Rapaz
  46. 6 points
    Bom, tendo em conta as circunstâncias, acabar em último lugar, ser o host e ainda ter 39 pontos... não é tão mau assim As audiências foram muuuuuuuito boas, estou chocado! A votação também ajudou, cheia de plot-twists. Final icónica faz assim mesmo.
  47. 6 points
    Mas se a autora não sente que a história precisa de personagens nessa faixa etária, vai escrever só porque sim? Fonix.
  48. 6 points
  49. 6 points
    E, pronto, assim o Salvador já foi perdoado. Imensa gente, pelo que vejo, está a criticar a vitória e dizem o quão triste é a diferença entre o vencedor do ano passado e o de este ano.
  50. 6 points
This leaderboard is set to Lisbon/GMT+01:00
×
×
  • Create New...