João_O

Sociedade

798 posts neste tópico

há 19 minutos, Forbidden disse:

Muito fácil de explicar: Eu sou o pai/mãe, este é meu namorado/a (o que for). Pra mim é simples, não acho que seja algo complicado sinceramente. Um é o pai/mãe, o outro é o companheiro/ do pai/mãe. Espero ter-me feito entender.

teoricamente parece simples, mas na prática já não me parece tão linear, dando um exemplo em há 1 casal e uma criança a viverem juntos, neste caso um dos elementos do casal não tem qualquer afecto pela criança? é só o(a) filho(a) do outro(a)? para mim é estranho e nada simples.
se não viverem juntos, ainda entendo, agora tudo debaixo do mesmo tecto? ou querem os 2 ter filhos ou então acho que fica difícil manter a relação.

*não estou a falar de casos em que já haja filhos de relacionamentos anteriores, aí as coisas podem ser diferentes claro

http://activa.sapo.pt/estilo-de-vida/2016-07-21-Gestacao-de-substituicao--barriga-de-aluguer--ja-e-legal-em-Portugal-saiba-as-condicoes-1

Editado por joanna
herportrait e Ambrósio gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 14 minutos, himym disse:

 a minha questão é mesmo se ambos querendo ter filhos, um deles decidisse que os queria ter por outros meios (afinal foi por esta questão que a discussão começou)... isto como disse na maior parte dos casos acho que significava o fim da relação.

Sim, penso que sim, que seria o fim para a maioria das relações nesse caso (mas no caso do Ronaldo, que foi de onde esta questão veio, nós não sabemos se a namorada dele quer ser mãe, e nem sabemos se é uma relação séria).

Mas aí irias ter de pesar o que seria mais importante para ti: a relação ou a paternidade. E na questão da paternidade os homens tem muito mais a perder que as mulheres, que ficam na maioria dos casos com a guarda dos filhos em casos de separação conjugal. Isto é um ponto que deve ser levado em consideração para quem quer ser pai acho eu, embora eu raramente veja este ponto a ser discutido.

Editado por Forbidden
himym gosta disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Ontem o ATES teve um tema dedicado a suicídio de um filho, um rapaz de 21 anos, ligou aos pais a dizer que se ia suicidar-se,  momentos antes de se atirar para a linha do comboio. 

Eu vi um estudo que afirma que a minha geração,  os Millenials tem a maior taxa de suicídios, e acho isso bastante preocupante. Não é só a vida do filho que acaba nesse momento. Há qualquer coisa de errado com o mundo. 

Eu próprio já pensei imensas vezes em suicidar-me, mas acho que nunca iria ter essa coragem de acabar com a própria vida, não é que valorize muito a à vida, mas penso imenso na minha mãe que não ia merecer um desastre desses na vida dela.

O que é que acham desta epidemia de suicídios que se tem vindo a verificar na atualidade? 

Editado por João F.
HugoMiguel, JoanaSantos, SIM e 1 outro gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Lá está. A nossa sociedade vive cada vez mais num pré conceito de que devemos ter filhos, um bom emprego, uma casa e um carro e não olhamos para os outros. Todos os dias levantamo-nos, vamos para o trabalho/escola, voltamos a casa, deitamos a cabeça na almofada sem gastar um minuto que seja a pensar nos outros. Nós até podemos ficar com pena daquela criança subnutrida da televisão, daquele mendigo da rua ao lado ou da vizinha que se tentou matar, mas se não agirmos nada vai ser mudado. A isto muito se deve as tecnologias que cada vez mais nos distanciam dos outros.

ManuelM e Ambrósio gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Em relação aos filhos e adopção, o debate do outro dia fez-me lembrar OUAT, e um discurso da Regina do primeiro ep da série, em que ela defende a sua posição de mãe, e eu acho que ela tem toda a razão.

Regina: Miss Swan, you made a decision ten years ago. And in the last decade, while you’ve been… Well, who knows what you’ve been doing. I’ve changed every diaper. Soothed every fever. Endured every tantrum. You may have given birth to him, but he is my son.

Emma: I was not…

Regina: No! You don’t get to speak. You don’t get to do anything. You gave up that right when you tossed him away. Do you know what a closed adoption is? It’s what you asked for. You have no legal right to Henry and you’re going to be held to that. So, I suggest you get in your car, and you leave this town. Because if you don’t, I will destroy you if it is the last thing I do. Goodbye, Miss Swan.

--

Claro que a mãe adoptiva é a vilã na série (ou era), assim como as madrastas sempre o são nas nossas novelas :rolleyes:

A questão pra mim é que não é o facto de dar a luz que faz de uma mulher uma mãe, mas sim o educar, cuidar, amar a criança. E se uma mulher deu o filho pra adopção de livre vontade, deixou de ser mãe, foi uma decisão que fez, independentemente dos motivos que teve.

 

Editado por Forbidden
Angel-O, srcbica e Ambrósio gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 21 horas, Forbidden disse:

Em relação aos filhos e adopção, o debate do outro dia fez-me lembrar OUAT, e um discurso da Regina do primeiro ep da série, em que ela defende a sua posição de mãe, e eu acho que ela tem toda a razão.

Regina: Miss Swan, you made a decision ten years ago. And in the last decade, while you’ve been… Well, who knows what you’ve been doing. I’ve changed every diaper. Soothed every fever. Endured every tantrum. You may have given birth to him, but he is my son.

Emma: I was not…

Regina: No! You don’t get to speak. You don’t get to do anything. You gave up that right when you tossed him away. Do you know what a closed adoption is? It’s what you asked for. You have no legal right to Henry and you’re going to be held to that. So, I suggest you get in your car, and you leave this town. Because if you don’t, I will destroy you if it is the last thing I do. Goodbye, Miss Swan.

--

Claro que a mãe adoptiva é a vilã na série (ou era), assim como as madrastas sempre o são nas nossas novelas :rolleyes:

A questão pra mim é que não é o facto de dar a luz que faz de uma mulher uma mãe, mas sim o educar, cuidar, amar a criança. E se uma mulher deu o filho pra adopção de livre vontade, deixou de ser mãe, foi uma decisão que fez, independentemente dos motivos que teve.

 

O mesmo aconteceu em Ouro Verde. A Vera (Ana Sofia) deu o filho para adoção porque não queria perder a oportunidade de trabalhar num restaurante em Paris. Agora que já está estabilizada na vida pensa que tem o direito de o ir buscar. Como é óbvio, a senhora do orfanato recusou-se a dizer o que é feito dele (neste caso mais valia dizer, pois a mãe adotiva teve que abandonar o filho num hospital). Bem, ela não tem qualquer direito sobre o filho e não pode esperar que lhe entreguem a criança agora que ela a quer. As crianças não são objetos.

Forbidden, Ambrósio e srcbica gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 4 minutos, SIM disse:

O mesmo aconteceu em Ouro Verde. A Vera (Ana Sofia) deu o filho para adoção porque não queria perder a oportunidade de trabalhar num restaurante em Paris. Agora que já está estabilizada na vida pensa que tem o direito de o ir buscar. Como é óbvio, a senhora do orfanato recusou-se a dizer o que é feito dele (neste caso mais valia dizer, pois a mãe adotiva teve que abandonar o filho num hospital). Bem, ela não tem qualquer direito sobre o filho e não pode esperar que lhe entreguem a criança agora que ela a quer. As crianças não são objetos.

Exactamente. Mas na nossa sociedade existe a ideia enraizada que a mãe biológica tem sempre direitos, mesmo que tenha abandonado o filho, é ela a "verdadeira" mãe e não quem cuidou, educou e amou a criança durante anos. Espero que na novela desenvolvam essa história direito. Eu não vejo, mas por uma questão de mudar mentalidades. Se abandonou o filho não pode voltar passados anos e esperar ter direitos sobre o filho que abandonou.

Ambrósio, SIM e srcbica gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 7 minutos, Forbidden disse:

Exactamente. Mas na nossa sociedade existe a ideia enraizada que a mãe biológica tem sempre direitos, mesmo que tenha abandonado o filho, é ela a "verdadeira" mãe e não quem cuidou, educou e amou a criança durante anos. Espero que na novela desenvolvam essa história direito. Eu não vejo, mas por uma questão de mudar mentalidades. Se abandonou o filho não pode voltar passados anos e esperar ter direitos sobre o filho que abandonou.

Até agora estão a desenvolver bem. 

Como diria a minha avó "Quem dá pão, dá criação".

Forbidden, srcbica e Ambrósio gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 23 horas, Duarte com D disse:

Mas em Portugal ainda há um retrocesso nesse aspeto.

Em que aspecto é que não se ser adepto do nudismo é um retrocesso? :huh:

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 24 minutos, Jenny disse:

Em que aspecto é que não se ser adepto do nudismo é um retrocesso? :huh:

Ali está a dizer que o nu banalizou-se para vender e não sei que mais, aqui em Portugal nesse aspeto não acho que haja muito nu para vender, dou-te o exemplo da ficção há lá fora (seja nos EUA ou Brasil) series e novelas com muito nudismo, e aqui em Portugal não tens, ainda não temos o nu e o sexo banalizado, ainda é uma coisa polemica.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 3 minutos, Duarte com D disse:

Ali está a dizer que o nu banalizou-se para vender e não sei que mais, aqui em Portugal nesse aspeto não acho que haja muito nu para vender, dou-te o exemplo da ficção há lá fora (seja nos EUA ou Brasil) series e novelas com muito nudismo, e aqui em Portugal não tens, ainda não temos o nu e o sexo banalizado, ainda é uma coisa polemica.

Sim, eu li o artigo e percebi (a questão da venda de revistas de nu e de aparecer nu nas redes sociais), mas não sei se a palavra "retrocesso" é a mais aplicável para descrever uma sociedade em que o nu (ainda) não tenha tanto destaque. Simplesmente é outra cultura. Quando se diz "retrocesso" parece necessariamente que Portugal é uma sociedade ultra conservadora e que tem de passar pelo processo de aprovação do nu para se tornar numa sociedade mais livre. E não acho que Portugal deva alguma coisa ao Brasil no aspecto do nudismo. Aqui uma mulher pode fazer topless numa praia da Costa da Caparica (numa praia que não é de nudistas) e no Brasil uma mulher pode ir pelo menos parar à esquadra por causa disso. Não é o facto de se escolher não fazer nudismo ou posar nua (num país em que isso não é ilegal) que faz que se esteja numa sociedade menos livre.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

https://www.publico.pt/2017/03/24/sociedade/noticia/esta-a-chegar-a-hora-de-avancar-os-relogios-1766461

Não se esqueçam que este fim-de-semana muda a hora. Quando for 1 da manhã teremos de adiantar os relógios uma hora, ou seja, passarão a ser 2 da manhã.

Esta mudança não calha nada bem neste fim-de-semana... tenho tanto para estudar em tão pouco tempo e ainda "roubam" uma hora :mosking:

 

srcbica e João F. gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 34 minutos, Ambrósio disse:

https://www.publico.pt/2017/03/24/sociedade/noticia/esta-a-chegar-a-hora-de-avancar-os-relogios-1766461

Não se esqueçam que este fim-de-semana muda a hora. Quando for 1 da manhã teremos de adiantar os relógios uma hora, ou seja, passarão a ser 2 da manhã.

Esta mudança não calha nada bem neste fim-de-semana... tenho tanto para estudar em tão pouco tempo e ainda "roubam" uma hora :mosking:

 

#fazdirecta :haha::haha::haha:

Tb odeio a mudança da hora. 

Ambrósio gosta disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
há 8 horas, João F. disse:

#fazdirecta :haha::haha::haha:

Tb odeio a mudança da hora. 

Ah isso não dá bom resultado, já fiz (n chegou bem a ser directa) e depois andei tão cansado que não correu bem. Vou tentar aproveitar bem o pouco tempo, é melhor...

E além de que a hora natural é a de inverno, não a de verão.

João F. e Angel-O gostam disto!

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!


Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!


Entrar agora